Sobre a delicadeza do seu toque por Luah


[Comentários - 107]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

 Apaixonada, Eu!?

 

 

 

Tudo o que eu queria era passar a eternidade em seus braços. Mas como tudo o que é bom duro tão pouco... Quando o ar finalmente se esvaiu, precisamos nos separar. Abro os meus olhos lentamente me deparando com os amarelados receosos a minha frente. Eu pude vê medo. Quando Samantha se afastou. Quando os seus braços me soltaram. Conheci o vazio. Foi como se uma frente fria me enlaçasse e me levasse pra longe. A garota a minha frente estava séria. Seus olhos duvidosos. Então ficamos ali, olhando uma para outra por tanto tempo.

 

-Liz... - A voz rouca soa desesperada longos minutos depois. –Eu... – Sam morde o lábio inferior como se buscasse palavras. E antes que ela pudesse dizer ou fazer qualquer coisa. Eu me jogo em seus braços me apossando de sua boca. No primeiro momento a garota apenas fica paralisada. Mas não demora muito para me amparar e retribuir com a mesma intensidade.

 

 

 

Sabe quando você age por impulso e logo depois acorda?

 

Bem, agora eu estou aqui em meu quarto depois de ter fugido de Samantha. Quando nos afastamos do nosso segundo beijo. O beijo em que eu me atirei em seus braços. Fiquei com medo e, sair praticamente correndo deixando a garota sozinha. Montei em Júpiter e fui embora sem olhar pra trás.

 

Quando chequei em casa acabei esbarrando em Rodrigo. Se não fosse por ele, nós dois teríamos ido pro chão. Ele reclamou, mas quando notou meus olhos assustados, ficou em alertar. Mas antes que ele pudesse dizer ou perguntar qualquer coisa. Eu subir escada acima até o meu quarto. E agora eu estou aqui. Olhando pela janela. Esperando que Sam apareça.

 

Quando escuto pequenas batidas à porta. Meu coração se acelera. Sei que preciso dizer ou fazer alguma coisa. Mas estou paralisada. Tenho medo de olhar em seus olhos e encontrar algum vestígio de arrependimento. Por que apesar de minha fuga, em momento algum reneguei aquele ato. E só de lembrar, minha pele fica quente, minha respiração rápida. Minha vontade é de me acabar naqueles lábios doces.

 

As batidas voltam a insistir. Voltando a chamar a minha atenção. Em passos indecisos vou até a porta. Minhas mãos tremulas giram a maçaneta. Não sei se foi maior a minha decepção ou a cara de deboche de meu primo.

 

-Posso entrar? - Rodrigo pergunta com um risinho idiota nos lábios.

 

-O que foi? - Digo irritada.

 

-Vim em uma missão de paz. - O rapaz loiro ergue as mãos em sentido de rendição. –Apenas quero conversar.

 

-Não estou a fim. - Continuo parada segurando a maçaneta, esperando que ele se retire de minha porta para que eu volte a fecha-la.

 

-Esperava outra pessoa? - Os olhos cinza se estreitão perigosamente. –Quem sabe uma linda morena de olhos amarelados.

 

-O que quer Rodrigo? – Pergunto me afastando da porta e indo em direção a minha cama. Sei que o rapaz está me seguindo.

 

-Pedir para Pedro levar Sam para casa. - A menção daquele nome me fez paralisar.

 

Dou um suspiro, magoada. “Afinal, o que eu queria que ela fizesse depois que fugir feito uma idiota?” Penso revoltada comigo mesma. Nem eu mesma entendia o que foi que aconteceu. Quando dei por mim, já estava montada em Júpiter indo em direção à casa principal da fazenda.

 

-O que foi que aconteceu? - Rodrigo me questiona em tom sério. –Samantha estava estranha.

 

-Eu... – As palavras ficam presas em minha garganta. Será que Sam está bem?

 

-Nem vem me dizer que não sabe. - Meu primo fala autoritário. –Você também está estranha desde que chegou da cachoeira.

 

-Como você sabe que eu estava lá? - Pergunto me voltando para o rapaz de olhos cinza.

 

-Onde mais você estaria? - Sua voz sai calma. –Você sempre faz isso. Quando algo a machuca, você se fechar. Cai em um luto profundo. Logo depois você quer respirar. - Rodrigo diz se aproximando. –Eu sabia que quando chegasse esse momento você iria querer alguém pra conversar. Eu te vir saindo escondida. Então fui buscar Samantha. Todos nós estávamos preocupados com você. - Seus olhos encaram os meus amorosos. –Liz, eu sei o quanto ela significa em sua vida. Então eu a trouxe até você.

 

-Rô... - Meus olhos começam a se encher de água. –Acho que fiz algo terrível. - Digo me escondendo entre seus braços protetores.

 

Fico ali por longos minutos. Sendo amparada pelo meu irmão de alma. Quando o rapaz nota que estou mais calma, me arrastar até a cama. Onde nos acomodamos.

 

-Pronto. Agora me diz exatamente o que aconteceu. - Rodrigo diz pegando um de meus ursos e o abraçando. Eu juro que poderia rir dessa imagem. Mas não queria complicar ainda mais para o meu lado.

 

-Será que podemos pular essa parte? - Pergunto envergonhada. 

 

-Não! Eu quero saber dos detalhes sórdidos. - Ele diz brincando. Mas quando nota a minha cara de culpada. Arregala os olhos supresso. –Não acredito! - Meu primo dar um grito irritante me fazendo encolher. –Vamos lá, não me deixe apenas na curiosidade. - Reclama momentos depois.

 

-O que quer saber? - Pergunto rendida.

 

-O que aconteceu naquela bendita cachoeira?

 

-Nada demais. - Digo desviando meus olhos dos seus.

 

-Está mentindo! - Rodrigo diz como se fosse obvio. –Você nunca soube mentir.

 

-Será que dar pra você me deixar em paz? - Digo indignada.

 

-Eu não. Irmãos mais velhos servem pra isso. - O rapaz loiro diz dando um sorrisinho de lado.

 

-Você não é exatamente meu irmão queridinho.

 

-Sou mais que isso. - Ele diz fazendo uma careta pelo meu comentário. –E ai de você me negar. - Rodrigo fala fazendo bico.

 

-Eu jamais o faria. - Olho carinhosa para o rapaz a minha frente. - Sim, você não é só o meu primo. Não é só meu irmão de alma. É também o meu melhor amigo. E toda vez que você está longe. Sinto uma saudade absurda.

 

-Agora eu fiquei sem jeito. - Ele diz acanhado. –Também te amo baixinha. - Rodrigo diz para logo em seguida bagunçar o meu cabelo. Eu odiava quando ele fazia isso.

 

-Você é irritante. - Digo me livrando de suas mãos. –Será que dar para parar de fazer isso?!

 

-Eu não. - O rapaz diz para logo em seguida cair na gargalhada. –Adoro te ver irritada. - Ele comenta momentos depois.

 

-Seu chato! - Reclamo pegando o meu urso de seu colo.

 

-Sou tão chato que você vai agora mesmo me dizer o que aconteceu entre você e aquela lá.

 

-Ah não, Rodrigo. - Minha voz sai angustiada. –Esquece isso.

 

-Nem pensar. - Seus olhos estão sobre mim, observadores como sempre. –É só dizer o que aconteceu e eu te deixo em paz.

 

-Credo. - Reclamo sem escapatória.

 

Então conto tudo. Desde o momento em que Sam apareceu. Desde o momento em que eu sair correndo feito uma louca. O infeliz perguntou até mesmo o que sentir ao ser beijada por ela.

 

 

 

-Ela finalmente te beijou! - Ele repete pela décima vez.

 

-Você vai repetir isso até quando?! - Digo emburrada me deitando em minha cama.

 

-Até ter certeza. - Rodrigo diz e se deita ao meu lado. Olhando também para o teto. –Por que você saiu correndo?

 

-Não sei. – Falo baixinho. –Eu me assustei. E quando dei por mim, já estava em Júpiter correndo para casa.

 

-Só você mesma. - Ele diz sorrindo. –Aii... Credo Lizandra! - O rapaz reclama se levantando as presas. –Isso doe, sabia?!

 

-Não. – Minha voz sai entediada. Nem faço questão de olhar para o rapaz. Meus pensamentos estão longe. Em uma certa garota de olhos amarelados. Será que ela ficou com raiva? Será que se arrependeu de ter me beijado? Será que isso vai voltar a acontecer? Tomara que sim. Fico inerte em meus pensamentos, nem mesmo escuto Rodrigo me chamar. –Oi. - Digo no susto.

 

-Ai meu Deus. - Meu primo diz cobrindo a boca. –Não acredito. - Ele diz retirando as mãos da boca. Seus olhos brilham em minha direção. -Você está apaixonada por ela. - Rodrigo diz isso como se fosse a coisa mais obvia do mundo. –Percebi isso desde a primeira vez em que vir vocês duas juntas. Mas vendo você com essa cara...

 

-Não sonha! - Dou um pulo da cama. –Você tá louco. Samantha é minha amiga.

 

-Amigas não se beijam na boca. - Debocha. –Você tá ferrada.

 

Arregalo os meus olhos apavorada. Será que uma garota de quatorze anos se apaixona? É, realmente eu estou ferrada.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nome: patty-321 (Assinado) · Data: 13/02/2018 15:39 · Para: Capitulo 11 - Apaixonada, Eu!?

Ahhh adolescente. Tão dramáticos. Coitada da Sam. Drve te ficado muito confusa com as atitudes da liz. Bjs



Resposta do autor:

Quem nunca se embaraçou com algo na adolescência?!  Rsrs...

 



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.