Um atropelamento inesperado e uma paixão para a vida. por naty001


[Comentários - 23]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

Bruna e Maria foram o mais rápido que puderam até onde o animal estava, era um cavalo que a médica constatou que apresentava síndrome de cólica. Rapidamente Mariana chegou até lá com todos os medicamentos e equipamentos possíveis. Trabalharam duro para poder salvar aquele animal, os proprietários estavam loucos na recepção, a espera de notícias do cavalo deles, que era um animal de competição de 3 Tambores. Conseguiram salvar o animal e ficaram muito felizes com isso, principalmente Maria.

-Mariana, pode levar o cavalo até a baia de recuperação, daqui a pouco volto para dar uma olhada nele.

-Tá bem Bru, vou leva-lo já. Só dar água pra ele, não é?

-Sim sim Mari, apenas água.

-Tá bom. Mariana já foi levando o cavalo até a baia que iria ficar.

-Maria? Bruna perguntou.

-Oi Bruna.

-Podemos ir até a recepção, e dizer para os proprietários que o animal deles está bem, só precisa ficar em repouso agora. Vamos? Bruna disse já guardando algumas coisas em uma maleta de medicamentos.

-Claro claro, vamos agora. Num sorriso de canto a canto, Maria disse aquelas palavras.

Chegando na recepção, Bruna avistou os proprietários sentados e percebeu que estavam aflitos a espera de alguma notícia do animal deles.

-Com licença, vocês são proprietários do cavalo? Certo?

-Sim sim doutora, como ele está?? Minha filha ama aquele cavalo, não pode acontecer nada de ruim com ele doutora, por favor!! Os dois falavam quase que juntos.

-Foi um procedimento muito complicado, porém eles está bem, e terá que ficar em repouso agora. Podem ficar tranquilos que ele irá ficar bem. Disse Bruna olhando diretamente para os proprietários do cavalo.

Maria não conseguia parar de olhar Bruna, aquela mulher que falava séria com aquelas pessoas... Sorria boba olhando a médica.

-Bom, agora me deem licença que preciso ir até minha sala. Disse e já saindo e chamando Maria.

A sala de Bruna era ampla, uma mesa com um computador a cadeira de Bruna, e 2 cadeiras na frente, um sofá onde as vezes Bruna dormia, possuía uma estante cheia de livros, também existia uma vasta decoração com quadros, vasos com plantas e algumas fotos dela, da família e da fazenda dos pais dela. E existia uma foto com um cavalo que Bruna montava. Maria chegou no escritório e não pode deixar de perceber essas fotos.

-São seus pais? Perguntou uma Maria muito curiosa.

-Sim, são eles. Bruna sorriu olhando a foto dos pais.

-E essa outra foto que você está montada nesse cavalo?

-Esse era meu cavalo de competição, ele teve alguns problemas e precisei mandar para a cirurgia. Porém com um erro grave na cirurgia, ele precisou se aposentar das competições. Foi por causa dele que resolvi me especializar em cirurgias em grandes, principalmente equinos. Bruna se incomodava com essa lembrança, porém gostou de saber que Maria estava curiosa,

-Mas ele ainda está vivo? Ai, acho que to me intrometendo demais... Abaixou a cabeça e ficou envergonhada.

-Não precisa ficar assim, pode me perguntar o que quiser. E sim, ele ainda está vivo, está solto na fazenda de meu pai agora. Mas ainda consigo montar ele, e trabalhar com o gado.

-Você cria gado também? Poxa, você é uma caixinha de surpresas. As duas riram.

-Pode apostar que sim... Então, ele cria sim, eu sempre ajudo ele nos afazeres da fazenda. Quase todo fim de semana vou pra lá para ajudar ele. Inclusive nesse fim de semana irei viajar pra lá, precisamos vacinar o gado todo. Até talvez precisarei de ajuda, alguns funcionários pediram folga. Se você não estiver nada para fazer nesse fim de semana, e quiser ir conosco nos dar uma mãozinha. Bruna perguntou séria, porém não escondeu o riso.

-E o que vocês fazem lá? Maria estava curiosa em saber.

-De tudo, criamos, e depois vendemos para o frigorífico. Nesse fim de semana vamos marcar os animais e vacinar, e depois soltamos no pasto. São animais que meu pai comprou em um leilão. Bruna gostava de conversar sobre esses assuntos.

-Ah que legal, bom, não sei se pode dar pra eu ir. Talvez tenho que visitar meus pais esse fim de semana. Maria se lamentou

-Ah entendo, mas você não é daqui de Cuiabá? Uma Bruna Curiosa se instalou dentro dela.

-Não, eu vim morar aqui para estudar. Sou de uma pequena cidade do interior, São José do Xingu.

-Sério? Que interessante, já fui lá algumas vezes atender alguns animais, uma cidade muito calma e boa para se morar. Bruna se interessou pela conversa.

-Sim sim, lá é ótimo, porém, não tem nada para se fazer hahaha. Por isso vim para Cuiabá, para tentar meu sonho e poder ver uma cidade grande.

-Cuiabá é uma bela cidade, posso te garantir isso. A médica se entusiasmou.

-E eu já percebi muito bem isso. Maria ficou encarando a médica.

Ambas ficaram tímidas com aquela ultima frase dita por Maria, que não acreditou no que disse. Bruna gostou do que ouviu, talvez estaria aí a sua chance. Nem perceberam, mas aquela manha já tinha se passado, e já eram quase 14hrs da tarde e nenhuma das duas tinha almoçado ainda.

-Maria, sabe que horas são?

-Puts, já são quase 14hrs Bruna. Disse e riu.

-Caramba em, e nem almoçamos. Se lamentou e colocou a mão no estômago simulando fome.

-Pois é, pior que to com muita fome. Maria fez o mesmo movimento que a médica fez.

-Quer almoçar lá em casa? Conceição faz almoço todos os dias e olha que o almoço dela é ótimo. Convidou a médica.

-Ai calma, agora que me lembrei, hoje vim com você até a clínica, e meu carro ficou no estacionamento da faculdade. Se lamentou e colocou a mão na cabeça.

-Sem problemas, te levo lá na faculdade e de lá você me segue até minha casa para almoçarmos. A médica queria mesmo que a moça almoçasse em sua casa.

-Não posso mais ocupar seu tempo assim Bruna. Maria estava um pouco envergonhada.

-Não está ocupando meu tempo Maria, você é uma excelente companhia, saiba disso. Sorriu olhando para a mais nova.

-Bom, já que insiste, e como eu to morrendo de fome, aceito sim. Sorriu de volta para a médica.

-Então tudo bem, vamos logo que eu to quase comendo papel. Bruna disse rindo e a mais nova riu muito.

Bruna disse para Mariana que iria levar a nova estagiária até a faculdade e que depois de lá elas iriam almoçar na casa da médica, perguntou a ela se ela queria que trouxesse alguma coisa, e Mariana disse que não, que depois comia algo.

-Vê se não faz nada de errado em dona encrenca! Disse uma Mariana toda brincalhona.

-Vou me comportar Mari, ela... ela é diferente, não sei. Eu sinto isso. A médica ficou pensativa.

-Vai lá, andaaa. Eu seguro as pontas por aqui. E você ta com uma cara de fome viu hahaha.

-Ta bom chata, já vou. Deu um abraço na melhor amiga.

Bruna e Maria Luiza já estavam mais soltas, e foram conversando sobre algumas coisas até a faculdade. Já em seu carro, a mais nova foi seguindo a médica até um condomínio em uma das partes mais ricas da cidade.

-Uau, minha patroa é bem rica em. Falou sozinha no carro e riu do comentário.

Bruna chegou na portaria e autorizou a entrada de Maria. Bruna chegou e colocou seu carro na garagem, e desceu. E foi até o carro de Maria.

- Se quiser colocar do lado do meu carro, pode colocar, digamos que as vezes tem alguns loucos nesse condomínio, meu carro já foi arranhado e batido algumas vezes. Disse já revirando os olhos.

-Já que é assim, eu quero viu. As duas riram.

Bruna retirou algumas coisas do chão e deu passagem para Maria colocar seu carro.

-Caramba, não basta ela ter uma Range Rover novinha e ainda tem uma Hillux na garagem. Oh mulher rica gente kkkk. E nem parece ser muito velha. Será quantos anos ela tem? Se perguntou ainda guardando o carro na garagem.

Falando um pouco de Bruna Souza Simão, 27 anos, 1,7m de altura, cabelos negros, olhos castanhos, assumida bissexual, uma mulher de dar inveja, realmente muito linda. Gosta de sair, é a famosa “pegadora”, em toda festa que ia, nunca ficava sozinha. Formada a alguns anos, ministrava aulas na faculdade em que se formou, e com a ajuda de seus pais, conseguiu montar a clínica que sempre sonhou, filha única, e tinha Mariana, que era sua melhor amiga desde os tempos de faculdade, se conheceram quando Bruna era do 4° período e Mariana era do 1° período.

Bruna foi abrindo a porta e chamando Conceição, sua amigona e empregada na qual trabalhava para a médica já tinha alguns anos.

-Conceiçãoooo meu amor, cadê você? Gritou Bruna.

-Oh minha filha, to aqui, pra que a gritaria. Saiu da cozinha com um pano de prato na mão.

-To com fome em, e trouxe essa moça para almoçar aqui hoje. Disse Bruna olhando para Maria.

-Oi moça linda, qual seu nome? Disse uma simpática senhora.

-Me chamo Maria, muito prazer em conhecer a senhora. Retribuiu toda a gentileza.

-O prazer é todo meu, minha querida. A Abraçou.

-Então vamos para a cozinha meninas? Vejo que estão com fome. Perguntou Conceição.

-E como estamos viu. Todas riram.

Na cozinha, Conceição preparou os pratos e copos de suco para as duas. Comeram tudo e depois foram para a sala, descansar um pouco. As duas dormiram e nem perceberam a hora passar, Bruna foi acordada por Conceição à chamando.

-Doutora Bruna? Ei? Acorde!

-Oi? O que? Ham? Conceição? Que horas são? Olhou em seu relógio e constatou que já era 17:30hrs .

-Meu Deus do céu, a gente perdeu a hora. Questionou a médica.

-Mas está quase na hora de você ir para a clínica minha filha. Conceição tinha o maior carinho pela médica, à conhecia a muito tempo e viu ela crescer.

-Pior que sim viu Conceição.

-Bruna, vamos para a cozinha e deixar Maria dormindo mais um pouco aqui.

-Tudo bem.

Na cozinha as duas conversaram sobre muitas coisas, sobre coisas de casa que estavam faltando e algumas coisas que Conceição queria fazer.

-Amanhã vamos ao mercado fazer comprar minha linda. Um apelido carinhoso que Bruna deu a Conceição.

-Tudo bem filha, nessa casa esta faltando praticamente tudo. As duas riram.

-Bruna? Perguntou Conceição.

-Sua amiga é muito bonita. Não é uma pegue...

-Não Conceição, não estamos namorando. Abaixou o olhar quando disse essa frase.

-Ela é nova na cidade, e teve seu cão atropelado e levou para a clínica e lá eu e Mariana cuidamos dele. Explicou a médica.

-Mas você não é especialista em grandes animais? Perguntou curiosa a mais idosa.

-Pois é Conceição, mas ela estava desesperada, não tinha como eu recusar a cuidar do cão dela. Riu e depois falou séria.

-Ah sim, entendi. Mas o cachorrinho está bem Bruna?

-Está sim, estamos cuidando direitinho dele.

-Bruna, sei que a gente tem muita intimidade, mas você está se interessando por essa moça? Perguntou uma Conceição com muitas dúvidas, sabia da fama da patroa e sabia de muitos rolos e de todos os namoros de Bruna.

-Ai Conceição, boa pergunta viu. Acredito que ela não pegue mulheres, se não me engano ela até tem um namorado.

-Eu vi o brilho dos seus olhos quando olha ela Bruna. Não seria a hora de você finalmente investir em uma relação? Mas o problema é esse tal namorado.

-Olha, não sei ao certo nem o que pensar. Prefiro deixar isso de lado, e não pensar muito nisso.  Mas que eu gostei dela, isso eu posso te garantir Conceição.

-Vamos acordar ela para vocês se arrumarem. Conceição disse e Bruna concordou.

Notas finais:

Hoje terá um combo para vocês!! Saiirá mais um capítulo mais tarde (uhuuul)!!!

Essa história talvez não seja tão longa, porém emoção nela não irá faltar, prometo a vocês!! E novos projetos irão vir por ai!!

 

Beijos e até mais tarde!



Comentários


Nome: SaraSouza (Assinado) · Data: 05/05/2018 15:55 · Para: Capitulo 3 - A Primeira Emergência.

1 - Adoro Cuiaba, ja morei, saudades... 

Que conto gistoso....

E a  Maria..... chegou abalando a pegadora da Bruna kkk

 



Resposta do autor:

Bendita Cuiabá em hahahaha a pegadora está deixando seu posto, será???



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.