Shot me down por Mabes Okada


[Comentários - 70]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

Abri os olhos para a claridade que inundava meu rosto. Pisquei algumas vezes tentando lembrar onde diabos eu estava e o que estava acontecendo. Forcei os olhos tentando absorver o cenário no qual eu me encontrava, e aos poucos minha visão entrou em foco.

A sala era de um branco deslumbrante, com uma luz de néon acima de mim, havia uma televisão na parede em frente ao meu leito. Ouvi um barulho irritante fazendo, bip, bip, bip, e virei o rosto para aquele lado. O aparelho media meus batimentos cardíacos. Que merda estava acontecendo!?

Senti uma pressão no braço esquerdo e olhei para baixo. Ele estava enfaixado da altura do ombro até o cotovelo, o outro estava quase totalmente ralado. Algo apertava as minhas costelas. Tentei respirar fundo. Uma dor quente e insuportável me atingiu ali e grunhi baixinho.

Minha cabeça parecia que, tinha sido enfiada dentro de um microondas.

A lembrança do que tinha acontecido me atingiu em cheio com uma pontada na cabeça.

O bar, Eric morto, os tiros, eu perseguindo Hermes.

Hermes!

- Desgraçado!- Gritei.

Alguém estava dormindo em uma cadeira no meu lado esquerdo e acordou com um sobressalto. A pessoa se levantou e devagar me deu um beijo na testa. Meus batimentos cardíacos se aceleraram no painel. Que constrangedor.

Piper sorriu.

- Ei, tá tudo bem agora- Sussurrou.- Como você está se sentindo?- Sentou na minha cama,e encostou delicadamente a cabeça no meu peito. Meus batimentos aumentaram. Ela riu.

- Além de quase ter um ataque cardíaco com você, parece que minha cabeça vai derreter, e sinto como se fosse atropelada pelo esquadrão da swat.

Seu sorriso desmanchou.

- Achamos que iríamos te perder. O acidente foi.. Foi.. Foi muito feio Phie.- Sussurrou, uma lágrima solitária escorreu pelo seu queixo.- Dante me ligou, e eu saí da faculdade correndo e viemos pra cá...- Ela engoliu em seco.- Você estava cheia de sangue e seus batimentos estavam diminuindo..

Virei delicadamente e beijei sua testa.

- Se tivessem colocado você perto de mim, meu coração voltaria na hora- Brinquei indicando o monitor.

Ela secou as lágrimas.

- Dois meses juntas e já me dá um susto desses?- Ela riu chorosa. Se levantou, beijou minha testa, meu nariz e meus lábios. Olhei-a de perto pela primeira vez, ela tinha olheiras profundas, achei bem sexy.

- Vou chamar o Dan. Ele está louco pra te ver. Estamos revezando desde o acidente. Ele tá quase surtando juro.

Segurei suas mãos. Fiz uma careta quando o catéter afundou no meu braço.

- Você volta?- Falei,os olhos suplicantes.

Ela sorriu beijando minha mão.

- Não vou sair daqui- Prometeu.

Se encaminhou para a porta, e quando ia saindo me mandou um beijo.

- Ela acordou- Ouvi Piper dizer à Jason do lado de fora- Vou buscar um café e donnuts pra gente e já volto. Ela precisa comer.

Dante riu aliviado.

- Posso te prender por contrabando de comida ilegal em um ambiente médico, você sabe não é?- Brincou.- Ela vai amar.

- Preciso dar o melhor para minha namorada, mesmo correndo o risco de ser prresa.- Falou rindo.

Namorada?

Era a primeira vez que ela me chamava assim. Certo, já faziam dois meses que estávamos juntas mas, nunca tornamos oficial. Era como se as coisas fluíssem entre nós naturalmente. O que era muito melhor do que fazer algum pedido.

- E esse sorriso bobo?- Perguntou Dan enquanto entrava. Sorriu.

- Nada.- Sorri de canto.- Apenas apreciando a beleza da vida.

Ele deu de ombros.

- Já estava na hora não acha?- Perguntou sentando no canto da minha cama.

Sim, eu acho.

Passei a mão na testa afastando os fios de cabelo que estavam no meu rosto. Senti algo àspero sob minha sobrancelha. Apertei.

- Ai! Caramba! Onde mais me costuraram?

- Melhor não saber- Respondeu rindo.

Encarei-o por um momento prendendo seus olhos azuis nos meus.

- Me desculpe- murmurei envergonhada.- Eu me preciptei. Se tivesse pensado um pouco mais poderia ter bolado um plano melhor...

- Phie, não. Você aproveitou uma oportunidade. Ninguém culpa você. Ao menos atingiu um deles. Ele está sendo interrogado agora.

- Certo, vamos.- Murmurei fazendo menção de levantar. Dante me empurrou de leve na cama, causando uma dor excruciante no meu abdômen.

- Merda- Trinquei os dentes.- Estamos perdendo tempo

- Sophie- Começou me encarando.- Você dormiu por três dias. Levou um tiro, foi atropelada. Quebrou três costelas sem contar os outros ferimentos..

- Mas..

- Mas nada! Você vai se recuperar, e depois que sair daqui, o Sr. Carter te afastou do caso por uma semana.

Uma semana!?

Eu estava fodida da vida. Puta. Putassa.

O marcador de batimentos cardíacos começou à se acelerar.

Dante me olhava assustado.

- Sophie, você não pode..

- EU NÃO POSSO O QUÊ!?- Gritei- VOCÊS QUE NÃO PODEM ME AFASTAR DA DROGA DO CASO GRACE, ISSO NÃO É...

- Sophie - Chamou uma voz doce.

Olhei para a porta. Piper estava parada ali, carregando uma caixa de donnuts e um suporte com três cafés na outra. Entrou lentamente e colocou as coisas em cima da mesa. Sentou do meu outro lado e segurou minha mão.

- Respira. Não há porquê ficar brava sabe.

Respirei fundo tentando me acalmar. Senti mais dor. Sem sucesso.

- Pessoas vão morrer Grace - Falei entredentes. - Graças à mim Hermes sabe que estamos caçando ele.

- O caso pode ser resolvido sem você-Respondeu sustentando meu olhar.- Não vou perder minha melhor amiga por causa de orgulho idiota.

- A ÚNICA COISA IDIOTA AQUI É..

Piper me beijou fazendo-me calar a boca.

- Chega Sophie- Sussurrou entre meus lábios. Nossos olhos se encontraram, ela sustentou meu olhar furioso.

Aos poucos seu cheiro era tudo o que havia em meu cérebro, e acabei me derretendo nos seus olhos multicoloridos e à contragosto me acalmei.

Dante pigarreou.

- Hã, sei que não é uma boa hora mas, nesse sábado é aniversário do Will. Nico vai fazer uma festa e você foi "convocada"- Falou fazendo aspas com os dedos. - À ir junto com Piper.

Minha raiva voltou como uma bala.

- Então para trabalhar eu sou uma inválida mas para a droga de uma festa..

- Nós vamos- Piper me interrompeu.- Me manda o endereço depois.

Fuzilei os dois com meu melhor olhar de "quero estripar os dois e colocar suas entranhas em um liquidificador".

Dante engoliu em seco. Piper me olhou mais feio.

Perdi a disputa.

- Tá.- Falei à contragosto.- Agora mandem o médico me sedar antes que, eu mate os dois. E me dá a droga de um donnut.

Ele riu aliviado.

- Você se vende bem fácil mesmo.

Dei uma dentada no meu donnut.

- Cale a boca Grace- Retruquei com a boca cheia.

 

 

- Pelo amor dos deuses, tira isso de mim!

 

 

- Já disse que você não pode  Phie, para de birra. Só fazem dois dias que levou alta e já quer, voltar para lá de novo?- Retrucou Dante enquanto eu, tentava arrancar a cinta da minha barriga. Sabia que tinha que usá-la mas, era uma droga andar parecendo um pedaço de pau.

- Eu vou te mandar pra lá se não calar a droga da boca Grace.- Respondi entredentes.

Tentei puxar de novo. A dor quente me fez perder o fôlego.

- Desisto.- Resmunguei.- Agora me joga essa camisa cinza, não aquela, droga a do Led Zeppelin é só ler!

Ele bufou irritado e jogou a blusa na minha cara. Em seguida me ajudou à vesti-la, passando uma jaqueta jeans pelos meus braços.

Ele se afastou para me avaliar.

- Está perfeita- Falou uma voz na porta.

Raphael, estava encostado no batente com aquele jeito relaxado de sempre. Os cabelos negros na altura das orelhas, os olhos verdes dançavam divertidos. Passou a mão pela camisa branca, em uma tentativa de desamassá-la. Ele podia ter estado ali o tempo todo, nos  observando com seu sorriso torto. Olhou para Dante de cima à baixo mordendo os lábios.

- Você então...- Murmurou apontando a calça colada do namorado. Dan ruborizou, enquanto Raphael ia para perto dele, jogou os braços em seu pescoço e o beijou docemente.

Revirei os olhos e fingi vomitar.

- Dá pra vocês pararem?- Resmunguei, tentando cobrir os pontos da testa com o cabelo. Sem sucesso.

Rapha riu abraçando  Dante.

- Achei que o mau humor dela havia passado- Falou.

- Ela nasceu assim, defeito de fábrica.- Dan deu de ombros.

Revirei os olhos.

Uma buzina soou longe.

- Piper- Meu coração martelava.

Dante riu, prevendo minha reação.

- Assista agora o pitt bull virar poodle.

- Só não te bato porque não tenho forças- Murmurei passando o braço pela sua cintura e fazendo-o de muleta.

- Por isso mesmo que tenho que aproveitar.- Respondeu sustentando meu peso.

 

 

- Eu tô parecendo uma criança.- Murmurei enquanto Piper prendia o cinto de segurança e me dava um beijo.

- Eu cuido de você bebê- Falou sorrindo dando a partida no carro.

Nico e Will não moravam longe. Eles se mudaram para uma casa de campo em New Jersey, que era uma das poucas ali. Não fui ao casamento, primeiro que estava trabalhando e segundo, sabia que Ashley estaria lá. Queria evitar que eu me atirasse na frente do primeiro carro.

Olhei para Piper, que dirigia concentrada na estrada e cantarolava "This charming man" dos Smiths. A nossa música. Brincávamos trocando o "man" por "girl". Isso me fez sorrir. O sol de fim de tarde, batia em seus cabelos cor de chocolate derretido, fazendo a pena presa nos fios parecer um arco-íris em miniatura como seus olhos. Os braços estavam à mostra na camisa regata branca que usava, levemente morenos dando um toque sexy. Olhei para a saia de bolinhas pretas que ela usava, e queria muito colocar as mãos em suas coxas.

- Você não pode, eu sim- Falou sorrindo surpreendendo meu olhar.

Bufei irritada. Droga de costelas quebradas.

- Preciso de um super bonder- Falei fazendo-a rir.

- É tem razão Dan - Falou Raphael, enfiando a cabeça no meio dos dois bancos.- Ela é um ursinho de pelúcia.

Piper riu.

- Mas ela é mesmo não é Phie?- Perguntou

Revirei os olhos.

- Quero um advogado- Respondi fazendo-os rir.

- Ouvi dizer que faz faculdade Rapha - Falou Piper puxando assunto.- Estuda o quê?

- Biologia marinha sabe, golfinhos essas coisas- Deu de ombros.- Eu era surfista então...

- Se como surfista você se refere àquela vez, que fomos à Montaulk e você quase morreu afogado e congelado, então tá.- Falei inocentemente.

Dante riu lembrando.

- Verdade, tivemos que chamar um salva vidas- Ele apertava a barriga.

- Calem a boca eu tinha treze anos- Resmungou Raphael- Conta pra sua namorada da vez que você fugiu de casa,porque seu pai não quis te dar aquele kit de ferramentas de construção. - Ele pigarreou- "Eu só queria arrumar a garagem"- Falou em voz de falsete.

- Eu tinha 7 anos!

- Rebelde sem causa- Falou Dan ainda rindo.

Piper estava rindo demais para o meu gosto.

Eu ia retrucar com algum feito constrangedor sobre os dois, mas Piper estacionou em frente à uma casa linda e enorme de madeira, cheia de luzes. A música podia ser ouvida do carro, acompanhada pelo cheiro de churrasco. 

Olhei para a frente, e a primeira coisa que senti foi choque, depois raiva.

Estacionamos atrás de um BMW preto. O mesmo que à dois anos depois de horas extras de trabalho, dei de presente de noivado para a pessoa que arruinou a minha vida.

Ashley estava ali.

Notas finais:

.



Comentários


Nome: Andreia (Assinado) · Data: 30/11/2020 05:06 · Para: No inferno

Sophia não pode deixar a Ashley estragar o que ela está construído com Piper ta certo que ela precisa por um ponto final na história conversar esclarecer e som porque isso não foi feito de nenhuma das partes não mais que isso.

E Piper  não pode ser que vai ou esteja com ela só para vigiar a Sophia elas fazem um casal muito bonito.

Bjs e abraçossss.....



Nome: Brescia (Assinado) · Data: 07/09/2019 09:30 · Para: No inferno

            Bom dia mocinha.

 

Como será esse reencontro? A Sophie agora tem alguém especial na sua vida e espero que não se deixe abalar pelo seu passado.

 

           Baci piccola.



Nome: rhina (Assinado) · Data: 05/09/2019 20:29 · Para: No inferno

 

Reencontro a vista......

No que vai dá ......

Rhina



Nome: Maryana (Assinado) · Data: 04/09/2019 21:04 · Para: No inferno

Vixe será que ela vai se deixar abalar por a tal da Ashley ??



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.


Ou comente usando seu Facebook: