Fronteiras por millah


[Comentários - 25]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

 

Eu só queria ficar lá sozinha no quarto com as minhas mãos doloridas chorando de raiva porque Marga tinha encenado tudo daquilo e ainda tinha se irritado porque demorei para voltar para casa e salva-la em frente a camera.eu deveria ter demorado mais para ela apanhar mais um pouco.

Eu tava me controlando para não descer e surrar ela eu mesma. Eu pensei que estava a protegendo, mas estava ali sendo usada para redimi-la desse crime. A coitada da Marga sendo acusada injustamente. Ela não precisava perante as regras do morro dela para agir mas ela mesmo assim fez somente para me ver espancando Lucas e não duvidava que fosse por causa do homem alérgico do restaurante. Ela queria ver sangue em minhas mãos e conseguiu. Ela poderia ter se defendido..ela poderia ter se defendido e mesmo assim não fez!

 Eu não queria sentir o tanto que aquilo estava me corroendo e eu nem entendia porque era tão forte. Machuquei uma pessoa por ela, mesmo sendo quem era fiz algo que foi contra meus ideais por ela.

Não demorou para alguém invadir meu quarto como sempre e era ela, Marga. Eu ate limpei meu rosto e me deitei de costas a porta para não ver a cara dela e depois de alguns passos se aproximando e um pesado suspiro cansado eu já ate adivinhava que ela não viera porque quis.

--Helena me fez vir aqui pedir desculpas.—começou ela como o esperado.--Eu deveria ter feito tudo isso com mais sutileza para a princesinha não se envolver.

Não respondi, mas ela se jogou de uma vez na minha cama e tive que me virar para ver ela.

--vai,fala..vai dizer que não gostou de bater naquele punhetinha nervosa. Depois de tudo que ele fez para Suzana e as meninas eu virei sua fã.—Marga queria mesmo ver o lado bom daquele momento mas nem tudo se resumia a isso.

--a questão não é essa! Eu nunca quis machucar ninguém na minha vida ao ponto do que eu fiz hoje e eu fiz por você. Logo você!eu achei que você tinha perdido o controle da situação..mas era mentira.

--hey..o fato deu ter deixado você tomar essa decisão não anula o fato que você fez..você me salvou.

--você não precisava e isso conta muito! Você manipulou a situação. Não há ganho saber machucar as pessoas. Você só carrega isso na sua consciência e depois da primeira vez tudo parece fácil demais se você pega o gosto mas não é verdade. Depois não importa o quão forte bata ou quantas vezes faça, nada será como antes.. Eu não quero tornar isto algo normal para mim.

--qual é..você só colocou sua moral de lado para me salvar. Foi uma coisa boa.

--não foi.

--pra mim foi..eu só queria que você fizesse tudo possível para salvar alguém e você fez. Lá no restaurante eu me assustei com sua ideia, furar um pescoço de um cara pra ajuda-lo e mais ainda quando você quase fez! Só que você hesitou e eu vi que precisava de coragem para esquecer um pouco quem é para se fazer determinada ação. Ele morreria também se eu não tivesse essa coragem? Pode não ter gostado do que fez para me salvar porque eu simplesmente poderia me defender, mas não condene essa sua coragem..isso não vai mudar quem você é.um dia pode precisar dela de novo. E sei que não quer isso para sua vida mas..eu queria dizer..é que..obrigada. Por se arriscar por mim. posso ter manipulado aquela briga mas de todas as possibilidades eram pouquíssimas as chances de que te via reagir, ainda mais por mim..

Ela deixou meu quarto e suas palavras me fizeram pensar. Tínhamos pontos de vistas bem diferentes, e eu entendia que, desta coragem em superar desafios impossíveis para mim,ela construiu pontes para o que ela queria. Todos tinham medo dela por esta coragem de fazer o que poucos podiam. Eu nem sabia como ela dormia a noite depois de tudo que eu já ouvi sobre ela. Como eu fui tão idiota em achar que ela estaria mesmo com problemas e o melhor da minha burrice era ainda pensar que eu ainda quero a proteger.

--de onde ta surgindo isso??

****

No restante da tarde eu não queria deixar o quarto e da minha janela vi o céu escurecer e mais uma tempestade se aproximar. Pelo menos eu tinha tempo agora para focar no meu curso e não me preocupar mais com as goteiras ou os moveis e eletrodomésticos que iam se molhar. Minha mãe e Marga passaram a tarde silenciosas demais dentro daquela casa e ate parecia que eu estava sozinha naquela mansão. Tudo era silencioso. Peguei o controle da tv e liguei.

Eu não queria iniciar minhas paranoias em relação as duas e depois de uma boa respirada bem fundo me concentrei nos meus estudos ate o jantar.

Minha mãe bateu na porta três vezes para me lembrar. Organizei tudo e fui ao banho. Aquelas horas sozinhas me faziam milagres. A agua morna descia pelo meu corpo e a chuva lá fora era um acompanhamento perfeito.

Eu esperava que com o tempo daquele jeito Lina estivesse quietinha em casa em sua cama melhorando daquela virose.

Me preparei, vesti um vestido florido, enxuguei e escovei meu cabelo e depois de pronta desci para o térreo. Marga já se encontrava na cozinha junto da minha mãe e elas preparavam com todo o cuidado cada detalhe da refeição. Minha mãe estava feliz vendo Marga se dispor a ajuda-la e claro da sua maneira.

--cuidado pra não derramar o arroz na bancada.—avisou minha mãe.

--eu sei caralho.e para de tentar tomar a colher.—retrucou Marga e era impressionante, pareciam um casal brigando.

--você não sabe colocar porra e vem se meter na minha cozinha.—respondeu minha mãe esquentadinha.

--a cozinha é minha sabidinha.

 Assim que aproximei eu pude ter uma dimensão maior de tudo. A mesa estava fantástica. Tínhamos peixe grelhado e o cheiro estava maravilhoso. Dava pra sentir o tempero salgado de tudo de onde eu estava, o arroz tinha acabado de sair da panela e Marga estava minunciosamente sendo cautelosa com o preparo dos pratos. As verduras e legumes estavam brilhantes de tão verdes e nem era um terço das coisas que tinha sobre aquela mesa. A farofa já me dava agua na boca e a feijoada estava perfeita e bem no centro da mesa dividindo lugar com o peixe grandão.

--gente, o que é tudo isso?—perguntei curiosa.

--meu pedido de desculpa, parte dois.(rs)—disse Marga tentando não parecer tão estranha como era normalmente em sua seriedade. Até um sorrisinho ganhei, claro de poucos segundos visivelmente possível.                                  

--acredite, ela fez quase tudo.—revelou minha mãe com um sorriso especial no rosto. Até ela estava impressionada.

--para foi meio a meio.—dissera Marga tentando reverter a sua situação.

--o peixe foi um presente da hyong.—disse minha mãe ao me ver admirar o peixe sobre a mesa.eu estava encantada com o dourado dele.

--ele é enorme.—falei e notei Marga me encarando ao meu lado ate minha mãe rir na cozinha.

--ela gosta mesmo de você Mari. Parece ate que adivinhou que você não estava tão bem, já que te encontrou no mercado.(rs) acho que você é a única que se preocupa com a Marga nesse morro além de Lina.—dissera minha mãe ganhando o olhar de Marga.

--como assim dona Helena? Quando te contei tudo você me pareceu bem surtadinha.—dissera Marga contestando minha mãe.

--claro, estamos falando da minha filha.

--e de mim.(rs) eu não vou me estressar, vamos comer. E mais uma vez Mari, me desculpa.—dissera ela mais uma vez e ate me arrepiei. Ela só podia estar doente.

--aproveita, ela nunca fez isso pra mim.—respondeu minha mãe e ate ela percebeu.

Marga parecia verdadeiramente arrependida de me enfiar em seu plano brilhante e com aquele jantar eu preferi dar mais uma chance a ela. Eu tinha surrado Lucas e minhas mãos ainda estavam doloridas mas elas estavam ali fazendo de tudo para me ver sorrir.

Isso valia muito para mim pois tudo que eu e minha mãe tínhamos era uma a outra e comer com ela contando causos de sua vida com Marga e ela a olhava tão interessada e hipnotizada para minha mãe que foi impossível não perceber o carinho que havia por trás. Ela a respeitava e a pedido da minha mãe ela foi ao meu quarto pedir desculpas. Querendo ou não eu fiz a coisa certa e não deveria ficar triste pelo jeito que eu fiz.

No outro dia bem cedinho, corri para a faculdade e depois de me despedir da minha mãe e pegar meu lanche desci o morro tendo um longo dia pela frente do qual eu queria me dedicar somente aos meus estudos.

Logo pelo caminho Lina apareceu e veio cheia de energia.

--bom dia Mari!!olha quem melhorou!!(rs)—ela estava toda saltitante com seu copinho de café na mão e me fez rir de toda aquela animação.

--impressionante.—falei feliz por ela.

--aqueles remédios quase me mataram engasgada e eram piores do que uma pica na garganta mas tudo deu certo graças a você Mari.eu agradeço mesmo.

--(rs) deveria descansar e eu não fiz nada.se tem que agradecer a alguém vá no posto.

--ah fala sério.

--isso é sério. Os médicos de lá estão trabalhando dentro do morro da Marga e te ajudar é uma grande responsabilidade. Você é trabalhosa demais.

--(rs) acha que isso mudaria a visão que todos tem de mim?

--de barraqueira? Claro.(rs)

--(rs) quer saber um negocio? Não pensei que seria assim.

--você não me conhecia.

--eu queria atirar na sua cara. Era a única coisa que eu tinha em mente de você...eu pensei que não ficaria na casa de Marga e que levaria sua mãe para bem longe daqui.

--e quem disse que eu não faria? Vocês são criminosas.

--(rs) mas somos legais, isso você tem que admitir..Marga pediu desculpas?

--pediu.

--isso é raro.eu queria ter visto você surrando o Lucas antes de terem entregado MINHA maquina para aquela policial. Marga achou divertido.

--eu não queria.

--eu sei que não. Você é boazinha demais. Isso um dia pode te matar.

--é uma questão minha e um problema meu para a Mari do futuro resolver. Não quero pensar nisso tão cedo de novo.

--(rs) só sei que Marga ta contando pro morro inteiro do seu feito e posso dizer que ela parece orgulhosa. Ta me lembrando do dia que a gente fez nosso primeiro assalto.

--nem vem, ta cedo demais pra me irritar com ela. Só falta me dizer que ela quer me iniciar no crime.

--(rs) será que estou diante da próxima dona do morro?

--(rs) eu quase tive uma sincope com isso.

--sincope que? Fica com suas palavras difíceis que agora tenho que verificar os portões.

--se eu fosse você continuava a descansar!

--eu to ótima e pronta pra próxima. E se eu fosse você levava um guarda chuva, vai chover com certeza. A cidade toda ta gripada com esse tempo louco.

Olhei para o céu e apesar de nublado não achei que iria chover ao ponto de me alcançar ate a faculdade mas ela tinha razão,eu não podia vacilar.

--minha mãe levou o guarda-chuva.

--Marga esta com um lá no mercado.

--eu não vou pedir a ela.

--deixa de ser birrenta garota. É isso ou comprar um.

Continuei meu caminho e já bem próximo do comercio central no meio do morro eu ouvi a risada da Marga em meio a outras risadas de mulheres e Lina tinha razão ela estava contando pro morro inteiro o que eu fiz e as que ouviam sentadas ao redor dela naquela mesa de bar pareciam surpreendidas.

Ela me viu mas não ousei me aproximar para pedir o guarda-chuva.

--Mari!—ela me chamou e quando me virei novamente para olhar para ela vi a salva de palmas das mulheres na mesa com direito a assovios e palmas.

--mandou bem garota!!—disse uma batendo palma.

--vingou Suzana por nós nesse cabaré!!—disse outra tirando o cigarro da boca para falar.

Marga correu para me acompanhar e hoje ela estava bem animada.

--vai chover.—disse ela olhando para o céu e continuamos a caminhar.

--vou chegar antes que qualquer pingo.

--pode levar meu guarda chuva se quiser.

--esta contando para o morro inteiro sobre o que aconteceu ontem?

--tô.foi foda.

--não começa, não tão cedo.

--eu vacilei ontem e você é uma garota legal por incrível que pareça e juro, sua mãe não me pediu pra dizer isso ou coisa do tipo. Sei que esta acostumada com minha imagem mas eu tenho meus dias de calmaria também.

--como os mares antes dos furacões. Eu só não quero me meter de novo com problemas e principalmente os seus.

--eu sei, foi demais para você. E fique sabendo que todas as meninas que trabalham para mim estão agradecidas como aquelas surtadas ali (rs) seu surto de raiva animou a galera. Os portões estão sendo um trabalho tedioso mas necessário. Poderíamos tentar de novo só que desta vez com aquela policial Alice.

--você realmente não me escutou.

--não, seria diferente. Já tem um tempinho que eu quero dar um susto nela. Você viu ontem? Ela queria atirar em mim! (rs) eu queria muito ver a cara dela depois que descobriu que aquela peste matou Suzana.

--esquece ela ok.por enquanto..

--esquecer? Ela vai voltar querendo ou não porque não é de ontem que ela quer me pegar.(rs) ela sabe ser insistente quando quer e um pé no saco também. Enfim, se ela aparecer me avisa.

Marga olhava para mim e eu via a vontade explicita da maldade que a invadia. Alice era seu alvo e na primeira chance Marga ia mata-la.

--só sei que não quero mais me ver daquele jeito. Então esta por sua conta e risco.

--(rs) que cruel. Como poderei viver sem sua ajuda?—ela e sua ironia podiam se proteger sozinhas e apesar do sorrisinho no rosto parti.

Deixei o morro e peguei meu ônibus, de dentro eu ainda podia ver ela ali agarrada as grades do portão me vendo partir e me peguei pensando naquele semblante que ficava para trás tão entretida na minha ida. Seria possível que no fim de tudo isso seriamos mais do que conhecidas? Amigas?

Cheguei a faculdade e tudo estava indo muito bem ate eu chegar na sala e parada a porta Alice estava me esperando toda vestida de policial o que só fazia todo mundo me lançar olhares duvidosos.de novo!

Fui ate ela e parecia que minha indignação era seu divertimento.

--quantas vezes vai continuar vindo aqui?—perguntei nada confortável com a calmaria dela.

--depois de ontem se for preciso virei todos os dias. Que merda foi aquela?

--qual parte? Aquela que você usou Lucas para me enganar ou daquela que quase atirou na cabeça da Marga?!

--eu não ia atirar.

--então porque estava segurando uma arma Alice??se eu não estivesse lá tudo seria maravilhoso não é?

--não estou entendendo seu tom e acho bom ter cautela com o que diz. Eu não sabia que o garoto era culpado mas que o usei para tirar Marga do morro isso não nego. Ele também tinha seus motivos para aceitar. Ele morava tão perto de uma das saídas daquela fortaleza, seria idiotice não tentar. Eu ate interceptei um dos portões que ela havia encomendado. Só não achei que Marga também te usaria para levar ele ate ela sem precisar descer.se você não estivesse na frente dela..com Lucas acusando ela de assassinato eu logo vi que não demoraria para que naquele mesmo dia ela fizesse uma besteira. Do jeito que ela age, ela teria descido furiosa para pega-lo e seria perfeito para mim.

--(rs) você a considerou culpada antes mesmo de identificar as provas.

--a ficha dela colaborou.

--seu julgamento falhou. Não deveria se gabar.

--ela matando ou não Suzana Marga não deixa de ser uma criminosa e a partir do momento que você ajuda ela em um crime seu julgamento também se torna duvidoso. Eu amei a parte que Lucas da uma surra nela, mas você também não ficou de fora. Acho que qualquer juiz também julgaria errado se te visse daquela forma. Foram impulsos bem fortes para proteger alguém que conheceu recentemente ainda mais sendo a Marga. Se continuar nessa, da próxima vez pode ser que a promotoria não acredite mais em suas palavras..ou gravação.

--fiz minha parte. Ela sendo criminosa ou não eu impedi Lucas de cometer mais um crime.

--(rs) Marga já esteve presa e acredite ela poderia fazer daquele garoto um pedaço de papel e rasga-lo ao meio. Ela te usou para se limpar desse crime e isso você não condenou né?

--eu fiquei puta! Como estou ficando agora. O que você ganha com isso? Vindo ate aqui me dizendo essas coisas? Por que se importa?!

--prezo pelas vidas dos inocentes que agora estarão presas naquele morro graças aqueles portões. Você e sua mãe são duas que também me preocupo. Não quero que caia nessa vida. Seu professor diz que você tem um grande potencial de se tornar medica e continuar perto da Marga é por tudo isso no lixo. Pode deixar aquele morro e não precisar lidar com essas merdas. Ela vai te transformar, te forçar a fazer coisas que não quer, coisas que vão te mudar para sempre.

--ta atrasada com esse conselho.

--então pense em sua mãe!

--não mete minha mãe nessa Alice!

--Marga é uma assassina, uma ladra de bancos e traficante de armas. Ela não vai parar só porque sua mãe quer viver como uma mulher decente agora.

--o que quer dizer com esse agora?!o que ta insinuando??

--(rs) acha que não sei que sua mãe foi quem introduziu Marga nessa de dona do morro? Sua mãe na sua idade só não seguiu pelo mesmo caminho que Marga porque não quis, porque a ficha dela só não ficou mais suja por falta de vontade.

--(rs) quanto medo de duas pessoas inocentes. Não precisa se preocupar tanto com a gente.—tentei passar por Alice mas ela segurou meu braço  e na hora senti toda a pressão do aperto da mão dela. Agora ela estava bem perto de mim e seu olhar continha todo temor e raiva que uma mulher poderia carregar.

--acho bom parar de proteger Marga. Da próxima vez pode ser que eu não pare para pensar se atiro ou não se você se meter no meio. Isso também vale para sua mãe.

--se envolver minha mãe nos seus planos para pegar Marga ai teremos um problema.—retruquei no mesmo tom ainda mais uma ameaça a minha mãe.

--(rs) só não entre em meu caminho e siga o seu. Será melhor assim, não acha?

Notas finais:

genteeee a Alice ta com sangue nos olhos pra pegar Marga e ta sobrando ate pra Mari.

comentem ai o que acharam do capitulo. bjs amo vcs.



Comentários


Nome: Marta Andrade dos Santos (Assinado) · Data: 23/08/2021 11:36 · Para: Capitulo 13 O lado bom de um raramente sempre é pago outro dia

Essa Alice é um pé no saco.



Nome: Marta Andrade dos Santos (Assinado) · Data: 22/08/2021 23:28 · Para: Capitulo 13 O lado bom de um raramente sempre é pago outro dia

Essa Alice é um pé no saco.



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.


Ou comente usando seu Facebook: