Voltas que a vida dá! por Gee


[Comentários - 42]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

- Claudia? – Chamei ela baixinho.

- Hum? – Respondeu me apertando mais contra seu corpo.

- Preciso ir para casa, mas vamos marcar algo para amanhã? Aliás, mais tarde?

- Você não vai sair daqui essa hora, dorme aqui? – Me olhou com aqueles olhos azuis brilhantes, eu não consegui mais pensar em nada, acariciei seu rosto e lentamente aproximei meus lábios dos dela iniciando um beijo calmo e lento. E foi o beijo mais doce e expressivo que senti na vida, aos poucos o que era calma se tornou mais urgente, minhas mãos escorregaram de suas costas até seu bumbum durinho e arrebitado, puxei seu corpo contra o meu e encaixei minha perna entre as suas, Claudia chupou minha língua e eu gemi contra sua boca, em um pequeno momento de lucidez sessei nosso beijo com uma leve reclamação dela.

- Não para, passei a noite desejando sentir seus lábios Rê. – Me olhou fazendo um biquinho lindo que não resisti e beijei de leve.

- Quero ir devagar, quero conhecer você e quero que me conheça. – E foi aí que vi o sorriso mais lindo que ela poderia me dar, sei que já falei isso, mas esse era ainda mais lindo, eu juro.

- Ir devagar é? Então tem intenções comigo além de uma noite?

- Não era para ter? Quer só uma noite comigo? – Fingi falsa indignação e foi a vez dela de me beijar.

- Claro que tenho pretensões a mais com você, tanto que EU te mandei SMS. Gostei de você assim que te vi naquele bar loirinha enfezada. A única coisa boa que Juliana fez foi ter conseguido te colocar em minha vida de forma indireta. – Sorriu franzindo o nariz e eu fiquei toda besta.

- Ao menos uma coisa boa aquela embuste fez. – Sorrimos juntas.

- Agora vamos dormir que amanhã quero aproveitar com você e te conhecer mais, ir devagar não quer dizer que vou deixar você escapar esse domingo.

Ela me levou até o quarto de hóspedes e me emprestou um pijama, tomei um banho rápido e deitei, peguei meu celular e mandei uma mensagem para Vanessa que com certeza não iria responder tão cedo.

“Sei que já sabe, mas estou no apartamento da Claudia, ela é incrível. Tenho algo para te falar que com certeza vai ficar tão chocada quanto eu. Mas já te adianto sinto como se tivesse tirado um mundo das costas. Ahhh estou ficando com ela ;).Boa madrugada e juízo! Te amo”

Rolei pela cama sem conseguir dormir, não que fosse desconfortável, ao contrário disso era bem confortável, mas o problema era saber que Claudia estava tão perto e eu não podia sentir o seu cheiro gostoso... Na verdade podia, mas queria ir devagar, não queria apressar nada, até porque fazia horas que terminava um relacionamento de anos e queria conhecer Claudia bem antes de qualquer coisa, afinal já tenho 28 anos e pretendo ter algo mais sério que uma ficada ou namoro, sim quero casar e construir uma família. Porra, mal fiquei com a mulher e já quero casar, as vezes eu me assusto comigo mesma. Entre esses pensamentos consegui dormir. Acordei com meu celular tocando insistente e para meu desprazer era Juliana a única coisa que eu fiz foi desligar. Espreguicei-me, levantei e fui fazer minha higiene matinal, dobrei os lençóis e fui tentar encontrar Claudia. Assim que cheguei na sala ouvi uma movimentação na cozinha e segui para lá, Claudia estava preparando algo e eu olhei para o relógio do microondas que marcava 14:30hrs e eu me espantei com a hora, caminhei até ela e abracei por trás e quase levo uma facada.

- Meu Deus Rê, quer morrer e me matar? – Eu não sabia se ria ou chorava do desespero que me deu, ainda bem que pratiquei defesa pessoal.

- Me lembre de nunca mais te abraçar por trás quando estiver na cozinha. – Virei ela para mim e beijei sua boca. – Bom dia Claudia.

- Bom dia Rê... Aliás boa tarde. – E abriu aquele sorriso que me deixa toda besta. – Preparei nosso almoço, pode colocar os pratos na mesa para mim?

- O que você quiser meu anjo. – Beijei seu lábios de novo e imprensei seu corpo contra a pia o gemido que ela soltou me deixou louca, por ser um pouco mais baixa que eu aproveitei e coloquei ela sentada me encaixando entre suas pernas, subi minhas mãos até sua barriga e apertei de leve. Claudia se afastou de mim sorrindo.

- O que aconteceu com o devagar Rê? – Perguntou beijando meu pescoço e eu saí de meu transe.

- Só estou agradecendo pela noite. – Sorri envergonhada e tentando mudar a situação.

- Pode me agradecer assim qualquer coisa. – Falou sorrindo.

Me afastei dela, peguei os pratos no local indicado por ela e coloquei na mesa, Claudia havia preparado uma lasanha de frango deliciosa e um arroz à grega. Comemos conversando e nos conhecendo mais, realmente essa mulher é fascinante, de fato a parte boa dessa bagunça que Juliana armou foi conhecer ela, por volta das 16:00hrs decidi me despedi de Claudia.

- Gatinha foi perfeito esse final de semana ao seu lado, mas agora preciso ir. Amanhã me mudarei com Vanessa para a casa que minha mãe deixou para mim e ainda tenho que ir ao meu apartamento embalar algumas coisas minhas e outras da Juliana para mandar devolver a ela. – Falei abraçando-a.

- Não vai querer ajuda? – Sorriu arteira e eu amei aquele sorrisinho. - Afinal preciso saber onde irá morar. Não pretendo te perder de vista. – Falou piscando o olho. – Vou pegar a chave da moto e você me diz onde é.

- Moto? – Perguntei com a sobrancelha arqueada.

- Medo? Saiba que piloto bem.

E lá estava eu indo até meu apartamento com Claudia pilotando sua moto comigo na garupa tão colada que mais um pouco nossos corpos se fundiriam, confesso que me excitei em ficar grudada nela, seu cheiro delicioso, seu corpo quente... Essa mulher é uma tentação.

Assim que chegamos, falei com o porteiro e levei-a para estacionar na vaga ao lado da minha e vi que ficou paquerando minha Mercedes-Benz GLA preta, sim tenho tara em carro preto e luxuoso, trabalho muito e posso ostentar um pouco sem contar que é meu cartão de visitas.

- Gostou? – Perguntei sorrindo.

- Seu? – Me olhou impressionada e eu sorri balançando a cabeça em afirmativo. – Acho que vou largar a psicologia e virar sua concorrente. – Sorri abraçando e beijando ela.

- Porque ainda não viu meu carro de trabalho. – Pisquei para ela puxando pela mão para subirmos ao meu apartamento. - Um chevy impala full-size sedan preto.

- Meu Deus, para que tanta ostentação? – Me olhou séria. – Mas depois quero dirigir os dois. – Sorrimos juntas.

- Bom, esse lance da dinheiro quando se é bom mesmo.

- Você é muito convencida sabia?!

- Não sou não, sou apenas realista. Sou tão boa, mas tão boa que acabei flagrando uma traição de minha ex sem nem saber que era traída. Portanto, sou a melhor. – Pisquei o olho para ela que caiu na gargalhada.

- Consegue fazer piada com a própria desgraça. Muito bom Senhorita Reis.

Assim que entramos em meu apartamento Vanessa me liga perguntando onde eu estava, conto tudo rapidamente e falei que estava com Claudia embalando algumas coisas para nossa mudança e ela falou que o Marcelo também estava ajudando, rapidinho nos mudaríamos.

Passamos o fim de tarde e meio da noite embalando algumas coisas importantes restando apenas os móveis que ligaria para uma empresa de mudanças na manhã de segunda para a providenciarem a desmontagem e montagem das minhas coisas e da Vanessa.

- O que acha de irmos ao apartamento de Vanessa? Te deixo dirigir.

- E como volto para casa mocinha? – Perguntou me abraçando.

- Bom, preciso ir buscar meu outro carro, achei que iria gostar de dirigir um chevy impala full-size após dirigir uma Mercedes-Benz GLA. – Falei fazendo um charminho.

 - Você sabe como convencer e agradar uma garota. – Rimos juntas.

- Vamos fazer assim, deixa sua moto aí, vamos até meu escritório, pegamos o meu outro carro, e vamos deixar esse em minha casa, assim você sabe onde trabalho e onde irei morar, pois vou deixar a Mercedes por lá. Aí depois vamos ao apartamento de Vanessa até porque todas as minhas roupas já estão lá.

- E como venho pegar minha moto gênio? – Mordeu meu queixo e fez eu me arrepiar.

- Dorme comigo lá amanhã cedo a gente vem aqui e você pega sua moto e vai para casa. Empresto-te uma roupa. – Sorri piscando o olho para ela.

- Só vou aceitar porque dia de segunda meu primeiro paciente é só às 10 horas. – Colocou a mão em minha nunca e me beijou não calma como das outras vezes, mas cheia de desejo, ela foi me empurrando até o sofá e sentou em meu colo me olhando nos olhos, deu um sorriso de canto que senti minha calcinha encharcar, essa mulher estava de fato me tirando do sério. Ataquei seus lábios acariciando suas coxas, Claudia já começava a rebolar em meu colo quando meu celular tocou, era Vanessa.

- Oi Van. – Falei ofegante.

- Tava transando né? – Caiu na gargalhada e eu quase morri de vergonha porque Claudia estava em meu colo e ouviu o que a sem noção da Vanessa falou.

- Não, estávamos terminando de embalar as coisas e já estamos indo aí.

- Nem precisa, estamos aqui em baixo, Marcelo falou que era bem possível que tivessem vindo de moto e como você é a senhora ostentação e precisa pegar seu outro carro viemos para ajudar. Marcelo nos chamou para passar a noite no apartamento da Claudia e eu já trouxe umas roupas suas já que já mudou para o meu apartamento. – Riu.

- Bom saber que Marcelo convidou visitas sem avisar para eu preparar um jantar digno. – Claudia falou rindo levantando do meu colo. – Já estamos indo então.

Do outro lado da linha Marcelo e Vanessa riam, pareciam um casal que estavam juntos a anos e eu fiquei feliz por minha amiga.

- Então você vai dormir no meu apartamento de novo, porém no meu quarto, pois só tenho dois. Algum problema? – Sorriu tímida pela primeira vez e eu fiquei toda boba.

- Problema nenhum gatinha. – Beijei seus lábios e ela pegou as chaves da minha mão.

- Eu dirijo. – Piscou e saiu andando até a porta e eu só ria, ali soube que estava muito ferrada com ela, teria de mim o que quisesse bastava sorrir.

Assim que descemos encontramos Vanessa e Marcelo falando da moto da Claudia e do meu carro, como sempre eu sendo julgada por ostentar com dois carrões de luxo. Eu tinha que passar credibilidade para meus clientes horas. Conhecia alguns detetives que eram verdadeiros mercenários, cobravam absurdos por um serviço demorado, eu era famosa não só por um resultado rápido, mas também por cobrar valores abaixo do que a maioria pedia e também um menor tempo e foi assim que conquistei tudo o que possuo como eu disse sou boa no que faço.

- Então loira, deve está bem né? – Vanessa falou me abraçando e reparando que Claudia e eu estávamos de mãos dadas.

- Estou sim Van e vocês dois? Como estão? – Sorri

- Estamos bem. – Olharam-se com os olhinhos brilhantes.

- Então quer dizer que você é apreciadora de carros de luxo é? – Perguntou Marcelo sorrindo.

- Digamos que faz parte do ofício. – Sorri.

- Nem vem Marcelo, eu quem vou dirigir essa belezinha e você leva minha moto com a Vanessa.

- Se eles já estão assim com a Mercedes quero ver quando virem o impala. – Vanessa riu.

- Vão ficar igual a você querendo ir a padaria da esquina com ele só para impressionar. – Rimos os três.

Nossa noite foi agradável, Claudia parecia uma criança dirigindo, apesar de ser de uma família de classe alta ela tinha o pensamento de ser desnecessário um carro de luxo, mas após dirigir um viu que às vezes era bom um pequeno luxo que considero conforto. Assim que Marcelo e ela viram o impala quase brigaram para dirigir, Vanessa e eu só riamos da cena, foi acordado que a moto ficaria em meu escritório, Vanessa e Marcelo iriam com a Mercedes até a casa que iriamos nos mudar e Claudia e eu fomos no impala e mais uma vez vi aquela mulher linda se tornar uma criança. Assim que chegamos a nosso futuro lar, Marcelo estacionou na garagem, Claudia saiu do volante e foi no passageiro e Vanessa e eu fomos atrás, queríamos deixar os dois se divertirem.

- Sinceramente, eu quero um carro desses. – Falou Marcelo. – Assim como a Claudia eu achava desnecessário gastar tanto em um carro, mas agora mudei de ideia. – Rimos entrando no apartamento de Claudia.

- Renata sempre foi muito discreta e muito humilde a única coisa que a vi ostentando foi com esses carros que como ela diz é o cartão de visitas dela.

- Olha aí Claudia, arrumou uma que vai passar na aprovação dos teus pais. – Marcelo fala rindo.

- Para Marcelo, o que as meninas vão achar? – Claudia ficou tão linda envergonhada.

- Falei brincando o tio Alfredo e a tia Maria Antônia são uns amores, falam apenas que Claudia deveria encontrar alguém que some junto com ela e não subtraia o que ela tem. Claudia tem dedo podre para relacionamento como vocês podem imaginar. Portanto dona Renata, trate minha amiga bem ou vai se ver comigo ouviu?

- No que depender de mim Marcelo ela será feliz a cada dia e não farei nada para magoar a Claudia, como estávamos falando ontem a única coisa que a Juliana fez de útil foi de certa forma ter colocado uma na vida da outra. Estamos indo com calma, mas com o andar da carruagem iremos construir algo sólido.

Mal terminei de falar e senti Claudia pular em cima de mim e me beijar, só tive a reação de segurar aquela ruivinha que em tão pouco tempo estava me fazendo tão bem.

- Dona Claudia nem ache que não posso te dá uma surra igual dei na puta da Juliana só porque você é fofinha porque se sonhar em magoar a minha loirinha eu vou caçar você até no inferno, essa mulher aí do teu lado já comeu o pão que o diabo amassou nessa vida e eu tenho ela como minha irmã e protejo ela como tal.

- Agora fiquei com medo, mas garanto a você que não vou magoar e nem mentir, muito menos trair. Ela é uma mulher maravilhosa e eu notei isso desde a primeira vez que conversamos. Quero muito construir algo sólido com ela.

Foi minha vez de puxa-la para um beijo, se eu não acho estranho a velocidade e a intensidade de tudo que está acontecendo? Sim acho, mas como minha mãe me disse uma vez “a pessoa certa aparece em nossa vida muitas vezes como um furacão, bagunça tudo, mas em outras vezes aparece como um final de tarde de outono, nos acalma e nos faz bem.” E bom, estava sendo como um final de tarde de outono, Claudia me transmitia uma paz que eu não sei explicar, mas queria continuar a sentir ao lado dela.

 

Notas finais:

Bom meninas, mais um capitulo para vocês!

 

Desejo a todas um excelente reveillon que 2021 um bom ano, pq 2020 foi só a misericordia!

 

Beijos, beijos

 

Gee



Comentários


Nome: Rain (Assinado) · Data: 05/01/2021 02:31 · Para: Capitulo 6

Oi!

Essas duas são muito fofas! É tão lindo ver o amor no ar. E eu também fiquei desejando um carrinho desses da Renata. Carrinho d'hora!

2020 foi só misericórdia mesmo. Que 2021 seja melhor.

Feliz ano novo, autora! Até a próxima!



Resposta do autor:

Menina eu desejo o carro dela toda vez que escrevo kkkkkk

Que seu 2021 seja maravilhoso e obrigada pelo carinho!



Nome: LeticiaFed (Assinado) · Data: 02/01/2021 03:43 · Para: Capitulo 6

Olá autora! Feliz ano novo! E ganhamos de presente o seu retorno...estava acompanhando a história, gostando demais e triste por ter parado. Agora vou reler porque ja não lembro bem ;)  Bom final de semana! 



Resposta do autor:

Que otimo Leticia, fico muito feliz em saber que gosta de minha estória. Peço desculpas por ter sumido. Tive alguns problemas pessoais que me fizeram perder a inspiração mas agora estou de volta!

 

Que 2021 seja um ano maravilhoso!



Nome: patty-321 (Assinado) · Data: 02/01/2021 02:14 · Para: Capitulo 6

Feliz novo ano! Tudo de bom.



Resposta do autor:

Obrigada, desejo que 2021 seja um ano repleto de coisas boas



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.


Ou comente usando seu Facebook: