O cotidiano do amor por Sorriso


[Comentários - 5]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

 

Estava sentada em seu colo na sala enquanto assistíamos Supernatural e conversávamos sobre nós.

 

-Parece que estou sonhando.

 

Olhei pro seu rostinho ela estava feliz como nunca tinha visto antes.

 

-Não, não estar linda.

 

Fiz um carinho em sua nuca isso causava arrepios na mesma que fica com o rosto ruborizado.

 

 

-Gostaria de conversar sobre outra coisa.

 

 

Olhei pra Renata e já sabia o teor do assunto Savana, a abracei forte e concordei com o assunto.

 

 

-Aquele dia no elevador você é a Savana transaram ?

 

 

Sorri e isso pareceu irita-la que me deu um tapinha no ombro claro reclamei, mas ficou seria.

 

 

-Não, nós não transamos nem aquele dia nem depois da nossa separação.

 

 

-Ufa isso me deixa mais aliviada, mas pensei que sim.

 

 

-Pensou errado, é você e o medico ?

 

 

-Nós só ficamos mesmo no almoço, aquele dia fiquei tão mal por ter feito aquilo com você que não pensei duas vezes em ir ao seu evento.

 

 

-Nunca iria me passar pela cabeça que você seria aquela mulher gato, mas o perfume era idêntico.

 

 

Renata me beijo isso era novo pra mim suas mãos foram subindo pelo meu corpo até que subiram mais ainda.

 

 

-Espera espera espera.

 

 

- O que foi ?

 

 

Sussurrou me olhando agora com desejo e um brilho no olhar.

 

 

-Quero que seja especial sabe.

 

-Há claro às vezes esqueço o quanto minha namorada e nerd e fofa.

 

 

-Temos que comemorar, que tal uma pizzaria ?

 

 

-Humm acho ótimo, claro depois uma baladinha.

 

 

As vezes me esquecia da vida que a Renata vive claro saber que é recíproco o que ela sente por mim e bom, mas teria que aceita-la com a bagagem inteira.

 

 

-Tudo bem pra você ?

 

 

Assenti com a cabeça e voltamos ao nossos carinho, mais tarde fiz pipoca e coloquei uma maratona de demolidor pra assistirmos.

 

Ter a Renata agora como minha namorada não podia ser melhor, ser minha vizinha faciliataria muita coisa, as vezes a olhanva comendo pipoca e não acreditava meu coração se enchia de alegria.

 

 

-Eu to suja ?

 

-Não, apenas te admirando.

 

 

-Como você pode ser tão fofa engatinhou lentamente a onde estava e me beijo o gosto da pipoca doce se misturando com a salgada me causava um efeito muito gostoso.

 

 

Os tiros começaram e voltarmos nossa atenção pra televisão agora com ela sentada a minha frente no meio das minhas pernas.

 

 

-Será que posso dormir aqui ou estar muito cedo ?

 

 

-Por mim pode viver aqui pra sempre.

 

 

O tempo estava friozinho enquanto regulava a temperatura do chuveiro senti um cheiro de sopa de galinha pela casa, tomei  um banho rápido e fui pra cozinha a onde encontrei ocupada com varias coisas em cima da bancada e da pia.

 

-Estar exorcizando o frango ?

 

-Ra Ra engraçadinha, ela provava pra ver se estava no ponto de sal.

 

 

-Não é sempre que cozinho, mas agora as coisas vão mudar.

 

 

A abracei por tras enquanto olhava praquela sopa colorida.

 

 

-Pro primeiro dia estar bom.

 

Sorri e ela também.

 

 

-Amor já ajustei a temperatura do chuveiro pra você, peguei a toalha nova colocando-a sobre a mesa.

 

 

Ao me virar fitei Renata parada me olhando perguntei se estava tudo bem ela assentiu e sorriu.

 

 

-Você me chamou de amor.

 

 

-Sim, acho que te chamar pelo nome soa frio e desinteiriçado...

 

Ela não me deu a chance de terminar, e pulou em meu colo e se prendendo em mim com as pernas ao redor me dando aquele beijo avassalador caloroso me deixando sem ar, bagunçando meus cabelos que estavam presos em um coque.

 

Ao terminar respirei fundo enquanto a descia seu corpo deslizava no meu lentamente, e seus olhos estavam fixos nos meus.

 

 

-O que foi isso ?

 

 

-Isso foi paixão fogo desejo qualquer coisa que queira chamar.

 

 

-Vou entender isso como estripulia.

 

Rimos juntas me deu um selinho novamente e foi pro banheiro, tirei a sopa do fogo e coloquei na mesa junto com as outras coisas.

 

 

O cheirinho de hidratante com pós banho trazia aconchego e humaninda pela casa, não era mais somente eu agora tudo seria em dobro.

 

 

-Usei seu hidratante não se importa né.

 

 

-Claro que não amor, vem senta.

 

 

A sopa estava uma delicia e muito nutritiva chegava a suar.

 

 

-Acho que alguem vai ter que tomar outro banho, riu.

 

 

-Nossa a onde aprendeu a cozinhar assim ?

 

 

-Com a minha mãe, mas vá com calma não sou mestre cuca igual a uma pessoa pela qual estou apaixonada.

 

Nossa cumplicidade era incrível como se nascêssemos uma pra outra lavei a louça e fomos pro meu quarto.

 

Ficamos assistindo televisão lá, enquanto sua cabeça estava repousada em meu peito.

 

 

-Hoje fui numa cartomante.

 

 

-Você acredita nessas pessoas ?

 

 

Ela ergueu a cabeça e disse que não, mas essa foi diferente me revelou muitas coisas é bom gostei.

 

 

Evitei contar pra Vanessa sobre o que ela me disse afinal tenho a vida toda pra saber, mas espero que não seja grave e aí da Savana se mexer com a gente novamente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.