No meio de tudo, você. por JuliaR


[Comentários - 208]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

Eu e Clara estávamos em frente a minha casa, já tinham se passado das 2h da manhã, após sairmos do bar apenas passamos no estacionamento da faculdade para buscar seu carro, e ela veio seguindo o meu ate minha casa, com a desculpa de que seria mais seguro ir acompanhada mas eu sabia muito bem o que Clara queria.


Eu estava agora encostada em meu carro enquanto Clara me pensava no mesmo me beijando incansavelmente enquanto suas mãos possessivas acariciavam minha cintura. Nossas bocas só desgrudaram quando nossas bocas exalavam sorrisos fáceis. Estávamos um tanto bêbadas.
--Você sabe que eu sempre quis...

--O quê? -falei acariciando sua nuca

.--Ficar com você. Eu mal posso acreditar que isso finalmente está acontecendo.

--Awn. E por que não tentou antes? 

Quem sabe não conseguiria algo? -arqueei as sobrancelhas deixando meus braços entrelaçarem seu pescoço. 

--Você estava com Bernardo e bom, duvido que você seria capaz de trai-lo. Ou estou enganada?Meu riso frouxo se tornou amarelado. Mas concordei.

--Está certa. Mas agora que ficamos nada impede de termos algo casual.Virei o corpo de Clara, e a prensei-a contra a lataria fazendo-a soltar um suspiro exasperado.
De onde estava poderia ver com um pouco de dificuldade a sacada da varanda, que apesar de escura era possível ver a silhueta conhecida escondida entre os arbustos das pequenas palmeiras. Letícia.Isso do me deu mas vontade de continuar o que estava fazendo. Beijei longamente o pescoço delgado, mordendo de leve a pele exposta, arrancando um grunhido de Clara enquanto arranhava sua barriga por baixo da sua roupa.

--Então é isso que eu sou para você? Algo casual. -Clara soltou minhas mãos e me olhou com um olhar acusador. Abri minha boca em surpresa.

--Você entender errado eu so...Fui interrompida por sua risada gostosa.--Sua idiota! Achei que era sério! -Dei um tapa fraco em seu braço.

--Você precisava ver sua cara. Impagável!

---Eu já estava ficando nervosa...

--Eu sei reconhecer meu lugar, Alice. -ela sussurrou baixinho como se me contasse um segredo.-Seu quando alguém quer algo a mais comigo, ou se estou sendo usada para algo...-sua respiração batia em minha orelha causando arrepios.

--Não entendi o que você quis dizer...-fechei os olhos quando Clara puxou meus cabelos e mordeu meu queixo.

--É ela não é? -falou beijando meu maxilar 

--Ela quem? Do que está falando?

--Sua tia. Meu corpo tremeu e minhas pernas ficaram fracas, poderia ter caído se não fossem os braços de Clara me segurando firmemente em seu corpo.

--Mas você tem sorte, Alice. Quando se trata de você, eu não tenho receio nenhum de ser usada. Será um prazer.


**

 

Estava no escritório já, tinha passado a manha e a tarde inteira tentando reunir coragem para adentrar no escritório de Victoria. Ou melhor, Doutora Victoria.


Tinha uma avaliação de estágio que precisava da análise de Victoria. Eu deveria entregar semana passada, mas devido sua viagem não pude, o prazo final e improrrogável era hoje. Antes de Victoria aparecer quem avaliava era Dr. Otávio, sempre dando uma boa nota no meu desempenho, mas agora não tinha a quem recorrer, Victoria era a responsável pelo local, além do mais o peso de uma avaliação positiva de uma das maiores advogadas do países faria maravilhas no meu currículo.


Mas com que cara iria lhe procurar depois do acontecido?


Ainda estava magoada com sua forma rude de me tratar, mas saberia que enquanto estivesse trabalhando diretamente com ela já deveria estar me acostumando.


Posterguei o máximo a ida a sua sala, esperei até o fim do expediente quando o escritório estaria mais vago, não queria interromper com assuntos que não eram de seu interesse. Victoria era uma mulher ocupada não iria perder tempo com uma avaliação acadêmica.


Mas lá estava eu, caminhando em direção a sua sala congelante em passos lentos e desanimados já prevendo um possível coice. Entrei na sala e suspirei aliviada quando a vi completamente vazia, naquele horário geralmente não havia mais clientes.
A mesa de madeira maciça estava vazia, mas o computador estava ligado mostrando o logotipo do escritório, presumi que a secretária logo voltaria.

5 minutos.


10 minutos.


Estranhei a demora e relutante levantei para entrar na sala sem permissão. Abri a porta pequeno corredor que levava a sala, de lá era possível ouvir vozes.

 Encostei meu ouvido na porta para ouvir com mais exatidão.

--e desde quando você tem medo de se arriscar, hein? Não conheci a senhora assim. -uma voz fina e irritante soou.

--Meu local de trabalho.
Era Victoria quem falava agora.

 --E daí? Você não manda nisso tudo? Pode fazer o que quiser.

--Justamente o contrário, tenho que dar exemplo.

--Sabe o que eu acho? Que você precisa relaxar um pouco, e eu sei bem como fazer isso.

--Hoje não. 

As vozes ficaram mais audíveis anunciando a proximidade delas e eu imediatamente sai rapidamente pisando na ponta dos pés e adentrei na sala da secretária que por sorte divina continuava vazio.Minha curiosidade foi maior que o medo e optei por me esconder atrás da estante cheia de livros. Eu estava com a pulga atrás da orelha, precisava ver ate onde aquela conversa iria.


Pouco depois elas adentraram na sala sorridentes.E eu conhecia bem aquele ser, era a mesma menina chata que estava com ela no elevador no dia anterior. Só podia ser castigo.

E Victoria sorrindo?! Sim, isso era realmente estranho.

--Você sabe que eu não aceito não como resposta, não sabe?

A criatura vulgar falou, ela vestia uma saia de malha apertada e um tanto curta para um ambiente como aquele. Aliás, a saia não era curta em si, mas estava levemente...levantada?Existem pessoas que tem a personalidade escrita na testa, na dela poderia ver brilhando : p i r a n h a.Mas Victoria parecia gostar, estava toda animadinha com a companhia dela.


Vi logo Victória sentar-se a mesa, ela sim era uma mulher elegante, seu terno feminino bem cortado moldava-se perfeitamente em suas curvas. Vestia uma camisa branca, um colete negro e uma calça de tecido leve. Nos pés um salto altíssimo. 

--Realmente não suporto contraria-la, mas realmente não há possibilidade. -Victoria falava com um pesar na voz.Como assim não suportava contraria-la. A mim ela faz o tempo todo e sem remorso algum.A criatura foi até a porta e fechou-a trancando. E se aproximou dela lentamente com cada de cachorro sem dono. E se pôs entre as pernas de Victoria, enquanto suas mãos acariciavam o colarinho da blusa de Victória.

--Nem se eu insistir muito, daddy? --
Falou com uma voz...infantil?


Arregalei os olhos. Daddy? O que significava aquilo exatamente eu não sabia, mas ao vislumbrar o brilho no olhar castanho de Victoria soube que era algo que mexia com ela.--Não faça isso...-ela suspirou.A cínica abriu alguns botões da própria camisa e mostrou-lhe uma gargantilha prata cravejada de pedras amarelas brilhantes que apertavam seu fino pescoço.

Eu conhecia aquela gargantilha. Ou ao menos vi algo muito parecido no apartamento de Victória.
Victoria mordeu os lábios e cerrou os olhos, ao tempo em que levava as mãos ao pescoço da garota, seus dedos longos e esguios pressionavam a carne com força, enquanto a outra lhe lançava um olhar derretido. Eu mal pude ter tempo para raciocinar a cena, quando Victoria aproximou o rosto da orelha e lhe sussurrou algo que não pude ouvir, mas a garota parecia se deliciar de olhos fechados. Senti um arrepio sobre minha pele. Ela logo se afastou da garota.


--Eu não aceito não como resposta. -a menina disse beijando lentamente o pescoço exposto, os livros da estante me impediam de ter uma visão mais apurada, mas ainda pude ver relance o prazer estampado nos olhos de Victoria.

--Melhor você ir.

 --Ás onze, no mesmo lugar.  

Estarei esperando.A garota saiu da sala lentamente jogando um beijo no ar e destrancando a porta. Deixando uma Victoria completamente paralisada.

Eu estava estranhamente incomodada aquela cena.

Estava estranhamente enciumada.

E mais estranhamente ainda, excitada.
**
Pov Letícia (n/a: aleluia irmãs!)


Passei a noite em claro, aliás desde que discutir com Alice, todas as noites eram assim, o  não vinha, a consciência estava pesada demais para me permitir um sono tranquilo. Tudo piorou naquelas últimas semanas, eu mal a via e nos poucos momentos em que nos esbarrávamos era obrigada a ouvir seus insultos. Ela estava tão mordaz, tão rude, nem de longe parecia a garota doce que conheci. 
Mas eu sabia que a maior culpada de sua mudança era eu. Sabia que era demais pedir compreensão quando no meu dedo estava uma aliança de compromisso. Mas havia algo muito maior, que me atormentava bem mais do que a relação com Alice.


Eu me sentia suja, impotente naquela casa, era difícil ser tão bem tratada por Liza, saber que tinha sua total confiança no ateliê quando eu mesma foi responsável por sua queda no passado.Há erros que não podem ser concertados. Por maior que fossem minhas tentativas de remediar a situação eu sabia que minha atitude era imperdoável.


E o pior, tinha medo que pudesse cometer o mesmo erro novamente.Levantei da cama sentindo meu corpo cansado e minhas pálpebras pesadas, no entanto na havia desistido de dormir, no criado mudo o relógio marcava cinco horas da manhã. Fiz minha higiene matinal, desci as escadas vestida com a mesma camisola que dormi.

A casa estava vazia e o silêncio reinava. Fui a cozinha e puxei as persianas da janela de vidro para olhar a garagem. O carro de Alice não estava. Ela ainda não havia chegado, conclui bufando de raiva.
Deveria estar com aquela sem graça da Clara, já que noite passada estavam aos beijos e amassos. Só de imaginar a cena senti calafrios.Tirei algumas frutas da geladeira e resolvi corta-las para fazer uma salada. Liza adorava comer isso no café da manhã. 


Fiquei tudo distraidamente por longos minutos até sentir um cheiro conhecido invadir meus sentidos, fechei os olhos com força tentando controlar o máximo a vontade de virar e olhar o rosto conhecido.Eu cortei tudo mecanicamente até sentir um corpo quente se encostar ao meu, e a voz doce e irônica falar  arrepiando todos os pelinhos da minha nuca.--Bom dia, tia. -ela disse encostando os labios quentes na minha orelha.Prendi a respiração me mantendo em silêncio, apenas sentindo o calor que emanava.--Não vai me responder? -falou com uma voz risonha e pude sentir o cheiro do álcool.--Não. -falei emburrada, quase cortando meus dedos com as maos trêmulas de nervosismo.Ela sorriu e eu senti suas mãos firmes se apossarem da minha cintura, puxando meu corpo em direção ao seu. Suspirei.Ela segurou meu cabelo e prendeu agilmente em um coque para no instante seguinte passar a língua quente e escorregadia na minha nuca. Mal pude controlar e gemi baixo.


--Alice, melhor não. Alguém pode chegar e ver. -tentei relutar mas já estava um tanto derretida.

--Você fica tão gostosa vestida assim. 

Falou passando a mão pela minha perna, arranhando de leve. Quando pensei em protestar senti sua mão subir por baixo da camisola e apertar meu seio direito enquanto mordiscava minha orelha.Era golpe baixo. 

Gemi dessa vez algo quando ela apertou o mamilo entre os dedos com força.

--Vamos pro seu quarto. -tentei virar meu corpo mais ela me deteve me alertando ainda mais r a bancada de mármore. Fazendo meu corpo inclinar para frente, enquanto ela puxava meu cabelo com força.
Pelo espelho da parede ao lado podia vê-la, estava com uma calça apertada branca rasgada, saltos e uma jaqueta preta de couro, contrastando perfeitamente com seus cabelos ruivos.Ela estava tão mulher, tão atraente.

--Não vamos pra lugar nenhum. Quero comer você aqui.-falou rude comigo, sua voz doce já não existia, e ela parecia irritada.Mas já estava excitada demais pra negar-lhe algo.

--Onde você quiser... --falei tirando sua mão do meu seio e levando seus dedos um a um aos meus labios, chupando demoradamente.

--Você não presta. -Ela disse em meio a um gemido sôfrego.Quando pensei em rebater senti dois dedos ultrapassarem minha calcinha e me penetrarem forte.

Fechei os labios com força para não gritar, tinha sido pega desprevenida.Alice logo posicionou minhas mãos na bancada e eu fixei a mesma me apoiando para que pudesse rebolar em seu sexo, me recostando ao máximo que pude e oferecendo meu pescoço a sua língua que descia flamejante pela pele exposta.Alice entrava e saia de mim com uma lentidão torturante, sentia seus dedos ageis circulando meu clitóris e me penetrando simultaneamente, dominando meu corpo com maestria, me levando a níveis de prazer inexplicáveis.

Abri mais as pernas e empinei ainda mais para que ela entrasse com mais facilidade, e quando isso ocorreu não demorou muito para o gozo vir  arrebatador.


Minhas pernas trêmulas, fraquejei quase caindo ao chão se não fosse os braços delicados me amparando e me erguendo, fazendo-me sentar.Só então, frente a frente, vi seu rosto avermelhado, seus cabelos vermelhos bagunçados, e seu olhar frio e distante fitavam qualquer lugar menos os meus.

--Hey princesa-chamei sua atenção segurando seu rosto delicadamente entre minhas mãos com um sorriso em meus labios, ela olhou pra mim, porém não me sorriu de volta. Seu olhar era sério.

Tentei beijar seus labios, mas e afastou o rosto de mim rapidamente, fazendo com que acertasse sua bochecha.


--O que houve?Ela se afastou de mim lentamente, olhando ao redor, como se só então se desse conta do que fizemos.Olhou o relógio dourado do seu pulso conferindo as horas antes de me dizer, friamente.

--Melhor se vestir. Já devem estar acordando.Desci da bancada confusa sem entender seu comportamento.-

--Mas a gente nem...Ela levantou a mão me impedindo de prosseguir.-

-Não existe a gente, Letícia.

 --E o que acabou de aconteceu aqui. Foi o que? Uma alucinação? -falei irritada.

--O que aconteceu aqui, vai acontecer quando eu quiser, você não decide isso.

Disse se virando e saindo da cozinha. Me deixando completamente atordoada.

** 

"Aquela coisa de que é preferível ter como amigo do que não ter de modo algum é a maior de todas as mentiras, por que ao gostar de alguém intensamente no sentido amoroso são destruídas completamente as chances de uma amizade mutuamente verdadeira, sentimentos não mudam de um dia para o outro, e não é por que é decidido que os sentimentos irão adaptar-se a isso. O modo de olhar é diferente, o sorriso é bobo e outro e os pensamentos voam como borboletas na primavera, quando se gosta de alguém, as coisas são vistas com olhos cheios de amor,  olhos que tudo suportam e aguentam e não apenas apoiam e incentivam, como os amigos. Quando se gosta de alguém as chances de amizades são notavelmente remotas ou simplesmente não existem, por que ou você ama fervorosamente ou ama fraternalmente, não existe meio termo nisso, mas só quem sente sabe."Spring Awakening - Madu

Notas finais:

Oi chickens

Mais um cap, hot como prometido, enfim. Eu prometi o hot não disse que elas iam ficar bem depois. Não briguem comigo kkkk

Quero saber a opinião de vocês, por isso cometem.

Trecho final é de uma história do wattpad, que estou a três dias chorando lendo. É muito fofa, Spring awakening, recomendadissimo se você quiser ler uma linda e depressiva história de amor!

Enfim, feliz carnaval! 



Comentários


Nome: TamySantos91 (Assinado) · Data: 26/02/2016 09:57 · Para: Capítulo 28

Cadê o próximo capitulo?😢



Nome: lenadelrey_ (Assinado) · Data: 22/02/2016 04:19 · Para: Capítulo 28
***uma vírgula

Perdoe o extenso (e enfadonho) comentário anterior, bom, eu só queria além de corrigir algumas palavras, compartilhar um trecho de um poema que eu li e que me fez arrebatadoramente pensar na sua fic/história...


tragédia é perder-se [no outro

sem antes ter se encontrado em si mesmo

- P. F. Filipini


Nome: lenadelrey_ (Assinado) · Data: 22/02/2016 03:57 · Para: Capítulo 28

Primeiramente: AH MEU DEUS, EU NÃO ACREDITO QUE DEPOIS DE TANTO TEMPO FINALMENTE ENCONTREI SUA FIC (choro). OBRIGADA POR NÃO DESISTIR, DE VERDADE.

Segundamente: QUE HISTÓRIA É ESSA DE ADAPTAÇÃO CAMREN??? É HARMONIZER E AINDA CAMREN SHIPPER, MOÇA VÁ COM CALMA QUE ASSIM EU NÃO AGUENTO.

Terceiramente: QUE FOI ISSO??? Tenho que dizer que estou amando a nova Alice (suspiros), só quem teve o coração dolorosamente partido um dia vai entender a importância da mudança dela, e a dra Victória - insira aqui aquela carinha - eu infartei com as cinco letrinhas, "daddy", céus, dá essa mulher pra mim, e quanto a tia Letícia, amo mas vontade de dar uma voadora, ela bem que merece o tratamento que está recebendo, que isso se perdure e ela se dê conta dá estupidez de seus atos, não me oponho a nada, afinal, o que é um romance sem um bom drama? Continue exatamente assim, sem tirar um virgula. 



Nome: Tazinha (Assinado) · Data: 06/02/2016 21:51 · Para: Capítulo 28

De uma menina dole, angelical, agora virou puta? Credo! Alice e Leticia devem ficar juntas. Ela ta virando uma promiscua isso sim.



Nome: JanBar (Assinado) · Data: 06/02/2016 20:32 · Para: Capítulo 28

Gostei bastante do capítulo, Julia. :-D

Essa Alice mais atirada e solta parece q ainda vai aprontar muitas! :-)

E a Letícia até que não ficou na seca, a ver navios. Kkkkk...

Vamos ver o que a Vitória vai fazer...

Adoro sua história! Bom carnaval! Bjs, Jan



Nome: Danielle (Assinado) · Data: 04/02/2016 22:58 · Para: Capítulo 28

Eu adoro essa história <3 

Estava a um tempo sem acompanhar por falta de tempo. Fiquei muito empolgada com vários capítulos novos. Adoro a Leticia mesmo ela com uma certa atitude errada, não duvido do que ela sente pela Alice.

Já a Alice como mulher fatal conquistou meu coração mais uma vez, espero que esse momento de mulher fatal não a transforme em alguém sem coração kkkkkkkkkkkkkkkkk.

Parabéns eu sou muito fã de história.

 

Ps: vou procurar a história recomendada do wattpad pq adoro um drama. 

 

Ps2. Amo uma pessoa bem resolvida como Clara virei fã dela já ;)



Nome: Mille (Assinado) · Data: 04/02/2016 17:32 · Para: Capítulo 28

Hummmmmm Alice chegou com espírito selvagem e Letícia provou do próprio veneno.

E essa cena da Victoria com a outra, hum adoro mistério.

Letícia prejudicou a mãe da Alice, muitas coisas para acontecer.

Bjus e até o próximo



Nome: Ludmylla (Assinado) · Data: 04/02/2016 12:05 · Para: Capítulo 28

Bom dia moça! Sua historia é tão boa, pena q vc demora muito pra postar. 



Nome: beatriz_cf (Assinado) · Data: 04/02/2016 03:15 · Para: Capítulo 28
Gente, que loucura de capítulo! Mas gosto assim, Alice sendo de todo mundo e todo mundo sendo de Alice! Acho que ela tem que se dividir com a Clara e a Victória, mas sei que não tem jeito, ela acabará com a Letícia. Mas espero que a mesma sofra bastante para ter a Alice de volta!


Nome: Pryscylla (Assinado) · Data: 04/02/2016 02:16 · Para: Capítulo 28

Agora a coisa esta pegando fogo,não sei quem vai ficar com quem kkkkkk.

Bjus :)



Nome: graziela (Assinado) · Data: 04/02/2016 01:40 · Para: Capítulo 28

Já vi que tem muita coisa para ser esclarecida ainda,  o que a Letícia falou nesse capítulo sobre a queda da Luiza no passado. 

E a Victória que não sabemos muito sobre ela ainda. 

E essa nova Alice pagadora. Fazendo sua tia sentir um pouco como ela se sentiu,  quando se sentiu usada por ela. 

Vamos ver os rumos que irá tomar.



Nome: Grazigabriel (Assinado) · Data: 04/02/2016 01:38 · Para: Capítulo 28

Olá autora!!!

Que bom que atualizou a estória, finalmente um pouquinho do lado de Letícia esperando ansiosa sobre esse passado escabroso dela,quanto a Alice dominadora não gostei essa coisa de só usar a Let fala sério, só acho que sua estória começou tão bem no entanto sinto um que perdeu um pouco o foco, contínuo batendo na mesma tecla só o lado da Alice é visto.

 

 



Nome: flavyya (Assinado) · Data: 04/02/2016 00:34 · Para: Capítulo 28

Ju tu me enlouquece quando atualiza essa historia. 

Adoro demais!

Sinceramente prefiro a leticia ativa, sedutora e mandona. Essa nova alice rebelde nao ta me agradando muito nao. Ja ta na hora de Leticia retomar as rédeas da relação kkkkkkk

Bjsss



Nome: Ana_Clara (Assinado) · Data: 04/02/2016 00:01 · Para: Capítulo 28

Que situação complicada! Eu gosto da Let, mas só acho que ela agiu de maneira errada com a Alice. Bom, torcendo pelas duas.



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.


Ou comente usando seu Facebook: