Lutas da vida por Esantos


[Comentários - 121]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

--Vai Deia me deixa ver – Juliana pedia para ver novamente o exercício de matemática.

--Vem aqui, senta que eu te ajudo a responder – Andreia chamou a garota para a mesa.

--Isso mesmo Andreia não a deixa colar, Juli deixa de ser preguiçosa filha. – Paula repreendeu

--Eu não sei nem para onde vai isso – Sentou-se ao seu lado bufando.

-- Eu te ajudo, é fácil – Ela começou a ensinar a garota que depois de alguns erros conseguiu fazer os exercícios.

--Eu odeio matemática – Ela disse fechando os cadernos.

--Não tem bicho de sete cabeças, você que tem medo – Andreia parou de falar olhando aquela menina com a cara fechada, linda e irritada chegava a ser impossível parar admira-la.

-- Deia? Está aí? – Ela fez um carinho na bochecha dela que sentiu o corpo pegar fogo com aquele toque.

--Er... Estou, mas já vou , minha tia vai ficar brava – Ela disse arrumando suas coisas.—Amanhã venho cedo ajudar a sua mãe.

-- E eu vou dormir até tarde odeio acordar cedo.

--Boa noite Juli. – Colocou a mochila nas costas

--Boa noite Deia – Juliana em um ato impensável a puxou lhe abraçando, Andreia sentiu o rosto dela em seu pescoço, um encaixe perfeito, que foi interrompido por batidas na porta – Deixa eu ver quem é --Juliana separou-se sem jeito e foi para a porta, mas para desprazer de Andreia era JM que entrou e deu um abraço em Juli

-- Eu estou indo – Andreia saiu sem nem olhar para trás, não suportava ver eles juntos.

 

 

-- Isso é horas de chegar? – Marisa disse ao ver a garota entrando.

--Estava estudando com a Juli tia.

--Deixa a menina Marisa, ela já é bem grandinha – O marido da mulher falou olhando para a garota.

-- Eu só estou colocando rédeas nela Mauro – A mulher falou para o homem que fedia a bebida

--Ela não precisas de rédeas, não é minha menina ?– Passou as mãos no cabelo dela que se esquivou –Ela já é bem grandinha

--Eu vou para o quarto estudar – Andreia disse saindo dali o mais rápido possível.

 

 

-- Então Andreia já sabe o que comprar com seu primeiro salário? – Paula perguntou vendo a menina corta alguns legumes, era sábado, mas ela fez questão de ajudar a patroa.

-- Eu queria voltar a treinar tia Paula, mas acho que a tia Marisa não vai deixar.

--Você gosta mesmo de luta não é?

--Gosto muito – Ela sorriu.

-- Andreia faz um favor para mim? Acorda a Juli porque senão ela dorme até meio dia, agora sua missão é: só saia de lá quando ela levantar

--Está bem – Ela saiu pelo estreito corredor que tinha na casa e bateu na porta, porém não foi atendida, bateu novamente e nada, decidiu colocar a cabeça e chamar a outra, abriu a porta devagar e ficou paralisada ao ver aquela garota vestida com um blusão, as pernas de fora – Perfeita – foi o pensamento dela, chamou a menina mais uma vez e nada, caminhou até ela e tocou seus ombros, ela puxou o lençol e virou-se. – Acorda Juli, a sua mãe disse que só era para eu sair quando você acordar- Sacolejou um pouco mais forte.

--Não, me deixa dormir mais um pouco – Ela disse fazendo manha, Andreia sentiu a calcinha molhar com aquele jeito dengoso da morena.

--Acorda vai – Começou a fazer cocegas nela que começou a se mexer querendo se livrar. – Acorda dorminhoca – Ela fazia cocegas na garota, logo estavam as duas deitadas.

-- Tá bom eu levanto, mas para, por favor, para – Andreia parou e Juli a olhou nos olhos, sentiu algo novo com aquele olhar, não soube ao certo o que era, mas algo que nunca tinha sentido antes.

--Er... então vai levantar? – Andreia se desfez do contato e levantou da cama

-- Deia eu vou te matar por isso – Sorriu amarelo --Não pode me acordar quase de madrugada no sábado- Disse levantando

--Madrugada? Já vai dá onze da manhã Juli agora vai lá que estamos na cozinha – Andreia saiu e Juli voltou a sentar na cama, estava confusa, não entendia o motivo de sua amiga lhe fazer sentir aquelas emoções todas.

-- Levanta Juliana, deixa de besteira – Ela falou e foi fazer sua higiene e ao chegar na cozinha encontrou a mãe e a amiga conversando.

 

 

--Deia vamos dá uma volta hoje à noite, será que sua tia deixa você ir?

-- Para onde? – Elas estavam na frente da casa lavando a moto.

-- Estávamos querendo ir no antigo, só dá uma volta mesmo

-- Acho que minha tia não vai deixar.

--Deixa se nós fomos para igreja – Lidia disse atrás das meninas

--Eu na igreja? – Andreia sorriu

--Ela não precisa saber que não vamos – Lidia disse sorrindo

--Então você quer mentir para ela?

--Logico né, eu digo que vou te levar para igreja e ela vai deixar nós sairmos.

--Ótima ideia – Juli disse feliz.

--Tem certeza que não vai dá problema?

--Não, hoje ela não sai de casa esperando o pai que chega mais bêbado que o normal, então poderíamos dizer que vamos para igreja e vamos curtir a noite – A garota disse animada pulando nas costas da prima que segurou suas pernas

--Então vamos sair. – Andreia disse carregando a prima nas costas, Juliana sorriu ao ver aquele carinho que era aparente pelas duas.

--Vou pegar minhas roupas, podemos deixar aí Juli? Nós vamos pelo quintal e nos trocamos na sua casa.

-- Mas porque de nos trocar? – Andreia não entendeu

--Você acha que vou sair de vestido nos pés? – A garota sorriu e Juliana acompanhou já sabia que a garota adorava uma festa e sempre enganava a mãe daquela forma.

 

 

 

--Vocês duas tomem cuidado, se o culto acabar tarde peçam para um dos irmãos trazer vocês.

--Vai acabar mãe, o culto não vai ser na igreja daqui do bairro, vai ser na igreja que a irmã Dulce congrega, mas a Andreia vai pagar um taxi para nós ela prometeu gastar o primeiro salário dela em obras para Deus. – A menina falava normalmente.

--Oh gloria! Ainda bem que Deus está tocando nesse coração, tenho certeza que é você minha filha que está levando sua prima para um bom caminho

--Eu estou sim mãe, toda noite oramos até tarde, pedindo a Deus uma conversão total.

--Amem! vai lá filha, ore pelo seu pai, para esse demônio que faz ele beber tanto se afaste dele.

--Vou orar sim mãe, vamos prima?  - Andreia apenas balançou a cabeça estava surpresa com a prima, parecia uma atriz. – Você ficou linda nessa saia – Lidia disse assim que saíram de casa.

--Eu não acredito que você me fez colocar uma saia – Ela resmungou

--Ela tinha que acreditar, o que você queria? Ir com um de seus bermudões?

--Vamos logo, não quero ser vista usando isso – Elas deram a volta e entraram no quintal de Juliana que esperava na porta.

--Que esquisito, você de saia – Ela sorria.

--Pare de rir senão eu desisto – A garota falou com a cara feia.

--Deixa de ser rabugenta, vai colocar sua roupa – Ela foi vestir-se no banheiro e Lidia foi com Juliana que ainda não estava pronta.

 

-- Posso entrar meninas? – Andreia entrou no quarto e se segurou na maçaneta para não cair, Juliana estava linda, com uma calça jeans bem grudada em suas pernas, uma camisa de alça preta e uma maquiagem que a deixava mais linda.

-- Então como estamos? – Lidia falou alto chamando a atenção da prima que estava quase babando pela outra.

-- Linda, quer dizer lindas – Ela olhou para a prima e a viu transformada, com um vestido curto, maquiagem um pouco pesada e um salto alto.

-- Vamos que estão todos na casa da Claudia esperando – Elas saíram e foram caminhando até a casa de Claudia, lá já estavam todos esperando-as, depois dos comprimentos desceram as estreitas ruas daquela comunidade e logo alcançaram o centro da cidade.

-- Você já tinha vindo aqui Deia? – Juliana perguntou ao ver a garota olhando para tudo.

--Não à noite, é lindo.

--Ali é o marco zero, uma galera se junta é bem legal – Eles sentaram em uns bancos de cimento e logo JM chegou com uma garrafa de um vinho barato.

--Já estava com a garganta seca – Claudia disse enchendo seu copo.

--Vocês bebem? – Andreia de certa forma estava surpresa, ela já tinha bebido várias vezes, mas apenas em festas fechadas.

--Logico que sim, você não? – Junior perguntou

--Bebo, não muito, mas bebo – Claudia entregou um copo a ela que começou a beber de leve, ficaram ali conversando por um bom tempo.

--Olha lá a Lidia não perde tempo mesmo – Claudia disse apontando para a garota que estava beijando um menino.

-- Nossa está frio – Juliana disse e JM logo se prontificou de abraça-la, Andreia se sentia desconfortável com aquilo, sabia que não tinha direito de sentir ciúmes, mas há dias já tinha assumido o que sentia pela outra.

 

-- Ei Andreia, tem uma gatinha ali olhando para você – Junior cochichou no ouvido dela que ficou surpresa, não tinha comentado com ninguém sobre sua sexualidade, a única que sabia era sua prima.

--Menina? Eu não... como você sabe? – Perguntou baixo

--Ai  me poupe racha, só falta ter o nome sapatão na sua testa – Ele disse sorriu.

--Quem mais sabe?

--Acho que ninguém se deu conta, mas relaxa, vai lá na sapinha que eu te dou cobertura – Ela tomou o restante do vinho que tinha no copo e saiu de fininho chamando a garota para um lado mais escuro daquele local.

 

--Oi tudo bem? – Ela perguntou um pouco envergonhada.

- Meu nome é Andreia e o seu?

-- Katia, nunca te vi por aqui.

--Sou nova na cidade, mas vi que estava me olhando, você é muito linda- Colocou o cabelo dela atrás da orelha.

--Você também é – Ela mordeu os lábios e aquilo foi a deixa para Andreia que tinha um lado sedutor aflorado, ela descobriu-se lésbica aos treze anos, quando começou a gostar de uma menina da turma de judô, ela tinha 15 anos, depois de algumas semanas disse ao pai o que estava sentindo e o pai a apoiou disse que ela não precisa ter medo do que estava sentindo, uma semana depois a menina a beijou e passaram a trocar beijos no vestiário da academia de luta, passou quase um ano ficando com essa garota que lhe ensinou muitas coisas, porem nunca chegaram aos finalmente, com 14 anos Andreia se apaixonou por uma garota da sua sala e acabaram namorando por dois anos, foi com ela que perdeu sua virgindade, porem acabou traindo a garota com uma outra menina mais velha e quando a garota descobriu acabou o namoro com Andreia, que passou a levar a vida de ficadas, tinha um fraco por sexo, adorava, mas seu pai faleceu e ela teve que vim morar na capital, numa casa totalmente estranha a sim, quando a sua tia descobriu que ela gostava de meninas a prendeu e  ameaçou, a fez jurar que nunca contaria a ninguém dela.

--Queria muito te beijar, posso? – Andreia perguntou já levando a mão para a nuca da menina que não falou mais nada, sentiu os lábios serem amassados pelos lábios da outra, passaram um bom tempo ali naquele escuro, mesmo sentindo muita vontade Andreia preferiu não aprofundar mais aquele contato, apenas uns beijos mais quentes.

--Nossa você beija bem – A menina disse ofegante.

--Eu tenho que ir, meus amigos devem está a minha espera. – Deu alguns selinhos nela.

--Podemos nos ver novamente?

--Não sei quando vou voltar aqui.

--Toma esse é o número do meu celular – Lhe entregou um papel

--Nossa você tem celular? Que legal – Andreia disse vendo a menina tirar da mochila o aparelho.

--Tenho sim, vou esperar sua ligação – Deu um selinho nela.

--Eu vou ligar, pode esperar – Despediram-se e cada uma seguiu para junto da sua turma.

--Onde você estava? Já ia te procurar – Juliana disse assim que ela se aproximou

--Olha aí ela está viva, eu disse que não precisava se preocupar – JM disse com seu sorriso sarcástico

--Eu disse que você foi para o banheiro, conseguiu achar algum? – Junior disse segurando ela pelo braço

--Achei sim, lá do outro lado

--Então vai comigo até lá eu estou apertado – Junior a puxou sem nem deixar ela responder.

--Calma Junior, não precisa me puxar.

--Ai sapa, me conta, como foi com a sapinha mirim?

--Foi bom ela me deu o número dela, amanhã vou comprar um cartão para ligar pra ela. – Um sorriso safado brotou em sua face.

--Se deu bem, agora não vejo o motivo do pessoal não saber, eles são de boa.

--O motivo é a minha tia, me fez prometer não falar a ninguém.

--A sua tia é uma bruxa, mesmo. – Pararam de caminhar pois Junior esbarrou em um rapaz. – Desculpa amigo – Ele disse para o rapaz que conversava com outro. – Ai meu Deus melou sua roupa – Junior falou bem afetado, pois viu o estrago que fez na blusa do rapaz que estava com um copo de bebida na mão

--Só podia ser uma bichinha mesmo – O outro rapaz falou bravo

--Seu viadinho miserável, não olha para onde anda? – Ele deu um leve empurrão em Junior.

--Ei cara ele já se desculpou, não precisa disso – Andreia disse puxando Junior para perto de si.

-- Cala essa boca vadia, eu não aceito que esse viado me toque

--Vamos acabar com ele, assim ele aprende a ser homem - O outro rapaz se colocou ao lado do outro

--É vamos ensinar a ele o que é ser homem – Junior se encolheu já iria correr.

-- Não vamos partir para violência rapazes, será melhor os dois panacas nos deixarmos ir embrora– Andreia falou de cabeça erguida tomando a frente do amigo

--Andreia, vamos correr – Junior disse baixinho

--Você nós chamou de Panaca? Sua vadia? – O rapaz que estava com a camisa melada disse já avançando sobre ela.

 

 

 

--Olha o que será aquilo? – Disse Claudia que viu de longe o que estava acontecendo

--Será que eles vão... -Juliana não acabou de falar e viu o rapaz tentar dá um soco em Andreia que desviou – Ai meu Deus a Deia – Ela correu e os outros fizeram o mesmo, mas não chegaram a se meter, pois o que viram os fizeram parar, Andreia já tinha deixado um deles no chão com o nariz sangrando e o outro imobilizado em uma gravata.

 

-- Nunca mais se aproximem nem de mim nem do meu amigo, entenderam? Seus manés – Andreia disse soltando o outro que respirava com dificuldade, ele ajudou o outro que estava no chão com o nariz sangrando e saíram correndo

 

 

--Ai meu Deus que susto – Junior disse respirando fundo. –Nossa minha heroína – Ele abraçou-a.

--Nossa você acabou com eles – Claudia disse empolgada.

--Mas o que houve? – Juliana perguntou aproximando-se – Você está bem?- Ficou na sua frente.

--Estou, não se preocupe.

--Aqueles ridículos queriam me bater, mas minha mulher maravilha aqui não deixou – Junior disse abraçando a mulher novamente.

--Você é louca podia ter se machucado – Juliana falou brava.

--Não foi o que aconteceu, agora vamos voltar lá senão vamos perder nosso lugar – JM falou e retornaram para o banco onde estavam.

-- Deia tem certeza que está bem? – Juliana perguntou novamente fazendo um carinho nos ombros dela.

--Pode deixar eu estou bem. – Sentiu a pele queimar com aquele toque

--Ela sabe se virar, vem tomar mais um pouco – JM puxou Juliana para seu colo a fazendo tomar mais um pouco do vinho.

--Eu acho melhor eu ir para casa, já está bem tarde, não podemos exagerar – Andreia não gostava nada de como o rapaz tratava a garota. – Vou chamar a Lidia

--Eu vou com você – Junior falou e Maria também se prontificou em ir com os amigos.

--É melhor irmos todos, já está bem tarde. – Juliana falou se pondo de pé.

--Mas agora que é dez horas, a noite mal começou – JM não pareceu gostar.

--Podem ficar pessoal, não se preocupe conosco. – Andreia falou

--Fica ai JM eu vou com o pessoal – Juliana disse, o rapaz fez cara feia mas foi com eles, saíram andando e logo alcançaram as ruas sem calçamento da comunidade que moravam.

 

 

-- Ai Andreia serio que perdi você batendo em alguém? Mais que droga – Lidia falou assim que estavam colocando as roupas “de igreja” para voltaram para casa.

--Não teve nada demais apenas me defendi.

--Eu achei arriscado – Juliana falou vendo ela sair para o banheiro, logo estavam indo para casa, dona Marisa já dormia, elas entraram sorrateiras e foram para o quarto.

--Que papel é esse na sua mão? – Lidia perguntou ao ver ela guardando um papel.

-- O numero de uma garota que fiquei hoje – Andreia disse sorrindo

--Você ficou com quem que eu não vi? – Lidia pulando para a cama da prima

--Ninguém viu, fomos para o escurinho e você estava bem ocupada sugando a boca daquele cara

--Ele até que era gostosinho, mas agora me fala, quero saber de tudo.

-- Não tem muito o que falar, apenas trocamos uns beijos, ela é bem interessante – Ela sorriu.

--Não vai dizer que se apaixonou

--Não, claro que não, ela é apenas... – pensou no que falar – Gostosinha – Ela sorriu sendo acompanhada pela prima –Agora vamos dormir que estou cansada.

--Gostosinha é? Vai transar com ela?

--Lidia! Eu não sei, vai dormir – Empurrou a prima da sua cama.

--Me diz se transar com ela? – Lidia disse indo para sua cama, Andreia até tentou dormir, mas não conseguiu logo, passou um tempo rolando na cama sempre que fechava os olhos via a imagem de Juliana em sua cabeça, passou um bom tempo para conseguir cochilar.

Notas finais:

Ola minhas flores!!!

 

Olha ai mais um capitulo para nós, aos poucos vamos conhecendo as personagens, espero de coração que estejam gostando, vou me esforçar sempre para responder a todas vcs.

 

BJS



Comentários


Nome: Bee20 (Assinado) · Data: 19/04/2018 04:02 · Para: Capitulo 3

Estou amaaando



Resposta do autor:

Obg flor

BJS



Nome: Bee20 (Assinado) · Data: 19/04/2018 04:02 · Para: Capitulo 3

Estou amaaando



Nome: Mille (Assinado) · Data: 18/04/2018 17:25 · Para: Capitulo 3

Olá Lili 

Ciúmes da Deia da July, acho que o JM sabe que ela está doida pela Juliana e deve ser apaixonado pela garota que o ver como irmão/amigo. 

Bjus e até o próximo capítulo 



Resposta do autor:

E ela ta se mordendo, será q JM ja se ligou? 

Veremos...

Bjs Mile



Nome: Lili (Assinado) · Data: 18/04/2018 11:48 · Para: Capitulo 3

Esperando os lrkxipró capítulos.



Resposta do autor:

Ja ja flor.

Bjs



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.