If(true){love} //o código da atração por linierfarias


[Comentários - 407]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

Static void Main (){

                var Capítulo= “23”;

  var Título = “Hands To Myself”;

                var POV= “Alice”;

};

“Can’t keep my hands to myself”

 

Hands To Myself (Selena Gomez, 2015)

 

“Tá, eu sei que você deve estar louca pra saber o que eu tô achando dessa história da Isa querer manter o Lucas no apartamento dela; como eu vou me virar pra explicar ao Leandro sobre o nosso namoro; e o que eu vou fazer pra provar minha inocência perante às acusações absurdas da Giselle. Não me entenda mal, não é que eu não queira falar sobre isso, mas é que não posso falar sobre assunto nenhum sem antes compartilhar uma coisa com você: cara, eu nunca pensei que um dia ficaria tão completamente... estupidamente... absurdamente... exageradamente... abobalhadamente apaixonada por alguém como estou pela Isa. E não tem aquele lance de ‘Ah, é só uma baita de um tesão. Quando tiver bem muito dela, isso vai passar’. Nada disso. Claro que sinto uma grande atração física por ela, afinal, é uma delícia de mulher. Gostosa pra caramba... ai, ai... só de lembrar já fico toda acesa. Mas não é só isso, e o que vejo além, supera todo e qualquer outro tipo de atração que eu já senti na vida. O sorriso dela me ilumina, me arrebata... Sou capaz de ceder ao pedido mais absurdo que ela possa me fazer se, em troca, receber aquele sorriso. E a voz? Música para os meus ouvidos. Acho a coisa mais linda quando ela fica nervosinha, com medo da maior bobagem. Minha vontade é de pega-la no colo e fazer com que se sinta segura e protegida. Outra coisa que me deixa louca é aquele jeito metido a mandão dela... aquele ar altivo, um pouco arrogante. Fora que é inteligente pra caralho, brilhante, meiga, sensível, engraçada... porra, eu virei um clichê. Tô muito apaixonada!”

Quando acordei, olhei para o relógio na mesinha de cabeceira e me assustei ao ver que já passava das 10h. Levantei em um impulso, assustada, e só quando já estava de pé foi que me lembrei que não teria que ir trabalhar. A sensação foi um misto de alívio – por não estar atrasada – e frustração – por lembrar do motivo pelo qual estava em casa em plena segunda de manhã. Ensaiei me chatear com aquilo, mas afastei os pensamentos problemáticos da cabeça. Na noite anterior, após comprar o celular, havia ligado para o Leandro e combinado o almoço. Sabia que nossa conversa não seria fácil, então decidi me sentir bem até lá.

“E não há nada como ouvir voz da pessoa que ama para isso, não acha?”

-- Oi!

-- Bom dia, coisa linda!

-- Bom dia, meu amor!

“Era disso que eu estava falando. É ouvi-la me chamar de ‘meu amor’ e ficar com cara de boba imediatamente.”

-- Você tá bem?

-- Tô, e você?

-- Bem também. Acabei de acordar, acredita?

-- Vida boa...

-- Quem dera! E você tá fazendo o quê?              

-- Trabalhando, ué... – Usou um tom irônico ao falar, afinal, o que mais ela estaria fazendo na segunda de manhã? – Aliás, fazendo o meu trabalho e o seu, viu, sua folgada?!

-- Ah, mas que culpa eu tenho? Não pedi pra ser afastada.

-- A culpa é sua, sim, que não consegue manter essas mãos safadas longe das tuas colegas de trabalho.

-- Então a culpa é do Leandro, que não facilita a minha vida e só contrata gata pra trabalhar na empresa dele.

-- Cuidado com o que faz e fala... não tem medo que eu te acuse de assédio sexual também?

-- Quê? Meu amor, acho que você tá precisando reavaliar as circunstâncias, porque se tem alguém assediando alguém aqui, esse alguém é você.

E eu não estava mentindo. Sempre fui safada, mas depois que conheci a Isa, descobri que era apenas uma aspirante na arte da safadeza.

-- Está dizendo que eu tô te assediando?

-- Sim, mas isso não é uma acusação, não, tá? Pode assediar. Tô adorando...

-- É?

-- Ahan!

-- Tá bom, então. Já que insiste... Ainda tá deitada?

Perguntou-me com uma voz baixa, rouca, extremamente sedutora. Não sabia se ela estava mal-intencionada ao falar daquele jeito, de todo modo, eu estava gostando.

-- Tô, por quê?

Devolvi o tom sedutor.

-- E tá vestindo o quê?

“Entendeu agora o que eu quis dizer com aquele lance sobre safadeza? Isa é mestra nessa arte, não chego nem aos pés dela. Aquela carinha de mulher séria é pura balela.”

­-- Você sabe que eu durmo sem roupa.

Provoquei de volta e ouvi a respiração dela se alterar antes de voltar a falar:

-- Me dá um minuto?

-- Pedindo assim, dou tudo o que você quiser.

Ouvi o sorriso baixo, cheio de malícia e, em seguida, o barulho do celular se chocando contra a madeira. Alguns instantes depois, o som foi da porta se fechando. Imaginei que a porta da sala estivesse aberta, e ela fechou para poder falar mais à vontade. Mas alguns segundos, e ela voltou a falar:

-- Tô com saudade.

-- Eu também, morrendo...

-- Sonhei com você a noite inteira.

-- Foi? E sonhou o quê?

Ela respirou fundo e fez uma pausa antes de reponder:

-- À noite eu te digo... ou melhor, a gente reproduz.

-- Ah, não. Quero saber agora.

-- Agora não dá, Alice. Tô trabalhando.

-- Ahan, sei! Se não quer me contar, por que foi fechar a porta, então? E por que perguntou o que eu tô vestindo?

-- Touché! – Sorriu. – Tá, eu ia falar mesmo, porque foi só ouvir a tua voz que tudo voltou à minha cabeça, mas tive um súbito de consciência e percebi que não posso falar disso com você aqui... e se entrar alguém?

-- Ué, mas a porta não tá fechada? Ninguém vai entrar sem bater.

-- Alice... de noite eu falo, prometo!

-- Não, quero saber agora. Fala, vai... por favor!

Pus toda a malícia que pude naquele pedido, e foi um tiro fatal. Após uma pausa, respondeu:

-- Tá bom, eu falo... – Respirou fundo mais uma vez. – Você estava exatamente como tá agora, completamente nua...

-- Eu estava? E os biquinhos dos meus seios estavam eriçados? Porque eles estão agora, sabia? Foi só ouvir a tua voz, e eles se acenderam. Estão morrendo de saudade da tua boca.

-- Sim, estavam bem durinhos, e eu não resisti em passar a língua neles... depois passei os dentes, enquanto a minha mão descia bem para o meio das tuas pernas. Você estava tão molhada, amor... meus dedos deslizaram facilmente. E agora, você tá molhada?

“Porra... como essa mulher consegue me deixar assim, apenas falando safadeza pelo telefone?”

-- O que você acha? Tô morrendo de tesão, amor... Só de ouvir você falar.

-- Tá? Então faz assim: põe a tua mão lá e leva um pouquinho desse tesão até o biquinho do seio. Eu fiz isso no sonho, depois eu chupei forte o seio lambuzado. Delícia!

“Eita, assim eu não vou aguentar.”

Eu fiz mesmo o que ela me pediu. Toquei meu sexo e levei um pouco do líquido até o mamilo. Imaginei a boca dela saboreando meu gosto, e foi impossível não descer a mão para me tocar com volúpia. Estava morrendo de tesão e gemi involuntariamente quando comecei a massagear meu sexo úmido.

-- Amor, você tá se tocando?

-- Tô...

-- Então para.

“Quê? Tá louca?”

-- Por quê?

Mesmo ela pedindo, não fui capaz de parar. Eu estava muitíssimo excitada, morrendo de vontade de fazer amor com ela. Era capaz de gozar mesmo sem me tocar, só imaginando aquela cena, tamanho era o meu desejo.

-- Porque não é pra gozar agora. Eu só comecei a contar o sonho.

Eu ouvia a voz dela e até queria que continuasse a falar do sonho, mas àquela altura a minha imaginação já havia viajado para tão longe que voltar parecia impossível. Em minha mente, a boca dela já havia largado os seios e descido até o meu sexo. Eu sentia os dedos dela me preenchendo, ao mesmo tempo em que a boca faminta me devorava inteira. E por estar em outra dimensão, ignorei a ordem que recebi e continuei com os movimentos. Só consegui balbuciar:

-- Amor... não dá... pra parar... tesão demais.

-- Alice, não goza agora... Alice... fala comigo, tá me ouvindo?

Eu estava, mas não conseguia parar de gemer. Estava quase gozando. Ela insistiu:

-- Alice, eu não terminei ainda... espera.

Tarde demais, não consegui segurar. Gozei forte ouvindo a voz dela e imaginando aquela boquinha me devorando inteira. Não me preocupei em abafar os gemidos, e assim ela teve a certeza do que acabara de acontecer. Ainda com a voz trêmula, falei:

-- Que delícia, amor! Gozei tão gostoso pensando em você.

-- Eu te deixei gozar, Alice? Eu disse pra você se segurar, não disse?

“Como assim, ela tá chateada porque eu gozei? Mas foi ela quem provocou isso. Não tô entendendo nada.”

-- Mas, amor, você ficou me provocando e...

-- E eu estava só começando. Não contei nem metade do sonho, custava ter tido paciência?

-- Você tá chateada?

-- Chateada? Eu tô furiosa com você, Alice. E eu, como fico?

­-- Mas você pode continuar. Eu tô louquinha de tesão ainda, gozo de novo fácil, fácil.

-- Não. Não quero mais.

Falou com um tonzinho de birra delicioso, que só me deixou com mais vontade ainda dela. Eu não estava entendo se era raiva de verdade ou só charminho, mas preferi acreditar na segunda opção, por isso, ntão pedi:

-- Conta, vai... conta o resto do sonho. Quero saber...

-- Já disse que não. O orgasmo foi bom, pelo menos?

-- Ahan! Só teria sido melhor se fosse a tua mão, ao invés da minha.

-- Não, você tá errada. Tenho certeza absoluta de que não teve a mesma graça que teria se tivesse me deixado terminar. Agora você nunca vai saber o que eu fiz com a boca, com os dedos, com o meu corpo... enfim, como eu te fiz gozar bem gostoso no sonho.

“Essa garota sabe como me provocar. Caramba! Já tô louquinha de novo... e morrendo de curiosidade.”

-- Desculpa, vai! É que eu não estava aguentando de tanto tesão. Tua voz gostosa sussurrando no meu ouvido, a saudade... não consegui segurar, mas já tô pronta de novo. Continua, por favor! Conta pra mim o resto do sonho, conta? Prometo que agora só vou gozar quando você me disser pra gozar.

-- Não.

-- Amor, não faz assim...

-- Você não precisou de mim pra gozar agora, há pouco. Faça sozinha. Eu vou trabalhar.

-- Não é verdade. Eu preciso de você, sim.

-- Pois é, não parece. Tchau, Alice. Vou trabalhar.

-- Amor... é sério?

-- Desligando...

-- Isa...

-- Tchau.

-- Pelo menos me fala que horas você virá...

Tarde demais, ela já tinha desligado.

“Sabe o que é pior? Esse jeito mandão e mal-humorado dela só me deixa com mais tesão. Tô ferrada.”

Gozei de novo... Impossível controlar a minha mão.

“É eu sei que disse a ela que só gozaria quando mandasse, mas ela só vai saber se você contar. Não vai contar, vai?” 

Por volta das 13h, encontrei Leandro em um restaurante onde costumávamos almoçar. Ele me cumprimentou com os olhos assustados, acho que estava com medo que eu tivesse outro ataque, mas tratei de acalmá-lo logo de cara:

-- Leandro, eu te devo desculpas pelo meu comportamento em nossa última conversa. Imagino que não deva estar sendo nada fácil pra você administrar essa situação e lamento muitíssimo por ter perdido o controle.

-- Relaxa, Alice. Eu consegui entender você. Meu medo, na verdade, era que você não me entendesse.

-- Eu entendo... agora, de cabeça fria, consigo entender. Só que na hora foi mais forte do que eu, e não só por causa da acusação absurda daquela... daquela...

-- Giselle...

-- É, dessazinha aí. Digo, lógico que a acusação me irritou, mas não vou ter nenhuma dificuldade pra provar que sou inocente. Tenho o backup de todas as nossas conversas no WhatsApp, posso conseguir com a operadora os registros das ligações dela pra mim... fora que todo mundo via lá na empresa que ela era quem não largava do meu pé. Vai ser um desgaste, mas vou provar. O que me irrita mesmo é ter que me afastar do projeto justo agora, com as coisas pegando fogo. A Isa é boa, melhor que eu até, mas é muita coisa pra ela dar conta sozinha. Não é justo.

-- Com relação a isso, fica tranquila. Vou pôr o Pedro com ela a partir de hoje. Sei que não é a mesma coisa, mas vai ajudar bastante. Além do mais, não creio que demoremos muito tempo para esclarecer isso, já que a acusação é só no âmbito administrativo. A Giselle não vai te processar judicialmente.

-- Nem tem como, né? Como ela provaria? Agora, eu... pode ter certeza, Leandro. Assim que eu esclarecer as coisas, vou processá-la por calúnia e difamação.

-- Não acha isso meio drástico?

-- Drástico? Não, Leandro. Drástica... e baixa, diga-se de passagem, foi a forma que aquela demônia dos infernos encontrou pra chamar a minha atenção. E tudo porque não soube lidar com a rejeição e o ciúme. O que ela achou? Que depois de me acusar de assédio ia encher a cabeça da Isa de caraminhola e fazer a gente se separar? E mesmo que o plano funcionasse, será que pensou que nós ficaríamos juntas de novo de novo? Porque se foi isso, tá provado que ela é uma louca, desvairada, descompensada. Pode internar em um manicômio.

-- Alice, mulher rejeitada é fogo.

-- Leandro, por favor, não me venha com esse papinho aí de “mulher rejeitada”, porque isso não tem nada a ver com o fato dela ser mulher. É uma questão de caráter, não tem qualquer relação com gênero.

-- Tem razão, me expressei mal...

-- Não, você foi machista e sexista.

-- Alice...

-- Leandro, chega, por favor. Vamos ao que importa. Quero saber o que eu preciso de apresentar pra provar a minha inocência.

Leandro respirou fundo. Ele era um cara legal, mas aquele comentário fora absurdamente infeliz, principalmente para o momento. E eu não seria eu se ouvisse uma atrocidade daquelas e me calasse. Resignado, ele se limitou a me responder:

-- Creio que os backups e os registros das ligações sejam suficientes. Além disso, já orientei o RH a ouvir alguns funcionários e sei que todos ficarão do teu lado. Até o final da semana, essa situação estará resolvida, fique tranquila.

-- E o que vai fazer com ela?

-- Demitir. É uma excelente profissional, mas depois disso tudo não tenho como mantê-la.

-- Bom. Agora vamos ao outro ponto.

-- A Isabella, imagino.

-- Exato. Leandro, nós estamos namorando.

-- Alice, pelo amor de Deus, já viu que isso não dá certo. Por que não mantém seus relacionamentos fora do local de trabalho?

-- Porque não é simples assim. Eu tô apaixonada por ela, não é um caso qualquer.

-- Por quanto tempo, Alice? Vai demorar quanto pra enjoar da menina e terminar? E se ela surtar, igual a Giselle? Olha, por mais que eu seja seu amigo, não posso aceitar mais esse tipo de situação. Já vou perder a Giselle, e não vai ser nada fácil encontrar alguém à altura pra substituí-la. Quer que eu perca a Isa também? O baque vai ser bem maior. Investi muito alto na contratação dela, Alice. Você sabe o quanto. Além disso, pra onde vai a credibilidade da empresa? Não posso deixar que ponha tudo a perder.

-- Ok, acho que eu mereci ouvir isso, afinal, meu passado me condena, e só por isso não vou me ofender, tá? No entanto, preciso esclarecer que a situação com a Isa é bem diferente. Eu a amo, Leandro. De verdade, é sério. Nunca senti por ninguém o que sinto por ela. Juro pra você que tentei lutar contra isso, mas não deu.

-- Não duvido, mas mesmo assim não tenho condições de arriscar. Olha só, vocês duas são meu time dos sonhos, tudo o que a minha empresa precisava pra se consolidar como a melhor e maior do país no segmento. Uma crise entre as duas pode vir a pôr tudo a perder.

-- Leandro, somos mulheres adultas, sensatas e, acima de tudo, extremamente profissionais. Eu te afirmo com segurança, por mim e pela Isa, que jamais deixaríamos que um problema pessoal nosso interferisse no trabalho.

-- Isso é lindo na teoria. Não duvido das suas intenções, mas na prática não é bem assim.

-- Certo, então temos um problema bem maior do que a acusação de assédio.

-- É, parece que sim.

-- E como vamos resolver?

-- Bem, eu não posso aceitar um relacionamento entre vocês duas.

-- Mas você tem ciência de que entramos na casa do “sem jeito”, né? Porque mesmo que estivéssemos dispostas a terminar, o sentimento existe e só por isso, segundo a tua teoria, as coisas já ficariam complicadas.

-- É, eu sei.

-- E então?

-- Bem, confesso que não esperava ouvir que você está apaixonada por ela. Isso muda as coisas completamente. Alice, por mais que isso vá me onerar, não posso manter vocês duas trabalhando juntas. Vou precisar rescindir o contrato da Isa.

-- O quê? Tá maluco, Leandro. Você mesmo disse que acabou de investir altíssimo nela. E o algoritmo que ela desenvolveu?

-- Eu comprei a licença e os direitos... e paguei muito caro, por sinal. Não precisa se preocupar com questões financeiras, porque posso garantir que a conta dela está bem recheada. Eu não a contratei por isso. Contratei porque ela é brilhante.

-- E vai demitir porque é burro.

-- Alice, olha o respeito. Não esqueça que sou seu chefe.

-- Quem tá faltando com respeito aqui é você, Leandro. O que está fazendo é uma grande falta de respeito comigo e, acima de tudo, com a Isa. Quem leva essa merda de empresa nas costas há anos sou eu e, não me entenda mal, eu amo o que faço... você me paga bem pra caralho, mas não é só isso que importa. Cara, depois de tantos anos, você me deve o mínimo de credibilidade. Eu errei com a Giselle, eu sei, mas aprendi. Não tô repetindo com a Isa o que aconteceu com ela, já disse que é diferente. Confia em mim, Leandro. Estou te dizendo que não vou deixar a minha vida pessoal interferir no trabalho. Acredita nisso, caramba. Só te peço um voto de confiança.

-- Não sei, Alice... Tô com medo de arriscar.

-- Deveria estar com mais medo de arriscar perder uma de nós duas. Estamos em total sintonia com o projeto. Os clientes estão maravilhados, empolgadíssimos. Você sabe, tem recebido o retorno deles. Não seja burro, Leandro. Não desfaça esse time sinérgico por medo de uma situação hipotética.

Ele respirou fundo, virou para o lado e encarou o nada, enquanto coçava a testa. Estava claramente tentando absorver as minhas palavras. Mais alguns instantes, e voltou a me olhar. Com um ar bastante sério, falou:

-- Tá ficando sério esse negócio de me chamar de burro, né?

-- Desculpa, é com todo respeito. Senhor Burro, melhorou assim?

Rimos. Naquele momento, percebi que havia acabado de domar a fera.

-- Tá bom, Alice, vou confiar em você. Mas mantenha esse relacionamento totalmente fora da empresa. E não falo só das possíveis brigas. Não quero saber de vocês duas de pegação, tá? Na primeira situação inadequada, teremos sérios problemas.

-- Pode deixar, chefe.

Bati continência, e sorrimos juntos novamente. Não foi fácil, mas consegui convencê-lo. De todo modo, mesmo que não tivesse conseguido, eu já tinha o plano B. Nem em sonho eu deixaria que ele demitisse a Isa, antes disso eu pediria demissão. E era o que eu estava disposta a fazer, caso ele não tivesse aceitado a nossa relação.

O almoço seguiu tranquilamente. Falamos mais sobre o caso da Giselle e acertamos algumas estratégias para mitigar os danos causados pelo meu afastamento. O que demorou a passar mesmo foi a tarde. Isa mal me deu atenção, trocamos apenas algumas mensagens, pois ela estava realmente muito ocupada. Em uma dessas mensagens, ela me falou que precisaria passar em casa antes de ir para o meu apartamento, pois tinha que pegar algumas roupas e itens de higiene. Não quis bancar a ciumenta, mas quando li, quase me ofereci para ir junto. Só de pensar nela perto daquele marmanjo peludo, meu estômago revirava, sem contar que eu já estava demasiadamente incomodada com a decisão dela de mantê-lo por lá até que encontrasse outro lugar, pois tinha alguma coisa que me dizia que ele demoraria demais a encontrar. No fim, optei por me resignar. Apenas respirei fundo e falei que ficaria esperando ansiosamente.

Já passava das 20h, e nenhum sinal da Isa, nem uma mensagem sequer. Ela havia me falado que chegaria por volta das 19h30’. Eu já tinha até preparado o nosso jantar. Mais meia hora se passou, e decidi que não esperaria mais. Liguei pra ela:

-- Oi, desculpa... sei que tô atrasada.

-- Tá tudo bem, amor?

-- Não, Alice... não tá.

-- O que houve?

-- É o Lucas. Ele tá caído de bêbado aqui. Vomitou o apartamento inteiro. Quando cheguei, ele estava aos prantos, falando que não tinha mais sentido viver sem mim...

“Eu sabia. Que ódio!”

-- Isa, isso é chantagem emocional barata.

-- Eu, sei... eu sei... Mas não posso deixo-la aqui nesse estado. Você entende?

-- Não, eu com certeza não entendo.

-- Alice, por favor... Só vou dar um jeito de botar ele no chuveiro, limpar essa sujeira, e assim que ele dormir, o que vai ser logo, eu vou te encontrar.

-- Isabella, você não está se ouvindo, está?

-- Amor...

-- Não, sem essa de “amor”. Você acabou de me dizer que vai dar banho no teu ex, o que é só mais um absurdo diante de todos os outros. Como quer que eu me sinta? Ponha-se no meu lugar.

-- O que tá achando? Que eu vou transar com ele? Você tá louca?

-- Claro que não, mas isso não torna as coisas mais fáceis.

-- E o que você quer que eu faça, Alice? Quer que eu o deixe aqui, nesse estado?

-- Eu quero que você deixe esse marmanjo viver a vida dele e que você venha viver a sua. Ele não é criança, Isabella. Tenho certeza de que sabe se cuidar.

-- Não, ele não sabe. É adulto, mas é imaturo.

-- Pois é, mas enquanto você não deixar de agir como a mãe dele, ele nunca vai amadurecer.

-- Eu não menti pra você, amor. Eu disse que precisava de um tempo pra resolver tudo, não é simples assim.

-- Ok, Isa. Então resolva. Depois que resolver, aí você me procura, tá? Porque eu não quero e nem vou competir com esse cara pela tua atenção. Tchau...

-- Alice, espera...

“Esperar é o caralho.”

 

Desliguei.

Notas finais:

Meninas, não deixem de me contar o que estão achando, tá? A opinião de vocês é fundamental para o desenrolar da história.

Espero que tenham gostado do capítulo.

Abraços e até domingo que vem!!!



Comentários


Nome: CarolM4 (Assinado) · Data: 28/03/2018 23:00 · Para: Capitulo 23 - Hands To Myself

Cara concordo com Alice em todos sentidos, que cara mais babaca !!!!

 

Ansiosa pelos próximos capítulos !!!

 

Abraços



Nome: ABarros (Assinado) · Data: 27/03/2018 00:59 · Para: Capitulo 23 - Hands To Myself

Linier na moralzinha, vamos adiantar o proximo capitulo, postar um extra agora no meio da semana porque domingo ta muito longe pra essa tensao, nao aguento.

Caralho a Isa ta deixando se levar muito pelo Lucas, isso vai dar uma merda tão grande, na verdade ja ta dando, tomara q ela se toque logo e q a Alice tenha paciência de esperar que ela perceba que ta agindo errado.

Parabens pelo capitulo, delicia de ler, esperando anaiosa o próximo, pensa com carinho em escrever um extra ta?



Nome: aliciakis (Assinado) · Data: 26/03/2018 17:21 · Para: Capitulo 23 - Hands To Myself

Ai é complicado.

De um lado a namorada de outro alguém que a fez feliz por algum tempo.

Eu acho que a Alice deveria entender, ou ao menos tentar entender, porque ela nao pode deixar o cara assim a vê navios, mas beleza!

 

Torcendo pra que no final de tudo certo entre elas. 

Amando esse casal de um jeitooooooo *----*



Nome: Lili (Assinado) · Data: 26/03/2018 10:43 · Para: Capitulo 23 - Hands To Myself

Alice está certa, assim ele nunca vai ter responsabilidade e outra a Isa nunca vai deixar ele, pois e isso que ele quer e está conseguindo.



Nome: Val Maria (Assinado) · Data: 26/03/2018 01:45 · Para: Capitulo 23 - Hands To Myself

 

Boa noite autora.
Cara estou de mal  dessa Isa,esse  Lucas é um  F.D.P mesmo viu,e conseguiu manipular essa otária da Isa.

 

Cada vez mais a Alice tem razão, sua namorada fica de boa com esse idiota e querer que a bela Alice aceite, você tem que dar um jeito nisso "AUTORA".

Papo com ex é coisa que comigo não rola,e com esse safado, a Isa deveria vira de lado da rua toda vez que o visse de longe.


Capitulo massa,ate o proximo.

Boa semana autora.

Val Castro

 



Nome: mtereza (Assinado) · Data: 26/03/2018 01:20 · Para: Capitulo 23 - Hands To Myself

A Isa tenha dó como assim cair nessa chantagens do Lucas é recorrente dela perdoou traição e agora acha que tem o dever de cuidar do mimado , manipulador e imaturo dessa forma vai ser muito difícil ela viver uma relação plena com a Alice que esta certíssima na sua explosão no final do capítulo kkkk . Bjs boa semana agora é esperar até o domingo de Páscoa para ver o lado da Isa nessa história.



Nome: Mapozinha (Assinado) · Data: 25/03/2018 23:27 · Para: Capitulo 23 - Hands To Myself

Adorando a história!! Parabéns é muito prazeroso ler seu trabalho, e impossível não se apaixonar pelas personagens.

Abraços



Nome: Angel68 (Assinado) · Data: 25/03/2018 21:30 · Para: Capitulo 23 - Hands To Myself

Até sexo por telefone a Isa tá fazendo....é, Alice criou um monstro....ou acordou a deusa que tava lá bem escondida...ahhhhh, o que eu falei do empata fôda no outro capítulo ?? Dito e feito, já tá fazendo drama e a Isa tá caindo direitinho...ai que raiva.....



Nome: FoxyLady (Assinado) · Data: 25/03/2018 21:18 · Para: Capitulo 23 - Hands To Myself

" esperar e o caralho" 

Melhor resposta pra quem fica de mimimi com ex



Nome: sophiebrt (Assinado) · Data: 25/03/2018 21:01 · Para: Capitulo 23 - Hands To Myself

Uauuu .... que capitulo foi esse autora! Essas duas pegam fogo fácil, fácil hein! Por telefone tem que ter muito tesão envolvido...rsrsrs. Quando digo que essas duas pegam fogo fácil, digo isso em todos sentidos,  comecei a ficar preocupada com o desenrolar das coisas, já deu pra perceber que a Alice é ciumenta pra caralho e a Isa responsavel demais, ainda mais no que se diz em relação ao ex (vulgo encosto) . Acredito que a Alice terá que ter muita paciência, isso só não pode ser confundido com ela aceitar a paternidade do Lucas, já que a Isa acha que é a mãe dele...rsrssrs. Sei que tem muito amor envolvido, mas os problemas estão vindo na mesma magnitude, então a autora vai ter aumentar a dose de amor, tesão e paciência de nossas protagonistas, porque senão prevejo trevas. Que a força esteja com você Alice....rsrsrs. Autora adorando o texto e  principalmente a criação do nosso casal favorito, as vezes tenho certeza que encontrarei Alice e Isa por ai... segue que tá bom demais. 



Nome: Mille (Assinado) · Data: 25/03/2018 20:13 · Para: Capitulo 23 - Hands To Myself

Olá Linier 

Poxa começou tal delicioso com clima de terminar quentíssimo e a Isa cai na chantagens emocional do peludo  kkkkk. 

E ela se sente obrigada a cuidar do pobrezinho vai Isa nessa que quando tu perceber que está sendo feita de otaria pelo Lucas e deixar ele se virar assim ele cria juízo.

Bjus e até o próximo capítulo 



Nome: NovaAqui (Assinado) · Data: 25/03/2018 18:21 · Para: Capitulo 23 - Hands To Myself

Ih! Deu ruim!

Alice já tinha avisado, mas Isa não quis ouvi-la

 Espero que agora com esse estresse ela tome uma decisão é despache essezinho

Abraços fraternos procês aí!



Nome: mcmota (Assinado) · Data: 25/03/2018 17:45 · Para: Capitulo 23 - Hands To Myself

Por que acabou, acabou por quê? Por que acabou, acabou por quê?

Que sonho foi esse?!! Imagina quendo virar realidade (mas parece que não vai virar tão logo assim)!! É normal a respiração dar uma falhada? Hahaha... Só digo uma coisinha: EITA!!!

Giselle é uma FILHOTE DE CRUZ CREDO, hein!? 

Leandro me assustou com o papinho de demitir a Isa. Ai, meu coração!!! Alice, eu te venero...

Isa tá é feita com o Lucas, pior que pelo lado dela é até compreensível, mas INACEITÁVEL pelo lado de Alice. Que problemão, viu!? Acho que Alice vai ter que adotar o Lucas, porque essa carga (vulgo Lucas) já se entranhou na Isa e não é nada fácil se desfazer dela assim tão rápido. 

Você encerrou o capítulo daquele jeito em que a gente se pergunta: "como sobreviver até o próximo capítulo"?? Agueeeeenta coração!!!!

=*

 

 

 



Nome: paulaOliveira (Assinado) · Data: 25/03/2018 17:41 · Para: Capitulo 23 - Hands To Myself
esperar até domingo?

“Esperar é o caralho.”

rsrsrrs, amei o capitulo, parabéns.


Nome: Flavia1 (Assinado) · Data: 25/03/2018 17:36 · Para: Capitulo 23 - Hands To Myself

pqp que ranço,tomara que a Alice arrume uma ex bem bonita para cuidar hehehehe e deixa a Isa fazendo papel de trouxa limpando vomito de macho escroto,pq parece que ela só da valor nos outros se trair ela primeiro...



Nome: preguicella (Assinado) · Data: 25/03/2018 17:00 · Para: Capitulo 23 - Hands To Myself

Eitaaaa, Isa tá super vacilando! O mala não vai crescer enquanto ela continuar tratando a belezura como criança! E isso vai desgastando o relacionamento que só tá começando! 

Só vou te dizer que é uma baita tortura esperar domingo chegar hein! (Carinha do gatinho de botas bem carente aqui!) hahaha

bjão



Nome: sonhadora (Assinado) · Data: 25/03/2018 16:54 · Para: Capitulo 23 - Hands To Myself

Agora F.... tudo! Menina esperar pra o proximo ainda... ain.... Alice tem meu total apoio nas considerações que disse pra Isa. Puxa vida o cara não é mais criança... já tá bem grandinho pra resolver a vida sem ajuda de ex. E Isa caindo no conto da mãe do menino abandonado.... Eu hein, imagina se fosse Alice que estivesse no apartamento com a ex ajudando... pimenta nos olhos dos outros é refresco...

Beijos de Luz!

 

P.s. quero que chegue logo o domingo...ou vc bem que poderia nos dar um presentinho no feriado da semana Santa...kkkk



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.