Lutas da vida por Esantos


[Comentários - 121]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

--Andreia, posso te fazer uma pregunta? – Andreia se virou olhando-a

--Claro tia, diga.

--Aquela menina é sua namorada? – O copo que estava na mão de Andreia caiu estilhaçando-se no chão

--Na, na namorada? – Abaixou-se para pegar os cacos de vidro

 

--Andreia deixa isso aí, vem aqui – Pegou na mão da menina a fazendo sentar na mesa. – Andreia você sabe que pode contar comigo para tudo não sabe? – A menina balançou a cabeça, ela não encarava a mulher a sua frente. – Eu sei que você gosta de meninas Andreia, não precisa me esconder eu sempre soube – Ela disse de forma carinhosa.

--Tia eu juro que não faço mais, juro que vou me comporta, mas eu não tenho para onde ir, se a senhora quiser eu... – Ela falou assustada.

--Ei o que você fez de errado? Não estou pedindo para você mudar, aliás isso é impossível meu amor, não quero que você seja aquilo que você não é, você é assim e eu não tenho nada com isso, você é igual a qualquer garota a única diferença é que você não gosta de meninos e sim de meninas e sabe de uma coisa? Você está certíssima queria eu também gostar de meninas, seria tudo mais fácil – Andreia a abraçou sorrindo, Paula olhou para frente e viu que Juliana estava ali com a face assustada, Paula a chamou com a mão ainda abracando Andreia, porém ela saiu correndo.

 

-- Tia muito obrigada por me aceitar.

--Não tenho que te aceitar Andreia, não tem nada de errado com você, não tem necessidade de se esconder

--Minha tia me proibiu, por isso eu escondia.

--Apenas peço que tenha cuidado, muitas pessoas não aceitam, podem querer agir com violência.

--Eu sei me defender tia.

--Eu sei, mas mesmo assim eu te peço para ter cuidado.

--Está certo tia, eu prometo ter.

-- Agora vai lá atrás da sua namorada que sei que você brigou com ela por ter vindo aqui.

--Está bem, eu vou – Ela disse enxugando as lagrimas que caiam em seus olhos – Posso ir com a moto?

--Claro vai lá – Ela saiu quase quer correndo, Paula limpou os cacos do chão e saiu a procura de Juliana, ela estava sentada em um batente que tinha próximo a porta de trás da casa, escorado no pé de manga que tinha ali. – Filha podemos conversar?

--Por que a senhora nunca me disse mãe?

--Dizer o que filha?

--Que ela é... que ela é.... daquele jeito

--Juliana não fale assim, logo você com preconceito? Que sempre defendeu tanto o Junior, que disse não se importar.

--Não é preconceito mãe, eu só queria saber porquê?

--Por que de quer Juli?

--Dela nunca ter me contado, eu pensei que era a melhor amiga dela.

--Você deve ter escutado toda conversa e deve saber que a tia dela a proibiu, ela estava com medo filha, isso acontece porque ela foi proibida de ser ela mesma, agora o que eu queria saber de você se isso muda alguma coisa pra você?

--Pra mim? Como assim?

--Na amizade de vocês? Na convivência aqui, filha eu gosto da Andreia como se ela fosse da família, mas a prioridade da minha vida sempre foi e sempre será você, se você se incomodar ou se sentir mal com ela aqui em casa eu vou dá um jeito, mas minha prioridade é você.

--A senhora quer dizer colocar ela para fora? – Paula afirmou com um aceno. – NÃO! Claro que não mãe ela só tem a nós, quer dizer ela tem uma namorada agora – Disse as últimas palavras triste.

--Então converse com ela quando ela chegar, mostre que não tem nenhum problema em ela gostar de meninas

-- Eu acho que vou conversar com o Junior, ele vai me ajudar.

--Faça isso – Beijou a testa da filha e seguiu para dentro de casa

 

 

--Oi dona Clotilde o Junior está ai? – Juliana perguntou a avó de Junior

--Ele está lá no quintal ajeitando o cabelo da vizinha, vai lá – Ela sorriu para a senhora e foi para o pequeno quintal onde tinha um espelho e o jovem costumava arrumar os cabelos de algumas vizinhas.

--Juli meu amor, veio alisar seus cachos? Eu sou louca para dá uma chapinha nesse cabelo.

--Não mesmo, eu amo meus cachos – Ela disse meio que protegendo o cabelo – Vim conversar com você mais espero você acabar.

--Tudo bem, já estou finalizando – Ele ligou o secador e voltou para o cabelo da mulher que saiu satisfeita.

--Nossa arrasou, o cabelo dela ficou lindo.

--Ao menos o cabelo, não é colega? Por que o resto – Eles sorriram – Agora me diz o que você quer falar?

--É sobre a Deia, eu a escutei conversando com minha mãe e ela gosta de meninas,

--Sim e a novidade?

--Você já sabia?

--Desde que ela chegou na escola, a menina parece que tem o nome lésbica na testa e vocês não enxergam.

--Então porque você nunca me disse?

--Não cabia a mim falar Juli, se ela não era assumida é por algum motivo, eu não podia dizer nada.

--Eu sei, Ju eu estou tão mal com isso.

--Não vai me dizer que você não vai querer mais a amizade dela por isso?

--Não, é que eu queria que ela me dissesse, eu pensei que eu era a melhor amiga dela.

--Querida você é mais que isso, pode ter certeza

--Como assim?

--Nada não, apenas vai lá e conversa com ela diz que escutou e que não vai mudar nada na amizade de vocês.

-- É você tem razão, acho melhor conversar com ela, agora não diz a ninguém enquanto não falar com ela, pode ser que ela não queira que outras pessoas saibam

--Eu vou fazer isso, pode deixar.

--Ótimo, agora senta ai para eu aparar as pontas desse cabelo

--Não vai cortar muito, eu amo meus cachos. – Eles passaram a tarde ali conversando, na hora do jantar Juliana foi para casa, ficou no quarto pensando se a partir dali seria a mesma coisa, ou iria mudar de alguma forma.

 

 

--Oi Juli, boa noite – Seus pensamentos foram cortados pela entrada de Andreia no quarto.

--Deia senta aqui – Bateu na cama e ela veio atendeu – Eu escutei o barulho do copo caindo e fui ver o que era, acabei escutando a sua conversa com minha mãe.

--Então você já sabe – Ela abaixou a cabeça

--Por que você não me falou antes Deia? Eu pensei que você confiasse em mim.

-Não é questão de confiança Juli, minha tia tinha me proibido de falar, me fez várias ameaças e quando eu vim morar aqui... -Respirou fundo – Eu não tenho outro lugar, eu tenho apenas vocês – Disse deixando uma lagrima escorrer. – Eu entendo se você não me quiser mais por perto.

--Eu não falei isso, só fiquei magoada porque você não me falou, gostaria de ter escutado por você.

-- Então você vai continuar sendo minha amiga?

--A melhor de todas – Puxou Andreia para um abraço. – Mas me promete uma coisa, não esconde mais nada de mim, sempre serei sua melhor amiga, para sempre, combinado?

--Combinado – Andreia disse enxugando as lagrimas.

-- Outra coisa, você vai dizer ao pessoal?

--Eu acho que não vou chegar e dizer, mas vou deixar rolar, ou você prefere que eu conte?

--Você que sabe, ninguém tem nada a ver com sua vida mesmo, só eu – A puxou para um outro abraço -- Eu sempre vou ter algo na sua vida – Fez cocegas nas costas dela, esse era seu ponto fraco, ela não tinha cocegas em nenhum outro lugar do corpo e só Juliana sabia disso.

--Para Juli, isso não vale – Andreia falava sorrindo

-- Agora vai lá tomar banho – Soltou-a -- E avisa a sua namorada para usar menos perfume, você tá fedendo a ela – Andreia saiu sorrindo do quarto, se sentia leve, sem o peso do grande armário nas costas, ela tomou um banho rápido e foi para o quarto, no lá como sempre fez foi trocar de roupa, mas quando deixou a tolha sentiu quase que Juliana subir nela.

--Ai Juli o que foi?

--Olha sua costa, está toda arranhada – Andreia tinha esquecido desse detalhe e ficou sem graça. – Não está doendo?  - Ela balançou a cabeça negando – Vocês transam muito?

--Isso é pergunta Juli? – Começou a vestir-se.

--Só queria saber, eu estou curiosa e você vai sanar toda a minha curiosidade - Falou sorrindo

--Curiosa como? – Andreia disse pegando seu colchão e estendendo no pequeno espaço ao lado da cama.

--Tipo, você já ficou com meninos alguma vez?

--Não nunca.

--Então como você sabe que não gosta?

--Sabendo, eu não sinto o menor interesse em ficar com garoto, nunca sentir.

--E como é beijar uma menina?

--Pra mim é a melhor coisa do mundo. – Ela acabou de forrar a o colchão, mas sentou na cama ao lado da amiga.

--E como é o sexo? – Andreia fez sua cara de safada

--Maravilhoso

--Nossa, que cara de safada Deia, será que é igual ao de um homem com uma mulher?

--Creio que não, ao menos as meninas que eu conheci e que ficaram com homem disse que não era a mesma coisa.

-- O JM vem tentando me levar para cama, mas eu acho que ainda não estou pronta – O ar de riso de Andreia sumiu na hora, não conseguia imaginar o JM tocando o corpo de Juliana.

-- Se não está pronta não fique com ele, você é dona do seu corpo ele não pode te forçar a nada. – Disse ríspida

--Eu sei, só falei, mas como eu saberei que estou pronta? Como você soube?

--Eu nunca fantasie, apenas deixei rolar, quando senti vontade fui lá e fiz, aliás faço isso até hoje.

--Será que eu vou saber a hora de me entregar ao JM?

--Acho que vou dormir, estou cansada, até amanhã – Desceu para seu colchão, não estava feliz com o caminhar daquela conversa.

Notas finais:

Ola minhas flroes

Mais um capitulo curtinho, mas vcs não têm do que reclamar, postei muitos essa semana.

 

E agora como será que vai ficar essa amizade delas depois que a Juli descobriu a sexualidade de Andreia? ........

 

BJS 



Comentários


Nome: Mille (Assinado) · Data: 29/04/2018 14:13 · Para: Capitulo 8

Oi Lili 

Tô achando que o JM não terá o sucesso em ser o primeiro da Juli ou ele irá forçar a barra com ela. E se acontecer é bom ele se manter longe da Deia.

Bjus e até o próximo capítulo 



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.