Fronteiras por millah


[Comentários - 25]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

 

Seguimos ela ate a sala e Lina estava sendo colocada no sofá aos gritos por duas mulheres da segurança do morro.

--o que aconteceu??—Marga nos ultrapassou e chegou a Lina temendo pelo pior. Era muito sangue.

--eu acabei de ficar boa dessa porra de gripe e já levei um tiro!!—Lina respirava controladamente para impedir a dor, mas pela cara dela isso era uma tarefa quase impossível.

--é a policia. Estão tentando quebrar os portões. —disse uma das mulheres que a trouxera.

--aquela desgraçada atirou em mim!!—reclamou Lina e eu tinha que fazer alguma coisa.

Me aproximei dela e verifiquei em meio todo aquele sangue no ombro dela se a bala tinha deixado seu corpo e nas suas costas o furo confirmava.

--não atingiu nenhum órgão. Você vai ficar bem.—falei tentando acalma-la.

--ela ta lá embaixo com um caveirão tentando derrubar o portão norte.—Lina era puro ódio e Marga rapidamente se contaminou. Só podia ser Alice.

--eu vou matar essa desgraçada!!—Marga gritou furiosa.

--não Marga! Mãe!—pedi para ela a segurar mas os ânimos não estavam dos melhores.

--Marga!deve ta uma confusão do caralho lá embaixo não se atreva..—minha mãe se colocou a frente dela mas Marga estava irredutível.

--é o meu morro!!!e essa vagabunda sujando o meu sofá e atirando na minha melhor amiga??! Ela ta morta!

Marga puxou uma arma do coldre de uma das mulheres que a acompanhava e deixou a casa sendo seguida por elas.

--aquela vadia só errou porque a bala ricocheteou na grade do portão.(rs) foi uma puta sorte!—Lina ria da sua sorte mas cuidar daquele ferimento com ela inquieta só deixava tudo mais difícil.

--não é sorte foi deus! Você acabou de fica boa dessa merda de gripe! Acha que seria fácil assim para você morrer?

Do nada ouvimos uma explosão. Alice estava levando mesmo a sério seu plano de capturar Marga e me deixando desesperada.

--você fica aqui e cuida dela Mari.eu vou atrás da Marga.—minha mãe me deu um toque no ombro enquanto eu cuidava de Lina e isso tirou toda a minha concentração.

--o que sua mãe vai fazer??—Lina perguntou curiosa me deixando em pânico.

--mãe!!!?eu preciso de você aqui!!

Eu nunca tremi tanto na minha vida vendo minha mãe sair daquela casa toda decidida a fazer alguma merda.

Enfaixei Lina com meus olhos naquela merda de porta ouvindo os tiros e explosões e quando terminei e ela enfim depois de duas doses de vodca poder descansar eu sabia que teria que fazer alguma coisa.

--eu tenho que ir lá.—falei e Lina me segurou pelo braço me parando.

--não, Marga falou pra você ficar aqui porra!—disse ela seriamente.

--e deixar ela e minha mãe se foderem la embaixo??!!—me soltei dela e Lina me olhou indignada.

--que merda você pode fazer Mari???fica aqui!

Minhas pernas já não estavam mais me obedecendo e me apressei para sair da mansão com Lina gritando me pedindo para não ir mas eu fui.

Assim que cheguei à rua principal vi as pessoas subindo desesperadas e entrando em suas casas e corri contra o fluxo. Os tiros começaram a ficar mais potentes e a bagunça na entrada norte estava feita. Eu corri para tentar achar minha mãe e só via as mulheres de Marga atirando contra aquele caveirão e aos policiais que tentavam passar dali.

--MÃE!!!—gritei tentando acha-la naquela loucura mas eu não a via em lugar nenhum mas Marga estava lá na frente do portão atirando contra aquele tanque preto, gastando suas balas porque aquela merda era blindada e enorme.

Ela estava furiosa e tinha cerca de mais trinta mulheres muito bem posicionadas na rua escondidas atrás de carros e becos atirando contra eles.

De repente o portão quebrou e o tanque avançou porem Marga atirou e se colocou a frente dele e no meio de tantos tiros eu corri para impedir que aquela louca se machucasse e mesmo com seus tiros não tendo efeito algum contra o tanque ela ficou la atirando ate suas balas acabarem e acabaram.

O tanque estava perto de alguns metros dela mas consegui derrubar Marga no chão com um agarrão antes da chuva de tiros dos policiais que entravam junto do tanque. As mulheres que estavam na defesa revidavam os tiros enquanto estávamos lá, caídas na rua, protegidas apenas por um carro no caminho daquele colosso invasor.

--o que ta fazendo aqui porra?!!—reclamou ela se encolhendo comigo atrás daquele carro.

--eu vim atrás da minha mãe e te achei aqui querendo morrer! Não dá pra destruir um taque desse!!—falei enquanto ela me encarava desacreditada.

--sua mãe não ta aqui! Deveria ter ficado com ela la encima!—brigou ela.

--e você acha que ela me obedece??

--puta merda Mari!!—assoviando forte Marga chamou uma das mulheres do outro lado da rua e ela lhe arremessou mais um pente de balas.—peguem o quebra tanque e atirem naquelas merdas de tapete!!

A mulher correu para o beco e sumiu. Outras já começavam a acertar alguns policiais no portão e aquilo só não era uma bagunça maior porque Marga ainda tinha o controle da situação.

--tenho certeza que Alice esta dentro desse tanque.—disse ela calmamente recarregando sua uzi.

--ela te odeia tanto assim por quê??

--(rs) quem não me odeia?

De repente mais alguns tiros e desta vez bem mais intensos acertaram o tanque e desta vez foram certeiros de que ele não andaria mais e assim que ele avançou ele quebrou.

--(rs) ela ta fodida.—Marga estava certa de suas palavras mas o cano do tanque virou ate nós e isso foi aterrador.

--você tem cinco segundos para se entregar antes que eu dispare.—a voz no alto falante do tanque era parecida com a de Alice e Marga também tinha percebido isso.

O silencio tomou conta da rua e Marga esperou pela contagem.

--5

--essa imbecil pensa que é quem?—ela ainda estava calma mas eu já estava surtando.

--4

--eu não vou me entregar Mari.—disse Marga e era uma loucura.

--ela vai atirar com aquele troço!—falei já desesperada pra sair dali mas Marga nem se exaltou com a ordem. Ela era pura calmaria.

 --ela não vai.—respondeu ela.

--3

--ela derrubou seu portão é obvio que ela vai! Você já deixou ela puta o suficiente!

--2

--a gente tem que sair daqui!!—falei pronta pra correr.

--não! A gente vai ficar juntinha.

Marga me puxou e me tomou como refém ao se levantar.

--mas que merda Marga!!me solta!!—eu senti Marga torcendo meu braço nas minhas costas e era inacreditável.de todos os planos ela tinha que fazer isso logo comigo!!

--se estragar tudo eu atiro na merda da sua cabeça!!

Ela me fez andar ate o meio da rua e ver o cano daquele tanque nos acompanhando me fez gelar.

--quer atirar em mim Alice??Vai ter que matar ela também. Anda!!me deixa ver o quanto você ta preocupada.(rs)—Marga tinha pirado de vez e me tinha presa a ela.

Não demorou para que Alice aparecesse do alto do tanque e observasse melhor aquela cena da gente. Eu não via medo em seu olhar mas que ela estava irritada isso Alice nem escondia.

--logo hoje que te deixei avisada você cai nessa Mari.—lembrar que Alice realmente me avisou do perigo que Marga me colocaria não era a coisa mais animadora no momento.

--do que ela ta falando?—Marga perguntou baixinho no meu ouvido.

--ela foi na facul mais uma vez.—respondi no mesmo tom e ela me manteve olhando para frente com sua arma apontada pra minha cabeça.

--(rs) parece que ela ta querendo te comer também.—Marga estava adorando nos atormentar.

--se lembra do que eu te falei né Mari?nada vai me impedir de pegar Marga.—Alice parecia bem calma a respeito disso e sem nenhuma pressa.

--eu to bem aqui amor.é só vim aqui.—atiçou Marga rindo dela.

--pode ter acertado alguns policiais e quebrado a lagarta do tanque mas esta em desvantagem.eu ainda tenho vinte homens com a mira apontada para sua cabeça. Eles podem errar como podem acertar e eu não ligo contanto que esteja morta.

--meio sombrio para você mas vai mesmo atirar nessa carinha inocente? Tão linda e morrendo de medo? Sua boa reputação permitiria isso??—perguntou Marga me apertando mais nela.

Alice sequer mudou sua expressão zangada e isso me preocupou.

--seu plano não ta dando certo.—falei baixinho e Marga soltou um risinho.

--você não tem coragem Marga.—Alice a provocou e eu ia me foder com isso.

--como é?

--você não vai matar ela Marga.—disse Alice e Marga calou-se.—por isso recomendo que termine logo esse show.

--(rs) olha em volta Alice. Vocês é que estão fodidos nessa historia. Vinte caras armados não se comparam com a minha maravilhosa equipe.

--sem preparo elas só viram alvos.

De repente os policiais começaram a atirar mas não era contra a gente. Todas as mulheres que cercavam o local e estavam bem escondidas sob as casas e protegidas na rua pelos carros foram acertadas e agora agonizavam pedindo ajuda. Alice deu uma boa lembrança a Marga que aquelas mulheres podiam ser o que for mas na pratica não saberiam todas as manhas de combate.

--achou mesmo que dando uma arma nas mãos delas faria atiradoras profissionais?(rs) vamos terminar logo isso.

Os policiais começaram a adentrar além do portão e Marga começou a recuar e a me puxar e estávamos fritas se eles resolvessem esquecer um pouco da lei pelos policiais abatidos. Realmente a situação tinha fugido do controle de Marga e sentir ela soltar meu braço e abaixar a arma era ter a certeza que ela estava sem ideias.

--some daqui.—disse Marga baixinho pra mim e diferente do que pensei ela estava me deixando ir temendo o que aconteceria depois.

 E de todas as coisas que eu pudesse fazer eu fiz a mais divergente pra mim. Eu fiquei e ela me vendo ali parada na sua frente me encarou por trás e eu diria que ficaria mas o barulho de um forte disparo foi ouvido.

Nossos olhares congelaram e depois de segundos paralisadas vimos que nenhuma bala havia nos atingido mas sim a um dos policiais que caiu duro ao chão. Alice assim como os outros lançaram seus olhares surpreendidos.

--um tiro na cabeça??—perguntou um dos policiais próximos ao policial morto no chão onde a poça de sangue já se formava.

--mas como??não to vendo ninguém!—dissera outro assustado já procurando o atirador.

Os policiais moveram suas armas para o alto, para as entradas dos becos, para todo e qualquer lugar que poderia haver algum atirador e eles estavam perdidos.do nada mais tiros e de um em um os policiais foram caindo ao chão.

--de onde estão atirando??—perguntou Alice curiosa.

--dali!!—disse um deles e todos apontaram para lá sobre uma laje.

--não, é ali!!—dissera outro mirando e assim como eles todos apontaram para o segundo andar de uma casa.

--onde esta droga!?!—Alice estava se irritando.--mande parar Marga!!mande!!!—Marga estava com uma cara tão confusa quanto a minha mas exibiu o sorriso mais satisfeito que já vi ate agora.

--(rs) foi mal Alice nem eu mesma sei quem é essa boa alma.—respondera ela daquele jeitinho doce debochado e feito para irritar que só ela fazia.

Alice vendo todo aquele massacre pulou do tanque e pegou uma das armas caídas de um dos policiais mortos. Marga por outro lado me pegou pela mão e fugimos pelos becos o mais rápido que podíamos enquanto que Alice disparava uma rajada de tiros e por incrível que parecesse eu podia ouvir Alice gritar de raiva. Corremos como nunca subindo as escadarias e pegando todos os atalhos possíveis para ficar em segurança.

--que merda foi aquela??—perguntei sem parar de correr.

--ela se fodeu e vai socar essas mortes no meu rabo também. E da próxima vez que eu pedir pra você correr, você corre!

--eu não ia deixar você lá sozinha!

--então você é burra!

Marga no meio do caminho já comunicava as outras mulheres que desciam para cuidarem do portão leste e apesar do inusitado ter acontecido parecia que era mais um dia normal no seu mundinho fora da lei. Ainda existia um pouco de calma nela que em mim já não existia.eu sentei no degrau enquanto ela tomava mais informações e tentei me acalmar para não precisar utilizar a bombinha no meu bolso.eu tinha que respirar com calma.

--já levaram todas as mulheres feridas?—perguntou Marga a uma das mulheres que descia.

--sim Marga, estão todas no posto.

--ótimo, fechem o portão e se aquela idiota ainda estiver por lá matem ela. A proposito, quem me ajudou??

--(rs) você nem imagina.—respondeu a mulher a ela e Marga me lançou um olhar curioso.

Ela tomou a frente subindo correndo o morro e no momento foi um alivio para mim. Toda aquela confusão me deixou com minhas pernas tremulas e quando eu voltasse ainda teria Lina para cuidar e minha mãe para achar.

--se eu fosse você também ia lá encima.(rs)—disse a mulher que era apenas sorrisos e isso me intrigou.

--por que?

Uma galera correu subindo as escadas e pela animação o grande salvador do dia já tinha sua fama e quando subi me deparei com uma multidão na rua principal cercando Marga e mais alguém e apesar de tantas mortes lá embaixo tínhamos aplausos. Ninguém ligava para os vários policiais mortos no combate e com isso adentrei naquela bagunça e gelei com que vi.

Minha mãe segurava uma svd, um puta rifle de combate e depois de ter abatido todos aqueles homens e nos salvado ela estava ali envergonhada e com um sorriso bobo no rosto por Marga pedir aplausos para ela. Marga estava orgulhosa e com olhos brilhando pra ela e eu nem reconhecia minha mãe. A habilidade em acertar aqueles homens foi tão impressionante que me fez questionar ate que ponto minha mãe tinha se envolvido com o crime.

--isso merece uma comemoração!!Amanha teremos uma festa em homenagem a ela!!a salvadora do meu rabo!!—Marga gritou aplaudindo deixando minha mãe vermelha.

--não tem graça nenhuma. —disse ela a Marga e pela cara séria não tinha gostado nada assim como eu.

--vai ser só uma festa.—Marga a abraçou e minha mãe parecia aliviada.

--mãe?—me aproximei e ela virou sua atenção pra mim e derrubou aquela arma no chão e me abraçou.

As mulheres do comando já faziam todos dispersar e minha mãe já tinha voltado para suas preocupações comigo.

--eu fiquei desesperada te vendo lá.—ela não queria me soltar do abraço e eu não queria sair dele.

--eu fui atrás de você so que não te achei.

--(rs) eu deveria saber.—ela beijou minha cabeça e me soltou e virou-se a Marga.--E você teve a cara de pau de pegar minha filha como refém.

--eu sabia que ela não ia atirar.—disse Marga vindo a nós.

--ah sabia?

--(rs).—Marga ainda estava besta pelo feito da minha mãe e não tirava o sorriso da cara porem minha mãe entregou a ela a arma e me fez caminhar de volta para casa junto a ela.—fala sério, não fica com raiva de mim por causa disso. Até Mari se divertiu.

--eu mesma não.—retruquei na hora.

--eu tive que matar todos aqueles policiais para salvar o seu rabo por causa da minha filha.—minha mãe socou o braço de Marga mas a dona do morro não tinha nada a reclamar mas mostrava o sorriso satisfeito a ela.

--a proposito, onde estava?—perguntou ela curiosa.

--bem aqui nesta rua de cima, tendo toda a visão do portão leste.

--eu pagaria para ver isso. Sua mãe sempre teve uma boa mira e sempre vai me fazer falta aqui.—disse ela pra mim e quase pensei que ela tinha me esquecido do seu lado.

--(rs) desiste Marga.—falei mas Marga nem piscava pra minha mãe.

--depois dessa não mesmo.

Notas finais:

devo dizer que eu adoro a Helena e sua especialidade de arriscar tudo por Mari. tenho na cabeça que ela resgataria Marga mas vendo Mari em risco ela se propos a esquecer sua nova versão para dar uma chance das duas escapar com vida e é um lado da Helena que nem Mari conhece e isso fica bem nitido neste capitulo.ela matou geral por elas.Marga por outro lado adorou rever a Helena dos velhos tempos agindo.

digam ai nos comentários o que acharam do capitulo. Lina só se ferra ou to equivocada?essa festa em comemoração vai dar b.o ou não vai?



Comentários


Nome: HelOliveira (Assinado) · Data: 04/09/2021 03:42 · Para: Capitulo 15 A dona do morro tem seus meios..

Uffa posso respirar agora? Que capitulo top...amei parabéns ...

Helena daria a vida pela Mari.....mas confesso foi uma surpresa gostosa...

Ahhh já to com Peninha da Lina ....

Acho que B.O vai ser pouco nessa comemoração..

To pagando pra ver a cara da Alice...

É legal se apaixonar pela dona do morro e cia?



Nome: Marta Andrade dos Santos (Assinado) · Data: 04/09/2021 03:42 · Para: Capitulo 15 A dona do morro tem seus meios..

Helena é dez 



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.


Ou comente usando seu Facebook: