Amor e fúria por C Rocha


[Comentários - 8]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

 

 

Terceiro Capítulo

ENTENDIMENTO

A cor dos olhos eram violetas. Na noite anterior, a ruiva pensou que talvez fosse lentes de contato. Mas agora ali, olhando direto naqueles olhos, ela tinha certeza que era a cor natural deles. Eles eram lindos e fascinantes, e Jéssica podia jurar que em toda a sua vida, nunca viu nada parecido. Os olhos dessa cor, são raríssimos!

— Alguma coisa, de errado comigo? — Foi a pergunta sincera da morena, ao ser encarada daquela maneira pela ruiva.

— Não, nada de errado! — Jéssica queria pedir desculpas por tê-la olhado daquela forma, mas ela imaginava que outras pessoas já teriam feito a mesma coisa. — E onde você ficava aqui no litoral, antes de locar o meu apartamento?

— No mesmo hotel, que eu fui hoje...

— Hotel do Alemão...

— Sim. Mas, ele cobrava caro para me deixar reservado um quarto todos os finais de semana. Foi por isso, que aceitei a oferta do Joe.

— E veja só, no que ele te meteu! — A ruiva comentou com ironia.

— Não entendi! — De fato, a morena estava perdida.

— O seu novo amigo, deixou você morar num lugar que não pertencia a ele. Ele não tinha a minha permissão para alugar o meu apartamento. Aliás, se quer um conselho, afaste-se desse cara! Ele não presta! Além de ser muito perigoso!

— Como você pode falar assim, do seu próprio irmão?! — Havia indignação no olhar violeta da morena, que brilhavam intensos.

— Você sabia que eu poderia ter chamado a polícia, na noite passada? — Jéssica ignorou a morena.

— Por que você faria isso?! — Ela perguntou alarmada.

— Você é ingênua assim mesmo, ou está se fazendo? — A ruiva perguntou irônica. — Não ouviu quando eu falei, que não autorizei que ele alugasse o meu apartamento?

— Sim! Essa parte, eu entendi muito bem!

— Mas, não parece que tenha entendido! Outra pessoa no meu lugar, teria chamado a polícia, porque o seu apartamento estava sendo invadido. Enfim... — Falou cansada. — Sou uma mulher que prefere morar sozinha! Não gosto de pessoas estranhas, circulando à vontade no meu apartamento.

— Você quer, que eu vá embora. — Arrogante, Jéssica apenas levantou a sobrancelha. Parte dela queria, mas... estava pensando no dinheiro que ganharia. Precisava pagar algumas contas atrasadas. Ela havia hesitado por um breve momento, mas finalmente cedeu...

— Se você quiser, pode continuar a passar os seus dias de folga, aqui no meu apartamento. Você só precisa continuar pagando o que já pagava para o Joe. Mas... não quero mais ninguém aqui com você. O que você acha dessa proposta?

...

 

Semanas depois...

 

— Bom dia, Jéssica. — A morena falou sorrindo.

— Bom dia, Evelyn. — A ruiva sorriu de volta.

— O dia amanheceu lindo! Acho que vou tomar um sol na beira da piscina.

— Eu já te falei a respeito do cara que mora no prédio, e fica filmando e fotografando as mulheres na piscina? — Comentou sem olhar pra ela. A ruiva estava examinando algumas contas atrasadas.

— Acho que não. E, porque ele faz isso? — Evelyn perguntou inocente.

— Porque, ele é um... pervertido!? — Jéssica ironizou e depois olhou para a morena.

— Entendi. — Falou sem graça. Às vezes, ela achava que a morena era um pouco dissimulada. Ela não podia, ser tão ingênua assim...

— Você já conheceu a Praia de Fora? — A ruiva perguntou.

— Ainda não fui lá. Mas, já ouvi falar dela. — Evelyn respondeu interessada.

— Ela fica ao sul da cidade. E se você quiser, podemos ir mais tarde para curtir a praia.

— Eu topo! — A morena respondeu animada.

—Tá combinado. — Jéssica confirmou com um sorriso. Em pouco tempo, elas haviam se tornado amigas inseparáveis nos finais de semanas. Evelyn percebeu que a irmã de Joe, era uma pessoa completamente diferente dele. Ainda existia animosidade entre os dois, mas ela preferia não se meter naquela história.

Mas se a morena um dia tivesse que escolher do lado de quem ela precisaria ficar, o Joe iria perder. A ruiva se mostrou uma pessoa maravilhosa de se conviver. Ela era uma pessoa tranquila, e muito companheira.

...

 

Na Praia de Fora...

 

— Nossa, que vista maravilhosa!

— Essa é a praia mais linda, e limpa da cidade. — A morena olhou para a ruiva e pela primeira vez, ela admirava a sua boca com vontade de sentir o sabor dos seus lábios.

Ruborizada, Evelyn tirou a camiseta e o short e ficou só de biquíni, porque precisava se distrair tomando um banho de mar. Como o dia estava quente, Jéssica tirou a camiseta e caminhou com a morena para mergulhar na água.

Durante um bom tempo as duas ficaram nadando, até que Jéssica que estava sentindo o calor do sol castigar um pouco a sua pele, resolveu sair do mar e ir sentar em cima da toalha que estendeu na areia, para passar protetor solar.

Triste, a ruiva ficou olhando para a ilha onde o seu pai havia morrido. Ela ficava a cerca de sete quilômetros da Praia de Fora e dava para vê-la no final do horizonte. Após o trágico acidente com o seu pai, ela nunca mais havia pisado naquela ilha.

A sua atenção foi desviada para a morena que saia da água do mar e estava caminhando para perto dela. Jéssica observou o corpo molhado e sentiu vontade de saber mais sobre ela.

— Me fala um pouco sobre você. Só o que quiser contar. — Pediu curiosa, enquanto Evelyn se sentava ao seu lado.

— Não tenho muito para falar sobre mim. A minha infância e adolescência foram normais, cursei o nível superior na universidade que ficava na cidade onde eu morava... e por causa da minha dedicação aos meus estudos, eu não tive muito tempo para me divertir e namorar. E agora estou aqui, trabalhando como cientista pesquisadora na BIO-LAB na Ilha Rochosa. — Falou tranquila.

— Pesquisas sobre o genoma humano...

— Sim. — A morena havia respondido encantada por ela lembrar. — Basicamente, eu estudo o conjunto de todos os diferentes genes que se encontram em cada núcleo de uma determinada espécie. — Ela estudava o código genético, que possuía toda a informação hereditária de um ser, codificada no DNA e fazia o mapeamento dos genes existentes no DNA das células do corpo humano.

O genoma trazia codificado no DNA dos seus quarenta e seis cromossomos as instruções que irão afetar não apenas sua estrutura, seu tamanho, sua cor e outros atributos físicos, como também a sua inteligência, a sua suscetibilidade a doenças, o seu tempo de vida e até alguns aspectos de seu comportamento. Um projeto com tamanha dimensão e importância, precisou de grandes investimentos econômicos.

Basicamente!? — A ruiva sorriu debochada.

Como a morena não podia expor mais detalhes sobre o que realmente pesquisava no laboratório, (porque todas as pesquisas desenvolvidas na BIO-LAB, eram secretas) ela conseguiu mudar de assunto, pedindo:

— Você pode passar protetor nas minhas costas? Eu não alcanço. — A ruiva se pôs de joelho atrás da morena e começou a passar o protetor nas costas dela. Havia alguma coisa nela, que a deixava desconcertada. Já Evelyn, sentia o calor aumentar com o toque da ruiva em sua pele. Aquele simples contato, a estava deixando nervosa. (excitada)

— Eu odeio essa Ilha. — Jéssica comentou, tentando se distrair.

— Por quê? — Evelyn perguntou curiosa.

— Porque o meu pai, morreu lá. — A ruiva falou triste.

— Seu pai? De que forma... — A morena ficou um pouco tensa e apreensiva com aquela informação. — Como aconteceu?

— Eu não sei. — Jéssica respondeu pensativa. — Só me lembro, do olhar vazio da minha mãe, quando havia recebido a notícia. Até hoje, eu não sei direito o que aconteceu com ele naquele maldito lugar. Só sei que ele foi fazer um trabalho lá, e voltou para casa dentro de um caixão fechado. Essa foi a parte mais triste, não poder ver o meu pai pela última vez, antes de ser enterrado. Pra mim, é como se ele ainda estivesse vivo e que essa parte da minha vida... ainda não foi totalmente encerrada. 

...

 

A ruiva tinha cerca de um metro e setenta, as suas pernas eram longas e bem delineadas, e as curvas do seu corpo eram bem femininas e sensuais. Os seios eram redondos e firmes, e a sua pele era branquinha. Já a morena era um pouco mais baixinha do que a ruiva, e o seu corpo também era muito atraente. As duas juntas, vestidas de biquini na praia, estavam chamando muita atenção.

Nessa época do ano o tempo já havia começado a esfriar, e as praias não ficavam tão lotadas, ideal para quem gostava de relaxar curtindo a praia com mais tranquilidade. Mas, com praia lotada ou não, sempre tinha um engraçadinho pronto pra dar em cima das mulheres. Enquanto a morena e a ruiva estavam deitadas de costas aproveitando o sol, um cara com uma latinha de cerveja na mão, se aproximou e sentou na areia ao lado delas.

— Oi, tudo bem? Vocês querem uma cervejinha pra refrescar...

— Não está tão quente, assim... — Respondeu Evelyn que se sentou, incomodada com o olhar do cara para cima delas. Jéssica também havia sentado, ao ouvir a voz masculina.

— Você é muito linda, morena! Como eu faço para sair com alguém, como você... — Ele comentou abusado, a olhando com desejo estampado nos olhos negros.

— Você teria que nascer de novo! — Respondeu indignada com a ousadia dele.

— Acho melhor, a gente ir embora! O que você acha...? — Jéssica perguntou para a morena, que respondeu prontamente:

— Concordo com você!

— Pra quê a pressa? Eu não mordo, não...

— Céus! Como você é vulgar! — Explodiu Evelyn. Era muito chato ser abordada por alguém tão idiota, quanto aquele cara.

— E você, ruiva? Não quer ficar mais um pouquinho, tomando uma cervejinha comigo?

— Claro! — Evelyn a olhou chateada, enquanto o cara sorria convencido. — Se for para acabar com essa tua arrogância, te afogando na praia... — A ruiva terminou de falar, e pegou as suas coisas saindo de perto dele, acompanhada por Evelyn.

Elas caminharam em silêncio até chegar perto do carro estacionado a poucos metros de onde estavam deitadas. As duas começaram a se vestir, e sacodiram a areia dos pés, antes de entrar nele. Evelyn sentou no banco de passageiro e colocou o cinto de segurança, enquanto Jéssica sentava no banco do motorista.

— Será que se eu ficar aqui, durante uns dois minutinhos... ele não acaba saindo andando pela rua? — Divagou pensativa, com as mãos segurando firme no volante.

Jéssica!

Eu estou brincando! — Começou a rir. — Eu só queria te distrair...

E conseguiu! — A morena falou séria. — Mas... até que não seria uma má ideia... — Finalizou, começando a rir descontraída, acompanhada pela ruiva.

...

 

Nome: Michelle Silva (Assinado) · Data: 09/12/2021 18:28 · Para: Entendimento

Fala sério sempre tem um idiota que se acha e vem dar logo em cima do meu casal fofucho, ainda bem que elas se afastaram bem a tempo 

Parabéns minha querida adorando a história,

quero spoller do meu casal fofucho, quando que vai rolar um beijinho



Nome: Marta Andrade dos Santos (Assinado) · Data: 27/11/2021 23:17 · Para: Entendimento

Tem gente chata viu.



Resposta do autor:

Espero que vc esteja fando do cara incoveniente na praia kkkk

Mas, de qualquer jeito, obrigada por comentar, Marta. Obrigada, por continuar me acompanhando!

Bjs!

C.ROCHA



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.


Ou comente usando seu Facebook: