No meio de tudo, você. por JuliaR


[Comentários - 208]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +
Mal entramos e senti minhas costas colidirem com a parede e sua silhueta encostar-se ao meu corpo no deixando o mnimo espao que seja entre ns, o cheiro da sua pele, do seu cabelo me acertaram em cheio, inebriando completamente meus sentidos.
Sua boca quente se apossava do meu ombro serpenteando at meu pescoo, fazendo-me soltar lufadas de ar, enquanto suas mos delicadas desatavam o n do meu robe e revelaram uma lingerie branca.
Da distncia em que estvamos pude ver seu olhar passar de um misto de admirao a excitao em segundos, enquanto sua boca vermelha mordia os lbios sensualmente.
--Vem c. –disse puxando-me pelas mos e eu segui enquanto ela sentava-se no sof de couro vinho.
Caminhei sensualmente at ela enquanto suas mos inquietas pareciam coar para me tocar.
--Perfeita—disse hipnotizada olhando meu corpo.
Prendi o lbio inferior entre dentes, quando sentia suas mos alisarem minhas pernas at chegarem as minha bunda onde apertou com fora e puxando-me para si.
Beijando minha barriga que parecia esquentar a cada toque de lbios deixados em beijos suaves. Eu queria mais daqueles beijos.
--Tudo para voc, amor. –Falei entre gemidos enquanto sentia as unhas curtas arranjarem minha cintura
--Senta.- disse seu tom de voz pela primeira vez em todo aquele tempo foi doce.
Sentei-me em seu colo sentindo um frio na barriga, ao v-la frente a frente, seu olhar quente me fazia perder o sentido, suas mos seguravam meu cabelo enquanto puxava meu cabelo para trs e sua boca mordia e lambia meu colo, e maxilar.
Minhas mos trmulas apertavam seu ombros, arranhando sua pele, enquanto as dela apertavam minhas pernas, e me puxavam pela cintura encostando seu corpo ao meu.
Mas faltava algo para ser completo, algo que a muito me fora negado por ela, eu eu j no sabia viver sem.
--Me beija, por favor—disse num suspiro implorado sentindo seus labios macios no meu pescoo, ela parou de repente ento vi no seu olhar a dvida, contornei delicadamente com o indicador seus lbios bem feitos . –Quero sentir o gosto dos seus lbios, da sua lngua...
No foi preciso segundos e senti sua boca contra a minha, num beijo cheio de saudade, vontade, tenso. Acariciei sua lngua com a minha enquanto a sentia sugar meus labios.
--Alice...—suspirei ao sentir meus labios sendo mordidos –Ah.
--Voce to gostosa—disse dando um tapa estalado na minha bunda –Rebola para mim, Letcia.
No a nada que ela me pedisse que eu poderia negar, me movi lentamente sobre seu colo enquanto ouvia seus gemidos deliciados, retirei sua roupa para que pudesse arranhar suas costas, eu queria marca-la como minha.
Sua mo atrevida ultrapassou o pano mido da calcinha enquanto ela pressionava o nervo rgido arrancando um gemido sofrido meu.
--Completamente molhada, s para mim.
Disse apertando entre seus dedos enquanto sugava meu meu peito me deixando completamente enlouquecida.
--Senta neles, linda.
Desci meu corpo sentindo seus dedos me invadiram meu intimo, enquanto sua mo me auxiliava --Desce assim com vontade. –Fiz o que ela ordenou sentindo um prazer indescritvel que so ela poderia me dar.—Isso.
No demorei muito a chegar ao pice a senti parar os movimentos, completamente suada colei minha testa a sua tentando recuperar a respirao.
Suas maos suspenderam meu corpo e a olhei sem entender ate que a vi me deitar delicadamente no tapete de frente a lareira.
--Sempre quis ter voc aqui.
Sorri encantada enquanto a via de joelhos tirando completamente a roupa exibindo a pele clara, que implorava para ser beijada. O vermelho do seus cabelos, o rubor da sua face, combinavam perfeitamente com o fogo da lareira atrs dela formando uma das imagens mais lindas que j vira. Queria guardar para sempre em minha memria, naquele momento eu sabia que era completamente dela.
--Voc pode me ter onde voc quiser.
Ela sorriu com os lbios encostados aos meus.
**

Mais uma dia de trabalho, passei a manh inteira no escritrio, depois de um noite intensa da qual preferia no comentar estava de volta a rotina sentindo o peso do cansao no meu corpo. Eu estava esgotada.
O dia passou sem mais delongas, quando recebi a ligao da recepo de que fosse ao escritrio de Victoria em dez minutos. Sabe-se l o que ela queria, mas no deveria ser coisa simples, do contrrio no faria tanto mistrio.
Fui a sua sala e dessa vez no havia ningum, o que era estranho devido ao horrio, sua secretria me mandou entrar imediatamente. Caminhei at sua sala e a encontrei absorda entre papis, e livros volumosos.
--Boa tarde.
--Boa tarde, Alice.
S ento desviou os olhos dos papis e me olhou de cima a baixo. E com o cenho franzido me lanou um olhar avaliador. Eu fiz o mesmo e o que vi foi uma mulher completamente exausta.
--Sente-se.
Sentei na cadeira ficando bem menor que ela, afinal ela parecia sentar em um trono de to grande e imponente que era.
--Cansada?
--De forma alguma.
--No parece. Abotoe os ltimos botes, h marcas vermelhas.
Prendi a respirao por alguns segundos lembrando da noite anterior. Por algum motivo desconhecido no gostaria que Victoria soubesse.
--Desculpe, sabe como so os insetos no vero.
--Sim, inseto com nome e sobrenome.
Engoli seco abotoando rapidamente. Enquanto vislumbrei um olhar irritado vindo dela.
--Tambm no precisa se enforcar.
Desabotoei o ltimo boto.
--J ouviu falar do caso Perez?
Me indagou calmamente enquanto ainda fitava os papeis.
--Claro, no se fala de outra nesse pas.
Respondi estranhando a pergunta.
--O Jri hoje. E estarei na defesa.
Arqueei a sobrancelha surpresa
--Mas era outro at semana passada...
--Ele saiu do caso. E eu o assumi.
--Causa perdida
--O que disse? –ela me olhou analtica.
--Nada, perdo?
--Gostaria de me acompanhar?
Arregalei os olhos em surpresa. Qualquer um gostaria de participar do jri mais comentado do ano.
--Esta falando srio?!
Ela apenas continuou me olhando inexpressiva.
--Claro que eu quero! Onde devo estar?
--Esteja aqui em uma hora.
--As suas ordens.
Sai do escritrio saltitante e to feliz que recebi olhares estranhos pelos corredores. Entrei na sala esbaforida enquanto uma Patrcia me olhava sem entender.
--Comeu carne de palhao?
--Quase isso! Voc sabia que Dra. Victoria est no caso Perez?
--Ouvi algum comentrio sobre. Por qu?
--Adivinha quem ela convidou para ir com ela?!
Disse enquanto sentava na mesa a olhando com expectativa.
--Brbara?
Meu sorriso morreu nos labios.
--No.
--Voc?
--Euzinha.
Patricia me olhou com a cabea pendendo para o lado, como se pudesse ver atravs da minha alma.
--O que foi?
--Nada.
--Desembucha de uma vez.
--Suposies.
--Quais?
--Que a toda poderosa esteja de olho em voc, por exemplo.
Comprimi os labios pensativa.
--Voc s pode estar brincando.
--Pareo estar brincando?
Me disse sria.
--Porqu ela estaria interessada em mim?
--Primeiro que desde que chegou aqui no vi ela levar nenhum estagirio para acompanhar audincia, quanto mais um juri, segundo a forma como ela olha para voc...… diferente, no com um desdm de quando ela olha para mim ou os outros. Terceiro, ns sabemos bem as preferncias dela. Pelo menos, o que ouo em corredores.
--O que voc ouve nos corredores?
--Que ela gay.
--E qual o problema?
Desviei o olhar fitando a parede, no meu ntimo temia uma resposta preconceituosa, no que Patricia j tenha demonstrado algum tipo de discriminao, mas nunca se sabe.
--Problema nenhum, Alice. S acho que seu corao j deve estar ocupado.
Arregalei os olhos.
--O que?!
--Voc no iria terminar com Bernardo por nada, ou ia? Sejamos francos h algum responsvel por isso. E nem estou te cobrando, so quero abrir seus olhos para as verdadeiras intenes dela.
--Mas ela trata Brbara da mesma forma, alias bem melhor que eu.
--Talvez a inteno com ela sejam outras.
--Nos poupe, Patricia, nem sei porque estamos nesse assunto com essas suas teorias conspiratrias. O fato , que vou estar no caso mais falado dos ltimos tempos, da para acreditar?
--Realmente, fico surpresa que ela tenha aceitado, sinceramente no acredito que ela seja absolvida.
--Nem eu. Eu mesma se fosse jurada duvido que no a condenasse.
--Mas trata-se de Victoria, no duvido de nada.Quanto a voc, boa sorte quero saber os detalhes depois.

Entrei na sala de Victoria enquanto ela conversava com alguns advogados na prpria recepo, tentei ao mximo no fazer nenhum barulho para sequer ser percebida, mas a tentativa foi falha quando sem querer topei na mesa do centro e quase derrubei o vaso de vidro.
Todos me olharam, inclusive Victoria.
--Perdo.
--O telo precisa expor as imagens na ordem exata, pasta clicar na seta a direita para passar a prxima imagem, e para retornar a esquerda. –Vi o tcnico de informtica explicar a Victria enquanto lhe entregava um controle remoto.
Ouvi doutor Marcus, a arrogncia em pessoa, perguntar a Victoria.
--Tem certeza que nao precisa de assistncia? Eles estaro ferrenhos na acusao...
--Absoluta. –Disse enquanto colocava documentos e controle na pasta.
--Talvez seja bom levar algum para caso...
--Srta.Alice vai me acompanhar. –disse e todos me olharam como se eu fosse um nada, inclusive Barbara que me lanou um olhar arrogante.
--Digo, algum com experincia, no uma estagiria.
Obrigada pela parte que me toca. Me senti um inseto.
--Eu tenho mais experincia que todos reunidos aqui, tenho certeza que no precisarei de mais. Alice por favor me acompanhe.
Juro que tentei controlar o sorriso zombeteiro nos lbios, mas temo no ter conseguido pelo jeito raivoso que Brbara e Marcus me olhavam.
--Sim senhora, com licena.

Seguimos pelos corredores sendo acompanhada pelos olhares de todos que trabalhavam, curiosos. Eu tentava seguir os passos firmes e rpidos dela enquanto o barulho do seu salto ecoava por todo canto. Ela estava diferente hoje, trajava roupas clarar, o que era raro, sua camisa branca e uma saia marfim combinando com os saltos.. E seu cheiro amadeirado me fazia fechar os olhos, como se assim pudesse guarda-lo na minha memria.
--J pode tirar o sorrisinho do rosto. –Disse enquanto dobrava a esquerda enquanto quase seguia direto, voltei rapidamente a seguida pelo caminho correto.—E preste ateno por onde anda.
--Desculpa. –Ri mais ainda.—… que seu perfume me distrai. –sussurrei baixinho.
--Como disse? –ela travou o passo e quase esbarrei nela.
--Que estou andando muito atrs.
--Hum.
Entramos no elevador, lotado por sinal, ainda pude ouvir Victoria bufando ao entrar no fundo enquanto eu me punha a sua frente.
Podia sentir sua respirao calma nos meus cabelos, e seu perfume invadindo ainda mais. Estvamos prximas demais, e o simples fato de senti-la segurar minha cintura firme enquanto descia de andar me fazia tremer por inteira. Prendi a respirao at chegarmos ao trreo.
Fomos ao estacionamento, e mal chegamos e os seguranas nos acompanharam at o carro.
Eu nunca iria me acostumar com aquela vida. Pobre, Victoria.
Entramos no carro em silncio enquanto o motorista manobrava.
--Obrigada.
Ela me olhou sem entender.
--Pelo convite e tambm por ter me feito me sentir um pouco menos insignificante na sua sala.
--Por nada. … por isso esse sorriso todo.
S ento notei que sorria tanto que minhas bochechas doeram.
--… meu primeiro jri, e com a melhor criminalista do pas, no tenho motivos para estar contente? Parece um sonho.
--Alice, esse certamente ser meu pior jri. Estar mais para pesadelo que sonho.
Meu sorriso murchou.
--Como voc est? –Perguntei ao notar no seu semblante um misto de inquietao.
--Normal e voc?
--Bem, eu acho.
--Voc acha que iro transmitir o jri?
--No.
Vi com estranhamento Victoria inclinar-se e retirar do compartimentos uma pequena garrafa de bebida alcolica enquanto dava goles.
Arregalei os olhos para a cena.
--Tem certeza que est bem?
Ela me olhou significativamente sem responder, seus olhos avermelhados e olheiras me fitavam como se na ris escuras escondesse mais coisas do que ela poderia revelar.
--O que houve? Esta nervosa? –Segurei suas mos frias e trmulas.
--No nada, s cansao.
--Independente do veredito, sei que dar o melhor. A defesa no estaria em melhores mos, tenho certeza.
Ela fechou suas mos nas minhas com um aperto delicado.
--Obrigada.
Sorri em resposta enquanto ainda massageava sua mo tentando transmitir a ela o mnimo de conforto. Ela logo puxou um frasco e borrifou essncia de menta em sua boca.
Logo poderia ser ouvido os burburinhos em frente ao tribunal, vrias pessoas com cartazes contra a acusada, pedidos de justia, acusaes, gritos de protesto por todos os lados. Assim que identificaram o carro de Victoria pude ouvir com detalhes o barulho de mos colidindo com a janela do automvel, pessoas possessas gritando palavras inteligveis.
--Meu Deus! –
Falei assustada nem em pesadelos imaginei que veria tanto gente assim protestando contra. A tarefa seria mais difcil do que pensei.
O carro parou e ouvi a respirao funda da mulher ao meu lado.
--Preparada?
Minha mente gritava no, mas no poderia mostrar fragilidade logo agora.
--Vamos.

***

H palavras que nos beijam
Como se tivessem boca.
Palavras de amor, de esperana,
De imenso amor, de esperana louca.

Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto;
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto.

De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas inesperadas
Como a poesia ou o amor.

(O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mrmore distrado
No papel abandonado)

Palavras que nos transportam
Aonde a noite mais forte,
Ao silncio dos amantes
Abraados contra a morte.

Alexandre O'Neill
Notas finais:

Olá, lindas.

Mais um cap, dessa vez acho que muita gente vai gostar, especialmente as teamleticia

Esse júri reserva muitas surpresas do passado. No próximo terá continuação, tenho a impressão

Que o próximo agradará bastante as teamchefinha hahaha

Uma observação: cap passado recebi uma dúzia de comentário desaforados e ofensivos

Feitos pela mesma pessoa, que se tão madura, fez diversas contas fakes com objetivo de ofender e me pressionar. Inclusive com ameaças de deixar a história. Pra essa pessoa um recadinho: Querida, você não tinha nem que estar aqui. Se não gosta de história clica no x do lado superior direito e seja feliz. Kkkkkkk

Beijo lindas

PS: fui pressionada a fazer esse cap em troca de uma ótima recompensa.😈



Comentários


Nome: Mille (Assinado) · Data: 14/10/2016 00:43 · Para: Capítulo 30

Ola autora tudo bem?


Hoje me bateu aquela saudade, e resolvi vim deixar meu recado.
Espero que retorne logo ao LETTERA.


Bjus



Nome: JanBar (Assinado) · Data: 25/07/2016 03:08 · Para: Capítulo 30

Julia, tudo bem com vc? Espero que sim!

Lindona, acho que essa é a décima vez que releio esse capítulo. Ele é um capítulo apaixonante! Além da belíssima, e hot, cena de amor entre Alice e Letícia, o texto está com um ritmo e uma fluidez maravilhosos. Sendo assim, estou morrendo de curiosidade pra saber como vai ser esse julgamento? Como a Alice e a Victória vão enfrentar e, se ganharem, comemorar essa causa? E a Letícia, quando souber q a Alíce está com a deslumbrante e poderosa Victória, vai reagir como? Vai ficar insegura?! Vai revelar que ama Alice e desfazer o noivado?! :-) 

Enfim... Muitas perguntas e muito poucas respostas até agora! Por isso vc precisa continuar publicando! :-) Please! Volta! ;-) Bjs, JanBar



Nome: TamySantos91 (Assinado) · Data: 25/04/2016 09:37 · Para: Capítulo 30

Adorandoo..muito feliz pela volta do conto..vc escreve muito bem..está de parabéns...Por Favor nao nos  deixe tanto tempo aguardando o capítulo..é ansiedade dmaiiisss...abraço tudo de bom...



Nome: thays_ (Assinado) · Data: 16/04/2016 23:29 · Para: Capítulo 30

Estou apaixonada por essa história, é fantástica! Adorei as referências literárias e as mudanças de atitude de Alíce ao longo dos acontecimentos, saindo do que se é esperado. A Letícia mandou muito mal, acho que vai sofrer muito ainda pra conseguir a Alice de volta, se é que vai conseguir. Ia adorar ver ela e Victoria juntas, mesmo que não fosse dar em nada. Comecei a ler hoje e estou mega ansiosa pro próximo capítulo ;) Parabéns, autora, sua escrita é muito envolvente.

Bjs



Nome: Mari Brandao (Assinado) · Data: 16/04/2016 19:34 · Para: Capítulo 30

Eu fiz questão de comentar dessa vez team Leticia também



Nome: Naiane Lins (Assinado) · Data: 16/04/2016 19:32 · Para: Capítulo 30

Sou 100% #TeamLeticia! Quero muito ela com a Alice novamente juntas



Nome: graziela (Assinado) · Data: 16/04/2016 13:41 · Para: Capítulo 30

Oi. Também sou #teamchefinha,  pois Letícia já usou e abusou e fez a Alice sofrer muito. 

Só não entendi muito bem Victória,  esperando pelo próximo capítulo para saber mais. 

 

E como sempre amando a história.  Parabéns. 

 

Bjs bom final de semana. 



Nome: Livia88 (Assinado) · Data: 16/04/2016 00:38 · Para: Capítulo 30

Olá Cara Autora!

 

Há muito não deixo um comentário em sua hitória, mas diante de tamanhos absurdos que tenho lido nos comentários, não pude não o fazer.

Já li muitos contos, e afirmo que o seu é muito bem escrito. Gosto do seu enredo e as mudanças de atitute da personagem Alice são muito coerentes com o que ela vivenciou no decorrer do conto.

A personagem Lethícia fez por merecer ser tratada com um pouco de indiferença por parte da Alice. Ela precisa demonstrar por atos que merce ter Alice de volta e continuar noiva não é um deles.

Gostaria muito de acompanhar o desenrolar desse "envolvimento" de Victória com Alice, é algo sedutor e que pode trazer mais amadurecimento para a personagem foco.

Sinto muito terem outras leitoras que tenham a mente tão pequena a ponto de desistir de uma história tão bem escrita, somente por contariar desejos próprios.

Melhor para mim e para as suas outras verdadeiras leitoras.

Continue a me surpreender Cara Autora!

Espero ter o privilégio de poder comentar novamente um capítulo seu.

Até Breve.



Nome: olivia (Assinado) · Data: 15/04/2016 20:58 · Para: Capítulo 30

Olá o comentario que fiz no capitulo 28,é  que voltei lá para ver se eu tinha pulado algum paragrafo,não entendi as criticas sem fundamento de determinadas leitoras!!Li e reli e nada,estão todos na mais perfeita ordem,aos meus olhos você continua ótima!!!!!!!!!!!!Bjs



Nome: olivia (Assinado) · Data: 15/04/2016 20:43 · Para: Capítulo 30

Boa tarde Julia! Leio sua historia do primeiro ao ultimo paragrafo,você é ótima escritora. Não entendi o porque de tanto blá,blá sobre Alice. A historia é sua e você sabe desenvolver os personagem.ESSAS LEITORAS deveriam ter mais respeito pela autora que escreve com muita seriedade.Adoro ler sobre juri,tribunal processos e tudo que diz a respeito de um julgamento.Parabéns por nos blindar com seu talento!!!Obs;acho que é a primeira vez que faço um comentario do seu trabalho!!!!!Bjs



Nome: Pryscylla (Assinado) · Data: 15/04/2016 19:20 · Para: Capítulo 30

Ansiosa pelo próximo capítulo.

Bjus =]



Nome: melissa (Assinado) · Data: 15/04/2016 11:24 · Para: Capítulo 30

oi... Que bom que voltou... amo sua história, e continuo na torcida por leticia, sempre...



Nome: Mille (Assinado) · Data: 15/04/2016 10:33 · Para: Capítulo 30

Início quente, ui adoro quando a Alice e Letícia no momento delas.

Esse Juri será muito intenso, estou mega ansiosa.

Bjus e até o próximo



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.


Ou comente usando seu Facebook: