Tell me you love me por Kivia-ass


[Comentários - 122]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

POV PETRA 


 


 


           Ouvir da boca da mulher que você ama que ela não quer lhe ver mais, sem sombra de duvidas é a pior coisa em que eu já ouvi. Mariana sempre foi a mulher da minha vida, depois ela eu fui incapaz de olhar para outras mulheres. Ela nem ao menos me deu o beneficio da duvida e me mandou embora, sem escutar, sem chance algumas de faze-la entender. Coloquei algumas peças de roupa em uma mochila e sai do quarto, as palavras dela me atingiram, pegaram em um ponto sensível em mim, ela não confiava em mim mais e ainda disse que eu nunca mudei, mas isso não é verdade, pois desde o nosso primeiro beijo, Mariana nunca foi substituída por ninguém. Passei no quarto da minha filha e deixei um beijo molhado por lágrimas em seus cabelinhos e sai da casa que sempre foi um lar cheio de amor. 


 


        Peguei minha moto e sai sem rumo, sem chão. Nem sei como algo de ruim não me aconteceu, pois as lágrimas banhavam meu rosto e eu não enxergava nada em minha frente. Resolvi parar, não seria prudente continuar naquela loucura, entrei em um hotel qualquer e pedi um quarto e uma garrafa de vodka. A recepcionista tinha um olhar assustado e de pena ao mesmo tempo, mas não contestou meu pedido e me deu a garrafa e indicou o quarto que estava disponível, agradeci e me joguei na cama assim que passei pela porta, nada sanaria a dor que eu estava sentindo naquela hora, mas eu precisava me anestesiar de alguma forma. 


 


 


Flash back on:


 


-Petra com tanta garota por ai, você tinha que se envolver com a filha daquela carola de igreja? – Minha vó estava irritada depois do ocorrido. 


 


-Desculpe vovó, eu não queria causar isso. – A mãe de Mariana tinha nos flagrado aos beijos e desde então minha vida estava um saco. – Eu não quero outra garota, eu quero ela. 


 


 


-Filha, eu sei que a gente não manda no coração, mas a mãe dela não vai deixar você se aproximar dela. – Suspirei e me deitei no colo da minha vó. 


 


-Por que as pessoas tem que ser tão preconceituosas vovó? Porque não são mais como a senhora? 


 


-As pessoas estão mais preocupadas com as aparecias padrões do que com a própria felicidade. – Minha vó acariciava meus cabelos. – Mas não fiquei triste, pode ter certeza que Deus escreve certo, e se ela for sua alma gêmea nada nesse mundo separa você duas. 


 


FLASH BACK OFF:


 


 


        Acordei com minha cabeça pesando uma tonelada, tinha esperanças de que aquilo tinha sido um pesadelo longo, mas quando encontrei a garrafa vazia ao meu lado me lembrei da realidade em que estava vivendo. Me levantei e alcance o celular na esperança de que Mariana tivesse mudado de ideia, mas nem sinal dela, as lágrimas tomaram conta quando vi a foto dela e Malu como descanso de tela, elas eram tudo de mais importante em minha vida e por um descuido eu perdi o que tínhamos. 


 


         As palavras dela sobre a traição me afetaram, mas o que ela disse sobre eu não me importar com elas me fez refletir, isso ficou martelando em minha cabeça. Eu sou subchefe em um restaurante renomado e estávamos atrás da nossa terceira estrela “Michelin”, o trabalho estava levando grande parte do meu tempo e com isso levando minha família embora também. Tudo que eu sempre quis era construir uma família com a mulher que eu amo, e quando decidimos ter um filho sentia que minha vida seria completa. Malu era meu coração fora do peito, eu fazia de tudo para ter o sorriso da minha filha e não media esforços para que isso acontecesse, porém de um tempo pra cá eu tinha me esquecido disso e só tinha tempo para a cozinha. Eu queria virar chefe, e por isso não media esforços em estar presente na cozinha, estava lá de domingo a domingo e com isso esqueci que minha família precisa da minha atenção e do meu carinho. Eu fui omissa e negligente com as pessoas que eu mais amo no mundo. 


 


        Liguei para o restaurante e avisei que precisaria de folga naquele dia, eu não tinha cabeça para fritar nem que seja um ovo. Tomei um banho e fui buscar colo no lugar de sempre. Cheguei na casa da minha vó e ela estava cozinhando algo que cheirava tão bem e logo a sensação de estar em casa me envolveu. 


 


-Huum, isso está cheirando tão bem. – Ela levou a mão no peito com o susto ao ouvir minha voz. 


 


-Menina você quer me matar do coração? – Ela limpou as mãos no pano de prato e balançou a colher de pau pra mim. – Vem cá me dar um cheiro sua pirralha. 


 


        Minha vó me envolveu em seus braços e eu deixei as lágrimas caírem novamente.


 


-O que houve meu amor? – Minha vó me ouviu fungando e segurou meu rosto entre as mãos secando minhas lágrimas com os dedos. 


 


-Meu casamento vó, Mariana não me ama mais. – Ela me puxou e me abraçou ainda mais forte. 


 


-Minha filha, eu não posso acreditar nisso, vocês duas são as pessoas que mais se amam nesse mundo frio. –Minha vó puxou a cadeira e nos sentamos. – Me conte o que aconteceu. 


 


          Comecei a narrar o que tinha acontecido na noite anterior, contei inclusive sobre Paola e minha vó prestava atenção sem me interromper. Contei as coisas que ouvir da boca da minha ex esposa e cada palavra que eu repetia doida o dobro em meu coração. 


 


-Petra, eu sinto muito minha filha. – Minha vó segurou minha mão e deu um beijo de leve. – Mas eu preciso te dizer que ela não está errada em relação ao se trabalho. Você precisa equilibrar as coisas, você tem uma filha pequena, Malu precisa das duas mães presentes, Você deixou Mariana escapar minha filha. – Minha vó nunca passou a mão na minha cabeça, ela sempre puxou minha orelha e agora não seria diferente. – Ela também deve estar sofrendo, está de cabeça quente, deixe a poeira abaixar e tente se entender, um casamento como o de vocês não pode ser jogado no lixo assim. 


 


           Minha vó eu passamos o resto do dia conversando, ela tentava me distrair e eu passava o tempo todo tentada a ligar para Mariana, mas tenho certeza de que ela não me atenderia, então decidi ouvir o concelho da minha vó. Sorri quando ela disse que contaria a Paola que ela foi um destruidora de lares, minha vó era alguém que conseguia levantar o astral de qualquer um. 


 


           Os dias seguintes passaram de pressa, minha vó não me deixou ficar no hotel, então tive que buscar mais algumas roupas, pedi para Val arrumar uma mala pra mim e me entregar. Mariana não atendia minhas ligações, e tudo relacionado a nossa filha ela pedia que Val me desse o recado, hoje eu combinei de buscar minha filha na creche, pois Val me disse que ela estava muito tristinha esses dias. As cinco em ponto eu estava na porta da escolinha com um balão enorme nas mãos. 


 


-MAMÃEEE. – Malu veio correndo em minha direção assim que colocou os olhos em mim na porta da sua sala. – Não “aquedito”! – Sorri com sua fala errada que me derretia. 


 


-Meu amor! Eu estava morrendo de saudades de você. – Ela pulou no meu colo e a professora Andrea observava nossa interação. 


 


-Eu também estava morrendo de “sodadi” – Beijei seu rostinho e cumprimentei a professora. 


 


-Quanto tempo eu não te vejo por aqui Petra. – Mariana morria de ciúmes da professora, pois segundo ela a mulher me comia com os olhos, mas eu nunca reparei. 


 


-Pois é, mas hoje eu vi levar minha princesa embora. – Ela sorriu e Malu se agarrou ao meu pescoço. 


 


-Vamos gatinha? – Perguntei minha filha e Andrea me entregou seus pertences. – Tchau Andrea, até qualquer dia. 


 


-Tchau Malu, vê se aparece mais vezes Petra. – Acenei com a cabeça e sai. 


 


             Malu estava na cadeirinha do carro da minha vó e falava sem parar, ela contava o que tinha feito na escolinha e de como estava ansiosa pela festinha de aniversario dela que estava próxima. Eu ouvia tudo com atenção e a cada palavra meu coração se derretia ainda mais, eu não saberia viver sem aquele pingo de gente e a partir de agora minha filha seria minha prioridade em tudo. Combinei que domingo passaria o dia todo com ela e que ela poderia escolher tudo o que faríamos. 


 


           Chegamos ao meu antigo prédio e cumprimentei o porteiro e ele logo tratou de me dar um abraço dizendo que estava sumida, respondi rapidamente e subi em direção ao paramento. Pelo horário Mariana deveria estar no escritório e em partes isso seria bom, não queria brigar ou causar algum desconforto na frente da minha filha. Malu queria brincar de avião então sai de dentro do elevador com ela suspensa no ar e o som da gargalhada dela deixava meu coração quentinho. 


 


-Que bagunça é essa aqui? – Val abriu a porta assim que toquei a campainha.


 


-Oi Val, vim devolver esse avião que eu encontrei perdido. –Malu sorria de um jeito sapeca e Valeria correu pra segurar a mochila e as outras coisas. – Vocês aceitam devolução? 


 


           Meu coração faltou sair do peito e ir rastejando atrás de Mariana quando a vi vindo em direção à porta, a mãe dela também estava lá e eu respirei fundo antes de falar alguma coisa. 


 


-Oi. –Eu disse em um tom mais brando, jamais faria cena na frente da minha filha. –Oi dona Jabi... Jaciara. –Quase deixei o apelido da Jabiraca escapar, eu não a suportava e sei que era reciproco, mas tentava não causar nada na frente de Malu. 


 


-Oi Petra. –Era estranho ouvir meu nome daquela fora, parecia não ter carinho e Val me olhou com pena. 


 


-MAMÃE. –Malu pediu pra descer do meu colo e correu pro colo da mãe. – Eu fiquei com saudadi. 


 


-Eu também estava morrendo de saudade meu amor. –Aquela cena me deixou pensativa, como eu deixei minha família escapar pelos meus dedos. 


 


-E da vovó? Não estava com saudades? –Revirei os olhos quando a jabiraca da minha ex sogra cutucou minha filha. 


 


-Eu tava com “saudadi” vovó, mas acho que “passô”. –Val me acompanhou na risada, e vi Mariana reprovando nossa atitude com o olhar.


 


-Acho que já vou indo, filhotinha não se esqueça do nosso compromisso. –Aquela parte era a mais difícil, me despedir da minha filha, Malu veio correndo e pulou no meu colo.


-Mamãe, você “podi” ficar comigo hoje? - -Suspirei pesado e beijei o rosto da minha filha. – Eu deixo você escolher o desenho. 


 


-Meu amor, hoje eu não posso. –Os olhinhos tristes dela me deixaram sem chão, mas domingo já estava próximo. – Mas eu prometo que no domingo vamos nos divertir bastante? 


 


-“Pometi” --Balancei a cabeça e enchi-a de beijos.


 


-Tchau. –Dei um tchau coletivo pra Mariana e a mãe e pude ver a velha me encarar com uma das sobrancelhas arqueadas, certeza que ela ia encher a paciência de Mariana. . – Tchau Val, obrigada. 


 


         Sai do apartamento e pude ter certeza de que meu coração só pertence a uma mulher, e essa mulher não era mais minha. 



 


 


 


 


 

Notas finais:

Essa Andrea aí ein? Não sei não 

Petra é meu cristalzinho. E essa sogra cobra é uo.



Comentários


Nome: Elle8 (Assinado) · Data: 18/06/2021 01:30 · Para: Petra

As mulheres caindo em cima da Petra, não julgo kkkk

E ela sofrendo pela Marina, eu sofro com ela 



Nome: Anny Grazielly (Assinado) · Data: 13/06/2021 02:51 · Para: Petra

Eu nao gostei dessa Andreia.... aiaiaiaia meu ceussss... ja vejo que essas duas vão sofrer um absurdo....



Resposta do autor:

Eu tambem não vou com a cara dela kkkk



Nome: Marta Andrade dos Santos (Assinado) · Data: 13/06/2021 02:42 · Para: Petra

É Pietra corre atrás que a fila anda abre o olho Mariana que Andréa está na área.



Resposta do autor:

Vamos ficar na ativa meninas kkk



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.


Ou comente usando seu Facebook: