Sobre a delicadeza do seu toque por Luah


[Comentários - 99]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

 

Primeira vez

 

 

 

Depois da minha fatídica conversa com Sam na sacada, ela desapareceu. O tempo passou e com ele eu tive que engoli o meu choro. Afinal, aquela noite era pra ser uma noite feliz. Eu não podia decepcionar as pessoas que me amavam. Então eu fiquei ali sorrindo, fazendo posse para fotos. Conversando, ouvindo. Quando tudo o que eu queria era correr para o meu quarto e desabar. Queria pegar Júpiter no curral e sumir. Queria tocar até que não houvesse mais nada para ser sentido. Mas tudo o que eu podia fazer era aguentar. Aguentar até que de um em um todos se despedissem e fossem embora. Até que restaram apenas a minha família. Ai foi a minha vez de agradecer e ir correndo para o meu quarto.

 

Olho para a garota refletida. Ela estava péssima para quem acaba de completar apenas quinze anos. Lhe dou um sorriso sem jeito. “Talvez as coisas melhorem.” Penso otimista.

-Se não melhorar você vem e dar um jeito. - Sorriu timidamente para a garota de olhos azuis. –Eu estou falando sério. - Suspiro cansada quando me dou conta de que não haveria respostas. –Entendi. - Digo para o meu reflexo. Pego um pouco de água entre a minha mão direita e jogo no espelho. –Na próxima você encara essa por nós duas. Ai eu quero ver se você se sairia melhor do que eu. - E brava eu me retiro do banheiro.

Em passos lentos vou de encontro ao interior de meu quarto, mas antes que eu pudesse chegar até a minha cama. A porta é aberta de uma vez me assustando. Quando me dou conta de quem se trata o intruso, minha expressão de assustada ganha uma de fúria.

-Samantha! - Digo com um tom de reprovação pela sua entrada repentina em meu quarto. –O que faz aqui? - Pergunto desconfiada.

-Vim lhe trazer o seu presente. - Samantha sussurra se aproximando em passos lentos e precisos.  

-Mas... - Dou alguns passos pra trás, até que meu corpo esbarra na parede mais próxima. Me impedido de prosseguir. Mordo o meu lábio inferior. Vejo seus olhos astutos acompanhar o meu movimento com um interesse que me assusta. –Você já me deu. - Digo desviando os meus olhos.

-Liz... - A voz rouca faz meu corpo estremecer. Ela está perto demais. –Olhe pra mim. - Sinto seu hálito tocar a minha face.  

-Você está bêbada? - Pergunto perplexa. Sinto sua mão direita tocar delicadamente o meu rosto. Arregalo os meus olhos, espantada. Samantha sorrir de lado. –Sam?! - Repreendo a garota de olhos amarelados.

-Eu estou bem. - Sua voz sair um pouco arrastada. Seus olhos descem até o meu pescoço. –Você não a tirou?! - Vejo seus lábios se abrirem em um sorriso divertido.

Uma de suas mãos vai até a minha cintura, impedido que eu fuja. A outra, alcança a correntinha de ouro em meu pescoço. A garota a minha frente puxa com cuidado a corrente me fazendo acompanhar com o corpo esse gesto.

-Vai quebrá-la! - Reclamo a centímetros de sua boca.

Antes que eu possa dizer ou fazer qualquer coisa, sinto aqueles lábios deliciosos se apossarem dos meus com urgência. Sam me pressionava cada vez mais ao seu corpo. Minha primeira reação foi de choque. Mas quando aquela boca gostosa insiste em roubar o meu ar, eu não resisto e retribuo o beijo com a mesma intensidade. A garota agarrada ao meu corpo deixa escapar um gemido. E esse gemido foi o suficiente para me trazer de volta a realidade.

Levo as minhas mãos tremulas até os seus ombros, e delicadamente tento afasta-la. Mas é tão inútil. Ela me olha com aqueles olhos que tanto amo. “Estou ferrada!” Penso desesperada. A garota a minha frente volta a se aproximar de minha boca. Então aquele cheio de álcool invade as minhas narinas.

-Você está bêbada! - Repreendo-a novamente.

-Quem se importa. - Samantha diz debochada.

E sem que eu possa evitar, ela se apossa novamente da minha boca com ímpeto. Ela chupa a minha língua arrancando um gemido do fundo de minha garganta. Ao que a incentiva a continuar. Suas mãos ousadas começam a passear sem pudor sobre o meu corpo. Fazendo-o se arrepiar. Estava morrendo de saudade de tê-la tão perto. Mas então eu me lembrei, me lembrei da dor de ter sido magoada, da dor de ter sido traída de ter o meu amor jogado na lama. Me afasto em um rompante. A garota me olha confusa.

-Você pensa que é só vim até aqui e me beijar, que tudo vai ficar bem? - Digo revoltada. –Eu não esqueci o que você fez.

-Estamos quites. - Ela diz sem se abalar. –Então eu não te devo nada e nem você me deve.

-Vai pro inferno Samantha! - Trinco os meus dentes, irritada. –Some agora mesmo do meu quarto.

-Não vou a lugar algum. - Vejo um sorrisinho sínico se apossar de seus lábios. –E nem você. - A garota de olhos amarelados anda sem a mesma graça de antes até a porta e a tranca, retirando a chave.

-O que pensa que está fazendo? - Pergunto indignada.

-Fazendo o que estou com vontade de fazer desde o momento em que a vir pela primeira vez essa noite. - A voz rouca sussurra calmamente. –Você estava tão linda com aquele vestido descendo aquela escada.

-Me dar essa chave agora mesmo! - Digo furiosa.

-Vem pegar. - Quando me aproximo o suficiente. Sam e rápida me jogando contra a porta. Um som rouco foge de minha boca. –Você é tão linda, Liz. - Sua voz rouca me faz arrepiar. –E eu farei amor com você.

-Não se...

Antes que eu possa repreendê-la, seus lábios possessivos se apossam dos meus com uma fúria que me assusta. Tento me afastar, mas é impossível. Sam é mais forte que eu. Suas mãos me predem contra a porta. E uma de suas pernas, pede passagem entre as minhas. Um maldito gemido escapa de minha garganta. Sam aproveita para intensificar ainda mais o contato. Aquela garota sempre seria a minha maior fraqueza.

-Sam. - Tento chama-la quando os lábios deliciosos descem para o meu pescoço o marcando. Mas era inútil, a garota estava fora de si. –Eu... eu não posso. - Sussurro tentando afasta-la novamente.

-Por que não? - A garota se afasta o suficiente para me encarar. –Sou eu, Liz. A sua Sam.

Pronto. Estou ferrada. Meu corpo estremece profundamente quando a garota a minha frente volta a saborear o meu pescoço. Mas o seu toque agora era calmo. Quase lento demais. Era absolutamente torturante. Ela mordiscava do meu maxilar a minha orelha. Ficamos ali por tempo demais.

Não sei como fomos parar ali. Mas a garota estava em cima de mim em minha cama. Suas mãos passeando sobre a minha pele nua como se a venerasse. Não sei como permitir que chegasse aquela situação. Mas a minha consciência já tinha ido para o espaço há muito tempo. Então apenas deixei me levar pela emoção. Seus lábios me tocavam como fogo. Como sentir saudade do seu toque em minha pele. Dos seus lábios. Daquelas mãos possessivas. Sam tirava tudo o que queria de mim.

De repente seus lábios deixam o meu pescoço, e vai descendo por entre os meus seios rígidos. Mas ela não lhes dar atenção. Sua língua desliza pelo meu abdômen. Passa pelo meu umbigo e vai descendo. A garota de olhos amarelados estava com pressa. Sam flexiona as minhas pernas e as segura firmemente. Sinto o seu hálito quente bater em minha intimidade já transbordante. Ela sempre me deixa assim, molhada.

-Liz. - Aquela voz rouca me chama. Mas tudo o que eu quero é ficar ali. De olhos fechados, sentindo. A garota assopra delicadamente entre as minhas pernas, arrancando um gemido desesperador de meus lábios.

-Ah!... hum... - Meu corpo todo estremece ansioso.  

-Vamos Liz. - Ela insiste. Sua voz estava mais rouca que o normal. –Olhe pra mim, pequena. 

Com dificuldade me sustendo com os cotovelos e a encaro. Ela estava bem ali, entre as minhas pernas. Com um sorrisinho de lado. Seus olhos amarelados estão tão escuros. Então sem desviar os olhos dos meus ela se abaixa me provando. Fecho os meus olhos quando sua língua desliza para dentro de mim. Mas de repente ela recuar. Fazendo-me olha-la em desespero.

-Não se atreva a fechar os olhos. - A garota me diz autoritária. 

Eu apenas balanço a cabeça desesperada para que ela volte a fazer o que estava fazendo. E novamente ela se abaixa com os olhos amarelados grudados nos meus azuis. Ela brinca com meu clitóris entre a sua língua. Ela o mordiscava lentamente e o chupava fazendo meu corpo dar pequenos choques. Então ela sorri sobre a minha intimidade, endurece a língua e vai fundo dentro de mim. Mordo com força os meus lábios para não deixar um grito alto fugir. Sam entra e sai repetidas vezes. Isso era tão bom.

Minha respiração estava acelerada. Meu coração só faltava atravessar o meu peito, de tão forte que ele batia. Minha pele estava arrepiada, suada e tremula. Foi quando sentir aquela sensação em meu ventre. Eu estava tão perto... Meu quadril se ergueu, um gemido rouco rasgou a minha garganta. Então veio uma dor e um desconforto. Meus olhos se fecharam. Meu corpo caiu sobre a cama. E um gritinho de dor fugiu por entre os meus lábios.

-Oh meu Deus! - A voz angustiada da garota foi sussurrada ao longe.

Então delicadamente sinto-a sair de dentro de mim. E outro gemido dolorido me escapar. Fico ali de olhos fechados por longos minutos. Então sinto a garota escalar o meu corpo com cuidado. Sei que ela está me observando. Mas não consigo abrir os meus olhos, não consigo estabilizar a minha respiração. Sinto-me perdida.

-Liz. - Sua voz baixa sussurra o meu nome. Mas eu não quero olha-la. Algumas lágrimas escapam silenciosas de meus olhos fechados. -Oh, Liz. - Samantha beija delicadamente o meu rosto. –Por que não me disse?!

-O que eu precisava dizer? - Questiono-a em um fio momentos depois.

-Eu... eu pensei que não fosse mais virgem. - Sua voz sai tão baixa que tenho dificuldade em entendê-la. Abro os meus olhos. Os amarelados estão sobre mim, envergonhados.

-Você realmente acredita que eu te trair? - Pergunto magoada.

-Eu... - Samantha desvia os olhos dos meus. Isso atingiu o meu coração com uma força tão grande. Tentei sair de debaixo da garota. Mas ela não permitiu. –Liz!

-Sai de cima de mim agora mesmo! - Trinco os meus dentes furiosa.

-Por favor, Liz! - Sam implora com lágrimas nos olhos. –Eu sinto muito pequena. Jamais quis machuca-la.

-Mas é só o que você tem feito. - Acuso-a.

-Por favor, meu amor. - Sam encosta a testa na minha. -Eu sinto muito. - Então ela beija delicadamente os meus lábios misturando as nossas lágrimas.

Ela não permitiu que eu saísse de seus braços. E então ficamos ali. Sam ficou me fazendo carinho por um longo tempo. Até que finalmente adormeci em seus braços protetores. Acordo de madrugada com uma leve respiração em minha nuca. Abro os meus olhos assustada me dando conta de quem é aquela respiração tranquila que batia em minha pele. Me viro delicadamente entre os seus braços que estavam em minha cintura, me aprisionando. Como se temesse que eu fugisse. Fico ali, só a admirando por um longo tempo. Não consigo conter o desejo de deslizar sobre a sua pele. Então contorno o seu rosto com os meus dedos. É quando sou atingida por aqueles olhos amarelados.

A garota apenas me abre um sorriso. E sem que eu possa evitar, Samantha me beija arrancado todo o ar de meus pulmões. Sem dizer nada. A garota domina o meu corpo nu. Ela não precisa de muito para me acender. E quando me dou conta, ela já está degustando o meu seio direito com a boca gulosa. E o outro está sendo torturado pelos seus dedos ágeis e precisos. Uma de suas pernas está entre as minhas fazendo pressão. Sei que ela pode sentir o quanto estou molhada. Sam volta para os meus lábios arrancando-me suspiros. Ela acende o meu corpo lentamente.

Ela não diz nada. Assim como eu. Samantha desliza sobre a minha pele, ela a toca como se a venerasse. E eu não sei como impedi-la. Por que tudo o que sempre sonhei está em cada gemido, em cada sussurro que ela liberta. Está em cada olhar sem palavras que dizem toda a verdade do mundo. Estou novamente cativa nesse sentimento, cativa a esses olhos amarelados intensos.

Suas mãos inquietas estavam sobre todo o meu corpo. Me invadindo e me roubando. Estavam tirando tudo o que é meu. Só espero ter alguma coisa de volta. Alguma coisa que não seja apenas dor.

 

-Por favor, Sam. - Digo longos minutos depois. –Hum... - Samantha estava despreocupada marcando o meu pescoço. Seguro com força o seu cabelo trazendo a sua boca até a minha.

Sam se afasta delicadamente algum tempo depois, ela está ofegante. Meu corpo desejoso. Seus olhos amarelados me pedem permissão.

-Relaxe meu amor. - A garota de cabelos escuros sussurra. –Eu não vou machuca-la dessa vez.

Então ela volta a prepara o meu corpo. Quando sinto a sua mão entre as minhas pernas, travo. O corpo de Sam também tenciona. Ela massageia com calma a minha intimidade.

-Só relaxe Liz. - Então sua boca se apossa novamente da minha.

E por um momento esqueço que existe dor. Sinto-a entrar delicadamente dentro de mim, me roubando alguns suspiros. Quando ela está toda dentro, ela para. Então seus olhos amarelados procuram os meus. E sem desviar os olhos, ela começa a se mexer em meu interior.

-Apenas sinta meu amor. - Sam sussurra movimentando o corpo fazendo pressão.

No começo acho um pouco incomodo. Mas a medida em que o tempo passa, meu corpo finalmente começa a relaxar. E acompanhar os movimentos que a garota de olhos amarelados faz.

-Hum... Mas forte Sam. - Digo me agarrando ao seu corpo desesperada. Abro mas as minhas pernas lhe dando mais acesso.

-Calma, Liz. - Quando sinto-a me abandonando, mordo o seu ombro esquerdo. Fazendo-a se encolher. –Calma amor. - Ela diz manhosa.

Então sinto-a pressionando novamente a minha entrada, mas dessa vez ela adentra dois dedos. Como eu estava extremamente molhada os seus dedos entraram com mais facilidade.

Olho-a nos olhos, meus quadris se mexem por conta própria em busca de alivio. Minha respiração estava ofegante. Minha pele suada e tremula. Cravo as minhas unhas em suas costas fazendo-a ir mais fundo. Roubando um grito de satisfação de minha boca. Meu corpo se contorce e se derrama em seus dedos. Finalmente estou saciada. Estou saciada e nos braços da única pessoa que já amei.

 

 

 

Notas finais:

 

Bom dia! Espero não decepciona-las. Rsrsrs...

Beijuuus...

 



Comentários


Nome: Pryscylla (Assinado) · Data: 29/03/2018 00:09 · Para: Capítulo 23 – Primeira vez

Eu gostei que a primeira vez dela foi com a Sam, apesar de tudo elas se amam e tinha que ser especial. Agora o que sserá que o futuro reserva pra elas? 

Bjus ;) 



Resposta do autor:

Muitas e muitas supressas! rsrsrs... Até eu mesma estou me surpreendo com o desenrolar das coisas.

 

Bjuss...



Nome: patty-321 (Assinado) · Data: 28/03/2018 22:24 · Para: Capítulo 23 – Primeira vez

Eu gostei. apesar da Sam ter feito muita cagada, temos que entender que são somente adolescentes e nesta fase o controle das emocões é praticamente zero. E a Liz precisava ter sua primeira vez com quem ela ama, apesar de todos os rolos ela ama a Sam. Bora ver como se deu a separação delas em definitivo antes da liz ir embora do pais. E o ocorrerá com elas no reencontro na fase adulta. Bjs. Amo sua estória.



Resposta do autor:

Vamos lá! Está se aproximando a fase de algumas descobertas. E o momento em que Liz vai embora vai demorar mais um pouquinho. 

Obrigado por me acompanhar nessa primeira de muitas estórias.

 

Bjuss!



Nome: sonhadora (Assinado) · Data: 28/03/2018 16:25 · Para: Capítulo 23 – Primeira vez

Vixe. Ow Sam, podia ter tido um pouco mais de consideração... Mas ainda acho que houve um tremendo de um mal entendido nisso tudo. Liz acredita que Sam a abandonou e Sam que Luz a traiu... aí tem dedo daquele tal menino lá...

Esperando que tudo seja esclarecido.

Beijos de Luz!



Nome: Leka (Assinado) · Data: 28/03/2018 15:06 · Para: Capítulo 23 – Primeira vez

Não gostei dessa primeira vez, aliás, essa Sam não me desce nem um pouco. 

Mas o que eu quero saber mesmo, é quando a historia vai se passar nos tempos atuais, tá demorando demais esse flashback e já quero ver logo a Liz dona de si, confiante e ligando o foda-se rsrsrsrs.

Sei que dever ter havido algum tipo de armação para que acontecesse o que aconteceu entre as duas, mas mesmo assim, a Sam não merece a Liz e a Liz precisa dá um fora nessa garota logo.

Pronto, desabafei rsrsrs.. agora é só ver o que vem por aí.



Nome: Socorro de Souza (Assinado) · Data: 28/03/2018 14:34 · Para: Capítulo 23 – Primeira vez

triste..... não gostei.....

veremos o depois disso...



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.