Última noite de amor por Vandinha


[Comentários - 1262]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

Última Noite de Amor - Capítulo 2

 

 

Assim que se virou para sair deu de encontro com uma mulher e derramou a bebida na roupa dela.

-- Desculpa... - falou desesperada - Que des.... - Engoliu em seco - Caramba...

A mulher era uma deusa. Alexandra ficou babando de boca aberta.

-- Desculpas não vão fazer secar a minha blusa - falou mal-humorada sacudindo o liquido que escorria pelo tecido - Sua desastrada.

-- Também não precisa dar patadas - acenou para o barman - Sérgio estou no escritório - pegou no pulso da mulher e saiu arrastando ela pela boate.

-- Ei... tá pensando o que? Me solta garota - ela se debatia tentando se soltar.

Passaram por dois seguranças e a mulher berrou para eles.

-- Me ajudem não estão vendo que ela está me agredindo?

Os dois homens se olharam e fizeram de conta que não era com eles.

-- Não adianta espernear, gritar ou chorar que ninguém vai te acudir - Alexandra continuou puxando ela - Aqui estamos - abriu a porta do escritório e a empurrou para dentro.

-- Por acaso você é da máfia? Vai me estuprar agora?

Alexandra deu uma gargalhada e trancou a porta.

-- Tira a blusa - mandou ainda rindo - Tira por bem, ou vou até aí arrancar na força.

-- Nunca.

-- Olha... - suspirou fundo e caminhou até a mulher.

-- Não se aproxima...

Alexandra não deu importância e aproximou-se mesmo assim.

-- Meu nome é Alexandra Girani - estendeu a mão para ela de maneira gentil - Como é o seu nome?

Ela não retribuiu o cumprimento e ainda de birra cruzou os braços.

-- Primeiro morde depois assopra?

-- Não te mordi... ainda - falou de bom humor.

-- Não duvido - falou parecendo mais calma - Meu nome é Noemi.

-- Prazer Noemi.

-- Não posso dizer o mesmo. Não senti prazer nenhum em ser arrastada até aqui - voltou a fazer cara de brava.

-- Você fica muito lindinha com essa carinha de brava - falava enquanto fazia uma ligação.

-- Eu mereço, além de tudo, é lésbica - revirou os olhos.

-- Arlete, me socorre - falou no telefone - Derramei bebida na roupa de uma cliente... estou no escritório... muito obrigada - encerrou a ligação e olhou para a mulher que estava com um porta-retratos na mão.

Noemi é uma mulata linda, sensual, de olhos verdes, coxas grossas, bundas e seios grandes, faria qualquer coisa para chupar suavemente aqueles biquinhos endurecidos que eram visíveis através do tecido da blusa fina. Os joelhos dela enfraqueceram. Como podia ser assim tão fraca diante de uma mulher gostosa?

-- O que foi? Perdeu o olho aqui nos meus seios?

-- Só estava pensando em como você é gostosa...

-- Na mesma proporção da sua safadeza.

Bateram na porta e Alexandra foi abrir.

-- Entra... Arlete preciso que você faça um de seus milagres na blusa da minha amiga, Noemi. É possível?

-- Claro. Tira a blusa. Daqui a meia hora, no máximo, trago de volta para você.

-- Em primeiro lugar. Não sou sua amiga, em segundo lugar, não vou ficar sem blusa aqui com você.

-- Por mim tudo bem. Pode ir Arlete, nós vamos ficar aqui até a blusa secar.

-- Não - a mulata começou a tirar a blusa - Pega.

Arlete pegou a blusa da mão da mulata e antes de sair soltou uma piadinha.

-- O de sempre né chefinha? - Deu uma risadinha e saiu.

A mulata ficou enfurecida e partiu para cima de Alexandra.

-- O de sempre? Sua cínica, safada, mentirosa... -- correu atrás dela pela sala.

Alexandra se esquivava dela com um jogo de corpo admirável.

-- Calma, calma, eu juro que não foi de propósito... eu não premeditei nada...

-- Vou fazer uma queixa ao seu patrão, sua espertinha, você vai perder o emprego.

-- Pode fazer a queixa, mas não pára de correr atrás de mim, isso está me deixando completamente excitada.

Noemi tomou consciência da cena ridícula que estava proporcionando. Ela cobriu os seios com as mãos e sentou-se numa das poltronas elegantes que havia na sala.

Alexandra se aproximou com cautela, como se estivesse domando um cavalo selvagem.

-- Podemos conversar agora? - Sentou na poltrona a sua frente - Juro que não fiz de propósito.

-- As lésbicas são sempre assim abusadas?

-- Nem todas. Só as do meu tipo - foi se chegando...se chegando... até que sentou ao lado da mulata.

-- E de que tipo você é?

-- Não resisto a uma mulher bonita. Você é encantadora e perfeita demais.

-- Isso ainda vai te render uma bela surra.

-- Vale a pena correr esse risco.

Noemi tinha vontade de bater naquela carinha linda. Mas naquele momento estava se sentindo inferiorizada tendo que ocupar as mãos cobrindo os seios nus.

-- Sai de perto de mim. Não sou disso.

-- Posso ser bem convincente - sussurrou no ouvido dela - A primeira aula é grátis - deslizou os lábios pelo pescoço de Noemi.

Alexandra percebeu que ela se arrepiou ante o toque. Empolgou-se e continuou.

Deslizou os dedos sobre sua pele, deu beijos pela nuca e ombros, suas mãos percorreram pelos braços até chegar na cintura.

Noemi ficou de frente para ela e deu um tapa no seu rosto, deixando a marca dos cinco dedos na pele clara.

Alexandra calou-se mais de surpresa do que de dor. Se levantou ainda esfregando o rosto dolorido.

-- Você mereceu... eu avisei... - sentiu-se arrependida.

-- Vou apressar a Arlete...

-- Senta aqui um pouquinho - bateu na poltrona ao seu lado.

Alexandra deu dois passos à frente, mudou de ideia, e recuou três passos.

-- Vem - a mulata insistiu, e ela finalmente sentou ao seu lado.

Noemi virou-se de costas e encostou o seu corpo ao dela, se remexeu inquieta contra Alexandra, apertando-se contra seu corpo.

A Empresária a abraçou por trás, pondo as mãos nos seus seios e apertando de leve.

-- Humm, isso é gostoso... - a mulata rosnou.

Desceu as mãos parando em cima da cintura.

-- Safada - falou sorrindo, de olhos fechados.

-- Gostosa - falou se colocando em frente a mulata.

-- Fala mais...

-- Seus seios são deliciosos.

Ela segurou os seios e ofereceu para que Alexandra os chupasse. Alexandra estava ávida e desesperada pelo gosto de seus mamilos e ela sugou a ponta dura e rosada, fazendo-a gemer de prazer.

-- Tira essa camiseta, quero te sentir.

Alexandra obedeceu prontamente.

Noemi envolveu os braços em seu pescoço e prendeu os tornozelos atrás de sua cintura. Ela estava tão quente, seu calor lhe aquecia mesmo através do espesso brim de sua calça jeans.

Ela lhe cobriu os seios com as mãos, apertando-os juntos e lambendo seus mamilos.

-- Chupa mais, chupa mais... - A mulata pedia apertando os seios contra o rosto da empresária.

Alexandra poderia passar a noite inteira amando-os, mordiscando aqueles seios macios e escutando ela pedir mais.

 

 

Enquanto isso fora do escritório...

 

-- A Alex está aqui na boate? Como não a vimos ainda?

-- Ela está lá no escritório, Giovana - Sérgio colocou um copo de whisky sobre o balcão e olhou para a secretária com cara de safado.

-- Fazendo o que?

-- Adivinha.

-- Rapidinha ela né. Nem bem chegou e já tá pegando.

Sérgio somente riu. Conhecia a patroa, ela tinha um fogo invejável.

Uma loira muito bonita parou ao lado de Giovana no balcão do bar.

-- Olá - cumprimentou Sérgio com um sorriso sedutor nos lábios vermelhos - Estou procurando Alexandra Girani.

Sérgio olhou para Giovana transferindo a missão para ela.

-- Com licença - tocou o braço da loirona - Eu sou Giovana, a secretária da Alexandra. Posso lhe ajudar?

-- Talvez - olhou a garota de alto a baixo - Me leva até a sua patroa - falou com uma arrogância que irritou Giovana.

-- Há é? Como é o seu nome?

-- Valentina... Valentina Vargas.

-- Te levo até ela sim. Com todo prazer - Giovana deu um sorriso falso e com o cenho franzido acenou para que ela a seguisse.

 

 

Em um luxuoso restaurante de Copacabana.

 

Isabel mantinha um leve sorriso nos lábios. Fingia prestar atenção na conversa, mas na verdade não estava nem aí para aquele papo de compra, venda, troca, ou seja, lá o que fosse que eles tanto discutiam.

Estava acostumada a esse tipo de programa. Muitos homens gostavam de se apresentar com mulheres bonitas ao seu lado como se fosse um troféu... só para se mostrarem aos amigos.

-- Gustavo, você é um homem de gosto apuradíssimo para mulheres e sortudo também. Não é fácil hoje em dia, encontrar uma deusa como essa.

-- Isabel é o meu talismã, Henrique.

Assim que ouviu o seu nome ser pronunciado Isabel abriu um largo sorriso. Era o seu momento de representar.

-- Obrigada querido - passou o braço pelo pescoço do advogado - Na verdade, Henrique, a sortuda aqui sou eu. Gustavo é o máximo -- Isabel sorriu, levantou a taça em direção a ele em um brinde silencioso.

 

 

Na boate.

 

-- Por favor, Alexandra, coloca, por favor! - A mulata implorava e rebolava os quadris contra sua mão.

Alexandra sabia o que ela queria. Ela queria gozar, com seus dedos nela, e ela atenderia o seu pedido, com todo prazer.

Aumentou a pressão em seu clitóris, rodando em círculos que deixaram sua respiração ofegante e rápida. Queria senti-la cavalgar em seus dedos e....

 

 

Giovana abriu a porta do escritório e estendeu os braços.

-- Entra. A chefinha está aí dentro - foi a mais irônica possível.

-- Obrigada. Agora vaza - foi rude.

-- Com todo prazer, madame - saiu rindo.

-- Louca! - Sacudiu a cabeça, e olhou para dentro da sala. Com um gesto cauteloso e lento, entrou.

-- O que significa isso?

Valentina se encostou na mesa e tampou a boca com a mão.

-- Que absurdo! - Virou de costas ainda assustada com a cena que estava passando diante de seus olhos.

Alexandra e Noemi depois de se recuperarem do susto, saíram catando as roupas que estavam espalhas pelo escritório.

-- Absurdo é você entrar em meu escritório sem ser convidada e atrapalhar a nossa diversão - ajoelhou-se no chão e olhou em baixo da poltrona - Droga, aonde foi parar o meu tênis?

-- Alexandra, pede para alguém trazer a minha blusa - Noemi não escondia a sua irritação.

-- Claro... - olhou para a intrusa - Afinal de contas quem é você? - Perguntou ríspida.

-- Valentina...

-- E quem é Valentina? - Finalmente achou o tênis.

-- Escuta, será que dá para a gente conversar como pessoas normais?

-- Dá, claro que dá. É só você agendar um horário.

-- Alexandra... - Noemi agarrou uma almofada e cobriu os seios.

-- Desculpa gata - ligou para Arlete e a chamou.

-- Eu não vou agendar horário para falar com você - Valentina sentou emburrada.

-- Então não vai conversar comigo - foi até a porta e abriu - Saia.

A loira ficou roxa de raiva. Levantou, foi até a porta e antes de sair ainda provocou:

-- Você pensa que é grande coisa, mas não passa de uma pirralha metida a empresaria.

Alexandra ficou olhando a tal da Valentina se afastar rebolando. Ela podia ser uma metida abusada, mas era muito gostosa.

-- Gostou da loira boazuda? - Noemi pegou a blusa da mão de Arlete e vestiu - Vai atrás dela.

-- Não fala besteira. Eu não faço a menor ideia de quem seja essa mulher. Seja lá o que for que ela tenha para falar comigo, que agende um horário.

 

 

Em Madureira.

 

Simone foi até a cozinha beber água e assustou-se com Isabel sentada sobre a cadeira com os cotovelos apoiados na mesa.

-- Chegou cedo hoje, Isa - pegou uma garrafa com água e juntou-se a ela.

-- O cara que estava comigo é casado. Tinha que chegar em casa antes das três.

-- Como você pode? Provavelmente o cara tem uma penca de filhos e uma esposa tipo Amélia esperando por ele com os chinelos na mão e dizendo: Tadinho do meu maridinho, trabalhando até essa hora. Não fica com a consciência pesada, não?

-- Se não fosse eu, seria outra.

-- Mesmo assim, acho tudo isso muito nojento.

-- Pára Simone - levantou irritada -- Você está começando a me chatear. Desde o início você sabia que o meu trabalho era esse. Porque essa pegação de pé agora?

-- Calma, se falo assim é porque sou sua amiga. Quero o seu bem.

Isabel pegou o celular da bolsa e conferiu as chamadas perdidas. Haviam umas cinco, só do Bob.

-- Esse cara não me deixa em paz um instante - jogou o aparelho sobre a mesa - Vou dormir. Chega de papo furado.

-- Também vou - Simone abraçou a amiga - Desculpa, prometo que não falo mais nada.

-- Acho bom mesmo. Sua chata. Vamos dormir, vamos.

 

 

O sol entrou por uma fresta da cortina e acordou Alexandra bem mais cedo do que de costume, sentia-se estranhamente bem. Sem ressaca, sem dor de cabeça e de bom humor. Isso era realmente incrível. A porta do quarto se abriu e Janaina entrou com o sorriso mais lindo do mundo.

-- Não adianta vir se oferecer pra mim, que eu não quero - espreguiçou-se.

-- Negando fogo Alex?

-- Não. Só estou te esnobando.

-- Que pena, hoje eu estava bem afim.

-- Sério? Vem cá então - levantou o cobertor e ficou completamente nua diante dela.

Janaina ficou de boca aberta, o rosto congelado, um ar bobo e descrente diante da cena.

-- Como você pode ser tão pervertida?

-- Você que me deixa assim - ficou em pé na cama e começou a cantar:

 

Sou vagabundo eu confesso, da turma de 71

Já rodei o mundo e nunca pude encontrar

Lugar melhor para um vagabundo, que um rio à beira mar

Odoiá odofiaba salve a minha mãe Iemanjá

 

Que foi que me deram pra levar

Pra dona Janaína que é sereia do mar

Pentes de osso laços de fitas

Pra dona Janaína que é moça bonita

 

Café na cama eu gosto, com suco de laranja, mamão

E um fino em cima da mesa

Amanhã quando você, quando você for trabalhar

Tome cuidado que é pra não me acordar

 

Eu durmo tarde, a noite é minha companheira

Salve o amor salve a amizade, a malandragem, a capoeira

A capoeira

 

Vagabundo confesso -- Dazaranha

 

Janina sorriu. Alexandra era mesmo uma doente, mas era tão doce de um jeito que a encantava.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nome: rhina (Assinado) · Data: 20/05/2018 09:48 · Para: Capitulo 2

Que cena no escritório. ...pega com a mão na massa
Rhina


Nome: Meiryan (Assinado) · Data: 22/07/2016 03:38 · Para: Capitulo 2

Niva aqui...e amando

 



Nome: lucy (Assinado) · Data: 16/07/2016 21:00 · Para: Capitulo 2

kkkkkk Valentina se lascou e eu espero e torço pra Alex não cair....



Nome: NatySilver (Assinado) · Data: 28/12/2015 04:53 · Para: Capitulo 2

Maior comédia essa Alexandra. To ficando confusa com tanta mulher em volta dela kkkk Mas vamos ver quem vai ter maior importancia.



Nome: Mikasam (Assinado) · Data: 23/10/2015 23:31 · Para: Capitulo 2

Bandinha você e demais 



Nome: Luh kelly (Assinado) · Data: 25/09/2015 18:06 · Para: Capitulo 2

oi Vandinha sou sua fã adoro de paixão seus contos, sua escrita e esse começei a ler agora e amei a sinopse e a historia. Simpatizei com ela de cara ela é muito safada e tem um humor contagiante. Isabel é doce e merece coisa melhor que esse emprego. E essa Valentina que mulher desprezivel e seu maridinho pior ainda.

Bem - Vinda ao Lettera e até o proximo capitulo.

Beijão.



Nome: gui (Assinado) · Data: 23/09/2015 19:50 · Para: Capitulo 2

Que bom autora que ja começou outra historia antes de terminar as cores do paraíso. assim não da tempo de sentir saudades suas! estou gostando muito da trama, já vi que tem a personagem maluca e divertida que sempre encanta , com certeza mais uma maravilhosa historia. abraço



Nome: Maria Flor (Assinado) · Data: 23/09/2015 18:13 · Para: Capitulo 2

Aguardando na disciplina o encontro entre Alex e Isabel :)

Beijoo



Nome: NayGomez (Assinado) · Data: 23/09/2015 17:24 · Para: Capitulo 2

Aaaaaaaaah! A moça que foi banhada pela a alex nao é a Bel ;/ to anciosa pelo encontro delas... to amando o conto... Bjs 



Nome: Silvia Moura (Assinado) · Data: 23/09/2015 16:11 · Para: Capitulo 2

Meu deus autora, quanta mulher na vida da alex! Será que vai dar certo esse encontro? Confio na escritora eximia que és... adorando essa nova estória e bem ansiosa pelo desabrochar de amor delas duas...até mais querida autora...bjs...



Nome: lenna11 (Assinado) · Data: 23/09/2015 16:08 · Para: Capitulo 2

Minha nossa essa Alexandra é uma safada kkk!



Nome: Mille (Assinado) · Data: 23/09/2015 15:41 · Para: Capitulo 2

Essa Valentina já começou com o pé esquerdo, se por acaso chegar a ter algo com a Alex será só uma vez. (assim eu espero)

Bjus

 



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.