Shot me down por Mabes Okada


[Comentários - 71]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

- Eu avisei para vocês serem discretos- Começou Sam. Dante e eu permanecemos calados, enquanto a perícia vasculhava o local. Fazia bastante frio do lado de fora.

- Não fizemos nada demais. Em quase quatro meses de investigação tomamos uma atitude agora. Estamos na droga de um beco sem saída!- Respondi. Dante trocou o peso da perna nervoso. Olhei para ele e bufei indignada.

Pela quarta vez naquele dia, peguei meu celular e verifiquei as chamadas. Nada. Piper iria me ligar depois que saísse da faculdade, para ir buscá-la e até agora nada. Já era quase meia-noite e nenhum sinal. Estava entre o preocupada e o irritada.

- Eles sabem Sam.- Falou Date baixo.- A questão é como.

Sam suspirou.

- Sei que sim. Não faço idéia do que está acontecendo, mas eles sabem. 

- Estão brincando com a gente. Temos que nos mover- Falei irritada.

- E vamos fazer o que?-Retrucou Dante.- A única pista que tínhamos era falsa, e agora isso!-Apontou para a maca com o cadáver do guarda.

Passei a mão nos cabelos. Ele tinha razão. Meu celular começou à tocar.

- Se me dão licença- Falei dando as costas. A foto de Piper sorrindo apareceu no visor. Suspirei de alívio.

- Ei amor, porque demorou?- Perguntei, atendendo e entrando no carro.

- Olá Sophie Smith.- Falou uma voz grossa, cortante e rouca. Gelei.

- Quem é? Onde ela está?- Respondi tentando controlar os tremores em meu corpo.

O homem gargalhou.

- Ora vamos, você sabe quem é Sherlock. Acabou de me ver. Gostou do presente que mandamos?

- Reed.- Grunhi.- Onde ela está? Se vocês fizeram algo com ela eu juro que eu mato vocês..

- Não fizemos nada, ainda- Deu ênfase-Se você for uma boa garota, nada vai acontecer à ela e ela gosta da nossa companhia não é mesmo Piper?

-Me solta droga, desgraçado, SOPHIE NÃO VENHA É UMA ARMADI..- Um barulho seco, e um grito do outro lado da linha.

- Solta ela ! É a mim que você quer, ela não tem nada com isso!

Ele riu de novo.

- Ela tem tudo com isso. Estrada Clinton, em West Milford, New Jersey. Vá até o fim da rodovia e vire à esquerda. Vai achar uma casa. Venha sozinha, não diga nada à ninguém. Saberei se vier acompanhada.

- FILHO DA PUT..

- Você tem 1 hora, ou a garota morre. Vamos brincar ratinho.

Silêncio. O telefone ficou mudo.

Olhei em choque para o aparelho na minha mão e antes que percebesse lágrimas, quentes escorriam pelo meu rosto. Como deixei a situação chegar à esse ponto? Como ela se tornou um alvo? Eu tinha que agir.

Liguei o carro e saí cantando pneu. Dante gritou algo que não ouvi, acelerei e corri para a estrada.

Uma hora. Foi esse o tempo dado. Era uma armadilha, sim era. Era suicídio? Claro que sim. Mas pouco importava a minha vida, contanto que Piper vivesse. Ela não tinha culpa, eu sim. Como ele sabia de tudo? Como descobriu sobre ela ou sequer que estávamos observando? 

A resposta veio dando um estralo na minha cabeça.

Hermes não queria acabar com os negócios de Reed. Ele trabalhava com Reed. O primeiro cadáver, não tentou contar à alguém sobre como Hermes estava tentando acabar com os negócios de Reed e sim, contar que estavam juntos nessa. Nem Tomáz sabia o que estava acontecendo.

E Hermes nos conhecia.

 

 

Quarenta longos minutos depois, estava parada em frente à uma antiga casa de campo abandonada. Em tempos antigos, poderia ter sido uma casa senhorial, e magestosa. Atualmente estava em pedaços, com pregos tampando as janelas e rastros de vandalismo adolescente. Lembrava um pouco minha vida no momento.

Retirei uma das armas das costas, e escondi a outra na cintura. Com a arma em punhos, adentrei devagar. A porta rangeu, causando arrepios nas minhas costas.

Silêncio. Estava escuro demais para enxergar um palmo sequer à frente do nariz. Meus sentidos se aguçaram. Lembrei do meu treinamento à anos atrás:

"Se por alguma falta de sorte você estiver sozinha, se concentre Sophie. A escuridão pode ser sua aliada e sua inimiga. Cabe à você decidir isso" A voz de Sam ecoava na minha cabeça.

Aos poucos minha visão foi se adaptando, fui andando devagar. O hall e a sala estavam vazios. Subi as escadas púidas, que rangiam sob meus pés. Haviam pegadas na poeira acumulada.

Meu coração queria saltar pela garganta, os ecos frios dos meus passos reverberavam no corredor escuro indo de encontro à primeira porta entreaberta.

E lá estava ela.

Minha pequena Pocahontas, amarrada e amordaçada em uma cadeira. A cabeça pendia mole no peito, os braços estavam arranhados e sua camisa manchada de sangue.

Meu coração se apertou. Parecia que ele estava sendo esfaqueado diversas, e diversas vezes. Respirei fundo. 

Se acalma. Ela depende de você

Corri para onde ela estava, e comecei à desfazer os nós. Quando passei para seus pés ouvi um barulho da porta.

Dois homens de uniforme militar apontavam suas armas para mim.

- Saia daí, e  coloque a arma no chão devagar.- Falou um deles.

Levantei os braços.

- Tudo bem cowboy- Abaixei e coloquei minha arma no chão. Por uma fração de segundo, o cano da sua arma foi apontado para o chão. Era tudo o que eu precisava.

Me joguei para o lado e atirei acertando o primeiro no peito que desabou. O segundo mirou em mim, me atirei atrás de uma mesa que estava tombada e os tiros pegaram de raspão. Levantei um pouco e atirei no segundo que caiu segurando o braço. Aproveitei a oportunidade e mirei na sua cabeça.

- Head shot otário.

Ouvi um clique. Virei devagar.

Mais um guarda que veio sabe-se lá de onde, estava parado com a arma na minha cabeça. Senti o cano frio pressionar minha têmpora. 

Eu não posso morrer antes de tirá-la desse inferno.

Arrisquei reagir, desferindo um tapa na arma que voou no chão. Ele se jogou para pegá-la, chutei suas costelas. Ele grunhiu de dor e me puxou junto com ele. Caímos no chão embolados desferindo uma série de socos e chutes. Alcancei minha arma que estava caída, e sem calcular atirei.

Boa notícia: Acertei.

Má notícia: A cabeça dele estava à centímetros de mim. Levei um banho de sangue. Literalmente.

Empurrei o corpo para o lado e corri para Piper. Terminei de desamarrá-la e à amparei em meu colo.

-Ei, acorda. Amor eu to aqui- Dei leves tapas nas suas bochechas para que acordasse. Aos poucos ela despertou. Abriu os olhos e piscou varias vezes. Quando me viu ficou assombrada.

- Não era para você ter vindo! Eles vão matar você!- Fez uma careta de dor e colocou a mão lado do corpo. Estava empapado de sangue.

- O que eles fizeram!? - Exigi desesperada. Rasguei um pedaço do tecido já gasto de sua blusa e estanquei o sangue.

- Me bateram um pouco, ai, ta doendo tudo. E levei um tiro. Eu to bem- Murmurou fechando os olhos. Desmaiou de novo.

Abracei-a delicadamente em meu peito. Eu tremia. Um grito estava entalado na minha garganta. 

 O cheiro de pólvora e sangue invadiam cada canto do meu cérebro entorpecido. Eu tinha ciência e percepção que a pequena garota em meus braços estava perdendo sangue e que o tempo corria contra mim.

Olhei para a cena ao meu redor, os corpos dos guardas caídos no chão,o sangue que se alastrava pelo soalho velho. Ouvi as escadas rangerem, passos fortes e largos estavam vindo na minha direção.

Apoiei Piper no chão com cuidado, levantei com a arma em punho e me posicionei atrás da porta. Meu visitante à abriu com cuidado e entrou. Ele não era tão alto quanto Marte e a escuridão o mantinha indecifrável. Apontei a arma na sua têmpora com o dedo no gatilho.

- Se você se mexer eu juro por todos os deuses que eu sento o dedo- Rosnei apertando mais o cano frio em sua cabeça.

Ele gargalhou.

- Boa noite Sophie.- Falou com a voz calma.

Eu conhecia a sua voz.

Eu sempre soube quem era Hermes.

O sorriso de Luke faiscou na escuridão.

Notas finais:

.



Comentários


Nome: Andreia (Assinado) · Data: 30/11/2020 06:10 · Para: Rato Acuado

Eu tava suspeitando dele mais porque nao faço idéia.

Tomara que Sophia consiga salvar á namorada ela não merece sofre novamente.

Sophia coloca uma bala bem no meio da testa dele.

Bjs 



Nome: Brescia (Assinado) · Data: 07/09/2019 10:06 · Para: Rato Acuado

        Oi.

 

Por essa eu não esperava, que ele fosse do mal sim, mas não o próprio bandido mor.

 

        Baci.



Nome: rhina (Assinado) · Data: 05/09/2019 23:39 · Para: Rato Acuado

 

Que situação 

Terá saída?

Rhina



Nome: Maryana (Assinado) · Data: 04/09/2019 22:12 · Para: Rato Acuado

O chefe dela?????

Nosaaaa!!!!



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.


Ou comente usando seu Facebook: