Username: Eva Cruz [Contato] Nome: Eva Cruz
Membro desde: 20/08/2018
Status: Membro
Bio:

Coisas estranhas


 


Estranho seria se eu não me sentisse assim, perdida e desorientada, igual todo humano em farrapos.


Porque eu acordo todas as manhãs e no momento em que meus pés tocam o chão frio, me vem repentinamente a consciência de todas as dores que ouço, sempre que a noite chega. O tempo me trouxe uma maturidade amarga e, dia após dia, me faz esquecer o sentido de tudo. Não! Me faz entender que  nunca houve muito sentido nas coisas. Os dias passam, céleres,  feridas enormes e incuráveis se abrem mais em mim e somente compreendo que nada aprendi com o tempo. Eu ouço as pessoas. `As vezes silencio, outras vezes, num rompante, quero dizer tudo, quero livrar-me dos tantos fardos que adquiri pelo caminho. Há algum tempo, de forma pueril e inocente, acreditei que o amor era a cura para todos os males, acreditei veementemente no amor e hoje, uma fenda enorme abriu-se em meu peito  e quando olho tudo ao meu redor, entendo bem por que perdi a fé. E depois de tanto tempo, sinto-me ainda de mãos atadas, acorrentada aos três tempos que regem o mundo e cada vez mais ferida, mais magoada, em busca de uma tábua de salvação. Mas a salvação nunca vem; o que nos chega, com certo vagar ou repentinamente, é emoção desmedida, crua, emoção no seu mais alto grau de angústia, dor e desespero. Aos novos dias que chegam, junto, novas ideias se apoderando de nós, novos sonhos e novas desilusões.


Eva Cruz 


[Informar violação das regras]


Comentários de Eva Cruz [0]

Histórias por Eva Cruz

As infinitas razões do amor por Eva Cruz

Classificação: +12 • 0 Comentários

Sinopse:

              


 


 


 


         Bem... aí vai um conto/crônica (se é que é possível) sobre o amor. Talvez não seja do agrado de muita gente a forma como ele é concebido por mim, porém, vejo-o com muitas faces e de muitas formas. Inexiste em mim unicamente esse jeito de amar benigno e de final feliz. O que vos ofereço é uma visão comum, mas que a poucos atrai e poucos são os que se atrevem a remexer nela, portanto, merecedora, mais do que nunca, da boa palavra e, quem sabe, de uma observação mais acurada, que será a de vocês.


         Esta é uma obra de ficção. Confesso que já não sei bem onde começa a ficção ou onde termina a vida real. Penso que ambas estão intrincadas dentro de minha mente dispersa, mas... qualquer semelhança com a realidade, talvez, vejam bem, talvez, seja mera coincidência.


         É um texto exclusivo, destinado ao público homossexual. Se você for menor de idade, pare de xeretar aqui e, se por acaso você for maior e ‘acha’ que não é homossexual ou sabe que é homofóbico, já que está aqui no site, aproveite e leia as histórias. Quem sabe você não muda de ideia e acaba assumindo o que sempre teve vontade mas a falta de coragem não deixou. Obrigada.