Última noite de amor por Vandinha


[Comentários - 1262]   Impressora Imprimir Capitulo ou História - Lista de Capítulos

- Tamanho do Texto +

Última Noite de Amor -- Capítulo 10

 

A capela era pequena, mas estava ricamente ornada. A entrada estava repleta de coroas de flores do campo e rosas brancas, as preferidas de Giovana. Ela costumava dizer que representavam a paz e a harmonia entre as pessoas. Janaína parou junto à porta e pegou uma rosa.

Estava olhando em torno, sua atenção pulando de um para outro dos presentes no silencioso recinto, até o instante em que seus olhos se fixaram no assustador caixão.

Caminhou como um zumbi até ele e pousou a mão sobre a madeira. Cheirou a rosa branca e colocou entre as mãos frias de Giovana.

Seu rosto pálido sob a meia luz da lâmpada de led, pareciam indagar dos mistérios profundos que separam a vida da morte.

A morte roubou a cor do rosto perfeito de Giovana. A mulher com quem fizera amor sem reservas e dispensava-lhe todos os cuidados e atenção, quando estavam juntas, agora nem se importava com sua presença.

Janaina observava o rosto da sua amada, seus olhos fechados, a boca, os cabelos.

Na capela, o movimento e o barulho de vozes pareciam aumentar. Estava tão perdida em pensamentos que não percebeu quando uma senhora parou ao seu lado diante do caixão.

-- Você que era a namorada da minha filha, não é mesmo? - Perguntou sem olhar para a garota. Seus olhos estavam fixos no rosto de Giovana.

-- Sim, era eu - respondeu sem muita emoção.

-- Quero que saiba que não é bem-vinda aqui - falou seca.

-- Não esperava que fosse. Aliás, de agora em diante não me interessa mais a sua opinião sobre mim. Todos os sorrisos que dirigi a você, todos os comprimentos educados, eram para deixar Giovana feliz e não por simpatia a você. Morra afogada no seu remorso, nesse sentimento de culpa que vai ser o grande tormento de sua consciência pelo resto de sua vida.

-- Você roubou Giovana de nós. Deus preferiu leva-la do que deixar que ela fosse viver em pecado ao seu lado.

Janaina não entendeu o comentário, mas mesmo assim revoltou-se.

-- Quem é você para falar em Deus, em pecado?

-- Saia fora daqui sua desavergonhada - a mãe de Giovana exaltou-se.

A discursão foi interrompida pelo barulho de um vaso de vidro que caiu de uma mesa e, ao tocar o chão, quebrou-se em vários pedaços, espalhando rosas brancas em volta delas.

-- Não vou mais discutir com você. Não me importo mais. Nada mais importa - Janaína fez o caminho com o dedo, dos olhos até a boca de Giovana, e foi alí que ela depositou os seus lábios, causando um burburinho enorme na sala da capela - Não pense que vou te esquecer, meu amor. Jamais te esquecerei. Eternamente estarás comigo, mesmo em pensamento. Nem mesmo o tempo te apagará de minhas lembranças. Nada irá mudar meus sentimentos por você. Sempre serás senhora de meu ser. Jamais te esquecerei.

Janaína olhou para a mãe de sua amada, que estava perplexa com a atitude da garota.

-- Pode ficar aí, chorando em cima do corpo de sua filha, porque o espirito, esse vai ficar comigo - bateu com a mão sobre o coração e saiu da capela sem olhar para trás.

 

 

Angola

 

Isabel admirava a sua obra prima. Tudo estava limpo, impecavelmente limpo e cheiroso. Sentou no sofá e colocou as pernas sobre a mesinha de centro. Estava bem cansada, mas tudo valeu a pena.

Ouviu o barulho da maçaneta da porta da entrada principal misturada com o som do molho de chaves e ficou em alerta. Provavelmente era Demo, mas não podia correr o risco de ser pega depois de tanto empenho na fuga.

Pulou para trás do sofá e ficou escondida em silêncio.

-- Brasileiraaa... -- A voz rouca de Demo ecoou por toda a sala -- Opa... casa errada...

-- Casa errada coisa nenhuma, seu bobão -- Isabel saiu de trás do sofá -- De vez em quando é bom jogar fora o que não está se ocupando mais. Sabia? Atrai fluidos positivos.

-- Eu não tenho tempo para isso. Escuta só...o passaporte vai ficar pronto na quinta...

-- Já? -- Isabel vibrou com a notícia -- Pensei que fosse bem mais complicado.

-- Tendo dinheiro, o passaporte é o de menos. O nosso maior problema se chama: Vemba -- sentou ao lado de Isabel no sofá e falou olhando para o chão -- Eles estão vigiando o aeroporto. Aqui nesse país, infelizmente, o dinheiro compra tudo. Exemplo disso é o seu falso passaporte.

-- Se eles estão vigiando o aeroporto, como irei fugir do país, então?

-- Não temos só o aeroporto de Luanda, Isa - Demo foi até uma velha estante, pegou um mapa e voltou se sentar ao lado de Isabel - O Aeroporto de Úige, também é muito bom e não fica tão longe daqui. São cerca de quatro horas de carro, via a estrada de Cacuaco.

-- Você acha que lá os comparsas do Vemba não vão estar vigiando?

-- Eles pensam que você está agindo sozinha e não conseguirá sair da cidade. Esse é o nosso trunfo - jogou o mapa de lado e pegou o celular - Vou marcar a sua viagem para sexta a tarde.

-- Já estou tremendo dos pés à cabeça! Minha vida ultimamente é pura adrenalina.

-- Quem busca acha, querida.

-- Você tem razão, Demo. Fiz muitas besteiras na vida, mas nos últimos tempos estou extrapolando todos os limites do aceitável.

-- Espero que tenha aprendido alguma coisa. Depois de tudo o que te aconteceu por esses dias.

-- Claro que aprendi. Pode ter certeza, viagem para o exterior nunca mais.

Não era bem esse o comentário que Demo queria ouvir. Esperava que a garota desejasse mudar de vida. Deixar de ser uma prostituta de luxo e se transformar em uma mulher determinada, que enfrente todos os obstáculos com a certeza de que vale a pena lutar pela honra e pela dignidade.

O fim dessas mulheres Demo conhecia muito bem. Geralmente terminam sozinhas, acabadas fisicamente e sem esperança de uma vida digna. Na África haviam muitas prostitutas errantes, mulheres nômades, que vão de feira em feira, cidade em cidade, vendendo o seu corpo, na maioria das vezes por um prato de comida.

 

 

Em Copacabana.

 

-- Estamos atolados nisso até o pescoço, quando ela acordar, já era - Heitor estava tão nervoso que Valentina temeu por seu coração - E a culpa é toda sua. Devia ter dado cabo na vida dela na primeira oportunidade que tive.

-- Agora não adianta ficar me xingando. Temos que agir, isso sim.

-- Agir...agir. Você só fala isso e na verdade não toma nenhuma atitude.

-- Eu vou tomar uma atitude. Só estou esperando eles liberarem as visitas.

-- Hum... entendi... mas se nesse tempo ela abrir o bico e contar tudo?

-- Vamos ter que contar com a sorte. Só nos resta aguardar.

 

 

No hospital

 

-- Com licença - Janaína chamou a atenção de Simone que estava encostada no balcão do posto de enfermagem - Posso falar um instante com você?

-- Claro. Está se sentindo melhor?

Janaína não respondeu. Simone respeitou o seu silêncio. 

-- Posso ver a Alex? - Perguntou depois de alguns instantes.

-- As visitas estão proibidas, por enquanto -- olhou para a garota e se compadeceu com a sua dor -- Mas posso dar um jeito -- sorriu compreensiva - Vem, te levo até lá.

 

Simone conduziu Janaina por um longo e branco corredor. Parou diante de uma porta e virou-se para a garota.

-- Ela já está em um quarto, sedada, mas está bem - abriu a porta lentamente -- Vou permitir que a veja por alguns minutos, ok?

Janaina balançou a cabeça concordando com a simpática e prestativa enfermeira.

-- Então venha.

Pararam diante da cama e se entreolharam. Janaina colocou a mão na frente da boca, assustada. Seu coração parou por alguns segundos. Foi até Alexandra e colocou suavemente a mão em seu rosto.

Alexandra estava toda enfaixada. Gesso, ataduras e esparadrapos por todo o corpo. Tinha fraturado as duas pernas, os dois braços e cinco costelas. Além de outras lesões.

-- A princípio parece assustador. Mas pela gravidade do acidente é um milagre ela estar viva. Os acidentes com motos, na maioria das vezes, deixam sequelas graves, como, por exemplo, os traumatismos cranianos e lesões da medula espinhal. Quem sofre um acidente de moto, geralmente, sai com pelo menos um desses ferimentos: fraturas expostas, lesões nervosas, traumatismos cranianos e crânio-encefálicos, amputações e fraturas múltiplas.

-- Quanto tempo ela vai ficar internada?

-- Ainda não soubemos ao certo, um mês, dois ou três, depende... - Simone abriu os braços sem saber mais o que dizer.

-- Eu vou levar ela pra casa - falou decidida - Não vou deixa-la aqui nesse lugar horrível.

-- Você não pode tirar ela daqui. A reabilitação é longa. Somos uma equipe multidisciplinar de médicos, enfermeiros, psicólogos, fisioterapeutas e terapeutas. Trabalhamos juntos para a reabilitação.

-- Eu só vou esperar ela acordar - Janaína fez um longo carinho nos cabelos de Alexandra, depois depositou um beijo em sua testa - Agora preciso ir.

-- Não vamos permitir que leve ela para casa - Simone insistiu.

Janaína já estava com a metade do corpo para fora do quarto quando respondeu:

-- Quer apostar que sim?

 

 

Naquela noite, após entrar em um sono profundo, Janaína sonhou com Giovana:

A garota estava sentada no sofá da sala. Janaína saiu do quarto e correu até ela.

-- Jana, a Alex não vai para a boate hoje? Temos tantas coisas para resolver - falou daquele jeitinho irritadinha, que Alexandra tanto gostava de deixa-la.

Janaína deixou uma lágrima rolar por seu rosto. Era o que todos os dias elas faziam. Já havia se tornado rotina. Giovana chegava pela manhã, tomavam café e depois seguiam para uma das boates.

-- Vocês não vão para a boate hoje, meu amor. Nem hoje, nem... - sua voz ficou embargada e ela se calou.

Giovana a encarou com uma expressão confusa no rosto.

-- Porque não, Jana?

Janaína não conseguiu falar o real motivo. Simplesmente disse:

-- Hoje a boate não vai abrir.

Acordou sobressaltada e sentou-se na cama com o rosto banhado em lágrimas.

 

 

Dois dias depois...

 

Alexandra finalmente acordou. Mas para decepção de todos somente abriu os olhos, não falou uma palavra, sequer um gemido, ou um resmungar. Ficava encarando a parede com os olhos parados e distante.

-- O que aconteceu doutor? - Janaína abriu os braços sem entender o que estava acontecendo.

-- É doutor. Ela está muda e apática - Valéria pedia explicações.

-- Não tenho certeza - o médico estava confuso - Fizemos todos os exames e os resultados deram todos normais. Vou encaminhar o caso dela a um psiquiatra. Tenho uma suspeita, mas preciso de um especialista que confirme.

-- Qual é a suspeita, doutor? - André estava curioso e preocupado.

-- Catatonia: Que é uma perturbação do comportamento motor que pode ter tanto uma causa psicológica ou neurológica. A sua forma mais conhecida envolve uma posição rígida e imóvel que pode durar horas, dias ou semanas.

-- Mas ela deixou de falar.

-- Ela decidiu, não falar, Janaina.

-- Como assim decidiu não falar? Isso é um absurdo - Janaína foi até a amiga e sacudiu o seu rosto - Você não pode fazer isso Alex - falou chorando - Eu preciso de você.

-- Calma, Janaína - Valéria puxou a garota para longe de Alexandra e a abraçou com carinho.

 - Não estamos entendendo... - André jogou-se na poltrona desanimado.

-- A catatonia é dividida em: Esquizofrenia catatônica e Depressão catatônica. O caso de Alexandra provavelmente seja Depressão catatônica que tem como sintomas: Apatia severa, pessimismo, imobilidade ou lentidão e.... -- fez suspense antes de finalmente continuar -- mutismo seletivo, que é o decidir não falar.

André colocou as duas mãos na cabeça.

-- Só faltava essa...

 

 

Em um bordel na Vila Mimosa.

 

Furioso, Bob arremessou o copo com bebida contra a parede fazendo o vidro se partir em vários pedaços.

-- O que aconteceu Bob?

-- Aqueles angolanos imbecis deixaram a Isabel fugir de lá e agora querem que a gente pegue ela de volta para eles.

-- Caramba, que mancada. Se ela abrir a boca?

-- Ela não vai ter tempo para isso -- Bob se levantou e colocou a jaqueta -- Vamos fazer campana em frente ao prédio que ela mora. Ficaremos lá 24 horas se for necessário.

 

 

Janaína estava sentada em uma poltrona ao lado da cama de Alexandra. Ela observava o jeito paciente e profissional com que Simone cuidava da patroa.

-- Alex encontrou uma forma bem interessante de fugir da realidade. Estou pensando em fazer o mesmo -- comentou.

-- Você só pode estar brincando -- Simone falou sorrindo -- Olhe para ela, não fala, está completamente afastada da realidade, imóvel e absorta do mundo à sua volta, não come, não bebe, não controla suas necessidades biológicas.

-- Talvez ela esteja melhor que eu -- falou pensativa -- Perdi totalmente a vontade de viver. Estou me sentindo abandonada e carente.

Simone definitivamente sentia muita pena daquela garota.

-- "Uma, morrendo amada, outra, agonizando, sem ter ouvido a palavra "amor" dos lábios que escassamente balbuciavam palavras de gratidão" -- Simone recitou um trecho do livro: Amor de perdição de Camilo Castelo Branco.

-- "Que mal fariam a Deus os nossos inocentes desejos?!... Por que não merecemos nós o que tanta gente tem?! O pior são as saudades. Ao menos morrer é esquecer. " -- Janaína recitou outro trecho, carregada de emoções.

-- "Considero-te perdida, Teresa. O sol de amanhã pode ser que eu o não veja. Tudo, em volta de mim, tem uma cor de morte".

-- "A desgraça afervora ou quebranta o amor?" -- Janaína mantinha o rosto enterrado nas mãos.

-- Não sei Janaína. Gostaria muito de saber te responder.

Simone trocava os curativos de Alexandra com uma habilidade que chamou a atenção de Janaína.

-- Você me parece bem experiente para a sua idade.

-- Você acha? -- sorriu -- As vezes penso que já nasci enfermeira de tanto que gosto do que faço.

-- Tenho uma proposta de trabalho para lhe fazer, mas a resposta tem que ser dada ainda hoje.

Simone parou o que estava fazendo e olhou séria para Janaína.

-- Que proposta?

-- Amanhã vou levar a Alex para casa. Já conversei com o doutor Jorge e ele mesmo não concordando, vai assinar a alta dela - levantou e fez um carinho no rosto da empresária - Vou contratar três enfermeiras para se revezarem nos cuidados a ela. Gostaria muito que você fosse uma das três profissionais.

-- Você é fogo hein? Vai realmente fazer isso?

-- Vou. Já está decidido.

-- E a fisioterapia?

-- Já está tudo arranjado. Só falta as enfermeiras. Então, o que me diz? Garanto que o salário é irrecusável.

Aquela proposta tinha vindo a calhar. Com o sumiço de Isabel, Simone ficou sobrecarregada com as despesas e estava desesperada com o aluguel e outras dividas que tinham em comum, atrasadas.

-- Posso indicar uma enfermeira amiga para compor essa equipe? - Simone pensou em convidar Tati.

-- Claro, inclusive se conhecer mais uma enfermeira que deseje trabalhar conosco, pode contratar. Confio em você...

 

 

Angola

 

O carro preto que tinha os vidros todos abaixados para minimizar o calor infernar daquele lugar, entrou em uma estrada de terra, cheia de buracos e pedras.

Demo fez uma careta e engatou a terceira marcha, enquanto o carro sacolejava todo na trilha.

-- Tudo bem? -- Demo franziu o nariz por causa do ar empoeirado.

-- Tudo, eu só estou um pouco enjoada -- Isabela falou calmamente, compassada, com um tom de moleza na voz -- Eu sempre fico enjoada ao andar de carro em ruas como essas, que me jogam de um lado para outro como se estivesse dentro de um liquidificador.

Demo deu um sorrisinho de canto de boca e voltou a concentrar-se na estrada.

Depois de uma hora finalmente chegaram ao aeroporto de Úige.

-- Uau... confesso que, pela qualidade da estrada, esperava encontrar um aeroporto no meio da selva.

-- O Aeroporto Manuel Quarta Punza, foi inaugurado ano passado. Até os aviões Boeing 737-700 passaram a ser utilizados na rota do Uíge. A estrada foi um caminho alternativa que usei. Sabe como é.... sou um cara prevenido.

 

 

No hospital.

 

As visitas a Alexandra estavam permitidas e Valentina subiu para o quarto onde ela estava.

Abriu a porta e olhou para dentro. Suspirou aliviada ao ver que não havia ninguém no momento.

-- Olá Alex -- apoiou as duas mãos na cama e a encarou -- Jura que você não está falando? -- Deu uma risada debochada -- Sou ou não sou a mulher mais sortuda do mundo?

Abriu a bolsa e retirou uma seringa.

-- Você ouviu falar de Charles Edmund Cullen, Alex? Não? Ele é o meu ídolo. Cullen foi acusado formalmente de uns 40 assassinatos, embora os especialistas digam que as cifras reais estariam por volta de 400 vítimas.... Quando trabalhava como enfermeiro Cullen costumava assassinar a suas vítimas injetando doses elevadas de fármacos que não precisavam, como insulina e digoxina, um medicamento empregado em doentes com problemas cardíacos.

Valentina estava se preparando para injetar a medicação no soro quando a porta foi aberta bruscamente.

-- Desculpe -- o médico soltou um sorriso e pediu licença -- Preciso examinar minha paciente. Ela vai para casa amanhã.

Valentina jogou a seringa para dentro da bolsa com raiva.

-- Ela vai embora amanhã? Como assim? Ela não pode ir para casa.

-- Também acho, mas a Janaína é a responsável legal por ela. Não posso fazer nada.

Valentina saiu do quarto bufando. A sorte parecia ter lhe abandonado de vez.

-- Heitor vai me matar...

-- Quem vai te matar Valentina? - Janaína passava por ela no corredor a caminho do quarto de Alexandra.

-- Meu... chefe... - gaguejou devido ao susto.

-- Hum... - olhou desconfiada.

-- Espero que saiba o que está fazendo. Alex ainda necessita de cuidados médicos.

-- Eu sei. Quanto a isso não precisa se preocupar. Ela será muito bem assistida.

-- Fique sabendo que irei visita-la todos os dias - ajeitou a bolsa no ombro.

-- Fazer o que né. Você não é a noivinha dela? - Fez uma careta de nojo.

-- Ainda bem que você respeita o desejo da sua patroa - falou com certa ironia na voz.

-- Talvez seja por eu ser tão fiel aos seus desejos, que minha patroa confia tanto em mim, a ponto de deixar toda a fortuna dela em minhas mãos.

Valentina jogou os cabelos loiros para trás e pensou: Bruxa.

Janaína olhou para as unhas e pensou: Piranha.

 

 

No Aeroporto Manuel Quarta Punza.

 

-- Eu nunca esquecerei de você Demo -- Isabel passou a mão pelo rosto do homem.

Demo puxou-a para perto, tomou-lhe a boca num beijo profundo e ousado.

Depois de algum tempo, Isabel afastou-se e sorriu sem jeito, fez um gesto de despedida e saiu correndo em direção a sua liberdade.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nome: rhina (Assinado) · Data: 20/05/2018 13:03 · Para: Capitulo 10

 

Bruxa......piranha......kkkkkkk

Tudo preste a acontecer 

Vidas que se cruzam.....idas e vindas. ...pessos novas...pessoas antigas....linhas invisíveis que se cortam....

Rhina



Nome: lucy (Assinado) · Data: 17/07/2016 03:41 · Para: Capitulo 10

belo capítulo, e uffa Valentina não consegui concluir a tentativa de assassinato

isabel estará logo de volta, e tem que se cuidar aquele Bob affz idiota bjs xau



Nome: NatySilver (Assinado) · Data: 28/12/2015 06:51 · Para: Capitulo 10

Aí o Demo até que tirou uma casquinha kkkkkk



Nome: Lekanto (Assinado) · Data: 07/11/2015 12:28 · Para: Capitulo 10

Você sempre fazendo eu me emocionar! Parece que a Giovana ainda não tomou conhecimento de sua passagem, ou foi só impressão?  Linda a cena de despedida da Janaina. 

Senti um futuro clima entre Jana e Simone?

O Bob é mesmo um cafajeste, mas felizmente a Isabel encontrou pessoas dispostas a ajudá-la. 

 

Anciosa pelo próximo capítulo. 

Bom fim de semana. Fique na paz de.Deus.



Resposta do autor:

Olá querida. Vocêe está certíssima. O Bob é mesmo um cafajeste. Ele não vai desistir da Isabel. Simone e Janaína...será? Beijos, beijos, beijos...



Nome: Kynha87 (Assinado) · Data: 07/11/2015 03:28 · Para: Capitulo 10

Não queria acreditar que a Giovanna tivesse morrido :'(

Sabia que esse crapula do Bob tinha armado pra Isabel

Espero que a Alex e a Bel se encontrem logo.....

Beijos.



Resposta do autor:

Oi meu anjo. O encontro está próximo. Te encontro lá. Bjã.



Nome: Jay16 (Assinado) · Data: 07/11/2015 01:48 · Para: Capitulo 10

Não sei ser fico triste pela Alex esta assim ou alegre pela a Isa esta voltando por Brasil. Mais ainda no Brasil ela não vai ta segura :-(... Louca pra saber como foi o preiro encontro da Isa com a Alex, e Jana com a Simone vai rola muitos trechos de livros rsrsrs 

Posso ta longo por favor...

Ótimo fim de semana...:-))



Resposta do autor:

Oi amore. Tudo bem? Apartir do capítulo 12 o bicho vai pegar. Aguarde. Beijocas.



Nome: Silvia Moura (Assinado) · Data: 07/11/2015 01:15 · Para: Capitulo 10

Boa noite irmã!

Que semana longa, mas nada do que um capítulo recheado do que é melhor me fazer entrar no trilho... esperando ansiosa esse encontro... fica com Deus, que ele proteja a nós todos... bjhs linda...



Resposta do autor:

Olá meu anjo iluminado. Minha irmã fraterna cheia da luz de Deus. Apartir do capítulo 12 iniciará uma nova fase da estória. Espero que seja do seu agrado. Que Deus te ilumine sempre. Bjs.



Nome: graziela (Assinado) · Data: 06/11/2015 23:22 · Para: Capitulo 10

Muita peninha da Jana,  tendo que lidar com a morte do seu amor e ainda com a amiga que não reage.  😒 



Resposta do autor:

Olá meu querido anjo. A Jana ainda vai passar por muitas situações tristes. Infelizmente. Bjã.



Nome: lia-andrade (Assinado) · Data: 06/11/2015 20:22 · Para: Capitulo 10

Amei, Janaina esta sendo muito forte. E que momento difícil para Alex e ainda tem Valentina tentando fazer mal a ela. Ansiosa para que dê tudo certo na fuga da Isa. 

Beijos, até o próximo. 



Resposta do autor:

Oi Lia. Tudo bem com você minha querida? A Jana terá que ser muito forte pois as suas tribulações estão apenas começando. Bjs bjs bjs. Até.



Nome: Pietra (Assinado) · Data: 06/11/2015 19:38 · Para: Capitulo 10

Vandinha!

Li esse capítulo com o coração na mão. Isabel, tentando fugir e sendo beijada por Demo kkkkkk, e Alex quase virando estrelinha. Que Valentina duzinfernos, hein? Ainda bem que Jana está por perto.

Ainda teve o enterro... Muitas emoções, Vandinha! kkkkk 

Adorando muito, mais muito mesmo. Louca para o primeiro encontro. Será um encontro meio único, já que nossa Alex está debilitada... Acho que ela ficou se sentindo culpada pela morte da amiga!

 

Até o próximo!



Resposta do autor:

Olá minha querida. Apartir do capítulo 12 teremos uma nova fase, agora sim com as duas iniciando um relacionamento. Vamos ver no que dá. Bjã.



Nome: NayGomez (Assinado) · Data: 06/11/2015 17:22 · Para: Capitulo 10

Janaína se deu muito bem com a Simone neeh?!  😍 Isabel tem que mudar de vida como o Demo  pensoou, se continuar  na mesma ou é morte ou volta para Angola...



Resposta do autor:

Simone e Jana... será? Bjã Nay.



Nome: Luh kelly (Assinado) · Data: 06/11/2015 17:16 · Para: Capitulo 10

Que triste a morte da Giovanna, mas a vida continua foi emocionante quando Jana a beijou e disse jamais esquecê - la. Caramba e esse estado catatonico da Alex, foi por pouco que essa desgraçada ñ a matava. É impressão minha ou rolou um infimo clima entre Jana e Simone, elas poderiam dar certo. E Isabel espero que ela largue de uma vez por todas essa vida de programas. 

Muitos beijos linda e foi mal ñ comentar no capítulo anterior, mais cá estou novamente pra ñ mais sumir.

Um maravilhoso Fim de semana pra ti querida ;)



Resposta do autor:

Acho bom mesmo, né Luh. Sinto falta de vocês. Beijos, beijos, beijos...



Nome: lenna11 (Assinado) · Data: 06/11/2015 17:05 · Para: Capitulo 10

Essa Valentina é msm uma desgraçada, e Isabel voltando oh glória vem completa o trio de enfermeiras! 



Resposta do autor:

Enfim, o encontro! Bjã Lenna.



Nome: patty-321 (Assinado) · Data: 06/11/2015 16:38 · Para: Capitulo 10
Desgraçada a valentina. Dó da jana. E a isabel ainda nao de tocoud merda q e a vida dela? Otima estória van. Mais uma. Bj

Resposta do autor:

Obrigada querida! Beijos, beijos, beijos... 



Você deve fazer login ou se cadastrar para comentar.