Sobre a delicadeza do seu toque por Luah


[Comentários - 107]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

Decepção

A garota fica parada me olhando. O rapaz diz algo em seu ouvido, Samantha apenas balança a cabeça. Segura a sua mão. E passa por mim como se não me conhecesse. Quando ela passa ao meu lado, minha respiração falha. Ela não me olha. E em passos rápidos ela apenas se vai. Me deixando em pedacinhos. Sinto uma dor profunda em meu coração. Como se estivessem o apertando, apertando...

Fico ali por longos minutos. Meu rosto banhado de lágrimas. Isso era pra doer tanto? Minhas pernas não suportam mais o meu peso e, eu caio de joelhos ao chão. Minhas mãos estão em meu peito, tentando conter aquela dor. Nunca tinha sentido algo parecido. Tudo o que eu queria era arranca-lo fora. Para parrar de doer. O tempo passa arrastado. É quando sinto alguém se aproximando. Braços protetores me enlaçam me levando até seu corpo. A pessoa não diz nada. Apenas fica ali. Me amparando. Até que eu me acalme.

-O que houve? - A voz sussurrada pergunta baixinho.

-Ela... ela me despedaçou Pri. - Digo em um fio tentando conter as lágrimas. –Ela me despedaçou.

-Sam estava desesperada. - Priscila se afasta um pouco. -Ela me disse que você estava aqui. - Sinto suas mãos em meus cabelos os afastando de meu rosto. –O que aconteceu?

-Ela me destruiu. - Minha voz sai dolorosa. –Ela...

-Tudo bem. - A morena volta a me abraçar forte. –Shiii... Tudo bem Liz.

-Só... só me tira daqui por favor. - Me aperto a ela. –Só me tira daqui.

-Vem. - Priscila se levanta me levando junto. –Precisamos ir embora. - Ela diz me amparando em seus braços protetores. –Vai ficar tudo bem.

-Não, não vai ficar nada bem. 

 

Quando já estávamos prestes a sair do colégio é que me lembro do garoto bêbado na sala de dança. Rodrigo vai até lá busca-lo. Em todo o percurso. O silêncio reinava dentro do carro. Às vezes sentia os olhos castanhos do garoto sentado no bando do carona me olhar envergonhados. Mas eu estava em uma inercia sem fim. Encosto a minha cabeça no vidro e olho para fora da janela. Sei que Priscila está me observando. Sei que todos estão. As minhas lágrimas agora eram silenciosas. Tudo o que eu queria era ficar em meu mundinho particular.

 

-Ela vai ficar bem? - Danilo pergunta timidamente longos minutos depois.

-Vai sim. Ela é forte. - Meu primo diz com a voz embargada.

O garoto de olhos castanhos agradece, e vai embora. Logo depois que o deixamos em casa fomos direto para a fazenda. As palavras morreram em minha garganta. Sabe quando você está tão machucada que seu corpo inteiro ficar anestesiado? Eu estava assim. Jamais imaginei que a minha Sam. Que ela fosse capaz de me trair. Mas eu estava completamente enganada. Realmente, eu precisava aprender muito.

Priscila e Rodrigo praticamente me arrastam até o meu quarto. Priscila pede para o namorado para nos deixar a sós, algo que o loiro faz a contragosto. Silenciosamente a garota de olhos verdes me leva até a cama. Retira as minhas botas. E se deita comigo em seus braços. Enfio o meu rosto na curva de seu pescoço, e fico ali. Deixando que as minhas lágrimas sejam libertadas. Priscila apenas acariciava os meus cabelos.

Não percebi que horas dormi. Só sei que estava completamente exausta. Acordei com o corpo inteiro dolorido. Eu tive um pesadelo horrível. Viro de lado. E lá estava à morena de olhos verdes adormecida com a mesma roupa de ontem. Olho para o meu corpo. E o mesmo vertido de bruxinha também estava sobre ele, arregalo os meus olhos já nublados. Dou um suspiro e me levanto com cuidado para não acordar Priscila. Vou direto para o meu banheiro. Entro embaixo da ducha com roupa e tudo. A água fria me desperta.

-Não foi só um sonho ruim. - Minha voz sai baixa.

Fico ali por algum tempo. Uma dor misturada pela raiva me fez levantar a cabeça. Desligo o chuveiro. E me retiro do banheiro com passos firmes. Vou até o meu closet e pego uma roupa qualquer. Essa é a primeira vez em minha vida que não quero me esconder. Amarro os meus longos cabelos de qualquer jeito. Calço um all star. E me retiro do meu quarto sem fazer barulho. Em passos decididos saio pela porta da frente da grande construção de dois andares.

Encontro Pedro próximo da garagem e lhe peço que me leve até a cidade. Ele me encara desconfiado, mas ao perceber a minha seriedade não diz nada e faz exatamente o que lhe peço. Em todo o caminho. Eu não lhe olho ou lhe digo palavra alguma. Sei que ele está me observando. Mas ele respeita o meu silêncio. Quando desço em frente à entrada da grande casa branca, apenas peço-o que me espere. E sem excitar tocar a campainha. Meu coração estava acelerado. Quando finalmente a porta é aberta, é que consigo soltar o ar de meus pulmões. Eu nem mesmo havia me dado conta que estava prendendo-o.

-Lizandra?! - Os olhos verdes me encaram curiosos. –Tudo bem? - Ela me questiona preocupada. Só então percebo o adiantado das horas.

-Preciso falar com Samantha. - Digo envergonhada.

-O que houve? - Tia Sarah volta a perguntar me dando espaço. Entro de cabeça baixa.

-Eu só preciso conversar com ela.

-Ela deve está no quarto, não a vi chegando ontem. Pensei que tivesse dormido na fazenda. - A mulher mais velha me acompanha até os primeiros degraus da escada. –Vocês brigaram de novo? - Tia Sarah lamentar. –Sinto muito por te envolver nisso Liz. Mas eu realmente não acho que seja uma boa Sebastian saber sobre vocês duas agora. Ele tem um coração bom, só que teve uma criação um pouco antiquada. Mas prometo que conversarei com ele em breve.

-Não precisa mais fazer isso. - Digo prendendo o choro.

-Mas...

-Eu só preciso falar um segundo com Samantha.

-Pode ir. - Ela abaixa a cabeça acanhada. Mas antes que eu pudesse subir o primeiro degrau, sou puxada para os seus braços. –Eu não sei o que aconteceu. - Ela sussurra ao meu ouvido. –Mas saiba que sempre estarei aqui, caso você precise.

As palavras embargam em minha garganta. Não digo nada, apenas me afasto subindo cada degrau sem olhar pra trás. Em meus olhos algumas lágrimas já fugiam. Paro em frente à porta branca de madeira, respiro fundo. Engulo novamente a minha dor e bato lentamente contra a porta fechada. Espero que a garota do outro lado me dê autorização para entrar. Algo que não demora para acontecer.

-O que você está fazendo aqui? - A garota de olhos amarelados me encarra com raiva.

Seus olhos estavam avermelhados e inchados. “Acho que não fui só eu quem teve uma noite de cão.” Penso contendo um sorrisinho maldoso. Dou um suspiro e tento me acalmar.

-Precisamos conversar. - Digo dura.

-Sai agora mesmo do meu quarto! - Samantha grita e se levanta da cama enfurecida. –O que pensa que está fazendo aqui?!

-Eu só quero entender.

-O que mais você quer entender. - Um sorrisinho irônico sai de sua boca. –Pensou realmente que só você podia me trair!

-Você ficou louca por acaso?! - Digo me aproximando, olhando-a com raiva.

-Não, eu não fiquei. - Ela sussurra. –Você pensou realmente que eu não descobriria? Pensou que eu fosse tão idiota que...

-Descobrir o quê Samantha?! - Dou um risinho descontrolado. –Você não tem ideia do que fez.

-Eu só fiz aquilo que você merecia que eu fizesse. - Seu hálito quente bate em meu rosto. –Eu deveria tê-la feito em pedaços como você me fez. Eu deveria ter feito você sofrer o que eu sofri quando descobrir.

-O que você descobriu? - Pergunto calmamente.

-Que você não passa de uma...

-Samantha! - A voz assustada de tia Sarah nos interrompe, nem mesmo havia notado quando ela chegou. –Preste atenção no que vai dizer.

-Por que eu deveria fazer isso? Lizandra não passa de uma mentirosa. - Seus olhos amarelados me encaram com ódio. –Ela me enganou esse tempo todo. E eu pensando que ela sentisse o mesmo.

-Samantha. Escute-a antes de acusa-la. - A mulher mais velha insiste.

-Pra quer?! Pra ouvir mais desculpas ou mentiras. - Os olhos amarelados vão de encontro aos verdes. –Não éramos apenas amigas, mamãe. Éramos namoradas. - Quando não houve supressa da parte da mulher de cabelos claros, Sam desconfia. –A senhora sabia?

-Eu sempre soube. - Tia Sarah suspira.

-A senhora sabia também que ela jamais quis que assumíssemos. - Fico calada. –Ela nunca me disse por que. Pensei que fosse por medo. Mas não era. Ela apenas não me ama o suficiente.

-Às vezes as coisas não são como parecem ser. - Dou um suspiro e me afasto. –Talvez sempre exista mais do que está na superfície. E eu nunca tive medo de nos assumir. Apenas...

-Queria me fazer de idiota!

-Acho que a idiota da história esse tempo todo fui eu. - Minha voz sai magoada. –Afinal, não era eu que estava às beijos com outro.

-Você não tem direito algum de me recriminar por nada! - Ela grita irritada. –Você é apenas uma garotinha que não merece o que eu sinto por você.

-Talvez. - Sussurro. –Talvez realmente eu não mereça.

-Nem mesmo capacidade de me assumir como sua namorada você teve. Você é fraca Lizandra.

-Você não sabe o que está dizendo. - Tia Sarah vem ao meu socorro.

-Como não?! - Sam se vira novamente em direção a mãe. –Liz tinha medo que descobrissem, acho que ela pensou que não aceitariam. Mas eu sei...

-Você não sabe o porquê que eu não nos assumir.

-Então diga. Me conte mais uma de sua mentiras.

-Fale Lizandra. - A mulher de olhos verdes diz suplicante.

-Não direi.

-Se não fizer isso Liz, eu faço. - Tia Sarah reclama.

-É tarde demais pra isso.

-Mas... - Ela insiste.

-Samantha acaba de despedaçar o meu coração. E nenhuma explicação vai mudar o que aconteceu.

-Então o que veio fazer aqui. - Sam diz debochada.

-Vim dizer que acabou. Que nenhuma de suas desculpas ou explicações serão suficientes para amenizar o que você fez. - Dou um suspiro, cansada. -Jamais serão capazes de amenizar a decepção que sinto por você.

-Quem precisa se desculpar é você. - Samantha diz revoltada. –Você que tem que implorar pelo meu perdão.

-Não Sam, eu não tenho. - Antes que houvessem mais palavras, passo por tia Sarah e vou embora.

 

 

 

Notas finais:

Não me matem meninas. Só escrevo o que vem em minha mente.  Então desculpas. Mas a culpa não é minha... Rsrs...

Beijos...

E não me odeiem. Please.

 

PS: Prestem atenção, cada detalhe faz parte da história. Mesmo sendo decepcionante.



Comentários


Nome: patty-321 (Assinado) · Data: 17/03/2018 01:42 · Para: Capítulo 20 – Decepção

Parte bem triste. Dar pra entender q houve um mal entendido.



Nome: annagh (Assinado) · Data: 12/03/2018 21:55 · Para: Capítulo 20 – Decepção

Olá Querida Luah

Voltei...rsrsrs...

Então...Eu estava mega ansiosa pra Liz perder a virgindade com Sam...mas pelo visto deu tudo errado e assim como o titulo do  capitulo foi so decepção pra mim.. Triste de verdade. A história pra mim perderá um pouco do encanto se Liz se entregar pra outra pessoa. 

E tenho certeza que tem dedo do tal Danilo nessa história...Sam tinha toda razão em não gostar dele viu.

Liz é muito boba. ..acredita em todo mundo e Sam impulsiva demais...ela deveria ter conversado antes com Liz e nao ir logo agindo daquela forma. Infantilidade demais...

Vamos vê no que da...não demore hein

Cheiro.



Nome: LeticiaFed (Assinado) · Data: 12/03/2018 12:41 · Para: Capítulo 20 – Decepção

Esse idiota do Danilo que fez intriga, mentiu e envenenou a Sam contra Liz...e o ciúme cegou as duas. 

Mas a história está muito boa, parabéns. Torcendo para voltar ao tempo atual e vermos no que vai dar o reencontro..

Boa semana, bjs!



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.