A ruína dos anjos por Drikka Silva


[Comentários - 114]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

Almozsaaladiel percorreu pelos três hospitais mais próximos até sentir a presença de Absalom em um deles. Escolheu uma lateral deserta e saltou para o chão, indo até a recepção falar com o recepcionista. Deu a descrição do seu amigo a ele, que lhe informou que o senhor havia dado entrada naquela tarde, perto das quatorze horas. A mulher pediu para vê-lo, e logo foi encaminhada para a unidade intensiva, onde ele estava internado.
            Almozsaaladiel percorreu os corredores, vendo o anjo da morte caminhar por eles. A sensação nauseabunda a atingiu, devido às grandes energias negativas que aquele lugar possuía. O quarto onde Absalom estava, tinha outra mulher idosa internada, com sua acompanhante.
            - Beati eritis – falou assim que o viu olhando para ela. – Quid agis?
            - Proximus dies veniunt
            Almozsaaladiel balançou a cabeça sem entender suas palavras. Seus dias estavam no fim. Sentia também que a vida de seu servo se esvaia lentamente, mas não compreendia o fato daquilo acontecer. Absalom havia se tornado um imortal: quando fizera seu pedido ao criador, e que fora atendida, dividira com ele seus dias na terra. Ela era imortal, ele também deveria ser.
            - Não é possível. O criador lhe deu uma vida infinita.
            - Jamais tive um problema como esse – falou Absalom com firmeza. – Um infarto. Meu coração não resistirá por muito tempo.
            - Isso não está certo!
            - Você conhece o criador, conhece seus caminhos mais do que eu. Talvez estamos no caminho de nos livrarmos desse ciclo sem fim.
            Almozsaaladiel andou de um lado para o outro, confusa, pela primeira vez em séculos. Sempre tivera certeza de todas as coisas, mas naquele momento provou um sentimento novo, o medo da perda de alguém querido, que não fosse o espirito pelo qual sempre aguardava. Se, de fato, o ciclo estava chegando ao fim, significava que aquela era a ultima vez que estaria com o espirito. Desde Hasmut até Andressa, através dos milênios, nunca antes havia cogitado aquele fim.
            Pegou a mão de Absalom com ternura e se abaixou ao lado da cama em oração, pedindo ao criador algum direcionamento. Não podia perder seu amigo, a única pessoa que de fato, a conhecia realmente. Conhecia todas as marcas que carregava desde a queda até aquele momento. Sabia que Absalom não teria outra reencarnação, seu espirito já estava evoluído, o suficiente para que não regressasse aquele plano novamente. O espiritual já havia fechado as portas à ela a beira do Eufrates. Quando ele partisse, jamais o encontraria novamente.
            - Eu preciso ir para o quarto de oração – falou ao levantar a cabeça. – Não ficarei muito tempo longe, prometo que logo retornarei.
            - Já esteve muito tempo comigo, retorne para a mulher por quem esperava, seja feliz, aproveite cada segundo. Não conhecemos os desígnios do Altíssimo.  
            - Teremos tempo depois. O mais importante é você agora.
            Absalom concordou com um aceno e assistiu Almozsaaladiel sair do quarto. Fitou o teto por um longo tempo antes de fechar os olhos, em comunhão com o Criador. Era uma sensação que havia esquecido como era, a incerteza de um novo amanhã, mas qualquer que fosse a vontade do Divino, estava pronto para cumprir.
           
            Almozsaaladiel chegou na casa e não encontrou Andressa no andar inferior. Sentia sua presença na casa e tomou o rumo das escadas, indo para o quarto. Encontrou-a dentro do quarto de oração, olhando para as ruinas no tempo.
            - Me desculpe por deixa-la – pediu, chamando sua atenção. – Encontrei Absalom.
            Andressa se virou para a mulher e ficou observando-a por um longo tempo. Quem era ela? O que era ela?
            - Você saltou uns dez metros do chão – falou sem se aproximar. – Tudo o que me disse, é verdade mesmo? Que energia estranha tem nesse quarto?
            - Eu preciso me conectar com o Divino. Eu preciso entender o que está acontecendo.
            - Eu também. O que tem Absalom? Ele é imortal, não é? Segundo suas loucuras, ele tem mais de quatro mil anos.
            - Ele teve um infarto. Alguma coisa mudou, mas não sei o que é. Eu sinto muito por não responder suas perguntas agora, mas farei isso, assim que entender o que está acontecendo.
            - Ele está em que hospital?
            - No Mario Freitas.
            - E você foi até lá, visitou ele e voltou em quarenta minutos? Isso sem nem saber onde ele estava?
            - Sim.
            - E esse quarto? O que são essas coisas nas paredes? Runas?
            - Sim. E preciso ficar sozinha agora. Me perdoe por isso, por favor, mas preciso que saia. Eu lhe garanto que explicarei tudo depois.
            Andressa concordou com um aceno de cabeça e saiu do quarto. Andou até a ponta das escadas, escutando a porta do aposento fechar atrás de si. Não conteve a curiosidade de voltar para a frente do local e ficar parada rente a madeira, com vontade absoluta de entrar. Sentou no outro lado do corredor enquanto sentia uma paz, nunca antes provada, invadir seu corpo e sua mente. Fechou os olhos e ficou em silêncio, enquanto escutava a voz de Saladiel, em uma língua que ela desconhecia. Quando voltou a abri-los, enxergou a forte luz brilhante que saia das frestas. A curiosidade de se levantar e abrir a porta era imensa, mas seu respeito pelo momento de privacidade, pedido por Saladiel, era maior. Se limitou a abraçar as pernas, enquanto curtia a sensação de paz que a invadiu por completo.
            Almozsaaladiel se levantou, sem se dar conta de quanto tempo havia passado em oração. Esticou todo o corpo metafisico antes de criar um novo invólucro. Colocou as roupas, deixadas em um canto, e abriu a porta para enxergar Andressa sentada no corredor.
            - Quanto tempo ficou me esperando? – perguntou ao se abaixar na sua frente.
            - Dez horas. Agora são oito horas da manhã.
            - Passou a noite ai?
            - Eu dormi. Encontrou a resposta que queria?
            - Os caminhos do Altissimo são desconhecidos ainda.
            - Eu quero te ver. Uma pequena parte, não me deixe pensar que estou ficando maluca, vendo portas brilharem, um humano saltar em alturas impossíveis, velocidade maior que qualquer carro... Eu não estou te pedidno muito! Eu só preciso saber que não estou ficando maluca a ponto de passar uma noite inteira deitada em um corredor esperando por uma resposta. Por favor!
            Almozsaaladiel fechou os olhos, suspirando fundo. Era um pedido justo. A amava com todo o seu ser, desde os primórdios. Não podia deixar de atender a um pedido seu.
            - Apenas uma pequena parte. Não quero que se assuste a ponto de colocar sua vida em risco, ou sua sanidade.
            - É só o que estou te pedindo.
            A morena concordou com a cabeça e se afastou o suficiente para tirar o casaco que usava. Em seguida tirou a camisa, e se afastou até a outra ponta do corredor. Se abaixou lentamente, encostando a testa no chão, pedindo misericórdia ao criador pela vida de Andressa. Devagar deixou o invólucro humano liberar suas asas.
            Andressa abriu a boca, mas não conseguiu emitir nenhum som. A visão que tinha na sua frente era surreal, saída de algum filme. Grandes asas, cobertas com uma reluzente plumagem negra. Ainda sem conseguir pronunciar palavra alguma, engatinhou lentamente a ela, tocando sua cabeça, fazendo com que Almozsaaladiel levantasse seus olhos para enxerga-la.
            - É real... Tudo isso... Tudo... é real...
            - Não se assuste! Essa aparência é o estigma que carrego pelo meu pecado de te amar.
            - São lindas! – exclamou Andressa extasiada. – São incrivelmente lindas!
            Almozsaaladiel ficou sem entender o encantamento de Andressa por segundo, até puxar uma asa para que entrasse no seu campo de visão.
            - Reconstruídas – balbuciou ao tocar a plumagem. – Eu... Sua última reencarnação...
            - Não entendo...
            - “Sua punição por seu ato de rebeldia serás buscar por quem entregou sua santidade até que os dias da terra se findem” essas foram as palavras do arcanjo. Tão claro como a água, seus dias são finitos, não os meus... Absalom é finito.         
            - Não nos encontraremos mais?
            - Somente o Criador possui essa resposta. A única certeza que possuo é que o fim se aproxima.
            - Absalom...
            - Meus dias foram dividos com ele...
            - O que vai acontecer com você?
            - Eu não sei. A única certeza que disponho no momento é que temos que viver o hoje. O amanhã é obscuro.
            - Posso toca-las?
            Almozsaaladiel assentiu com a cabeça e Andressa se ajoelhou, esticando a mão para tocar a macia plumagem. Jamais havia imaginado que aquilo pudesse existir, jamais poderia supor que todas as suas convicções seriam derrubadas por terra diante daquela magnifica visão. Não se conteve em abraça-la apertado.
            - Pelo tempo que nos for concedido.
            - Pelo tempo que nos for concedido – concordou Almozsaaladiel.
            - Vamos ver Absalom. Depois que tudo isso passar, me promete que se mostrará inteira a mim?
            - Prometo.
            Andressa buscou sua boca em um beijo demorado, antes de se levantarem do chão. Almozsaaladiel voltou a reconstruir a parte do invólucro nas costas e novamente se vestiu. Se fosse a vontade do divino, que o ciclo sem fim, já falado por Absalom, estava chegando ao fim, o que viria à frente era desconhecido, mas estava preparada para acatar a vontade divina.

Notas finais:

Oi oi lindonas!!!

Chegando para dar continuidade e finalizar este conto. Me desculpem pela falha nas postagens, mas assim como o destino de Almozsaaladiel, tudo estava bem obscuro nesses ultimos dois meses hehehhe (mentira tava atulhada de trabalho mesmo) Sorry!

 

A quem tiver paciencia de ainda acompanhar, obrigada pela cia! 

 

Bjokasssssssss



Comentários


Nome: Lai (Assinado) · Data: 16/07/2018 16:36 · Para: Capitulo 14

Oiee!!

Sempre, sempre, sempre!!

Hym,Almozsaaladiel poderia tranforma-se em humana, nao?? rs

Parabéns pelo sucesso nas vendas!!

Beijossss



Nome: patty-321 (Assinado) · Data: 15/07/2018 02:24 · Para: Capitulo 14

Obscuro e fascinante a saladiel. Bjs



Nome: Jeanny (Assinado) · Data: 14/07/2018 20:57 · Para: Capitulo 14

Valeu cada dia de espera Drikka, vc é demais! 



Nome: mtereza (Assinado) · Data: 14/07/2018 02:55 · Para: Capitulo 14

Cada vez mais interessante a história



Nome: Baiana (Assinado) · Data: 13/07/2018 00:16 · Para: Capitulo 14

Será que Saladiel se tornará mortal e terá uma vida normal com a amada?

Asas negras? Anjos não possuem asas brancas? Kkkk



Nome: Candanga (Assinado) · Data: 11/07/2018 18:20 · Para: Capitulo 14

Qual será a reação da Andressa  ao ver verdadeira face de Saladiel?

Será mesmo o fim pra elas  ou apenas um novo começo na vida delas? 

Quem sabe agora elas não viveram esse amor ate o fim, sem ter   que ficar na incerteza de um novo reencontro?

Bjs ate o próximo



Nome: NovaAqui (Assinado) · Data: 11/07/2018 16:46 · Para: Capitulo 14

Andressa merecia ver sua amada como ela realmente é

O fim está próximo. Vamos ver o que o Divino irá reservar para elas.

Abraços fraternos procês aí!



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.