If(true){love} //o código da atração por linierfarias


[Comentários - 407]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

Notas da história:

Minha segunda história...

A primeira foi Amor... E Outros Dilemas. Quem leu, levanta a mão! Rsrs

O primeiro e o segundo capítulo, onde apresento as duas protagonistas, serão postados em novembro. O demais, serão postados a partir de dezembro, todas as quarta.

Espero que curtam.

E não esqueçam jamais de deixar a opinião vocês. 

Isso faz total diferença para mim.

Abraços!!!

 

StaticvoidMain(){

  var Capítulo= 1;

  var Título = “Isabella”;

                var POV= “Isabella”;

};

 

-- Quer parar de chacoalhar essas pernas, Isa? Já está me dando nos nervos.

-- Ai, Fê... Tô angustiada. Olha esse trânsito! Não posso chegar atrasada no meu primeiro dia. Que impressão vou causar?

-- Amiga, às vezes essa sua ansiedade extrapola todos os limites do aceitável. Nós já passamos da metade do caminho e ainda falta mais de uma hora. Fica calma, caramba!

-- Como você quer que eu fique calma? Faz mais de dez minutos que estamos paradas no mesmo lugar. Só pode ter havido algum acidente.

Estiquei o pescoço em uma tentativa falha de enxergar alguma anormalidade, mas não vi nada além do amontoado de carros enfileirados em nossa frente, buzinando freneticamente. Fernanda repetiu o meu gesto e, em seguida, deu-se por vencida, concordando comigo.

-- É, realmente está mais lento do que o normal.

-- Devíamos ter saído mais cedo.

Reclamei e me arrependi em seguida. Meu comentário a irritou de tal forma que foi impossível não ser atingida em cheio pelo sarcasmo lançado por ela quando disse:

-- Ah, me desculpe, madame! Amanhã vou tentar acordar às 4hda madrugada para garantir que a senhora chegue a tempo.

-- Desculpa, Fê! Estou sendo mal agradecida.

Lutei para conter minha ansiedade. Fernanda tinha razão. Apesar do engarrafamento, ainda estávamos muito adiantadas.

-- Tá, não esquenta! Ai, Isa, mas tenho que falar: ainda bem que não preciso te dar carona todos os dias! Acho que eu enlouqueceria rapidinho.

-- Nem me lembre disso, porque me dá vontade de matar o Lucas.

-- Por falar em Lucas, afinal, por que você ainda empresta o carro pra ele, hein? Que eu me lembre, deve ser a terceira vez que ele bate. Qual foi a desculpa desta vez?

A pergunta intempestiva de Fernanda fez meu tom de voz mudar imediatamente. Nós éramos melhores amigas desde o berçário, portanto, ela se sentia no total direito de se meter em minha vida na hora e da forma que bem entendesse. No geral, eu não me importava muito com isso, mesmo porque eu fazia exatamente o mesmo com ela. Mas quando o assunto era o Lucas, meu namorado, as perguntas e os comentários dela sempre me deixavam desconsertada, incomodada, sem saber muito bem como responder. O que eu jamais admitia, nem para ela e nem para mim mesma, era que o motivo de tanto incômodo se dava, única e exclusivamente, por concordar com absolutamente tudo o que ela dizia.

-- Disse que estava muito cansado. Dormiu ao volante quando voltava do show.

Falei, meio que já tentando desconversar, com o rosto virado para a janela, sem ter coragem de encará-la. Por isso, não pude ver a expressão em seu rosto. Isso, no entanto, não me impediu de sentir toda a ironia que ela depositou na voz ao falar:

-- Sei... Cansado e bêbado, imagino. 

Era muito provável que ela estivesse certa, no entanto...

-- Não, ele falou que só tinha tomado duas cervejas.

Isso era o que ele havia me dito. É, eu acreditei... Ou, pelo menos fingi ter acreditado. Era mais fácil assim.

-- E você acreditou? Isabella, francamente, sabia que eu não te entendo? Olha só você... Uma garota fantástica, linda, bem-sucedida, bem-criada... Nada me tira da cabeça que a única coisa que te prende àquele perdedor do Lucas é o comodismo de estarem juntos por tanto tempo.

-- Fê, não quero entrar nesse assunto. Sua implicância com o Lucas não encontra limites nunca.

-- Implicância? Isa, o cara está beirando os trinta anos e ainda age feito um adolescente inconsequente. Isso é absurdo! Pronto, falei.

-- Eita, que hoje você tá afiada, hein?

-- Amiga, tenha santa paciência, né? Essa história de ser músico era linda quando estávamos no colégio, mas já se passaram mais de dez anos e ele ainda não emplacou nada. Já tá mais do que na hora de procurar um trabalho de verdade, não acha? Ao invés de ficar vivendo como um parasita, te sugando.

Pronto, o assunto fatídico voltara à tona.

-- Fernanda, você tá sendo injusta. Não é bem assim. Ele ganha pelo trabalho dele, embora não seja muito, mas mesmo assim está sempre disposto a ajudar nas despesas.

-- Disposto? – Ela riu com escárnio antes de continuar. – Até onde eu sei, Isabella, quando duas pessoas moram juntas, dividir as despesas não é uma questão de disposição, mas sim de obrigação.

-- Menina, por que foi mesmo que eu não pedi um Uber, hein?

O meu tom de voz, àquela altura já impaciente, fez com que o dela se alterasse mais ainda, ao que retrucou quase aos gritos:

-- Porque você é uma maluca, paranoica, que tem medo do motorista ser, na verdade, um maníaco, que vai te assaltar ou te estuprar...

-- Você não lê as notícias? Semana passada mesmo, eu vi no jornal que...

Tentei, em vão, mudar de assunto, mas fui interrompida bruscamente no meio da frase:

-- Pois é, já que você é uma desvairada com síndrome do pânico que não usa transporte público, só te resta me ouvir. Então, cale a boca e receba. Isa, pelo amor de deus, ele te traiu.

-- Uma vez...E isso já faz mil anos...

-- Uma vez que você descobriu.

-- Aquilo não significou nada, Fernanda. Foi só sexo... Aliás, nem chegou a isso. Eu estava muito ausente, completamente concentrada no meu projeto. Ele se sentiu carente e foi fraco. Só isso.

-- Ah, claro! Sendo assim, tudo bem, né?

-- Fê, o que você quer que eu faça? Não vou ficar correndo atrás dele pra ver se descubro alguma coisa. Além do mais, nossa relação é bem maior que isso. Tem muita coisa envolvida... Uma vida inteira, pra falar a verdade. Nós temos uma história de mais de dez anos. As coisas nem sempre são fáceis na vida a dois.

Soltei tudo de uma vez. Queria deixar claro que os relacionamentos não eram perfeitos e que os percalços faziam parte da vida de qualquer casal. Precisava que ela entendesse que a cessão era algo fundamental na vida a dois e que um mero erro não poderia, jamais, ser maior do que um amor cultivado durante tanto tempo. Logo que me calei, o trânsito voltou a fluir, obrigando Fernanda a focar novamente no tráfego. Ela seguiu nosso caminho aparentemente resignada, embora eu tivesse plena convicção de que, no fundo, aquele silêncio repentino se manifestara apenas por ela saber que a conversa, como sempre, não traria resultado algum. Eu e a minha boca grande, no entanto, insistimos no assunto. Em mais uma tentativa frustrada de fazê-la enxergar a situação através de meus olhos, continuei:

--Olha, ele tem os defeitos dele...Aliás, muitos, eu admito. Mas eu também tenho os meus. Não sou nenhuma santa, se quer saber. Além disso, eu gosto de estar com ele, Fê. Nós cuidamos um do outro...

Ela deixou escapar mais um sorriso sarcástico e então voltou a falar. No entanto, mudou drasticamente a tática, pegando-me totalmente desprevenida ao perguntar:

-- Faz quanto tempo que vocês não transam?

-- O quê?

-- Responda à pergunta, Isabella.

Aonde ela queria chegar com aquilo? Ao que parecia, estava determinada de uma vez por todas a me provar que meu relacionamento com Lucas estava falido. Mas eu não ia permitir que vencesse tão fácil. Retruquei, vestindo a minha melhor máscara de indignação:

-- Isso não é da sua conta, sua metida.

-- Tá vendo? Se não quer responder é porque tá com vergonha de dizer que faz séculos.

-- Fernanda, não é o sexo que mantém um relacionamento.

-- Lógico que não. Mas você há de convir que sem ele, o sexo, não há relacionamento para se manter, não é verdade?

Eu precisava de uma arma mais poderosa. As minhas estavam falhando vergonhosamente. Apelei para um golpe baixo:

-- O que você entende sobre relacionamentos? Nunca passou mais de seis meses com um cara...

Mas Fernanda era uma guerreira e tanto. Sempre preparada para o melhor revide.

-- E o que VOCÊ entende? Até onde eu sei, sua única referência é o Lucas. O que, definitivamente, não é lá grande coisa.

-- Fernanda, eu não vou usar sexo como termômetro para avaliar o meu namoro. Nós estamos juntos há mais de dez anos... Moramos juntos. É natural que as coisas esfriem...

-- Quando tempo sem transar, Isa?

Ela não tinha limites... Nunca teve. Minha resposta foi precedida de um suspiro resignado:

-- Uns cinco meses, talvez...Não estou contando.

-- Eita...

O trânsito, àquela altura, já havia voltado a fluir normalmente e o meu destino se aproximava cada vez mais, para o meu total alívio. A inquisição não estava me agradando em nada. Era sempre assim: bastava o mínimo deslize do Lucas para aquele assunto vir à tona entre nós. E sempre que acontecia, o bom humor, característica tão peculiar de Fernanda, se esvaía no ar. Isso porque, não importava o quanto ela tentasse, a conversa sempre acabava da mesma forma: de minha parte, mil e uma tentativas de justificar os atos irresponsáveis do meu namorado, e da parte dela, as mais diversas réplicas e tréplicas, até finalmente se sentir derrotada.

-- Isso não é culpa dele. Ele até tem me procurado... Eu é que tenho andado muito estressada com a start up, com a proposta que recebi...

-- Claro, Isa. A culpa nunca é dele.

E sabendo que aquele assunto, como sempre, não nos faria chegar a lugar algum, seguimos o resto do caminho caladas. Chegamos na frente do prédio faltando ainda cerca de trinta minutos para dar o meu horário. Fernanda parou em frente a uma padaria, do outro lado da rua. Agradeci pela carona e fui respondida com um vago “de nada”. Sem me dar por vencida, antes de descer, abracei-a e dei um beijo estalado em seu rosto. Éramos como irmãs. Não alimentávamos aquele sentimento fraterno que tínhamos uma pela outra sequer pelos nossos próprios irmãos de sangue. Talvez por isso Fernanda se incomodasse tanto com o que, para ela, era a minha infelicidade.

-- Você vem me buscar mais tarde?

-- Claro! Se eu não vier, é capaz de você dormir aí.

Ela me respondeu em um tom brincalhão e eu sorri satisfeita ao perceber que seu humor já estava melhorando.

-- Você é minha heroína! Te ligo quando estiver livre.

-- Ok. Boa sorte lá.

-- Obrigada. Te amo, amiga!

-- Também te amo, sua chata!

Aliviada por ter chegado com bastante antecedência, resolvi entrar na padaria para tomar café, vez que não havia feito isso em casa. A ansiedade não me permitira. Enquanto saboreava a minha refeição, foi inevitável refletir sobre minha conversa com Fernanda.

Lucas era um deus na época do colégio. Os caras queriam ser iguais a ele, e as meninas, ficar com ele. Fernanda e eu não fugíamos a essa regra. Tal que a minha alegria não poderia ter sido maior quando ele começou a trocar olhares comigo de cima do palco, enquanto cantava e tocava em uma festa comemorativa do colégio. Dali até começarmos a namorar firme levou menos de uma semana. Ele exibia um belo rosto, marcado por traços afilados, o corpo definido em músculos torneados, a pele bronzeada por causa do sol forte ao qual se submetia quase todas as tardes, enquanto surfava... O conjunto da obra, por si só, já era irresistível. Por isso, o fato de cantar e tocar guitarra poderia ser considerado apenas como mero acessório, apensado à sua lista quilométrica de atributos. Ele desfilava charme para cima e para baixo nos corredores da escola. Sabia que era desejado e invejado, o que dava a ele uma autoconfiança inabalável. Anos depois, no entanto, ele foi vítima da própria vaidade. Certo de que logo conquistaria o sucesso, largou os estudos assim que concluiu o ensino médio, passando a se dedicar exclusivamente à carreira artística. No início, eu achava lindo. Dava total apoio a ele, ia a quantos shows podia ir, divulgava as apresentações da banda dele entre meus colegas da faculdade... Eu me considerava sua fã número um.

O tempo passou rápido. Quatro anos depois, eu havia me formado em Ciências da Computação, enquanto Lucas continuava na mesma vida. Sua confiança, no entanto, já não parecia mais tão inabalável como antes. Mesmo assim, ele jamais parecia disposto a desistir da carreira, e eu, embora já não tivesse mais qualquer esperança de que ele alcançasse o sucesso, não ousava interferir em suas decisões, afinal, aquele era o sonho dele.

Logo que me estabilizei em meu primeiro emprego, decidi colocar de vez os dois pés na vida adulta e saí da casa dos meus pais. Aluguei um apartamento e me mudei. Para o meu relacionamento com Lucas a situação havia melhorado consideravelmente, vez que na casa de nossos pais jamais havíamos tido a liberdade de dormir juntos. Começou com o final de semana. Sempre depois dos shows da banda dele, voltávamos para a minha casa. Depois ele passou a ficar na segunda, na terça... E quando eu menos esperava, todas as coisas dele já estavam no apartamento. Então, oficializamos para as famílias que estávamos morando juntos. Minha mãe aceitou, meio a contragosto. Meu pai surtou. Não foram poucas as vezes em que me acusou de estar vivendo com um vagabundo. Depois disso passou a me negar qualquer tipo de ajuda financeira. Não que eu precisasse do dinheiro do papaizinho para me sustentar, mas o que eu ganhava, no início da minha carreira, não era o suficiente para assumir todas as responsabilidades de uma casa. Lucas me ajudava como podia, mas passamos por vários apertos até a minha primeira promoção chegar. Fernanda, que no início do meu namoro havia sido uma das minhas maiores incentivadoras, aos poucos passou a se incomodar com a situação também e não preciso nem falar mais nada sobre o que ela pensava, pois creio que nosso recente diálogo tenha deixado isso bem claro. Embora indisfarçadamente incomodada, ela sempre procurou respeitar a minha decisão de me manter com Lucas, até que...

Eu havia sido contratada por uma empresa de tecnologia, inicialmente como programadora júnior. Não deu seis meses e eu fui promovida ao nível pleno. Mais um ano, virei sênior. Foi quando a empresa lançou um desafio. O vencedor se tornaria analista de sistemas e ainda seria o responsável pelo gerenciamento do projeto que atenderia o nosso mais novo cliente, um famoso banco privado que atuava em todo o território nacional. Dali em diante, passei a concentrar todas as horas do meu dia no projeto que eu tinha que desenvolver. Mal parava em casa e no pouco tempo em que permanecia lá, trabalhava ou dormia. Deixei de ir aos shows da banda do Lucas, dificilmente conversava com Fernanda, nem mesmo por telefone, não aparecia mais na casa dos meus pais... Estava verdadeiramente obcecada com a minha promoção. Aquele seria, certamente, um dos maiores passos em minha carreira profissional. Lucas passou a me cobrar pelas ausências. Entramos em uma crise séria, brigávamos o tempo todo, ele, cobrando minha atenção, e eu, pedindo paciência. Certa noite, depois de refletir sobre nossa última discussão, concluí que eu estava realmente muito obcecada com o projeto e resolvi aparecer de surpresa em um showda banda dele. Convidei Fernanda e ela aceitou me acompanhar. Até hoje, não sei explicar o motivo da minha frieza ao me deparar com a cena que vi, quando o procurei atrás do palco. Lucas estava com uma morena qualquer, dando o maior amasso da história. Ela com as mãos dentro da calça dele e ele atracado na boca dela, deslizando as mãos por baixo da saia. Não sei o que me moveu naquele instante. Só sei que uma súbita vontade de chegar mais perto se apoderou do meu corpo. Caminhei em direção aos dois, lentamente, observando cada movimento que faziam. O casal só se deu conta da minha presença quando, não eu, mas Fernanda, não contendo a indignação, chamou a atenção dos dois com a seguinte frase de efeito:

-- Será que vamos precisar jogar água quente pra apartar?

Eu a recriminei com um olhar severo. Não queria ter interrompido. Precisava saber até onde Lucas seria capaz de ir, bem ali, praticamente em público. Quando voltei a olhar na direção do meu namorado traidor, ele já arrumava as calças, ignorando totalmente a garota que, apenas alguns instantes antes, parecia-lhe tão íntima. A garota rapidamente sumiu das minhas vistas, enquanto Lucas, completamente desconsertado, encarava-me com ar de total desespero.

-- O que... O que você tá fazendo aqui?

Ele ainda teve a cara de pau de me perguntar. Mas eu estava iluminada naquela noite, só podia estar. Pois, incrivelmente, meu coração pulsava calmo dentro do meu peito. O que não significava que eu não estivesse me sentindo profundamente enganada e traída. Tal que respondi:

-- Eu devia ter te avisado que vinha, pra você calcular melhor o tempo que levaria, se agarrando com as vadias da festa?

-- Isa... Amor, não é o que você está pensando.

Ouvi a risada sarcástica de Fernanda, mas me mantive sóbria, focada e impassível ao responder:

-- Quero suas coisas fora da minha casa antes de o dia amanhecer.

Virei de costas para ele e saí, arrastando Fernanda em direção à rua. Mas não foi tão fácil assim me livrar de Lucas naquela noite. Ele veio atrás, pediu, implorou, rastejou... Eu não conseguia sequer encará-lo. Fui embora com Fernanda. Dormi na casa dela, pois sabia que ele apareceria na minha. Na manhã seguinte, voltei para o meu apartamento e o encontrei lá. Tivemos mais uma discussão, ele chorou muito, pediu-me perdão incontáveis vezes, tanto que eu quase cedi... Quase. No mesmo dia, ele foi para a casa de um amigo e ficou lá por algum tempo. Na primeira semana não parava de me ligar, às vezes aparecia na porta do meu prédio, outras vezes me esperava na saída do trabalho e, em todas as situações, eu me mantinha firme. Até que ele parou de correr atrás. No início fiquei aliviada, mas depois de uns dez dias comecei a me sentir tão sozinha. Cheguei até a perder o sono, algumas noites. Certa manhã, abri meu armário e vi o espaço vazio, onde antes suas roupas estavam. Comecei a chorar. Fernanda tentava me convencer de que não era dele que eu sentia falta. Para ela, eu só estava muito acostumada a ter alguém por perto. Ficava me dizendo que tudo o que eu precisava era me apaixonar por outra pessoa. Passou a me arrastar para noitadas em barzinhos e boates, tentava me fazer olhar para outros caras, mas ninguém me atraía ou me despertava o mínimo interesse.

Cerca de um mês e meio depois, fui almoçar no shopping e, casualmente, cruzei com Lucas. Minha raiva já não era mais tão forte e vê-lo no estado abatido em que ele se encontrava fez meu coração doer. Estava bem mais magro, a barba por fazer, os cabelos desgrenhados, a roupa amarrotada... Não parecia, nem de longe, o Lucas vaidoso e cheio de si que eu conhecia tão bem. Quando me viu, sorriu, mas logo sua expressão se entristeceu e ele baixou a cabeça. Fiquei consternada. Convidei-o para almoçar comigo e finalmente dei a ele a oportunidade de se explicar. Ele falou triste que estava muito arrependido, que havia sido fraco e que eu era tudo para ele. No fim, se justificou, dizendo que eu estava muito distante, que não nos víamos mais e não fazíamos mais sexo. A garota havia se oferecido e ele se deixou levar pelos instintos masculinos. Jurou que sequer lembrava o nome da menina e, por fim, me pediu uma chance. Não consegui identificar o que senti diante daquela proposta: amor, saudade, comodismo, pena... Impossível definir. A única coisa da qual eu tinha certeza era que eu o queria de volta. A solidão estava me matando. Então aceitei seu pedido de perdão e reatamos. De forma inacreditável, nos dias seguintes, nossa vida voltou a mais serena normalidade, como se nada tivesse acontecido. Dali em diante, Fernanda não me deu folga. Não perdia mais qualquer oportunidade de me criticar por ter reatado com Lucas. Começou a me acusar de estar sendo acomodada e passou a tratá-lo com o maior desdém possível. Ela não fazia a menor questão de ser agradável com ele, que, em resposta, começou a tratá-la exatamente da mesma forma. Por fim, para o bem de todos, passei a mantê-los o mais longe possível um do outro. Não saímos mais juntos e, como não estava disposta a abrir mão de nenhum, evitava até falar de um para o outro, pois era discussão na certa, bem como acabara de acontecer.

O fato é que eu sempre gostei de estabilidade. Estar com o Lucas era muito confortável. Sabia que, mesmo com todos os defeitos dele, ele me amava e cuidava de mim, aliás, com um zelo incrível. Tê-lo por perto me deixava segura, e isso não era algo tão fácil de se encontrar por aí a fora. Eu não poderia e nem queria arriscar perder aquilo. Ok, admito que Fernanda não estava errada ao dizer que ele vivia às minhas custas. Mas, e daí? Àquela altura do campeonato eu já ganhava bem o suficiente para sustentar uma família inteira. E se eu fosse o homem e ele a mulher? Para a sociedade seria normal, não seria? Eu me recusava a ser complacente com esse pensamento sexista, portanto, o fato de ser bem-sucedida e Lucas não, jamais fora um tabu para mim, embora no meu íntimo, não pelo dinheiro, mas pela realização pessoal que eu sei que encontraria, eu queria muito que ele desse certo na vida.

Fiquei tanto tempo viajando em minhas lembranças que quando dei por mim faltava apenas cinco minutos para as 9h, o horário em que eu deveria apresentar-me no meu novo emprego. Levantei, segui apressadamente para o caixa, paguei minha comanda e saí em disparada rumo ao prédio do outro lado da rua. Pus um pé na faixa de pedestre e observei os carros parando na primeira e na segunda faixa, dando-me passagem. A terceira faixa estava aparentemente vazia, então segui meu caminho quase correndo. Quando cruzei com o segundo carro meus pensamentos já não estavam mais na ação que eu estava executando. Àquela altura eu já estava nervosa, preocupada, achando um absurdo a minha displicência de não estar me apresentando com no mínimo uns dez minutos de antecedência. Fiquei tão distraída em meus pensamentos que não observei o carro que vinha em alta velocidade na terceira faixa, bem no momento em que eu a cruzei. Só me dei conta de que estava prestes a ser atropelada quando ouvi as muitas vozes na calçada do prédio, gritando em uníssono:

 

-- Cuidado! 

Notas finais:

Olá, meninas!

Não sei se estão sentindo falta de Amor… E Outros Dilemas, mas eu estou sentindo muita falta de vocês. Tanto que resolvi antecipar os dois primeiros capítulos da história que prometi postar em dezembro. No primeiro, que segue abaixo, vou apresentar a vocês a metódica e ansiosa Isabella, uma das protagonistas. Na semana que vem, apresentarei a intempestiva e divertida Alice.

Ao terminarem de ler, por favor, não esqueçam de falar o que acharam. Isso é muito importante para mim.

 

Espero que gostem.

 

E aí, meninas? 

O que acharam da Isabella?

Enquanto aguardam o próximo capítulo, que tal dar uma conferida em Amor... E Outros Dilemas ??? Essa já está finalizada.

 

CRÉDITOS:

Texto: Linier Farias;

Capa: Linier Farias;

Revisão: Joelma Leite;

Colaboração Técnica: Israel Reis.



Comentários


Nome: Corpes (Assinado) · Data: 12/04/2018 20:24 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Pelo bem da pele da autora ne..q morreu de medo daa leitoras..quase se borrando..kkkk

Alice morta da safada..kkk



Nome: Tatta (Assinado) · Data: 06/04/2018 00:14 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Não mato não, mas vou me dar o direito de ser mimada e ler o primeiro capítulo do conto novo só depois de saber que patifaria foi aquela na casa de Alice kkkkk



Resposta do autor:

Tata, 

Já pode ler então.. os dois primeiros capítulos, na verdade. Não acha?

kkkkkkkk

Abraços!



Nome: Lili (Assinado) · Data: 05/04/2018 17:09 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Kkkkkk... Mas mesmo assim ainda vai dá merdaaaaaa...



Nome: Lili (Assinado) · Data: 12/03/2018 18:12 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Eu só atravessar a ponte do Rio Ceará, já chego em cumbuCu.

Elas se apoiando é que vai ser a base do relacionamento delas, mas mesmo assim ainda tem muitas barreiras e dificuldades, pela frente para ser uma relação forte e sólida.

Que o namorado do Gus seja uma das formas que vai ajudar e muito Alice.



Nome: Ana_Clara (Assinado) · Data: 07/03/2018 21:34 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Hahaha Quando o negócio é bom, não tem pq não comentar e dizer as verdades, certo?! E eu realmente curti muito Amor... E outros dilemas. E tenho certeza que vou curtir tbem a sua nova história. Bom, referente a história da minha namorada, o nome dela é Tessa Reis e ela escreveu Delirium. Caso queira dar uma olhadinha seria muitíssimo legal. rsrsrs 

Bjos Linier :)



Nome: Tatta (Assinado) · Data: 07/03/2018 19:48 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Hahahaha eu tenho paciência e carinho!!! Kkkk é que sou ansiosa, mas estou aprendendo a esperar!!!



Resposta do autor:

Tatta,

Agradeço os dois. A paciência e o carinho.

Abraços!



Nome: Ana_Clara (Assinado) · Data: 04/03/2018 16:26 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Ok, já se passaram uns 15 meses desde meu último comentário... Correndo com as coisas da vida nunca mais tinha entrado no Lettera e lido alguma história. A última definitivamente tinha sido uma incrível... E então semana passada decidi encontrar algo legal que despertasse novamente a gana de ler. As coisas mudaram depois que minha namorada começou a escrever uma nova história e aí fiquei tão entusiasmada que fui atrás de outras, enquanto ela não me dava capítulos novos. Encontrei uma história sua em um outro site e confesso que devorei em apenas 2 dias. Aí por coincidência te achei aqui no Lettera. Te devo pelos menos 22 comentários de Amor... E outros dilemas, mas vou me redimir e o farei. Queria poder ter todos os capítulos dessa história aqui para poder devorá-la, assim como a anterior, mas me contento em ir devagar, assim intercalo a sua história com a outra da namorada hahaha. Quero te dizer que vc tem um dom, e que adoro a maneira que escreve. História com um enredo ótimo e o que me faz ser sua fã tbem é pela inscrita sem erros de português. Obrigada por compartilhar com a gente esse seu talento. Me considere mais uma fã do seu trabalho. Bjos



Resposta do autor:

Ana Clara,

QUe honra ser meu o teu primeiro comentário depois de tanto tempo longe. Obrigada!!!

Fiquei curiosa sobre as histórias da tua namorada. Se puder me indicar, agradeço.

Sobre Amor... E Outros Dilemas, eu aceito se vc fizer um único cometário que englobe os 22 capítulos e o epílogo. kkkkkkk Brincadeira. Fique a vontade, mas agradeço se me disse o que achou.

Agradeço demais pelo elogio. Eu sei que ainda tenho muito a melhorar, mas escrevo de todo coração. Mas eu vou evoluindo e espero que continue acompanhando as minhas histórias.

Obrigada vc, por me dar a oportunidade de mostrar a você as minhas humildes palavras. Espero ser merecedora de uma fã como você.

Abraços!!!



Nome: menteincerta (Assinado) · Data: 19/02/2018 21:25 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Ola autora!

Falaram de você no varanda do Lettera e bateu aquela curiosidade e vim conferir.

Adorei o primeiro capítulo, muito bem escrito. Acho que a Isa vai dar um belo de um trabalho até largar o idiota do namorado, que aliás, já quero bem longe dos próximos capítulos hahaha

Bora pro próximo capítulo, descobrir Alice.

Parabéns pela história!

 

Bjos e até mais 



Resposta do autor:

menteincerta,

Menina, tenho que te contar... já estou no capítulo 18 e a história com esse namorado ainda rola... kkkkk Ops... Spoiler Alert

Mas muita coisa boa também já aconteceu, tá? Espero que continue lendo.

Sobre o varanda do lettera, espero um dia poder participar. Seria um prazer.

Abraços e obrigada!!!



Nome: Lerika (Assinado) · Data: 19/02/2018 04:41 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Muito bem escrita. Recebi recomendações de ler essa estória e agora muito agradecida por isso. 



Resposta do autor:

Lerika,

Que felicidade saber disso.

Por favor, não deixe de me contar o que está achando.

Abraços!



Nome: mcmota (Assinado) · Data: 09/01/2018 11:51 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Aquele momento em que um primeiro capítulo te prende, mas você não pode continuar (por enquanto) a leitura porque tem trabalho à espera... Porém, você tem de vir comentar que a autora já se mostra super coerente na escrita e que a leitora aqui está bem ansiosa pelos próximos capítulos!!

Abraço ^^



Resposta do autor:

Mcmota,

Aquele momento em que você abre o seu perfil no lettera e dá de cara com um comentário maravilhoso desses sobre a história que você escreve com tanto carinho. <3 <3 <3

Muito obrigada por ter dado a uma oportunidade à minha históra. Espero que consiga logo bastante tempo para ler e que goste muito dela.

Abraço!!



Nome: Nanda_cupcake (Assinado) · Data: 02/12/2017 03:01 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Não foi nem pela Isa e nem Alice acho que to me apaixonando pela Fernanda mesmo kkkkk Essa Isa é trouxa, Alice tem que dar um jeito nisso



Resposta do autor:

Nanda, já disse... acho que vc vai morder sua língua sobre a Isa.

Sò acho. kkkk

Abraços!



Nome: josi08 (Assinado) · Data: 29/11/2017 00:15 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Ja li sim e amei a história. Parabens muito boa. ;)



Resposta do autor:

Ah, fico muito feliz em saber disso.

Abraços!!!



Nome: Karen (Assinado) · Data: 21/11/2017 23:52 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Oi Linier, boa noite!

Sim, td q vc disse faz sentido, rsrs!

Sou "fraca" em entender nas entrelinhas e sim, foi uma explosão de sentimentos e um tiro (flexada do cupido, rsrs).

Bom, não era crítica, e entendo q sim, é apenas um nome pro cap e ficou legal sim, a interpretação q vc fez... 

Ansiosa pela contiuação! Sei q vou gostar mto de me divertir com essa "moça atrapalhada", kkkkk.

Bjs e até dezembro então!!!



Resposta do autor:

Karen, não recebi como crítica.. longe disso, viu?

Faltam 10 dias para o próximo cap e já estou ansiosa para postar.

Espero que vc goste.

Abraços!



Nome: Day-chan (Assinado) · Data: 21/11/2017 13:23 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Um começo empolgante!

Estou feliz por acompanhar seu novo romance. Isabela se mostrou uma personagem interessante, flexível, estável, compreensiva, mas com potencial para descobertas surpreedentes, até para ela própria. 

Conte com minha presença. Sua narrativa continua impecável. 

Parabéns!



Nome: patty-321 (Assinado) · Data: 18/11/2017 19:22 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Agora q eu vi que essa estória e sua, linier, como eu amei a anterior, lógico q vou ler esta é já me amarrei neste primeiro capítulo. Interessante personagem. Vou conferir.o outro. Bjs



Resposta do autor:

Patty,

É sim... srsrsrsr espero que goste tanto quanto ou mais gostou de Amor... E Outros Dilemas. Não pretendo decepcionar. 

 

Abraços!!



Nome: jagarcia (Assinado) · Data: 09/11/2017 14:58 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Olá autora. Muito legal esse 1° capítulo, Fernanda de uma sinceridade hein? Adorei. Isa bem ansiosinha mesmo hahaha. Agora esse Lucas aí...sei não...um belo de um encostado, que ainda por cima, chifra a pobre Isa. Espero que a ficha caia logo pra ela. Pq é phoda esse lance de traição. Bom, maldade a sua nos deixar esperando por tanto tempo pelos próximos capítulos tsc tsc tsc... Fala sério né? rs. Parabéns e ansiosa pelos próximos capítulos. Bjs no coração.



Resposta do autor:

Jagarcia,

 

 

Subo que gostou do cap 1. Aí da estou escrevendo o 2... por isso a demora.

Já leu Amor e Outros Dilemas? Ta completa. Vai lendo lá, enquanto espera o capítulo 2.



Nome: Mille (Assinado) · Data: 08/11/2017 21:51 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Ola autora

Gostei do primeiro capítulo, e acho que Nanda tem razão mais logo ela vai enxergar que o Lucas do está com ela por interesse.

Bjs e até o próximo capítulo



Resposta do autor:

Oi, Mille!!

Que bom ter vc por aqui também!

Espero que goste da história.

Abraços!



Nome: Karen (Assinado) · Data: 08/11/2017 20:44 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Oi, boa tarde!

Então, amei sua priimeira estória.

Li o 1º cap dessa recente tb, ... amei ainda mais com esse drama todo q vc "espantou a gente", aff... 

Espero q vc poste os 5 primeiros rapidademente pra gente ter uma idéia de como será o romance, rsrs!

Sei q será tão bom qto o primeiro, então, ... volte logo menina!!!

Bjs e boa semana!!!



Resposta do autor:

Karen,

Muito feliz em saber que gostou de Amor e Outros Dilemas.

Mais feliz ainda por saber que já está gostando de if(true){love}.

Semana que vem eu posto mais um capítulo, mas como ainda estou escrevendo a história, só vou começar as postagens semanais no início de dezembro, ok? Mas já está bem aí, né?

Abraços!!!



Nome: AureaAA (Assinado) · Data: 08/11/2017 20:42 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Olá autora!

Que bom que voltasse logo rsrsrs 

Só passando para dizer que já quero mais dessa história e obrigada  por não nos esquecer!bjs



Resposta do autor:

Aurea, 

Não estava aguentando de saudade.

Vim dar só uma palhinha... só dois capítulos.

Em dezembro começo a postar semalmente.

Que bom que vc já está gostando desta história tb. Espero que continue deixando sua opinião.

 

Abraços!!!



Nome: Enaile Araujo (Assinado) · Data: 08/11/2017 16:34 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Miiiga, você voltou!! Que maravilha!! Já eatva com saudades... :)

Li, acredito que se existe reencarnação, você deve ter sido uma Jane Austen da vida. Ate briga de galo (d)escrita por você, é "bótimo", e tenho certeza que esse romance será tão bom quanto o outro. Amo sua escrita...ah... já falei, né?! kkkkkk 

Espero que tenha mais capítulos esse mês, pois é mês do meu niver, então seria um ótimo presente (olha a chantagem emocional da pessoa). kkkkk Já louquinha pra conhecer a Alice, viu?!

Boa inspiração, miiiga e que bom que não nos deixou orfãs por muito tempo! 

Bjãooo



Resposta do autor:

Miigaa... você e esse incrível poder de elevar a minha autoestima. kkkkkk

Depois vou tentar (d)escrever uma briga de galo pra ver o que vc vai achar.

Esse mês, eu só prometo mais um capítulo, mas em dezembro começo as postagens semanais. Eu estou achando a Alice o máximo... Uma figura. Espero que goste dela.

Sobre seu aniversário, PARABÉEEEEEEEENS......... Muitas felicidades pra vc!

Abração!!!



Nome: Geek (Assinado) · Data: 08/11/2017 12:00 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Adorei, isa isa acorda pra vida menina, a fernanda e maravilhosa , ansiosa pelo próximos capítulos



Resposta do autor:

Geek,

Se gostou da Fernanda de mau humor, imagina o que vai achar dela quando a vir bem humorada?? 

A Isa está precisando mesmo de um acorda pra gzus... está acomodada por demais nessa relação.

Obrigada por estar acompanhando. Queria te pedir para não deixar de dar a tua opinião em cada capítulo. Isso faz toda a diferença para mim. Posso contar com vc?

 

Abraços!!!



Nome: mtereza (Assinado) · Data: 08/11/2017 05:35 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Amei a Isa e já estou ansiosa para conhecer a Alice e para ver o idiota do Lucas vazar kkkkk . Gostei da Fernanda também.



Resposta do autor:

Tereza,

Que bom que está aqui comigo de novo, acompanhando mais uma história. Fico muito feliz com isso.

Esse Lucas é um baita de um folgado, né? Mas ele é louco pela Isa, não se engane.

A Fernanda é o máximo. Vc vai se divertir muito com ela.

E a Alice, ah... Alice... ela é... nem tenho palavras pra definir. VOu deixar a Isa definir pra vc nos próximos capítulos.

Abraços!!!



Nome: FlexoesLesbicas (Assinado) · Data: 08/11/2017 02:19 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Hmmmm... será que a morena com que o Lucas folgado pegou não é a Alice? Já to toda caçando pistas ahahahah Mas mais provável que quem esteja pra atropelar ela é que seja a Alice hahaahah

Curiosa por mais capítulos!



Resposta do autor:

kkkkk

A morena não é a Alice, não. Alice jamaaaais se agarraria com um cara.

Talvez a sua segunda dedução seja a mais viável. Será???

Em breve, saberemos.

Abraços!!!



Nome: Bellla (Assinado) · Data: 07/11/2017 22:56 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Linier, amei o sei novo romance. 

Sucesso da nova estória. 

Adorei Isabella, meu nome . Hehehe. 

Beijos. 



Resposta do autor:

Bella, obrigadaaaa!!! Feliz demais em saber disso.

Isabella é um belíssimo nome. Um dos possíveis nomes que darei à minha filha hipotética. kkkk

Abraços!!



Nome: naybs (Assinado) · Data: 07/11/2017 22:27 · Para: Capitulo 1 - Isabella

AMEI, AMEI E AMEI! *.*

Menina, acho que encontrei uma gêmea de personalidade kkkk. A Isabella parece ter uma personalidade um tanto peculiar. Como bem retratou a amiga dela, Fernanda, um pouco neurótica, mas isso é até um charme Hahaha Ri bastante com algumas partes do diálogo das duas amigas.

O legal é que a estória está retratando um assunto que assola vários relacionamentos atuais né, o maldito comodismo.

E esse final? Aiai Será que ela foi atropelada? E quem será que vai estar nesse carro? Imagino que o novo amor *.*  ou não kkk 

Estou bem curiosa com a outra personagem. Ansiosaaaa! 

Pelo jeito vou ter um novo vício em breve, armaria! 

Linier, você arrasa! Até o próximo*.*

 



Resposta do autor:

Nay,

<3 <3 <3

Sério que você é gêmea da Isa? Ela sofre muito com esse transtorno de ansiedade. Confesso que sou bem parecida com ela também nesse aspecto.

Agora fiquei curiosa para saber o que te fez rir. 

Sobre o final... Será que elas já vão se conhecer em uma situação de total caos? Será que isso vai dar certo? 

Quanto à Alice, só há duas opções possíveis: Ama-la ou odia-la. kkkkk Ela não tem meio termo.

Estou fazendo a dancinha da Meredith e da Yang por saber que já está se viciando em if(true){love}.

Obrigada pelo carinho de sempre!!!

Abraços!

 



Nome: Angel68 (Assinado) · Data: 07/11/2017 22:19 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Oba, presentinho adiantado de natal !!! História já devidamente favoritada, já pra não perder nenhum capítulo....eu que descobri Amor e outros Dilemas depois que tinha terminado, agora não dei bobeira...vc tem uma narrativa tão interessante, tão cativante....de cara já amei essa nova história, tem todo jeito de ser linda !!



Resposta do autor:

Angel,

<3 Você faz essa humilde autora mais que feliz, favoritando a história.

Que bom que Amor e Outros Dilemas não passou batido, né? Espero que goste de if(true){love} tanto quanto gostou da história das minhas meninas, Clara e Júlia.

Já que agora vai acompanhar em tempo real, queria te pedir para deixar a sua opinião em cada capítulo. Assim, eu tenho como saber se estou indo no rumo certo ou errado. Posso contar com você?

Abraços!!!



Nome: karenanhaia (Assinado) · Data: 07/11/2017 21:37 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Ameeei, quero mais *-*

 



Resposta do autor:

Ebaaaaaa... que bom que gostou.

POis vai ter mais, nem se preocupe.

Abraços!



Nome: Bia08 (Assinado) · Data: 07/11/2017 21:17 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Oie,que bom que voltou rapidinho. Já gostei muito da Isa e já detestei o Lucas,cara mais folgado. A Fernanda desde o primeiro momento ganhou o meu carinho, que melhor amiga maravilhosa é essa. E é claro que vc tinha que terminar na melhor parte,poxa kkkkkk. Bjsss Linier já amei.



Resposta do autor:

Oi, Bia.

Não resisti... tive que voltar. Senti uma falta danada de interagir com vocês.

A Isa é um tanto permissiva com o Lucas, não acha? Acho que a folga dele está relacionada ao conformismo dela.

E a Fernanda, qum não tem uma amiga como ela? Ela é maravilhosa e tem um humor fantástico. Você vai amar.

Sobre o final do capítulo, preciso garantir que vcs queiram ler o próximo, né? kkkk

Obrigada mais uma vez por estar acompanhando uma história minha. Não sabe o quanto estou feliz com isso.

 

Abraços!!!



Nome: NovaAqui (Assinado) · Data: 07/11/2017 20:40 · Para: Capitulo 1 - Isabella

Adorei

Esse Lucas um feirão, mas vai dançar logo logo

Bem vinda de volta!

Abraços fraternos procê!



Resposta do autor:

Quero ouvir a Isabella, daqui a pouco, fazendo a Marília Mendonça, cantando:

"Folgado, maldita hora que chamei você de namorado, imagina se a gente tivesse casado... Deus me livre da latada que eu ia entrar! Dá um arrepio só de imaginar."

 

Obrigada!!!! Espero que goste da história!



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.