If(true){love} //o código da atração por linierfarias


[Comentários - 407]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

StaticvoidMain(){

                varCapítulo= 2;

  var Título = “Alice”;

                varPOV= “Alice”;

};

 

“A imperfeição é bela, a loucura é genial e é melhor ser absolutamente ridículo que absolutamente chato.”

- Marilyn Monroe

 

O que distingui o certo do errado? O moral do amoral? A bondade da maldade?

O que significa ser bom?

Existem milhares de variáveis que definem a maneira como as pessoas interpretam os ensinamentos que recebem ao longo da vida. Dentre elas, a que eu considero principal é a índole. A fórmula é simples: se o ponteiro da índole do sujeito aponta para o lado ruim, ele tende a pegar tudo o que aprendeu e usar como subsídio para justificar um comportamento egoísta, maldoso, preconceituoso... Se aponta para o lado bom, a tendência é que ele se torne amigável, empático, bondoso, compreensivo... O grau de “bondade” ou de “maldade”, no entanto, vai depender do ângulo em que o ponteiro se encontra. Agora, eis a questão: não sei para que lado o ponteiro da minha índole está apontado, pois, há quem diga que sou uma pessoa de bom coração. Amiga fiel, profissional dedicada, filha amorosa... Mas também há quem me julgue a mais egoísta e cafajeste das criaturas. Qual das duas versões de mim é a verdadeira? Depende do ponto de vista de quem emite a opinião. Mirela, a moça que passou a última noite comigo... Não, não... Espera... É Milena. Pois sim, Milena, com certeza, concorda com a segunda opção.

-- Alice, você é o pior tipo de cafajeste que existe, sabia?

-- Gata, por que você tá complicando as coisas? A noite foi ótima, mas eu não tô na vibe de namorar agora, entende?

“Nem agora, nem nunca...”

Pensei, mas não falei. Ela estava tão enfurecida por eu ter me negado a dar meu número que achei que fosse me bater.

-- Pois deveria ter deixado isso claro ontem, quando veio com aquela conversinha mole pra me convencer a ir pra cama com você.

“Que garota maluca!”

-- Escuta aqui, não lembro de ter posto uma aliança no teu dedo. E acho que deixei bem clara a minha intenção quando te trouxe pra um motel. Achei que você quisesse o mesmo que eu.

-- Sexo casual?

-- Exatamente.

-- E que tipo de vadia você acha que eu sou? Acha que eu saio por aí transando com qualquer uma?

“Na verdade, é exatamente isso que eu acho. Ah... Pra cima de mim, garota?”

Minha vontade era de xingar, jogar na cara que ela foi quem se jogou para mim a noite inteira e que eu só passei a noite com ela na falta de alguém mais interessante. Mas se eu fizesse isso, estaria sendo realmente uma cafajeste declarada.

-- Mirela...

Comecei a falar, mas fui interrompida imediatamente com o grito:

-- É Milena.

Fiz uma careta e levei as mãos aos ouvidos, tapando-os. Ela quase me deixara surda com o brado.

-- Ok, desculpa. Milena, não se menospreze assim. Fazer sexo casual não faz de você uma vadia.

-- Mas é claro que você pensa assim. Afinal, se pensasse o contrário, estaria chamando a si mesma de vadia, né?

-- Agora você tá me ofendendo.

-- Ah, que bonitinha! Até parece que você tem alguma honra.

-- E até parece que você estava domingo à noite em uma boate esperando encontrar o amor da sua vida.

-- Sabia que eu comecei a sair com garotas por causa dos caras que agem exatamente como você está agindo agora? Esse mundo, definitivamente, está perdido.

-- Gata, com todo respeito, essa é uma análise um tanto deturpada dos comportamentos feminino e masculino. Querer ou não um envolvimento sério não está ligado ao gênero e muito menos à orientação sexual.

-- E o que você é agora, uma antropóloga? Uma cientista social?

Aquela conversa não ia chegar a lugar algum e eu já estava mais do que atrasada para o trabalho. Resolvi mudar a tática. Estava prestes a me desculpar, sem sequer ter culpa. Apenas para poder encurtar a história. Ia dar razão a ela e dizer que sentia muito por ter causado uma impressão errada. Estava até disposta a oferecer uma carona para casa, mas então...

-- Escuta, Mirela...

-- Pela última vez, Alice: MI – LE – NA.

Pus tudo a perder.

Merda!”

Mas, e daí? A garota era completamente maluca mesmo e o sexo nem havia sido essas coisas todas. Se arrependimento matasse, eu estaria mortinha da silva. Mesmo assim, fui tomada por um senso de cavalheirismo. Não poderia deixá-la sair daquele jeito, por isso, fui atrás dela e tentei impedi-la de abrir a porta do quarto. Não fui rápida o bastante. A única coisa que consegui falar foi:

-- Espera, Milena. Eu te dou uma...

Mas já era tarde demais. Antes que eu conseguisse concluir a frase, ela já havia batido a porta do quarto na minha cara.

-- Carona.

Respirei fundo e levei as mãos à cabeça, completamente exasperada. Falei para mim mesma:

-- Dá pra acreditar nela?

Por um breve instante, senti-me culpada. Mas logo o sentimento se esvaiu, quando lembrei da forma em que fui aborda por ela na boate. Ela chegou se oferecendo, falando coisas obscenas no meu ouvido. Chamou-me para dançar e ficou o tempo todo se insinuando para mim, roçando o corpo no meu. Quando eu convidei:

-- Quer sair daqui?

A resposta dela foi imediata:

-- Achei que nunca fosse convidar. Pra onde pretende me levar?

-- Motel?

-- Já é.

Ela nem titubeou. Convidei para o motel porque sequer cogitava a possibilidade de levá-la para o meu apartamento. Minha casa sempre foi um ambiente sagrado. Não conseguia nem pensar em como seria se todas as garotas com quem fui para a cama soubessem onde eu morava. Eu certamente receberia algumas visitas inconvenientes de vez em quando. A única que frequentava a minha cama era Giselle, minha colega de trabalho, com quem eu costumava sair às vezes. Ela não era minha namorada. Nós sequer éramos amigas, na verdade. O que havia entre nós era um acordo tácito. Gostávamos muito de fazer sexo uma com a outra e ambas eram safadas demais para estarem em um relacionamento monogâmico. Assim, decidimos nomear a nossa relação como: “coleguismo colorido”. Era com ela, Giselle, que eu deveria ter passado a noite, mas tinha inventado uma desculpa qualquer para me desvencilhar de seu convite, pois eu estava começando a perder o controle da situação. Para mim, tudo continuava igual, mas ela já estava começando a dar sinais de que queria mais do que eu estava dando.

“Ei, espera aí... Tô falando com você que está lendo. Não está concordando com a Mirela/Milena, está? Eu não sou cafajeste? Não prometi nada a nenhuma das duas. Elas que estão projetando em mim seus desejos e frustrações. ”

Ok, dando continuidade à análise sobre o ponteiro da minha índole, e ainda tentando melhorar a minha situação, vamos analisar a minha pessoa sob outra perspectiva:

A maioria das pessoas acredita que a humanidade é regida por algum tipo de força maior, como: Jesus Cristo, Ala, Buda, Maomé... Jair Bolsonaro... Ou qualquer outra das milhares que existem, tanto faz. Bom, com todo respeito às crenças alheias, eu não acredito que haja um ser supremo que fica, seja lá de onde for, distribuindo ordens, julgamentos e punições, dizendo o que é certo e errado, separando os bons dos maus. Para mim, o que acontece na verdade é que cada um interpreta os ensinamentos religiosos que recebe ao longo da vida como bem quer e cria dentro de si o Deus em que é mais conveniente acreditar. A partir daí, passa a usar sua própria versão do que aprendeu como desculpa para criticar, julgar e sentenciar os outros. Eu me considero o extremo oposto disso. Sou grande fã daqueles que cuidam de suas próprias vidas e deixam as dos outros em paz. Admiro a diplomacia, a gentileza e a cordialidade. Brigar nunca me levou a lugar algum. Talvez seja por isso que nunca gostei da ideia de me relacionar com ninguém. As pessoas sempre dizem umas para as outras: “você precisa ser você mesma”. Coisa linda de se dizer, mas eu nunca concordei nem um pouco com isso, vez que o meu objetivo de vida sempre foi trabalhar para que, a cada dia, eu me transformasse em uma versão melhor de mim mesma. Sempre fui um espírito livre... Livre de amarras, de preconceito, de cólera... Livre de tudo que fizesse mal a mim ou àqueles que estão ao meu redor. Gosto da simplicidade das coisas. Sou extremamente prática. Para mim, complicado é desenvolver algoritmos. A vida tem que ser fácil, simples, divertida...

Algumas pessoas me chamam de louca pois, às vezes, em nome da minha paz interior, acabo agindo por impulso, tomando atitudes que são julgadas por muitos como inaceitáveis. Como parar o trânsito de uma avenida no horário de pico para ajudar um cachorro com a patinha quebrada a atravessar a rua, por exemplo. A grande questão, no entanto, é que só consigo encontrar minha sanidade nessa suposta loucura da qual sou acusada. E digo mais: no dia em que eu deixar de fazer algo que estou com vontade, aí sim, precisarei de uma camisa de força. Resumindo: o que as pessoas “normais” consideram loucura, eu chamo simplesmente de felicidade. Felicidade de ser o que eu quero ser, sem me preocupar com a opinião de mais ninguém.Portanto, quando sou chamada de louca, respondo com a frase de Rita Lee: “Louco é quem me diz e não é feliz”. Eu sou feliz.

Olhei o relógio... Passava das 7h da manhã. Deixei os pensamentos de lado e me apressei em pagar a conta, pois tinha que estar na empresa às 9h e ainda precisava ir em casa, tomar um banho descente e me arrumar.

Era 8h45 quando eu finalmente consegui sair de casa. Normalmente, quinze minutos seria um tempo bastante razoável para que eu fizesse o trajeto até o trabalho. Dependendo do trânsito, atrasaria no máximo uns dez minutos. Nada demais. Porém, naquele dia, Leandro, meu chefe, havia me incumbido de recepcionar a minha mais nova parceira de trabalho. Uma tal de Isabella Ferreira, suposto prodígio da programação. Nós duas trabalharíamos juntas no desenvolvimento da nova versão do sistema que era o nosso carro chefe: a plataforma de Internet Banking utilizada pelos maiores bancos do país. A tal garota prodígio havia desenvolvido um algoritmo de criptografia que, segundo Leandro, era digno dos maiores gênios do MIT. Já eu, conhecia de cabo a rabo a estrutura do sistema atual, bem como as reais necessidades dos nossos clientes. Por isso, a ideia de Leandro era que dividíssemos a gerência do projeto. Eu não estava nada satisfeita com a situação. Não estava gostando nada da ideia de compartilhar com alguém, cujo o trabalho eu sequer conhecia, a tomada de decisões acerca de um projeto que era gerenciado por mim – apenas por mim – durante tanto tempo. Não que eu estivesse me sentindo ameaçada, longe disso. O que me incomodava, na verdade, era que eu sequer havia conhecido a garota ou o projeto dela. Leandro havia negociado tudo enquanto eu cuidava de algumas questões na nossa sede do Rio de Janeiro, de onde eu acabara de voltar, depois de quase dez dias.

Respirei aliviada ao constatar que ainda faltava cinco minutos para as 9h quando eu finalmente alcancei a avenida do prédio da empresa. No entanto, plenamente ciente de que até estacionar, pegar o elevador e chegar na sala de reuniões o meu horário estaria estourado e eu provavelmente deixaria minha nova colega esperando por mim – coisa que eu achava abominável – resolvi ligar para Pedro, meu colega de trabalho e melhor amigo. Ele era um dos programadores sêniors da minha equipe. Não era a pessoa mais indicada para receber a novata, mas era melhor isso do que deixá-la esperando.

-- Fala, Alice.

-- E aí, Pedro, tudo bem?

-- Tudo tranquilo. E você?

-- Tudo certo. Pedrão, do meu coração, preciso que quebre um galho pra mim. A novata já chegou?

-- Acho que não, mas posso ver.

-- Faz isso pra mim, por favor. Já estou chegando, mas daqui que eu estacione e suba, pode ser que me atrase um pouco. Além disso, preciso ao menos de um café antes de falar com ela. Tô só o bagaço! Queria que você a recebesse e fosse apresentando a empresa, pode ser?

Ele riu antes de responder, plenamente ciente do motivo da minha ressaca.

-- Pode deixar! Pelo visto, a noite foi quente, hein? Quem foi a gata? A Gi não foi, pois ela já tá aqui desde às 8h, cuspindo fogo pra todo lado.

-- Acho que ela tá furiosa comigo. Passei dez dias fora e ainda dispensei o nosso encontro do final de semana.

-- Alice, sinto te dizer, mas essa relação de vocês tá parecendo muito com o namoro.

-- É, eu sei. Tá fugindo do controle. Tô pensando em acabar logo isso de uma vez por todas.

-- Se você não tá mais afim, acho melhor mesmo.

-- É, mas depois a gente conversa. Faz o que eu te pedi, tá bom?

-- Beleza, pode ficar tranquila.

-- Valeu, Pedrão!

-- Relaxa, gata. “Tâmo junto”!

 

Assim que desliguei, vi que chegou uma mensagem do Leandro pelo WhatsApp. Em um impulso, cliquei para visualizá-la. Foi questão de um segundo, um mísero segundo, o tempo que desviei meus olhos da via para olhar o texto que dizia simplesmente: “Bom dia, Alice”. Decidida a responder apenas depois de estacionar, joguei o celular de qualquer jeito no banco do carona, mas quando voltei a olhar para a via, uma moça estava atravessando a faixa de pedestre e eu já estava muito perto para conseguir frear a tempo de evitar um atropelamento. De todo modo, só me restava tentar. Em meio ao barulho dos pneus deslizando no asfalto e dos gritos das pessoas na rua, apertei forte o volante e fechei os olhos, já esperando o pior. Meu último pensamento antes de ter coragem de abri-los novamente foi: “Merda, será que eu a atropelei? ”

Notas finais:

Meninas, protagonistas devidamente apresentadas. A partir de dezembro, vocês vão descobrir o que vai acontecer depois deste primeiro encontro desastroso.

 

Gostaram da degustação? Deixem seus comentários, por favor.

Enquanto aguardam o próximo capítulo, que tal dar uma conferida em Amor... E Outros Dilemas ??? Essa já está finalizada.

 

CRÉDITOS:

Texto: Linier Farias;

Capa: Linier Farias;

Revisão: Joelma Leite;

Colaboração Técnica: Israel Reis.



Comentários


Nome: CarolM4 (Assinado) · Data: 27/03/2018 23:14 · Para: Capitulo 2 - Alice

Adorei as personagens e sua escrita, estou começando hj a leitura !!!!

 

Obrigada pela história ????



Nome: Ana_Clara (Assinado) · Data: 04/03/2018 19:34 · Para: Capitulo 2 - Alice

Gente, que bafo! Espero que a Alice seja gentil com a Isa, afinal a garota já tem um relacionamento de merda com o tal de Lucas e ter ainda que passar por momentos ruins com a tal sem vergonha da Alice, ninguém merece rsrsrs Bom, gostei da pegada. 



Resposta do autor:

Ana Clara, 

Bafão, né? kkk Tomara que a Isa seja gentil com a Alice. Kkkkkkk 

Feliz demais que esteja gostando.

Abraços!

 



Nome: menteincerta (Assinado) · Data: 20/02/2018 03:06 · Para: Capitulo 2 - Alice

Tenho duas palavras pra Alice: porra louca

Adorei!

Será que Isa e ALice se conhecerão com uma atropelando a outra? Não é um começo muito convencional para um relacionamento saudável hahahaha



Nome: FlexoesLesbicas (Assinado) · Data: 25/11/2017 03:08 · Para: Capitulo 2 - Alice

Adorei a Alice. Gosto desse dualismo de gelo e fogo nas protagonistas!



Resposta do autor:

Pois se gostou, vai gostar mais ainda.

A Alice é ótima... vsai se divertir muito com ela.

Abraços!



Nome: mtereza (Assinado) · Data: 21/11/2017 10:53 · Para: Capitulo 2 - Alice

Então a Alice faz o tipo pegadora meio cafajeste fiquei ressabiada mais vou dar o benefício da dúvida a ela kkkk bjs 



Nome: Bia08 (Assinado) · Data: 19/11/2017 01:26 · Para: Capitulo 2 - Alice

Oi linda, eu adorei a Alice (eu amo esse nome).  Ela deu a impressão de ser bem louca kkkk e com certeza vai deixar a Isa estressada kkkkk e começo o dela hein. Ansiosa por demais já é pensar que só em dezembro. Bjsss esperarei com paciência.



Resposta do autor:

Olha a promo da back friday, Bia...

Capítulo 3 no ar: if(true){love} //O Código da Atração

 



Nome: patty-321 (Assinado) · Data: 18/11/2017 19:33 · Para: Capitulo 2 - Alice

Aí gostei demais e terei q esperar pra saber se a isa foi atropelada ou não, somente em dezembro? Eu não deveria ter lido, não sevdsx isso com pessoas ansiosas como eu. Kkkk. Bjs



Resposta do autor:

Pronto, ja pode saber se ela foi atropelada ou não.. hehehe

Oferta da Back Friday, o capítulo 3 está no ar.

Só clicar no link abaixo para conferir:

if(true){love} //O Código da Atração



Nome: Mille (Assinado) · Data: 17/11/2017 16:48 · Para: Capitulo 2 - Alice

Ola autora

Gostei dá Alice e já prevejo que o "acidente" será sempre o motivo para ambas trocar farpas.

Só fiquei triste com a notícia que so dezembro!!!! A senhorita nos deu um aperitivo e gostamos, teremos que conter a ansiedade até dezembro?.

Bjus e até o próximo capítulo



Resposta do autor:

Mille, 

 

Dezembro está bem aí... só 13 dias. Posto o capítulo 3 logo na primeira semana, ok?

Abração!!!!

 



Nome: Karen (Assinado) · Data: 17/11/2017 13:44 · Para: Capitulo 2 - Alice

Oi, bom dia!

Amo sua escrita, nem preciso dizer q amei O AMOR... e seus dilemas!

Bom, achei q a Fernanda seria a mocinha do romance, pelo jeito me enganei... 

Ansiosa pelos próximos caps pra ver como será a mudança da Isabela... coitada, gosta " de dar corda pra gente folgada" espero q ela "abra os olhos e seja uma pessoa mais ativa", rsrs!

Volte logo menina, tô ansiosa, rsrsrs!

Bjs e tenha uma ótima tarde!!!



Resposta do autor:

Karen, 

Obrigaaaada!! Bom saber que você leu Amor... E Outros Dilemas. Depois, se puder, deixa um comentário lá para eu saber o que você achou. Pode ser???

A Fernanda é a BFF da Isabella. Elas são amigas de infância... é um amor fraterno o que sentem uma pela outra. O rolo mesmo vai ser entre ISabella e Alice.

Volto no comecinho de dezembro e conto com você aqui nos comentários, ok??

 

Abração!

 

 



Nome: Geek (Assinado) · Data: 16/11/2017 22:19 · Para: Capitulo 2 - Alice

Kkk valeu Nay srs , comentei em linguagem porque sou ADS( analise e desenvolvimento de sistemas) na veia , buscando me formar em 2020 hahaha sonhando com gerência em TI 

E realmente tem ótimos videos de introdução nas linguagens no youtube também recomendo que veja , quem sabe dessa experiência não saia uma analista ou programadora hahaha



Nome: Mafalda_ (Assinado) · Data: 16/11/2017 17:46 · Para: Capitulo 2 - Alice

Começou em ritmo celerado.

Os primeiros capítulos foram ótimos!



Resposta do autor:

Mafalda, dezembro está bem aí... e os próximos capítulos estão mais acelerados ainda.

Espero que vc goste.

Obrigada!!!



Nome: naybs (Assinado) · Data: 16/11/2017 15:50 · Para: Capitulo 2 - Alice

Amei!!!

Realmente, a Alice tem aquela pegada cafajeste da Shane! kkkk Tirando a parte dos relacionamentos amorosos da Alice, ela parece ser uma pessoa boa de coração :)

Às vezes o amor chega atropelando a gente mesmo kkkkkk Parece pelo teor dos dois capítulos de apresentação da história que as duas, Isa e Alice, vão ter uma relação tipo gato e rato. Ou não? Eu gosto haha :D

Gosteiii muito de duas coisas! Primeiro, a frase da Marilyn Monroe no começo do cap., muito legal quando a autora começa com uma frase, faz a gente pensar. Adoro!  Segundo, a parte que a Alice conversa diretamente com as leitoras. Muito legal! Me senti em um episódio de House of Cards (série do netflix) hahaha

Estou deveras curiosa e ansiosa por essa história!

Linier, querida autora, tu arrasa! Como sempre! Estarei acompanhando mais esse belo trabalho em dezembro :)

Ps.: Queria ser igual a colega ali e comentar em linguagem de programação kkkkk arrasou viada! 

 

 

 



Resposta do autor:

Nay,

Alice tem a pegada cafajeste da Shane mesmo, mas no resto é totalmente diferente. E você acertou... ela realmente tem um coração gigante. É uma pessoa ímpar. Alguém que acredita que para mudar o mundo primeiramente é necessário olhar para dentro de si.

Sobre o amor das duas, vai ser bem atropelado mesmo... cheio de confusoes. São duas personalidades totalmente opostas. Mas adianto que apesar das desavenças, elas vão aprender muito uma com a outra.

Sobre as citações, adoro começar os capítulos com frases.. fiz isso algumas vezes em Amor e Outros Dilemas, mas nem sempre conseguia, pq as vezes tinha apenas um dia para escrever o capítulo, daí não dava pra pensar muito. Estou até pensando em mudar isso na revisão... Tb acho bacana quando o personagem interage com o leitor. A Alice tem uma personalidade que favorece muito isso... talvez eu explore um pouco mais, já que a opinião sobre isso foi positiva. 

Tô louca pra postar o terceiro capítulo... e o quarto... kkkk os dois estão bombásticos. Amei escreve-los. Mas só quero postar quando já estiver bem adiantada, para que eu possa ter tempo de deixar tudo mais coerente. As vezes, pra poder cumprir o prazo, você acaba resumindo coisas que poderiam ter sido melhor exploradas. Não quero repetir isso em if(true){love}... me frustrei várias vezes em amor e outros dilemas.

Nay, minha querida... não canso de agradecer a vc pelos elogios. Com certeza eu sou uma pessoa mais feliz por causa deles. Os comentários de vocês são o meu combustível.

Sobre comentar em linguagem de programação, tem uns cursos básicos no youtube... kkkkkk Eu sou da área de TI, mas não sou programadora. Sei o basicão só. Quem me ajuda é o Israel, meu BFF e colaborador. Ele quem me ajudou com o título da história, com a capa e me ajuda com a linguagem técnica. Disse até que se um dia a história ficar famosa, ponho o nome dele nos créditos. kkkkk Ele tá até querendo me convercer a fazer um book trailer. O que acha?

 

Abraçao pra vc!!!



Nome: Geek (Assinado) · Data: 16/11/2017 10:51 · Para: Capitulo 2 - Alice

#include <love.h>

#include <vemdezembro.h>

#Atenta , ansiosa pra dezembro ,adorei conhecer a alice ,so eu que acho que esse romance vai ser foda  , hahahahha

 



Resposta do autor:

Geek... kkkkkk adorei seu comentário.

Dezembro chega já!

Obrigada por estar acompanhando.

Abração!!!!



Nome: NovaAqui (Assinado) · Data: 16/11/2017 09:44 · Para: Capitulo 2 - Alice

Tomara que ela não tenha atropelado.

Esse primeiro contato será tenso. Se atropelou será um blá blá blá por não prestar atenção ao trânsito kkkk se não atropelou será outro blá blá blá. Será ódio a primeira vista rsrs. Aff

Vamos esperar até dezembro para ver o que realmente aconteceu

Abraços fraternos procê!



Resposta do autor:

kkk É isso mesmo. Te doto jeito terá confusão. Isso é certo.

Dezembro está bem aí ja.

Obrigada por estar comigo nesta nova história tb.

Abração!



Nome: Angel68 (Assinado) · Data: 16/11/2017 09:00 · Para: Capitulo 2 - Alice

Meu senhor, e que protagonistas, que encontro literalmente desastroso, hahahahahahaha....Essas duas vão soltar chispas !!!! Amei !!! Essa degustação me deixou foi é salivando, mas não se preocupe, dezembro tá aí já e vai ser maravilhoso acompanhar essa história....prometi que vou te acompanhar em cada capitulo, e assim o farei !!!! Bjos !!!!



Resposta do autor:

Angel, <3

Você não perde por esperar. Já vei ter tensão logo no primeiro encontro.

Dezembro tá chegando. Postarei logo na primeira semana!!!

Abraços e até lá!

 



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.