Sunshine: esperança. por femarques


[Comentários - 184]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

CAPÍTULO 19:

 

Havia acabado de sair do banho, vestindo uma calça de moletom azul escura e uma blusa soltinha, preta e de mangas compridas. O aquecedor do apartamento era o suficiente para quebrar um pouco o frio congelante.

            Allegra estava para chegar do trabalho, então como estava sozinha e o jantar ainda demoraria, fui para a cozinha e preparei uma omelete rápida.

            Estava comendo à mesa de jantar enquanto também mexia no celular, segurando o garfo no ar com a mão livre, quando escutei a porta da frente se abrir, mas não desviei minha atenção.

            Antes mesmo de ver Allegra em minha frente, assustei com o barulho de uma revista sendo jogada em cima da mesa, na minha frente. Levantei a cabeça e encarei Allegra que por sua vez, me encarava de volta, com o olhar furioso e os olhos avermelhados por ter, talvez, chorado.

            “O que é isso?” Perguntei enquanto pegava a revista e via que era a mesma que faria a entrevista com Scoutt, sentindo meu corpo todo gelar.

            “Você sabe o que é isso.”

            “Sim, e o que isso quer dizer?”

            “Você ainda não leu a entrevista da sua queridinha?”

            Respirei fundo e revirei os olhos. Entrar de novo no assunto de meu nome estar no livro de Scoutt era cansativo e achei que fosse página virada. Peguei outro pedado da omelete e levei a boca, respondendo Allegra apenas com um maneio de cabeça e dando de ombros.

            “Para de comer!” Allegra gritou, me assustando. “Mea, dê atenção a essa porra dessa entrevista!”

            Engoli a seco o pedaço que mal mastiguei e fiquei encarando Allegra, paralisada e assustada.

            “Quer dizer que enquanto eu achava que você estava em Miami para pensar em nós e esfriar a cabeça com o trabalho, você estava com a Scoutt? Você foi para Miami se encontrar com ela?”

            Arregalei os olhos e puxei a revista para perto de mim com pressa, comecei a folhear as páginas na tentativa de encontrar a entrevista.

            “É, Mea. Ela contou na entrevista com a boca cheia de orgulho que estava com você em Miami. Bastou uma pergunta a ela sobre o relacionamento de vocês para ela contar que estava com você. Que vocês são amigas “por enquanto””. Allegra dizia, sinalizando aspas no ar com os dedos.

            Me levantei da cadeira e fui até Allegra, deixando a revista em cima da mesa.

            “Por que ela diria uma coisa dessas na entrevista?”

            “Ah, então não era para ela dizer nada? Era para ser um segredinho de vocês e eu continuar sendo enganada?!”

            “Não! Allegra, para de gritar e falar besteira. Eu não fui a Miami para encontrar com ela. Foi coincidência, ela apareceu lá e nos encontramos. Somos amigas, apenas amigas. Não tem como apagar o que eu vivi com ela, não tem como me livrar daquele livro. Você não entende que eu a ajudei a ser quem ela é hoje?”

            “Eu entendo, Mea. Até isso eu entendo. O problema que não consigo engolir mais é que eu sei que você nunca apagou ela totalmente da sua vida, eu sei o quanto você deve ficar mexida perto dela e o quanto ela ainda te quer. Ela disse isso na maldita entrevista!”

            “Você precisa se acalmar, não tem como conversar com você assim.”

            Saí andando e fui em direção ao quarto, sendo seguida por Allegra que continuava gritando.

            “Vocês estão tendo um caso? Está me traindo?”

            Parei próxima a cama e já com os olhos cheios de lágrimas, não consegui negar a pergunta dela, nada saia de dentro de mim, apenas fiquei muda a encarando e pressionando os lábios para que o choro não viesse à tona.

            “Vamos conversar.” Foi tudo o que consegui sussurrar.

            “Se você queria terminar comigo, teve todo o tempo do mundo desde que voltou de Miami! Eu não acredito eu você teria essa falta de caráter de me trair assim!”

            Todo o peso que eu carregava nas costas agora caiam por cima de mim, me levando junto. Já não tinha mais forças para lutar contra esse assunto. Enrolei o máximo que podia com medo da reação de Allegra, com medo de magoá-la, mas agora ela estava descobrindo da pior maneira possível.

            Me sentei na cama e abaixei a cabeça enquanto chorava copiosamente.

            “Você está me traindo?”

            Levantei a cabeça, com os ombros curvados e a encarei nos olhos.

            “Eu enrolei para ter essa conversa com você, mas agora temos que conversar. Eu tenho uma decisão a tomar...”

            Fui interrompida no meio de minha frase por Allegra que se atirou aos meus pés, se ajoelhando a minha frente na cama, segurando em meus joelhos.

            “Você não pode estar falando sério! Não pode terminar comigo! Por favor, Mea. Eu larguei tudo em Miami para vir morar com você, eu mudei meu emprego, meus pacientes, eu estive ao seu lado quando você estava na pior por causa daquela garota! O que ela tem que eu não posso te dar?”

            Dei um sorriso de canto e balancei a cabeça de um lado para o outro, fungando e enxugando as lágrimas.

            “Vocês duas são pessoas diferentes. Eu e Scoutt tivemos uma história profunda, apenas isso. É difícil esquecer o que vivi com ela. Eu evitei essa conversa para não magoar você, porque eu reconheço todo o seu esforço e bondade, o quanto você me ajudou.”

            “Eu não quero ser só a garota boazinha, Mea. Scoutt sempre te tratou mal! E você continua voltando para ela!”

            “Não, você não entende. Você não entende os problemas que ela passou, a dificuldade dela de se abrir, de se entregar e confiar em alguém. Eu entendi quando li trechos do livro dela. Mas Scoutt sempre esteve comigo, do jeito dela.”

            “Para, pode parar de falar. Você vai terminar comigo! Por favor, Mea, não faça isso!”

            Segurei nas mãos de Allegra e as tirei de mim. “Por favor, não faça isso. Não torne mais difícil minha decisão. Eu e ela nos beijamos, Allegra. Eu não sinto orgulho de te contar isso, não sinto mesmo. Mas aconteceu, foi algo que...aconteceu. Eu sinto muito. É melhor terminar com você e ser honesta, mesmo que eu não tenha nada com ela.”

            Allegra agora chorava e soluçava, sentada no chão do quarto, com a cabeça baixa. “Você não sente nada por mim?”

            “Eu sinto, Allegra, eu sinto. Por isso foi tão difícil tomar essa decisão, por isso demorei tanto para ser honesta com você. Mas é tão mais forte...”

            Ela se levantou em um pulo e foi até mim, segurando em meus braços sem força.

            “Se você sente algo por mim, não faça isso. Sua vida é melhor comigo, eu posso te dar a calmaria e um relacionamento bom...ela não pode te dar isso! Estou magoada com você por ter me traído, nunca esperei isso de você, me sinto humilhada, enganada. Ela fez questão de contar a todos que esteve com você em Miami enquanto eu pensava que você estava apenas esfriando a cabeça para ficar bem comigo! Preciso ficar sozinha um pouco, estou disposta a esquecer isso, certo? Estou mesmo. Mas no momento preciso que você fique longe de mim, não consigo te olhar agora.” Allegra soltou suas mãos de mim. “Eu amo você, Mea, eu amo você! Pensa melhor na sua decisão, por favor.” E então saiu do quarto e se trancou no banheiro, me deixando sozinha e incrédula.

            Fui para a cozinha e me sentei no mesmo lugar, tirando o prato com a sobra da comida, deixando-o de lado, e peguei a revista.

            Na página inicial, com uma introdução à entrevista de Scoutt, havia uma foto dela, com uma toalha no ombro, o cabelo molhado, provavelmente recém saído do banho, e a expressão de sempre: emburrada. Sorri de olhar para a foto e passei o polegar por ela, suspirando.

            O primeiro parágrafo da entrevista era escrito por Ellen, a mulher que a entrevistou, dizia:

            “Emma Scoutt, em conceder um tempo de sua agenda para falar sobre sua primeira obra escrita, Sunshine, mostrou-se uma pessoa como a que vemos em seu livro. Séria, com um jeito cético, com feições mal-encaradas, como se avisasse para não chegarmos perto dela, mas ao mesmo tempo, esbanjando um sorriso encantador, principalmente ao falar sobre certas partes de seu livro. Acompanhada em seu quarto de hotel por uma suposta amiga, a senhorita Stella Collins, falou com abertura sobre seu passado difícil e seu envolvimento com Mea Bradley, amiga e também responsável pela publicação do livro.”

            Li toda a entrevista, tudo o que Scoutt disse e principalmente as palavras da jornalista. Não entendia o motivo de Scoutt ter falado sobre Miami, e sentia meu coração bater mais forte e todo meu corpo esquentar ao pensar que Scoutt estava acompanhada por alguém no hotel. Ela esteve em Chicago com alguém, realizou a entrevista e não me disse que esteve por aqui.

            Fechei a revista com força e a segurando fui para o quarto, onde arrumei uma mochila com algumas trocas de roupa e saí, deixando um bilhete a Allegra.

            “Fui para a casa do Tom, precisamos de um pouco de distância.”

            Tom e Adele, durante a semana que fiquei em Miami e a que se passou desde então, finalmente finalizaram a mudança para Chicago. Tom estava trabalhando comigo na empresa e Adele em uma outra empresa, como consultora única da parte legal. Eles moravam em uma casa bonita, afastada do centro da cidade.

            Não liguei para avisar, apenas apareci em sua porta, tocando a campainha duas vezes e esperando.

            Adele me atendeu e não precisou perguntar nada, apenas me puxou para um abraço e me levou para dentro. Na sala da casa ainda haviam algumas caixas de papelão, mas a maioria das coisas já estavam em seu devido lugar.

            “Tom foi ao mercado, ele já chega. O que aconteceu?”

            Me sentei no sofá, deixando a mochila no chão.

            “Preciso pedir um favor a vocês. Eu e Allegra brigamos, não tenho onde ficar.”

            “Não precisa pedir uma coisa dessas, Mea! Pode ficar conosco o tempo que quiser.”

            Tom abriu a porta, nos interrompendo e assustou quando me viu. Deixou as sacolas com as compras em cima da mesa e abriu um sorriso andando em minha direção. Tê-lo morando na mesma cidade, vendo-o todos os dias na empresa era a melhor coisa do mundo.

            “Mea precisa ficar aqui por um tempo, Tom.” Adele se adiantou, puxando-o pela mão para se sentar ao meu lado, dando espaço a ele.

            “Claro, o que aconteceu?”

            “Scoutt deu uma entrevista sobre seu livro e contou que ficou comigo em Miami, Allegra leu e ficou possessa. Então aproveitei e contei que eu e Scoutt nos beijamos, que eu queria terminar com ela.”

            “Caraca, Mea!”

            “Eu sei. Ela reagiu super mal, claro, mas então pediu por favor para que eu não a deixasse, confundiu mais a minha cabeça.”

            “Confundiu como? Você não beijou a Scoutt, não a ama?” Adele perguntou.

            “Ninguém consegue entender. Eu disse a Allegra que tinha sentimentos por ela, ela é boa para mim, eu sei disso. Me trata como uma princesa. Sei de tudo isso. Mas Scoutt...Scoutt é Scoutt. Eu tenho por ela um sentimento imenso, um amor que nos liga de um jeito muito forte, principalmente por eu tê-la ajudado. Eu posso ser burra, idiota, dela me magoar e eu continuar gostando dela. Eu estava esquecendo ela, até que veio atrás de mim, disse tanta coisa...está tão diferente!”

            “A gente entende, você ama Scoutt, e gosta de Allegra pelo relacionamento bom que ela te deu. Entendemos, Mea. É difícil esquecer alguém que se ama, até porque a história de vocês não terminou totalmente resolvida, vocês nunca terminaram de verdade. Quando se ama alguém, não conseguimos ficar longe dessa pessoa.” Tom terminou de falar e olhou para Adele, dando-lhe um sorriso bonito, apaixonado e barbudo.

            Ri baixinho deles e concordei com a cabeça. “Sim, é isso. Às vezes eu nem entendo o motivo disso, só sinto.”

            “Bom, mas então você vai terminar com a Allegra?”

            “Estou muito brava com a Scoutt, minha cabeça está uma confusão, sabe? Eu tenho muito medo de me arriscar com ela de novo. Eu preciso dar um basta, em uma das duas. Acho que ficar aqui na sua casa vai ser a melhor opção.”

            Eles sorriram e concordaram ao mesmo tempo com a cabeça. “Olha, você e ela são duas malucas, e nós dois temos que aguentar vocês.”

 

            Mais tarde naquela noite, depois de jantarmos a comida maravilhosa de Tom, estava deitada na cama em um quarto pequeno de hóspede, lendo um livro quando Tom entrou no quarto, dando duas batidas na porta.

            Ele se sentou do meu lado e segurou em minha mão.

            “Eu te conheço, gata. O que você tem?”

            “Preciso ter alguma coisa mais? Já é suficiente essa confusão.” Nós dois rimos.

            “Não é isso, tem algo a mais te incomodando?”

            Respirei fundo, revirando os olhos e me sentei na cama, cruzando as pernas.

            “Na entrevista está escrito que ela estava no hotel com uma moça, uma tal de Stella. E ela esteve em Chicago para a entrevista, teve tempo de ver a moça, dar a entrevista, e não me avisou.”

            “Está com ciúme? Você mesma me disse que em Miami pediu a ela um tempo para resolver sua situação. E outra coisa, você disse a ela que podia te esperar.”

            Bufei, empurrando Tom com o braço.

            “Para de defender ela!”

            Tom deu risada, segurando minhas mãos em defesa.

            “Não é defender ela. Ela deve ter uma explicação para não ter ido te ver, sua boba. Ela está maluca por você.”

            “Será?”

            “Claro que sim, teimosa. Fiquei orgulhoso por você contar a verdade a Allegra, ter sido sincera. Eu sei que você se sente culpada, sente carinho por ela, mas o melhor é estar com quem você ama de verdade. E Mea, você já enfrentou muita merda por causa da Scoutt, pode ser que agora ela realmente tenha mudado. Você tem que tentar, ou vai passar o restante da sua vida com outra pessoa se perguntando “e se”, e isso vai te enlouquecer. Quero que minha irmã seja feliz.”

            Abri um sorriso largo, junto com Tom e me aproximei dele, abraçando-o.

            “Sua barba me pinica.”     

            Tom se afastou de mim, agora rindo e passou os dedos pela barba grossa. “Minha futura esposa gosta.”

            “Futura esposa, é?”

            Tom se levantou e foi até a porta, fechando-a. Depois voltou a se sentar do meu lado e começou a cochichar.

 

            “Vou pedir Adele em casamento, falta escolher a aliança.”

Notas finais:

Convido a todas a conhecerem o meu blog, onde posto o que escrevo também. 

Foi algo legal que decidi fazer e estou bastante empolgada, espero que vocês gostem da página. 

Os capítulos de Sunshine serão, a partir do próximo capítulo, postados no blog primeiro, e depois no aqui no site. Pretendo deixar a terça-feira de cada semana como dia fixo para postagem dos capítulos no blog, e na quinta-feira as postagens no Lettera. 

Obrigada desde já pela compreensão.

 

http://marquesfe.blogspot.com.br/



Comentários


Nome: Palas F (Assinado) · Data: 10/11/2016 17:57 · Para: Capitulo 19

Que dóooooo da Allegra... coração doeu, de verdade.

Massss... não tenho como negar minha felicidade pela Scoutt.. e espero que a Mea não tire conclusões precipitadas a respeito da Stella e esclareçam tudo.

Amando, apenas !! Dá até dó de continuar lendo, por não querer que acabe :'( hsauhusa

Ps.: magoada com vocÊ.. por que 13 caps a menos???? o correto seria a mais !!!! hahah



Nome: lohs (Assinado) · Data: 17/02/2016 15:45 · Para: Capitulo 19

Muito triste essa cena, mas já tava na hora. Só odiei essa indecisão da Mea. Deve ser bem triste e tudo, mas bastou a guria chorar e falar umas coisas pra ela ficar confusa? Ah, me erra, né?! 😒 Que pensasse mais um pouco antes de tomar alguma decisão. Só espero que ela volte atrás e magoe ainda mais Allegra.  



Resposta do autor em 09/03/2016:

O problema da Mea é essa indecisão sobre magoar a Allegra ou magoar pouco, ou quase nada. Coitada da Mea, ela já deixou claro que não quer mais nada desse relacionamento, dá um desconto pra ela, Lo!

E dá um desconto para a pobre Allegra, coitadinha.

Beijos, chata.



Nome: Leka (Assinado) · Data: 04/02/2016 12:24 · Para: Capitulo 19

Pelo jeito é só eu mesmo que não gosto da Mea com a Scoutt. Preferia que a Mea encontrasse outra pessoa, mas não ficasse com a Scoutt. Mas fazer o que né?! rsrsrs



Resposta do autor em 09/03/2016:

Oi, Leka!

Não é só você não, mais pessoas não gostam das duas juntas ou especificamente da Scoutt.

Mas o mundo não é perfeito, muito menos Scoutt, e vamos acreditar que ela pode mudar? Ou tentar pelo menos...

Beijos!



Nome: DuAmaralz (Assinado) · Data: 04/02/2016 00:09 · Para: Capitulo 19

Espero que as duas se acerte logo mas ainda acho que falta um pouco 



Resposta do autor em 09/03/2016:

Falta um pouco ainda sim, e se esse fosse pouco fosse fácil de esperar...mas como sempre, a situação das duas é cheia de barras pesadas. Vem muita coisa por aí!

Beijos, obrigada por ler!



Nome: Sara (Assinado) · Data: 03/02/2016 23:07 · Para: Capitulo 19

Estou a adorar :)



Resposta do autor em 09/03/2016:

Que bom! Obrigada por ler e comentar!

Espero que conitnue gostando!

Beijos!



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.