If(true){love} //o código da atração por linierfarias


[Comentários - 407]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

Static void Main (){


                var Capítulo= “17”;


  var Título = “Locked Out Of Heaven”;


                var POV= “Isabella”;


};


“Cause your sex takes me to paradise


Yeah your sex takes me to paradise...”


 


Locked Out Of Heaven (Bruno Mars, 2012)


 


“Sabe quando você compra o seu primeiro carro? É uma conquista e tanto, não é mesmo? Você passa um tempão juntando uma grana para dar a entrada, depois começa a pesquisar pelos modelos que mais te agradam, mas que também precisam caber dentro do teu orçamento. No fim, você acaba comprando não o carro que você quer, mas sim aquele que te proporciona o melhor custo/benefício. Mesmo assim, você fica feliz, afinal, cara, agora você tem um carro e isso é o máximo. Não é o mais confortável, não é o mais bonito, não é o que te dá mais prazer de dirigir, mas ainda assim é uma conquista e tanto. Ok, tudo certo. Passa um tempo, você está lá, toda satisfeita, se achando o máximo por não ter mais que depender de ônibus ou de metrô, então alguém aparece na sua frente e te convida para fazer um test drive sem compromisso em uma Ferrari. Você não é idiota, não é mesmo? Quem não quer, pelo menos uma vez na vida, dar uma volta em uma Ferrari? Cara, até o cheiro da Ferrari é diferente. Você senta no banco do motorista e sente um poder sobrenatural. A sua primeira vontade é de enfiar o pé no acelerador e ir de zero a cem em cinco segundos, enquanto grita feito uma louca, igual aquele cara do Titanic: ‘Eu sou o rei do mundo! Eu sou o rei do mundo’. Tudo te agrada naquele carrão: o design, a beleza, o conforto, a potência do motor... É praticamente uma experiência religiosa dirigi-lo. Só tem um grande problema nisso tudo: aquele não é o seu carro. Poderia até ser, mas Ferrari é um carro complicado de se manter. Além de caro, o custo da manutenção é altíssimo e provavelmente te levaria à falência facilmente. Então, você lembra que o seu carro, aquele que você consegue dar conta, tá lá, guardadinho na garagem, esperando uma atençãozinha sua para uma manutenção atrasada, uma troca de óleo ou uma calibrada nos pneus. E é para ele que você tem que voltar, porque não tem cacife para manter uma Ferrari. Agora pense em como vai ser dirigir o seu carrinho depois dessa experiência...


-- Alice, eu não tô entendendo nada.


-- Não precisa. A única coisa que tem que entender é que eu também estou enlouquecidamente, completamente, irreversivelmente apaixonada por você, Isabella. Nunca imaginei que pudesse sentir algo assim.


“Pensou? E a que conclusão chegou? Pois é, exatamente. Não tem mais como.”


Não tenho como descrever com palavras a sensação de ouvir uma declaração como aquela, principalmente sendo o sentimento absolutamente recíproco. Não falei nada, deixei que meu corpo respondesse e apenas me permiti ser tomada, consumida, devorada deliciosamente por aquela mulher que me enlouquecia. Nunca achei que fosse capaz de sentir tanto prazer, na verdade, não me enxergava como uma pessoa sexual. Sexo para mim, até conhecer Alice, era algo que eu considerava até um pouco enfadonho. Não que eu não gostasse, mas meu corpo nem sempre reagia aos estímulos. Por um tempo, achei que isso fosse anormal e até cogitei procurar um especialista, mas depois dela percebi que o lance não era “o que” eu estava fazendo, mas sim “com quem” eu estava fazendo.


Era o meu terceiro orgasmo seguido e eu estava longe de me sentir satisfeita. Só conseguia pensar no próximo... E no outro... E no seguinte... E em mais. Alice parecia ter o manual de instruções do meu corpo. Sabia exatamente como, quando e onde estimular. Estar com ela daquele jeito era perfeito, surreal... Não digo que era um sonho, porque sonhei várias vezes com aquele momento e nem de longe a ilusão se comparava à realidade de sentir a pele macia ardendo em contato com a minha, aquela língua experiente experimentando e explorando cada centímetro do meu corpo, aquelas mãos enormes me apertando e me tomando em carícias alucinantes...


“Não, nenhum sonho faria jus àquela realidade.”


Era como se a minha existência tivesse sido iniciada ali, porque tudo o que havia vivido até então passou a parecer sem graça, sem qualquer emoção. Pudor? Vergonha? Medo? Receio? Com Alice, eu desconhecia o significado dessas palavras. Estava completamente entregue a ela, sem qualquer reserva, sem qualquer ressalva. Estava ali para satisfazê-la e deixar que fizesse o que bem entendesse de mim. Vê-la gozar tão intensamente com o corpo colado no meu e, melhor, saber que aquela carinha linda de desejo e aqueles gemidos roucos eram por minha causa, levou-me ao êxtase novamente e despertou uma fera voraz dentro de mim que eu, até então, desconhecia. Estava embevecida em me doar para ela daquela forma, mas depois de sentir o seu prazer se unindo ao meu, senti uma necessidade quase que irracional de experimentá-la também. Nunca havia estado com uma mulher antes, mas meu corpo misteriosamente parecia conhecer todos os caminhos a serem percorridos. Então, sem dar qualquer espaço para que ela resistisse, girei nossos corpos e iniciei uma deliciosa exploração.


Experimentei pedacinho por pedacinho daquela pele quente e macia, que se derretia sob a minha língua. Eu não tinha qualquer pressa, queria conhecê-la, estudá-la, testá-la. Aos poucos, fui descobrindo cada pontinho sensível e anotando em um bloquinho de notas mental para deixar salvo, pois sabia que não havia mais a menor possibilidade de voltar atrás depois dali, e muito menos de não querer repetir. Ela era deliciosa, a pele branca ganhava traços e marcas avermelhadas causados por meus dentes e unhas. Era tão cheirosa! Um cheiro peculiar e não era de perfume. Sim, tinha o perfume, mas eu estava falando do cheiro natural dela, um aroma inebriante que me fazia gemer só de sentir. A minha nova droga. Os seios eram tão lindos, médios, redondos, os mamilos rosados, eriçados, clamando por minha atenção. Não poderia decepcioná-los. Já éramos íntimos, havíamos nos conhecido alguns minutos antes, mas mesmo assim aquele segundo contato pareceu a apresentação formal. Experimentei cada um com uma delicadeza que parecia torturá-la. Arranhei os dentes nos biquinhos eriçados, depois brinquei com a ponta da língua. Transitei de um para o outro nessa calma torturante para ambas, mas me sentia compensada e instigada a continuar ao ouvir os gemidos e os pedidos safados que soavam roucos no ar:


-- Isa, não me tortura mais, vai. Chupa, por favor... Chupa forte. Me toma pra você...


“Deus... Quer dizer, acho que é até pecado falar em Deus com tantos pensamentos obscenos na mente, mas não consigo encontrar outra interjeição.”


Fiz o que me pediu, afinal, tinha como negar um pedido daqueles? E fiz mais, enquanto me deliciava, chupando forte, mordendo, apertando e beijando cada um dos seios, desci minha mão até seu sexo para sentir a intensidade daquele desejo. Não me decepcionei. Ela estava tão pronta, tão excitada... Meus dedos deslizavam facilmente pela pele sensível e quente. Demorei-me por longos instantes, conhecendo, explorando, massageando, arrancando dela as mais excitantes interjeições de puro prazer. Ela gemia, rebolava, passeava as mãos pelo meu corpo, falava algumas frases safadas e com isso instigava-me a querer mais, muito mais dela... Além de provocar o meu próprio desejo. Involuntariamente, eu procurava atrito do meu sexo com a sua coxa e por pouco não gozei. Parei antes de acontecer, porque aquele instante era dela e só para ela. Queria arrancar cada gota de prazer daquele corpo. Entrei nela bem devagar, pois, além da inexperiência, tinha medo de machucá-la com minha unha comprida. Acho que fiz certo, porque ela gemeu alto e a cara de prazer que fez não foi de dor. Iniciei um movimento cadenciado dentro dela enquanto descia minha boca por sua barriga, umbigo, ventre... Sem parar os movimentos, iniciei a exploração de seu sexo também com a língua. Ela gritou... E eu senti aquele gosto que quase fez meu coração explodir.


“Que delícia!”


Tomei-a para mim, com vontade, voracidade... Eu queria que fosse meu todo o prazer que ela pudesse sentir e estava mais do que disposta a não medir esforços para isso. Penetrei fundo, intensifiquei os movimentos com a língua e com os dedos e me deixei embevecer com seus gemidos de prazer. Uma corrente elétrica percorria nossos corpos e nos fazia tremer, alucinadas. Lambi, chupei, mordi, penetrei... Fundo... Fundo... Mais fundo... E fui presenteada com o mais sublime de todos os orgasmos. Ela me apertava, puxava os meus cabelos, dançava em minha boca, comprimia os meus dedos com espasmos fortes e sussurrava meu nome com uma rouquidão sensual.


“Que loucura, que tesão, que mulher... Definitivamente não posso mais viver sem isso.”


Minha vez, eu precisava. Sem dar o menor espaço para recuperação, montei nela e encaixei nossos sexos. Apoiei as mãos em seus ombros para encará-la, queria que ela visse o meu desejo também. Iniciei os movimentos, rebolando sinuosamente sobre ela, que de imediato agarrou meus seios com as mãos e depois com a boca. Não era possível calcular o meu nível de excitação. Eu só conseguia pensar em gozar e gozar... E gozar... E o fiz. Bastou que ela dissesse:


-- Goza pra mim, goza? Goza em mim...


E só tive tempo de responder de forma quase que indecifrável:


-- Gozo... Quantas vezes quiser... Com todo prazer...


E gozei, trazendo-a comigo. A sensação era de júbilo... Total êxtase. Nossos corpos tremiam abraçados um ao outro, como se quisessem se fundir. Milhares de borboletas voavam em meu estômago, transpirávamos, nossas peles ardiam... Era tanto prazer, tanta felicidade que senti uma lágrima escorrer pelo meu rosto. Abraçada a ela enquanto nos recuperávamos, não consegui evitar o que disse em seu ouvido:


-- Por que demorei tanto pra te conhecer, Alice? Agora não vou conseguir mais te largar.


E fui agraciada com a melhor resposta:


 


-- Largar? E quem disse que eu permitiria? Não tem mais volta, Isa. Eu quero você pra mim... Só pra mim.

Nome: mtereza (Assinado) · Data: 06/02/2018 04:36 · Para: Capitulo 17 - Locked Out Of Heaven (Parte I)

Adorei a parábola entre dirigir uma Ferrari e um carro popular o tal do Lucas perdeu de muito feio nessa kkk como sempre delicioso o capítulo amei bjs bom carnaval para vc



Resposta do autor:

Tereza,

Lucas jaz... kkkkk Viva a Ferrari.

Abraços.



Nome: Drixavier (Assinado) · Data: 05/02/2018 03:46 · Para: Capitulo 17 - Locked Out Of Heaven (Parte I)

Isa soltou-se de vez kkkk

arrasou, estou completamente apaixonada pela história!



Resposta do autor:

Drixavier,

Isa só vai querer andar de Ferrari agora. kkk

Abraços.



Nome: Bia08 (Assinado) · Data: 04/02/2018 18:45 · Para: Capitulo 17 - Locked Out Of Heaven (Parte I)

Que capítulo deliciosamente perfeito.  A Isa se tornando uma especialista em pilotar " A Ferrari" kkkk bjs



Resposta do autor:

Bia08,

Experimenta andar de fusquinha depois de pilotar uma ferrari. kkk

Abraços.



Nome: mcmota (Assinado) · Data: 04/02/2018 18:42 · Para: Capitulo 17 - Locked Out Of Heaven (Parte I)

Porque a gente tem que ler bem devagar pra aproveitar cada palavra...

Ah, não tem mais volta, eu estou irremediavelmente viciada nessa história!

Muitíssimo obrigada por compartilhar essa obra I.N.C.R.Í.V.E.L!!!

Abraço ^^

 



Resposta do autor:

mcmota, 

hahaha... ainda mais com um capítulo curtinho, né?

Obrigada pelo "I.N.C.R.Í.V.E.L". Espero não decepcionar.

Abraço.



Nome: Andys (Assinado) · Data: 04/02/2018 18:28 · Para: Capitulo 17 - Locked Out Of Heaven (Parte I)

Ahhhhh que delicia de capitulo!!!

Isa poderosa!!!

Essa "Ferrari-Alicia"...vale a pena ir a falencia para manter!!!

Faz assim manda o teu fiat Uno-Lucas para a revenda e esquece dele por lá!

So aguardando o segundo..terceiro round capitulo tudo de bom!!



Resposta do autor:

Andys,

Fiat uno? kkkkk 

Que bom que gostou.

Abraços.



Nome: patty-321 (Assinado) · Data: 04/02/2018 17:17 · Para: Capitulo 17 - Locked Out Of Heaven (Parte I)

Nossinhora. Essa descrição da isa foi...uau! Maravilhosa. Uma das mais lindas e quentes descrição de transa q ja li. Cacete. Eu entrei nesse quarto e me senti uma voyeuer . Desculpadissima. Bom domingo. Bjs



Resposta do autor:

Patty,

Sério que você gostou? Eu sempre acho que não ficou bom. kkkk

Que bom então.

Obrigada e abraços.



Nome: Angel68 (Assinado) · Data: 04/02/2018 15:44 · Para: Capitulo 17 - Locked Out Of Heaven (Parte I)

Caramba, acho que o meu coração que foi de zero a cem em 5 segundos com esse capítulo maravilhoso.....eita caminho sem volta, bem vinda ao mundo do brejo mesmo Isa !!!! Mas quem não iria mulher ?? Com a Alice é impossível...



Resposta do autor:

Angel68,

Caminho sem volta, está certíssima. Uma vez que anda de Ferrari, nunca mais vai ser a mesma coisa dirigir o bom e velho carro popular. kkk Impossível mesmo pra Isa resistir à Alice. Que bom que ela finalmente acordou pra Jesus e viu que ela e o Lucas não existiam mais, mas será que ela vai terminar com ele? Ou será que vai querer ter a Alice como amante?

Abraços.



Nome: alany (Assinado) · Data: 04/02/2018 15:20 · Para: Capitulo 17 - Locked Out Of Heaven (Parte I)
OMG!!! Que cap foi esse??? Quero mais

Resposta do autor:

Alany, desculpa... foi curtinho, mas continua. Tem a segunda parte dele ainda. To tentando trabalhar para postar o mais rápido possível.

Abraços.



Nome: NovaAqui (Assinado) · Data: 04/02/2018 08:56 · Para: Capitulo 17 - Locked Out Of Heaven (Parte I)

Elas estão em sintonia. 

Isa não tem mais volta. Seja bem vinda ao brejo kkkk

Abraços fraternos procê!



Resposta do autor:

NovaAqui,

Isa pegou o sapabonde de vez. kkk

Abraços.



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.